Eucaristia no Luteranismo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
A vidraça da Sagrada Comunhão na Igreja Evangélica Luterana Evangélica de São Mateus em Charleston, Carolina do Sul.
Luteranismo
Lutherrose.svg
Selo de Lutero
 Luteranismo portal

A Eucaristia no Luteranismo (também chamado de Missa, o Sacramento do Altar, a Ceia do Senhor, a Mesa do Senhor, a Sagrada Comunhão, o partir do Pão e o Santíssimo Sacramento[1][2]) refere-se a memória litúrgica da última ceia. Os luteranos acreditam na presença real de Cristo na Eucaristia, afirmando a doutrina da união sacramental, "em que o corpo e sangue de Cristo estão verdadeiramente e substancialmente (vere et substantialiter) presentes, oferecidos e recebidos com (cum) o pão e o vinho."[3]

Base bíblica[editar | editar código-fonte]

Martinho Lutero (como muitos) consideram que a principal base para a Eucaristia (bem como a presença real) pode ser encontrado em Mateus 26:26–28, Marcos 14:22–24, Lucas 22:19-20 e 1 Coríntios 11:23-29.

Crenças[editar | editar código-fonte]

Uma nota sobre a presença real na Igreja Mikael Agricola, em Helsinque.

Os luteranos acreditam que o Corpo e Sangue de Cristo estão "verdadeiramente e substancialmente presente em, com e sob as formas" do pão e o vinho (os elementos) consagrados,[4] de modo que comungantes comem e bebem, tanto os elementos como o verdadeiro Corpo e Sangue de Cristo[5] no Sacramento da Eucaristia sejam eles crentes ou descrentes.[6][7] A doutrina Luterana da Presença Real é conhecida também como a união sacramental.[8][9] Esta teologia foi formalmente pela primeira vez e declarada publicamente no Concorde de Wittemberg (1536).[10] Ela também tem sido chamada de "consubstanciação", mas a maioria dos teólogos luteranos rejeitam o uso deste termo, pois ele cria confusão com a doutrina  anterior de mesmo nome.[11] Alguns luteranos acreditam na consubstanciação.[12] Os luteranos usam o termo "dentro, com e sob as formas de pão e vinho consagrados" e "união sacramental" para distinguir seu entendimento da Eucaristia dos reformados e de outras tradições.

O uso do sacramento[editar | editar código-fonte]

Para os luteranos, a Eucaristia não é considerada um sacramento válido, a menos que os elementos sejam usados de acordo com a ordem de Cristo e instituição (consagração, distribuição e recepção). Isto foi formulado pela primeira vez no Concorde de Wittenberg de 1536 na fórmula: Nihil habet rationem sacramenti extra usum um Christo institutum ("Nada tem o caráter de um sacramento além do uso instituído por Cristo").[13] Para remover qualquer escrúpulo de dúvida ou superstição, o reliquiæ tradicionalmente são consumidos, derramados na terra ou reservados (veja abaixo). Na maioria das congregações luteranas, a administração da comunhão privada dos doentes e "encerramento" (aqueles que são fracos para atender aos serviços) envolve um serviço completamente separado da Eucaristia para a qual os elementos sacramentais são consagrados pelo celebrante.[14]

Hoje, muitas igrejas luteranas oferecem a Eucaristia semanal, enquanto outros oferecem uma frequência menor. Casamentos e funerais, por vezes, incluem a celebração da Eucaristia nas igrejas luteranas. Na ordenação de pastores/padres e a consagração de bispos, a Eucaristia é sempre oferecido.

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. An Explanation of Luther's Small Catechism, (LCMS), question 285")
  2. Lutheran Eucharist names. Arquivado em 21 de dezembro de 2009, no Wayback Machine. Retrieved 2009-08-18.
  3. Gassmann, Günther. Fortress Introduction to the Lutheran Confessions (em English). [S.l.]: Fortress Press. p. 112. ISBN 9781451418194  |access-date= requires |url= (help)
  4. An Explanation of Luther's Small Catechism, (LCMS), question 291)
  5. (cf. Confissão de Augsburgo, Article 10)
  6. ("manducatio indignorum": "eating of the unworthy")
  7. An Explanation of Luther's Small Catechism, (LCMS), question 296")
  8. Formula of Concord Solid Declaration VII.36-38 (Triglot Concordia, 983, 985 [1]; Theodore G. Tappert, The Book of Concord: The Confessions of the Evangelical Lutheran Church, (Philadelphia: Fortress Press, 1959), 575-576.
  9. Weimar Ausgabe 26, 442; Luther's Works 37, 299-300.
  10. Formula of Concord Epitiome VII, 7, 15; FC Formula of Concord Solid Declaration VII, 14, 18, 35, 38, 117; Triglot Concordia, 811-813, 977, 979, 983-985, 1013.
  11. F.L. Cross, ed., The Oxford Dictionary of the Christian Church, second edition, (Oxford: Oxford University Press, 1974), 340 sub loco.
  12. J.T. Mueller, Christian Dogmatics: A Handbook of Doctrinal Theology, (St. Louis: CPH, 1934), 519; cf. also Erwin L. Lueker, Christian Cyclopedia, (St. Louis: CPH, 1975), under the entry "consubstantiation".
  13. Lutheran Theology Arquivado em 19 de julho de 2011, no Wayback Machine. Retrieved on 2009-08-19
  14. [2] at www.ctsfw.net. Retrieved 2010-06-07.