Eugene Kaspersky

Este é um artigo bom. Clique aqui para mais informações.
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Eugene Kaspersky
Евгений Касперский
Outros nomes Eugene Kaspersky
Conhecido(a) por Co-fundar a Kaspersky
Nascimento 4 de outubro de 1965 (56 anos)
Nacionalidade russo
Cônjuge Natalia Kaspersky (c. 1986–98)
Filho(a)(s) 4[1]
Alma mater Escola Superior da KGB
Ocupação Presidente e CEO da Kaspersky Lab
Prêmios Prêmio Estatal da Federação Russa

Eugene Valentinovitch Kaspersky (em russo: Евгений Валентинович Касперский; Novorossiysk, União Soviética, 4 de outubro de 1965), é um especialista russo em cibersegurança e CEO da Kaspersky, uma empresa de segurança de tecnologia da informação (TI) com 4 mil funcionários. Foi co-fundador da Kaspersky Lab em 1997 e ajudou a identificar casos de ciberguerra patrocinada pelo governo como chefe de pesquisa. Tem defendido um tratado internacional que proíbe a guerra cibernética.

Kaspersky se formou na Faculdade Técnica da Escola Superior da KGB em 1987 com um diploma em engenharia matemática e tecnologia da computação.[2] Seu interesse em segurança de TI começou quando seu computador de trabalho foi infectado com o vírus Cascade em 1989 e ele desenvolveu um programa para removê-lo. Ajudou a desenvolver a Kaspersky Lab por meio de pesquisas de segurança e vendas. Kaspersky se tornou o CEO em 2007 e permanece no cargo atualmente.[3]

Início da vida[editar | editar código-fonte]

Kaspersky nasceu em 4 de outubro de 1965,[4][5] em Novorossisk na Rússia Soviética.[6][7] Ele cresceu perto de Moscou,[5] para onde se mudou aos nove anos.[8] Seu pai era engenheiro e sua mãe uma arquivista histórica.[8][7] Quando criança desenvolveu um interesse precoce por matemática[9][10] e tecnologia.[11] Com isso passava seu tempo livre lendo livros de matemática e ganhou o segundo lugar em uma competição de matemática[5] aos 14 anos.[7] Quando tinha quatorze anos, Kaspersky começou a frequentar o internato A. N. Kolmogorov, administrado pela Universidade de Moscou, especializado em matemática.[9][11][12] Ele também era membro da divisão juvenil do Partido Comunista da União Soviética.[8][a]

Aos 16 anos, Kaspersky entrou em um programa de cinco anos com a Faculdade Técnica da Escola Superior da KGB,[17] que preparou oficiais de inteligência para os militares russos e para a KGB.[9][10] Formou-se em 1987[17] em engenharia matemática e tecnologia da computação.[6][10] Após se formar na faculdade, serviu ao serviço de inteligência militar soviético[8] como engenheiro de software.[4][12] Kaspersky conheceu sua primeira esposa Natalia Kaspersky em Severskoe, um resort de férias da KGB, em 1987.[4]

Kaspersky Lab[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Kaspersky

Origens[editar | editar código-fonte]

Central da empresa Kaspersky.

O interesse de Kaspersky pela segurança de tecnologia da informação (TI) começou em 1989, quando seu PC foi infectado pelo vírus Cascade,[18][19] enquanto trabalhava para o Ministério da Defesa.[20] Estudou como o vírus funcionava[17] e desenvolveu um programa para removê-lo.[18] Depois disso, continuamente encontrou novos vírus e desenvolveu software para removê-los, como um hobby.[17][19] No início, o software antivírus de Kaspersky tinha apenas 40 definições de vírus e era distribuído principalmente para amigos.[4]

Em 1991, Kaspersky foi liberado antecipadamente do seu serviço militar[8] e deixou o Ministério da Defesa para trabalhar no Centro de Tecnologia da Informação de uma empresa privada KAMI, a fim de trabalhar em seu produto antivírus em tempo integral.[4][12] Lá, ele e seus colegas melhoraram o software[4] e o lançaram como um produto denominado Antiviral Toolkit Pro em 1992.[9][12] No início, o software era adquirido por cerca de dez clientes por mês. Ganhou cerca de 100 dólares por mês, principalmente de empresas na Ucrânia e na Rússia.[18][10] A então futura esposa de Kaspersky, Natalia Kaspersky, tornou-se sua colega de trabalho na KAMI.[12]

