Euclydes Camargo Madeira

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde janeiro de 2014). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde setembro de 2017).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Euclydes Camargo Madeira

Euclydes Camargo Madeira (Tietê, 26 de abril de 1907 — Tietê, 22 de abril de 2000) foi um escritor, farmacêutico, político e professor brasileiro.

Formação[editar | editar código-fonte]

Euclydes Camargo era filho do professor Francisco Assis Madeira e de Franklina Carolina de Camargo Madeira. Esportista nato. Seu primeiro time de futebol, infanto-juvenil, foi o Guarani Futebol Clube. Sempre trabalhou pelo esporte na cidade onde nasceu.

Seu primeiro emprego, aos treze anos, foi na “Farmácia Central” de Boanerges Alves de Lima. As dezessete anos foi para São Paulo trabalhar no antigo Banco Comercial do Estado de São Paulo.

Em 1930 diplomou-se farmacêutico pela Escola de Farmácia e de Odontologia de Itapetininga. Estabeleceu-se com farmácia durante quinze anos na terra natal.

Na Revolução de 1932 apresentou-se como voluntário, lutando para o Sexto Batalhão de Caçadores, na frente Sul, em Buri. Lecionou Biologia na Escola Normal, hoje Escola “Plínio Rodrigues de Moraes”. Foi vereador pela Câmara Municipal de Tietê. Exerceu também a profissão de agropecuarista em Maristela (município de Laranjal Paulista) e Rondonópolis.

Escritor[editar | editar código-fonte]

Aos treze anos compôs a primeira poesia: “A pétala de rosa”. Sempre colaborou em jornais locais e de outras cidades com poesia, crônicas e contos. Teve muitos artigos publicados no jornal O Estado de S. Paulo.

Homenagens[editar | editar código-fonte]

Foi agraciado com o Diploma da Medalha da Constituição, Diploma da Sociedade Brasileira de Heráldica e Medalha D. Pedro I, o Proclamador. Recebeu, por votação unânime, a primeira Medalha de Pirapora de Curuçá e o Diploma de Gratidão da Cidade de Tietê, prêmios instituídos pela Câmara Municipal em 25 de maio de 1981.[1]

Euclydes foi casado com Celina Fleury Madeira, também escritora e poetisa. Tiveram três filhos, onze netos e seis bisnetos.

Obras publicadas[editar | editar código-fonte]

  • Pedras do meu garimpo (poesia);
  • Um teatro por acaso (romance);
  • Numa noite de São João (poema);
  • Excertos de uma epopéia (opúsculo);
  • O Professor de Urussanga (depoimento);
  • Tietê – terra dos apelidos e contos selecionados (a história, vida e os apelidos);
  • Na terra de Cornélio Pires (a história, os imigrantes, os “causos” e mais apelidos);
  • Amores que se encontram (homenagem e romance);
  • Contos, Anedotas e Piadas.

Referências

  1. Câmara Municipal de Tietê (6 de dezembro de 2010). «RESENHA DA 28ª Sessão Ordinária». Consultado em 13 de janeiro de 2012 


Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.