Etimologia de Curitiba

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

etimologia de Curitiba é o conjunto de étimos desenvolvidos durante a época do Brasil Colônia, quando o atual estado do Paraná foi dividido entre a Capitania de Paranaguá e a República do Guairá. O primeiro nome dado ao pequeno povoado, que posteriormente se transformaria em vilacidade e capital, foi oficialmente Nossa Senhora da Luz e Bom Jesus dos Pinhais. Era chamada pelo nome de Campos Gerais ou Campos de Curitiba, a região onde a povoação foi instalada. Durante os primórdios, o topônimo Curitiba, apesar de conhecido, não era adicionado ao lugar. Durante o despacho do requerimento para o qual os habitantes da localidade eram dirigidos em 1693, por determinação de Mateus Martins Leme, foi datado seu despacho de Pinhais e não de Curitiba. Só depois de instituída a vila é que a população passou a chamar a mesma através do nome oficial de Vila de Nossa Senhora da Luz e Bom Jesus de Curitiba, com o desaparecimento, assim, da palavra Pinhais, que substituiu-se por Curitiba.[1]

Até pouco recentemente era duvidoso, não somente como a palavra Curitiba originou-se, mas também quanto às suas raízes etimológicas e o que o significa de verdade na linguagem corrente. Os autores, ocupados no assunto, com a apresentação de estudos e interpretações do nome, não distinguiram nada a respeito de caso Curitiba é uma palavra derivada das línguas tupi ou guarani.[1]

Foi aplicável ao velho professor Aryon Dall'lgna Rodrigues, na magnificência da publicação do trabalho na mídia curitibana, em 1952, que reproduziu posteriormente na edição especial de Ilustração Brasileira, que comemorou o primeiro centenário da emancipação política do Paraná, em dezembro de 1953, a definição de que língua o topônimo é derivado, sendo interpretada exatamente a sua etimologia.[1]

Primeiramente, há a necessidade de distinguir corretamente entre as línguas nativas tupi e guarani, que não são sinônimas. Em síntese, o professor Aryon Dall'Igna Rodrigues, que expressou brilhantemente a cultura do Paraná, opinou com esclarecimento e balizamento a respeito das raízes etimológicas do vocábulo Curitiba, tema de muita controvérsia na época:[1]

A diferença entre o tupi e o guarani antigos não é muito grande; era possível mesmo, a intercompreensão dos indivíduos que falavam uma e outra língua. Se bem que se manifeste também no vocabulário e na morfologia, a diferença é principalmente fonética, isto é, de pronúncia.

A s tupi corresponde h em guarani: tupi só "ir", guarani hó; tupi seté corpo "dêle", guarani hété; a pw tupi corresponde kw em guarani; tupi pwã "dedo da mão" guarani kwã,· tupi pwerab "sarar", guarani kwerá; a k tupi corresponde g guarani; tupi kutúk "ferir", guarani kutúg; tupi mondók "cortar", guarani mondóg etc.

Justamente por ser pequena a diferença entre as duas línguas, torna-se difícil, às vêzes, saber se um nome provém de uma outra, pois seria idêntico em ambas.

Quando se trata de topônimos porém, o conhecimento da área de distribuição geográfica de cada idioma remove, ao menos em parte, essa dificuldade. Sabendo-se que o Paraná estêve compreendido dentro da área guarani - e não tupi -, a origem de seus nomes deve ser procurada no guarani e não no tupi (não se está considerando, é claro, o caso de nomes provenientes de línguas indígenas não pertencentes à família tupi-guarani, como o caingangue).

 

Com a análise de como originou-se, desenvolveu-se e formou-se o nome que se deu à capital do Paraná, Aryon menciona o autor, o que foi argumentado e considerado, explicando a situação real do problema posicionado na literatura e na ciência:[1]

Para o nome Curitiba, entretanto, não só a região em que ocorre indica ser oriundo do guarani. O estudo de seu étimo confirma que é palavra de origem guarani e que não pode ser interpretada como sendo tupi. O étimo evidente de Curitiba é kur ity ba; palavra do guarani antigo que significa "pinheiral", derivada que é do nome kur í, que ocorre na forma kur iy, registrada no século XVII pelo padre Montoya, e que propriamente significa "árvore kur í", têrmo com que era designado o pinheiro; a significação própria dessa árvore.

O maior é neste caso equivalente ao sufixo português - ai. Mas, enquanto o guarani antigo possui um nome especial para o pinheiro, dá-se também que o tupi antigo não apresenta nenhuma denominação de elementos - ty'ba é um sufixo abundancial, conforme o mais antigo dicionário do tupi antigo até hoje publicado, o "Vocabulário da Língua Brasílica", de autor anônimo, registra, para traduzir o português "pinhão" e "pinheiro", respectivamente, pinã e pinãy'ba.

Esta última palavra é formada de pinã, evidente portuguesismo, e o tupi teve de emprestar do português o nome pinhão, é evidente que não possuía têrmo próprio para designar a planta, o que, aliás, é muito natural, pois a Araucaria brasiliensis tem seu habitat limitado ao sul, coincidindo com o domínio guarani, e é desconhecida para o norte, onde se falava o tupi".

 

Em tais condições e, diante de tanta força no que uma autoridade no assunto argumenta, como é o caso do eminente professor Aryon Dall'lgna Rodrigues, graças a ele não há mais qualquer dúvida sobre o que originou, desenvolveu e o quer dizer o nome da cidade de Curitiba, capital do Estado do Paraná.[1]

É uma palavra derivada da língua guarani e não da língua tupi, como certos escritores e historiadores têm em geral aceito. Certos tratadistas, ao ser definida e estudada a questão, tiveram omissão quanto ao idioma a que o termo é pertencente.[1]

Nos livros O Tupi na Geografia Nacional, escrito por Teodoro Sampaio, e Toponomástica Indígena do Paraná, escrito por Romário Martins, não foi mencionada a língua de onde é derivada a etimologia da palavra Curitiba, embora estas publicações interpretem e definam a mesma coisa.[1]

É destacado, ainda, que os indígenas já conheciam a palavra e usavam nestas paragens (Campos Gerais de Curitiba), quando os primeiros bandeirantes vindos de Portugal e Espanha ali foram estabelecidos, mesmo que a futura povoação já chamou-se Nossa Senhora da Luz e Bom Jesus dos Pinhais.[1]

A denominação dos habitantes naturais do município é curitibanostopônimo de um município localizado no estado vizinho de Santa Catarina, isto é, o município de Curitibanos, que os antigos habitantes de Curitiba fundaram.[1]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d e f g h i j FERREIRA, Jurandyr Pires (1959). Enciclopédia dos Municípios Brasileiros. 31. Rio de Janeiro: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. p. 204