Em 1994, a Universidade de Hamburgo, na Alemanha, deu ao software de Kaspersky o primeiro lugar em uma análise competitiva de software antivírus.[9][10][12] Isso levou a mais negócios para Kaspersky de empresas europeias e americanas.[10][21] A Kaspersky Lab foi fundada três anos depois por Kaspersky, sua esposa e amigo de Kaspersky, Alexey De-Monderik.[8][b] Natalya, que pressionou Eugene para iniciar a empresa, era a CEO, enquanto Eugene era o chefe de pesquisa.[4] No ano seguinte, o vírus CIH (também conhecido como vírus Chernobyl) benefíciou os produtos de antivírus da Kaspersky, que Kaspersky disse ser o único software na época que poderia limpar o vírus.[4] Conforme a Wired, "seu software era avançado para a época". Por exemplo, foi o primeiro software a monitorar vírus em uma quarentena isolada.[17]

A empresa de Kaspersky cresceu rapidamente no final dos anos 1990. De 1998 a 2000, a sua receita anual cresceu 280% e em 2000 quase 60% das receitas eram internacionais.[24] Em 2000, tinha uma equipe de 65 pessoas, começando com 13 em 1997.[4] O produto antivírus foi renomeado para Kaspersky Antivirus em 2000, depois que uma empresa americana começou a usar o nome original do produto, que não era registrado.[20][24]

Descobertas de ameaças[editar | editar código-fonte]

Como chefe de pesquisa,[9] Kaspersky escreveu artigos sobre vírus e foi a conferências para promover o software.[25] Era frequentemente citado na imprensa de tecnologia como um especialista em antivírus.[4] Audou a estabelecer a Global Research and Expert Analysis Team (GRaAT) da empresa, que ajuda empresas e governos a investigar ameaças à segurança de TI.[17] Inicialmente, Kaspersky disse a sua equipe para não discutir o terrorismo cibernético publicamente, para evitar dar ideias aos governos sobre como sabotar os seus oponentes políticos. Depois que o filme americano Live Free or Die Hard (também conhecido como Die Hard 4.0) (2007) foi lançado, Kaspersky disse que a ideia agora era pública.[26] Ele contratou o pesquisador que identificou o worm Stuxnet, que se acredita ser a primeira instância de arma cibernética patrocinada pelo estado.[17][27] Posteriormente, a empresa expôs o vírus Flame a pedido da União Internacional de Telecomunicações. Acredita-se que o vírus tenha sido usado para ciberespionagem em países do Oriente Médio.[17][19][27]

A Kaspersky Lab desenvolveu uma reputação por descobrir ameaças de segurança cibernética.[28][29] Em 2015, Kaspersky e a Kaspersky Lab descobriram um grupo de hackers conhecido como Carbanak que roubava dinheiro de bancos. Eles também expuseram o Equation Group, que desenvolveu spyware avançado para monitorar o uso do computador e que se acreditava ser afiliado à Agência de Segurança Nacional dos Estados Unidos.[29] Conforme o The Economist, foram essas descobertas, a "habilidade de vendas implacável" de Kaspersky e o produto antivírus da empresa que tornaram a Kaspersky Lab incomum como uma empresa russa reconhecida internacionalmente.[4][29]

CEO[editar | editar código-fonte]

Kaspersky tornou-se CEO da Kaspersky Lab em 2007.[9] No início de 2009, CRN disse que a sua personalidade contribuiu para o crescimento da empresa de "relativa obscuridade para agora estar atrás dos seus rivais maiores e mais conhecidos". Na época, a Kaspersky Lab era a quarta maior empresa de segurança de endpoint. Ela introduziu novos produtos para o mercado corporativo e expandiu os seus programas de canal.[30]

Em 2011, Kaspersky decidiu não abrir o capital da empresa, dizendo que isso tornaria o processo de tomada de decisão lento e impediria investimentos de P&D de longo prazo. Isso levou a uma série de afastamentos do pessoal do alto escalão da empresa, incluindo a sua ex-esposa e co-fundador.[25][29][31] Outra série de desligamentos ocorreu em 2014 devido a divergências sobre como administrar a empresa.[31]

