Etimologia popular

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Etimologia popular, pseudoetimologia ou ainda paretimologia[1] é uma interpretação popular equivocada da origem de uma determinada palavra, por vezes de divulgação muito mais comum que a real formação etimológica, normalmente disseminada pela facilidade em sua explicação pelo uso de alegorias e história simplificadas.

Exemplos de palavras modificadas pela etimologia popular[editar | editar código-fonte]

Em português[editar | editar código-fonte]

Palavra Etimologia popular Etimologia verdadeira
Cesariana derivado do imperador Júlio César, que teria sido o precursor da prática do caedo -is, cecidi, caesum, caedere, também presente na palavra francesa
ciseaux (tesoura), e na inglesa scissors (tesoura).[2] Outra evidência é o
uso do procedimento de parto antes mesmo da época de Júlio César.
Assim teria vindo à luz Cipião, o Africano.[3]
Enfezar (verbo) ato de tirar alguém do sério- fazer raiva- enfezá-lo do latim infensare, "opor-se a alguma coisa com vigor, hostilizar"[4].
Forró corruptela do inglês for all ("para todos") redução de forrobodó, provável tipo de baile ibérico[4].
Lisboa Olissipo, Olisipona teria sido fundada por Ulisses (Odisseia) o estabelecimento de Lisboa antecede qualquer presença grega.
O topônimo tem provável origem fenícia ou pré-românica.[5]
Maite, Maitê
(prenome)
do tupi-guarani "coisa feia" ou do basco máite (="amor") hipocorístico do prenome composto Maria Teresa,
tais como Maju para Maria Júlia, Malu (ou Milu) para Maria Lúcia (Maria Luísa ou Maria de Lurdes), Mafê para Maria Fernanda, Mitó para Maria Antónia (ou Maria Antônia) e Mazé (ou Mizé) para Maria José[6].
Paelha (paella) da expressão pá ella ("pra ela") "frigideira larga" (do francês antigo paele, poêle)[4].
Sincero (adjetivo) do latim sine cera (sem cera, sem máscara de cera) do latim sincerare (volta puro)[2][7].

Referências

  1. Francesco Perono Cacciafoco; Francesco Cavallaro (2015). «Diachronic Toponomastics and Language Reconstruction in South-East Asia According to an Experimental Convergent Methodology: Abui as a case study» (PDF). Roménia: West University of Timisoara. Review of Historical Geography and Toponomastics. X (19-20): 29-47. Consultado em 20 de julho de 2018. 
  2. a b ERNOUT, Alfred; MEILLET, Antoine (1967), Dictionnaire étymologique de la langue latine [Dicionário etimológico da língua latina] (em francês), Paris: Klincksieck .
  3. NASCENTES, Antenor, Dicionário etimológico da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1932.
  4. a b c Houaiss, Antônio, Dicionário da Língua Portuguesa .
  5. FAURE SABATER, Roberto (2004), Diccionario de nombres geográficos y étnicos del mundo [Dicionário de nomes geográficos e étnicos do mundo] (em castelhano), Madrid: Espasa .
  6. FAURE SABATER, Roberto (2002), Diccionario de nombres propios [Dicionário de nomes próprios] (em castelhano), Madrid: Espasa .
  7. COROMINES, Joan (1954), Diccionario crítico etimológico de la lengua castellana [Dicionário crítico etimológico da língua castelhana] (reimpressão) (em castelhano), Madrid: Gredos .

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre linguística ou um linguista é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.