A Kaspersky Lab se defendeu contra reivindicações de patentes supostamente frívolas de forma mais agressiva do que a maioria das empresas de TI. Em 2012, foi a única das 35 empresas indicadas em uma ação do troll de patentes de Proteção e Autenticação de Informações (IPAC) a levar o caso ao tribunal, em vez de pagar uma taxa. O caso foi decidido em favor de Kaspersky.[32] Também em 2012, outra empresa, a Lodsys processou a Kaspersky e 54 outras empresas por violação de patente, e esse caso também resultou na desistência do requerente contra Kaspersky.[33] De acordo com um artigo da TechWorld, a aversão da empresa em resolver essas reivindicações é mais provável porque Eugene "simplesmente odeia" trolls de patentes. Em seu blog, ele os chamou de "parasitas" e "extorsionários de TI".[34]

O próprio Kaspersky é coautor de várias patentes, incluindo uma para um sistema de segurança baseado em restrições e atributos para controlar a interação de componentes de software.[35]

Em 2012, Kaspersky estava trabalhando no desenvolvimento de software para proteger a infraestrutura crítica, como usinas de energia, da guerra cibernética.[25]

Em 2015, a Kaspersky Lab empregava mais de 2.800 pessoas.[18]

Vigilância[editar | editar código-fonte]

Kaspersky em 2011, durante conferência de Londres sobre o ciberespaço.

Kaspersky é influente entre políticos e especialistas em segurança.[25] Alertou sobre a possibilidade de uma guerra cibernética que tenha como alvo a infraestrutura crítica. Em conferências, tem defendido um tratado internacional de guerra cibernética,[9][25] que proibiria ataques cibernéticos patrocinados pelo governo.[19]

Após o ataque ao Stuxnet, Kaspersky propôs que a internet precisava de mais regulamentação e policiamento. Uma ideia era ter algumas partes da Internet anônimas, enquanto áreas mais seguras requerem a identificação do usuário. Ele argumentou que o anonimato beneficia principalmente os cibercriminosos e hackers.[36] Por exemplo, o acesso a uma rede de usina nuclear pode exigir uma identidade verificada por meio de um passaporte digital.[17][27]

Kaspersky disse que o anonimato na Internet pode ser protegido por meio de um proxy, por meio do qual um órgão internacional responsável mantém um registro de quais identidades online correspondem a quais identidades do mundo real. Por exemplo, a identidade de uma pessoa seria revelada em casos de atividade maliciosa.[8] Alguns especialistas em segurança acreditam que um banco de dados centralizado das identidades do mundo real dos usuários da Internet seria "um desastre de privacidade e um alvo altamente atraente para ladrões".[8] The Age disse que "soa muito parecido com um cenário do Big Brother"[8] e a Wired disse que as opiniões de Kaspersky estavam altamente alinhadas com a agenda do governo russo.[17][7]

Muitas organizações têm considerado reduzir a privacidade para melhorar a segurança como resultado dos argumentos de Kaspersky.[17] Em uma entrevista mais recente ao Slashdot, Kaspersky disse que a internet deveria ser dividida em três zonas: uma zona vermelha para votação, banco online e outras "transações críticas" que exigiriam um ID da Internet; uma zona cinza que pode exigir apenas verificação de idade para acessar o site, mas não de identidade; e uma zona verde para blogs, notícias e "tudo relacionado à sua liberdade de expressão". Ele propõe "proxies especiais" para sites da zona vermelha que permitem a divulgação da identidade do usuário apenas no caso de suspeita de fraude.[37]

Controvérsias[editar | editar código-fonte]

Supostas afiliações com a inteligência russa[editar | editar código-fonte]

O trabalho anterior de Kaspersky para os militares russos e sua educação em uma faculdade técnica patrocinada pela KGB gerou polêmica sobre se ele usa sua posição para promover os interesses do governo russo e os esforços de inteligência.[27][38] De acordo com Kaspersky, as alegações de conexões suspeitas com agências russas começaram depois que conseguiu os seus primeiros clientes na América.[25] Em grande parte da sua vida profissional, tenta fazer com que governos e organizações confiem nele e em seu software, apesar das alegações.[28]

A Wired disse que os críticos de Kaspersky o acusam de usar a empresa para espionar usuários para a inteligência russa. As empresas de telecomunicação russas, por exemplo, são obrigadas pela lei federal a cooperar com as operações militares e de espionagem do governo, se solicitadas. Kaspersky disse que sua empresa nunca foi solicitada a adulterar o software de espionagem[17] e chamou as acusações de "paranoia da guerra fria".[39] De acordo com a Wired, funcionários da Kaspersky demonstram de forma "não convincente" que espionar usuários prejudicaria seus negócios e que esse relacionamento com o FSB russo, o sucessor do KGB, é limitado.[17] De acordo com o Gartner, "Não há evidências de que eles tenham alguma porta dos fundos em seu software ou qualquer ligação com a máfia ou estado russo... mas ainda há uma preocupação de que você não possa operar na Rússia sem ser controlado pelo partido no poder".[19] A Computing zombou de algumas das acusações mais extremas de espionagem, mas disse que seria improvável que uma empresa russa crescesse até o tamanho da Kaspersky Lab sem relacionamentos dentro do governo.[40] Jornalistas da NPR também disseram que era improvável que a Kaspersky estivesse usando seu software para espionagem, porque seria arriscado para os negócios da empresa, mas disse que Kaspersky mostrou um desinteresse incomum no cibercrime originado da Rússia.[41]

Em agosto de 2015, a Bloomberg relatou que a Kaspersky Lab mudou de rumo em 2012. De acordo com a publicação, "gerentes de alto nível saíram ou foram demitidos, os seus empregos muitas vezes preenchidos por pessoas com laços mais estreitos com os militares ou serviços de inteligência da Rússia. Algumas dessas pessoas auxiliam ativamente as investigações criminais pelo FSB usando dados de alguns dos 400 milhões de clientes".[41] Bloomberg e The New York Times também disseram que Kaspersky foi menos agressivo na identificação de ciberataques originados da Rússia do que de outros países, alegações que Kaspersky refuta.[42][19] Por exemplo, supostamente ignorou ou minimizou uma série de ataques de negação de serviço em dezembro de 2011, que foram feitos para interromper a discussão online que criticava os políticos russos.[17][7] Kaspersky também supostamente ignorou um spyware criado na Rússia, chamado Sofacy, que se acredita ter sido usado pela Rússia contra a OTAN e a Europa Oriental.[41] Por outro lado, Kaspersky também publicou informações sobre os ataques cibernéticos do Crouching Yeti na Rússia dois dias antes da Bloomberg acusá-lo de ignorar os ataques cibernéticos na Rússia.[43] Na época, a empresa havia publicado onze relatórios sobre programas russos maliciosos.[44][45] O concorrente FireEye disse que é estranho, mesmo nos Estados Unidos, investigar crimes cibernéticos perpetrados pelo próprio governo.[43]

Um artigo de março de 2015 na Bloomberg disse que um número crescente de funcionários executivos da Kaspersky Lab trabalhou anteriormente para militares russos e agências de inteligência.[46] De acordo com o News & Observer, Kaspersky "publicou uma resposta gigantesca, derrubando as acusações da Bloomberg e acusando-os de jogar fatos pela janela em prol de uma narrativa antirrussa picante".[45] O concorrente FireEye disse que muitas empresas de TI dos Estados Unidos também têm executivos que anteriormente trabalharam para agências militares e de inteligência do governo.[43] A NPR relatou que Kaspersky tem feito cada vez mais negócios com agências russas de segurança cibernética para capturar cibercriminosos.[44] Kaspersky confirmou que as agências russas estão entre os seus clientes governamentais.[29][39]

Em maio de 2017, as alegações voltaram à tona quando o diretor da Agência de Segurança Nacional dos Estados Unidos (NSA), Mike Rogers, disse a um comitê de inteligência do Senado dos Estados Unidos que a NSA estava revisando o uso do software Kaspersky pelo governo dos Estados Unidos por temer que permitiria aos serviços de inteligência russos realizar operações de espionagem ou lançar ataques cibernéticos contra a infraestrutura digital americana.[47] A ABC relatou que o Departamento de Segurança Interna emitiu um relatório secreto em fevereiro sobre possíveis conexões entre a Kaspersky Lab e a inteligência russa, e que o FBI estava investigando o assunto.[48] De acordo com o diretor da Defense Intelligence Agency (DIA), Vincent Stewart, sua agência está "rastreando Kaspersky e seu software".[48] Em um comunicado à imprensa, Eugene Kaspersky negou que seu software seja ou possa ser usado para tais fins, afirmando que "como uma empresa privada, a Kaspersky Lab não tem laços com nenhum governo, e a empresa nunca ajudou, nem ajudará, nenhum governo do mundo com os seus esforços de espionagem cibernética".[49] Ele também afirmou que os Estados Unidos não querem usar o software da sua empresa por razões políticas,[48] e chamou as alegações de "teorias da conspiração, infundadas".[50]

Kaspersky é um dos muitos "oligarcas" russos mencionados na Lei de Combate aos Adversários da América por meio de Sanções, CAATSA, sancionada pelo presidente Donald Trump em 2017.[51]

Alegada falsificação de antivírus[editar | editar código-fonte]

Em agosto de 2015, dois ex-funcionários da Kaspersky alegaram que a empresa introduziu arquivos modificados no banco de dados de antivírus da comunidade do VirusTotal para enganar os programas de seus rivais, levando-os a falsos positivos.[52] O resultado dos falsos positivos era que arquivos importantes não infectados seriam desabilitados ou excluídos. As alegações também afirmam que o próprio Kaspersky ordenou algumas das ações, visando especificamente concorrentes, incluindo empresas chinesas que ele sentiu que estavam copiando seu software.[53] E-mails datados de 2009, dois anos após Kaspersky se tornar CEO, teriam vazado para a Reuters, um dos quais teria Kaspersky ameaçando ir atrás dos concorrentes "apagando-os no banheiro", usando uma frase popularizada por Vladimir Putin.[54][55] A empresa negou as acusações.[54]

Ranking da Forbes[editar | editar código-fonte]

Kaspersky foi classificado em 1567.º lugar na "Lista dos Bilionários de 2017" da Forbes, com um patrimônio líquido de 1,3 bilhão de dólares americanos (em março de 2017).[18] Fez parte da lista pela primeira vez em 2015, quando seu patrimônio líquido atingiu 1 bilhão de dólares americanos.[18]

Vida pessoal[editar | editar código-fonte]

Kaspersky mora em Moscou, Rússia, com sua esposa e seus quatro filhos.[18][1] Ele e a sua primeira esposa se divorciaram em 1998.[17] Em 21 de abril de 2011, seu filho, Ivan, então com 20 anos, foi sequestrado. Um resgate de 4,4 milhões de dólares foi solicitado.[c] Kaspersky trabalhou com um amigo no FSB e na polícia russa para rastrear a ligação do negociante. Montaram uma armadilha que proporcionou o resgate de seu filho e a prisão de muitos dos sequestradores.[8][10][19][56] O incidente teve influência no senso de segurança pessoal de Kaspersky, que agora viaja com um guarda-costas e equipe de segurança.[25]

Kaspersky é uma das pessoas mais ricas da Rússia.[17] Seu patrimônio líquido é de cerca de 1 bilhão de dólares americanos.[9] De acordo com a Wired, "manteve a imagem de um homem selvagem com dinheiro para queimar".[17] Kaspersky tem interesse em corridas e dirige seus carros esportivos em pistas de corrida como hobby.[57] Patrocina vários "projetos científicos ou peculiares",[7] como a equipe de corrida de Fórmula 1 da Ferrari[17][58] ou escavações arqueológicas em Acrotíri (cidade pré-histórica).[59] Kaspersky possui um BMW M3.[24] Descreve-se como um "viciado em adrenalina", tendo feito caminhadas em vulcões na Rússia e reservado uma viagem ao espaço na Virgin Galactic.[25] Kaspersky viaja com frequência[25][7] e escreve sobre as suas experiências em seu blog pessoal.[24] Como hobby, também gosta de fotografia.[7]

Kaspersky é conhecido por evitar trajes formais, normalmente vestindo jeans e uma camisa.[30] Apoia projetos e competições universitárias na área de segurança de TI.[36]

Notas

  1. Oficialmente, a filiação entre os jovens estudantes russos era opcional, mas era "virtualmente obrigatória" e quase todos os jovens russos são membros de uma das divisões da juventude do Partido Comunista.[13][14][15][16]
  2. As fontes conflitam e/ou são ambíguas quanto ao número exato de engenheiros, além de Kaspersky e de sua esposa, que fundaram a empresa.[4][22][23]
  3. As fontes conflitam sobre qual o valor pedido para o resgate.[8]

Referências

  1. a b Scott, Danny (16 de agosto de 2015). «A Life in the Day of Eugene Kaspersky, Russian cybersecurity multimillionaire». The Sunday Times. Consultado em 11 de agosto de 2021. Arquivado do original em 11 de abril de 2016 
  2. Pagnamenta, Robin (14 de setembro de 2020). «Eugene Kaspersky interview: 'We don't have enough people to protect the world from cyber criminals'». The Telegraph (em inglês). ISSN 0307-1235. Consultado em 13 de dezembro de 2020 
  3. «Eugene Kaspersky». Kaspersky. Consultado em 13 de dezembro de 2020 
  4. a b c d e f g h i j k l «Salem Press Bios» (PDF). Salem Press. Consultado em 13 de dezembro de 2020. Arquivado do original (PDF) em 26 de abril de 2015 
  5. a b c «Interview: Eugene Kaspersky». Infosecurity Magazine. 17 de março de 2010. Consultado em 13 de dezembro de 2020 
  6. a b Spurgeon, Brad (6 de novembro de 2014). «Computing a Winning Formula at the Pinnacle of Racing (Published 2014)». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 13 de dezembro de 2020 
  7. a b c d e f g h MacFarquhar, Neil (10 de junho de 2016). «A Russian Cybersleuth Battles the 'Dark Ages' of the Internet (Published 2016)». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 13 de dezembro de 2020 
  8. a b c d e f g h i j k «Meet Eugene Kaspersky: the man on a mission to wage war against - and kill - the computer virus». The Age (em inglês). 31 de maio de 2013. Consultado em 13 de dezembro de 2020 
  9. a b c d e f g h i Springer, P.J. (2015). Cyber Warfare: A Reference Handbook. Col: Contemporary World Issues. [S.l.]: ABC-CLIO. p. 163. ISBN 978-1-61069-444-5. Consultado em 13 de dezembro de 2020 
  10. a b c d e f g Graham, L. (2013). Lonely Ideas: Can Russia Compete?. [S.l.]: MIT Press. pp. 93–94. ISBN 978-0-262-31739-9. Consultado em 13 de dezembro de 2020 
  11. a b Greenemeier, Larry (6 de março de 2006). «High Five». InformationWeek 
  12. a b c d e f Kshetri, N. (2014). Global Entrepreneurship: Environment and Strategy. [S.l.]: Taylor & Francis. p. 110. ISBN 978-1-317-74803-8. Consultado em 13 de dezembro de 2020 
  13. Shipler, D.K. (2012). The Rights of the People: How Our Search for Safety Invades Our Liberties. Col: Vintage Series. [S.l.]: Vintage Books. p. 387. ISBN 978-1-4000-7928-5. Consultado em 13 de dezembro de 2020 
  14. Harms, J. (2012). American Now Departed: How to Save a Life. [S.l.]: Lulu.com. p. 56. ISBN 978-1-300-48885-9. Consultado em 13 de dezembro de 2020 
  15. Shishkov, Y.; Conley, A. (2012). If Guitars Could Talk. [S.l.]: Yuriy Shishkov. p. 92. ISBN 978-0-615-58637-3. Consultado em 13 de dezembro de 2020 
  16. Sakwa, R. (2012). Soviet Politics: In Perspective (em maltês). [S.l.]: Taylor & Francis. p. 142. ISBN 978-1-134-90996-4. Consultado em 13 de dezembro de 2020 
  17. a b c d e f g h i j k l m n o p q r Shachtman, Noah (19 de abril de 2011). «Russia's Top Cyber Sleuth Foils US Spies, Helps Kremlin Pals». Wired. Consultado em 13 de dezembro de 2020. Arquivado do original em 1 de março de 2015 
  18. a b c d e f g «Eugene Kaspersky». Forbes (em inglês). Consultado em 11 de agosto de 2021 
  19. a b c d e f g Kramer, Andrew E.; Perlroth, Nicole (3 de junho de 2012). «Expert Issues a Cyberwar Warning (Published 2012)». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 13 de dezembro de 2020 
  20. a b «The Russian defence against global cybercrime». the Guardian (em inglês). 31 de janeiro de 2008. Consultado em 13 de dezembro de 2020 
  21. Bachman, Jessica (29 de abril de 2010). «The virus warrior: a start-up tale». Russia Beyond The Headlines (em inglês). Consultado em 13 de dezembro de 2020 
  22. Sambandaraksa, Don (3 de setembro de 2015). «Kaspersky wants digital passports». Bangkok Post. Post Publishing. Consultado em 13 de dezembro de 2020 
  23. Swartz, Jon (25 de novembro de 2008). «Russian Kaspersky Lab offers antivirus protection in U.S.». ABC News. Consultado em 13 de dezembro de 2020 
  24. a b c d Weissman, Cale Guthrie (16 de julho de 2015). «A look inside the insanely successful life of Russian mathematician and shrewd businessman Eugene Kaspersky». Business Insider. Consultado em 13 de dezembro de 2020 
  25. a b c d e f g h i «A tech tycoon who values privacy: Entrepreneurship». Financial Times. Consultado em 14 de dezembro de 2020. (pede subscrição (ajuda)) 
  26. Gibbs, Samuel (1 de maio de 2014). «Eugene Kaspersky: major cyberterrorist attack is only matter of time». the Guardian (em inglês). Consultado em 14 de dezembro de 2020 
  27. a b c d Wittmeyer, Alicia P. Q. «The FP Top 100 Global Thinkers». Foreign Policy (em inglês). Consultado em 14 de dezembro de 2020 
  28. a b «Would you trust Eugene Kaspersky, Russia's 'Cyber Security King'?». France 24 (em inglês). 6 de outubro de 2015. Consultado em 14 de dezembro de 2020 
  29. a b c d e «The Kaspersky equation». The Economist. 19 de fevereiro de 2015. ISSN 0013-0613. Consultado em 14 de dezembro de 2020 
  30. a b Hoffman, Stefanie (20 de fevereiro de 2009). «He's Got Kasperskonality». CRN. Consultado em 26 de janeiro de 2021 
  31. a b Finkle, Jim (2 de março de 2014). «Kaspersky Lab executives depart amid business strategy dispute». Reuters. Consultado em 26 de janeiro de 2021. Cópia arquivada em 1 de outubro de 2015 
  32. «Kaspersky Lab the only one of 35 companies to defeat IPAT patent troll». ipfrontline.com. 7 de agosto de 2012. Consultado em 23 de maio de 2016. Arquivado do original em 30 de março de 2016 
  33. Ribeiro, John (3 de outubro de 2013). «Patent troll Lodsys backs down from Kaspersky dispute». PCWorld (em inglês). Consultado em 17 de julho de 2021 
  34. E. Dunn, John (8 de outubro de 2013). «Eugene Kaspersky, patent troll killer». Techworld. War on Error. Consultado em 17 de julho de 2021. Arquivado do original em 1 de julho de 2016 
  35. «Eugene V. Kaspersky Inventions, Patents and Patent Applications - Justia Patents Search». patents.justia.com. Consultado em 17 de julho de 2021 
  36. a b Sambandaraksa, Don (3 de setembro de 2015). «Kaspersky wants digital passports». Bangkok Post. Post Publishing. Consultado em 17 de julho de 2021 
  37. Maverick, Magic (13 de dezembro de 2012). «Interviews: Eugene Kaspersky Answers Your Questions». Slashdot (em inglês). Consultado em 11 de agosto de 2021 
  38. Zetter, Kim (11 de novembro de 2014). Countdown to Zero Day: Stuxnet and the Launch of the World's First Digital Weapon (em inglês). [S.l.]: Crown/Archetype. p. 293. ISBN 978-0-7704-3618-6 
  39. a b Sonne, Paul (3 de setembro de 2013). «Data-Security Expert Kaspersky: There Is No More Privacy». Wall Street Journal (em inglês). ISSN 0099-9660. Consultado em 11 de agosto de 2021 
  40. Burton, Graeme (20 de março de 2015). «H4cked off: Is Eugene Kaspersky 'in bed' (or the sauna) with the Russian government? Derr, of course he is». Computing (em inglês). Consultado em 11 de agosto de 2021 
  41. a b c Matlack, Carol (19 de março de 2015). «The Company Securing Your Internet Has Close Ties to Russian Spies». Bloomberg. Consultado em 11 de agosto de 2021 
  42. Gothard, Peter (20 de março de 2015). «Eugene Kaspersky intensifies US vs Russia flame war, accusing Bloomberg of creating 'conspiracy theories' about his company». Computing (em inglês). Consultado em 11 de agosto de 2021 
  43. a b c Mlot, Stephanie (23 de março de 2015). «Kaspersky, Bloomberg Spar Over KGB Allegations». PC Magazine (em inglês). Consultado em 11 de agosto de 2021 
  44. a b Flintoff, Corey (10 de agosto de 2015). «Kaspersky Lab: Based In Russia, Doing Cybersecurity In The West». NPR.org (em inglês). Consultado em 11 de agosto de 2021 
  45. a b IV, Jack Smith (20 de março de 2015). «Bloomberg Vs. Kaspersky: Cybersecurity Tycoon Laughs At KGB Accusations». Observer (em inglês). Consultado em 11 de agosto de 2021 
  46. Love, Dylan (20 de maio de 2015). «'Our business is saving the world from computer villains': An interview with Eugene Kaspersky». The Daily Dot (em inglês). Consultado em 11 de agosto de 2021 
  47. «Kaspersky Lab founder denies security products being used by Russia for spying». The National. Consultado em 11 de agosto de 2021 
  48. a b c Finkle, Dustin Volz, Jim (11 de maio de 2017). «U.S. intelligence chiefs say reviewing use of Kaspersky software». Reuters (em inglês). Consultado em 11 de agosto de 2021 
  49. Burton, Graeme (10 de maio de 2017). «Eugene Kaspersky: We're not Russian secret-service spies». V3. Consultado em 11 de agosto de 2021. Arquivado do original em 24 de junho de 2018 
  50. «U.S. intel officials slam Kaspersky while CEO calls fears of Russian influence 'unfounded conspiracy theories'». CyberScoop (em inglês). 11 de maio de 2017. Consultado em 11 de agosto de 2021 
  51. «Report to Congress Pursuant to Section 241 of the Countering America's Adversaries Through Sanctions Act of 2017 Regarding Senior Foreign Political Figures and Oligarchs in the Russian Federation and Russian Parastatal Entities» (PDF). bwbx.io. 29 de janeiro de 2018. Consultado em 11 de agosto de 2021 
  52. Jackson, Joab (14 de agosto de 2015). «Kaspersky denies faking antivirus info to thwart rivals». Computerworld (em inglês). Consultado em 11 de agosto de 2021 
  53. Gallagher, Sean (14 de agosto de 2015). «Report claims Kaspersky faked malware to trip up competitors' products». Ars Technica (em inglês). Consultado em 11 de agosto de 2021 
  54. a b Menn, Joseph (14 de agosto de 2015). «Exclusive: Russian antivirus firm faked malware to harm rivals - Ex-employees». Reuters (em inglês). Consultado em 11 de agosto de 2021 
  55. Menn, Joseph (28 de agosto de 2015). «Exclusive: Russia's Kaspersky threatened to 'rub out' rival, email shows». Reuters (em inglês). Consultado em 11 de agosto de 2021 
  56. «Russian software tycoon Kaspersky's son 'missing'». BBC News (em inglês). 6 de março de 2012. Consultado em 11 de agosto de 2021 
  57. Spurgeon, Brad (6 de novembro de 2014). «Computing a Winning Formula at the Pinnacle of Racing». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 11 de agosto de 2021 
  58. Nast, Condé (2 de março de 2011). «A Declaration of Cyber-War». Vanity Fair (em inglês). Consultado em 11 de agosto de 2021 
  59. «Latest finds from Kaspersky-funded excavations at Santorini's Akrotiri settlement displayed». Naftemporiki.gr (em grego). 22 de outubro de 2018. Consultado em 11 de agosto de 2021 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Eugene Kaspersky