Eugenia nazista

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Eugenia nazista foi a política social racial da Alemanha Nazista que posicionou no centro dos interesses do governo a melhoria da raça ariana através da eugenia (ver: arianização). Os alvos foram os indivíduos marcados como "indignos de viver", como criminosos, degenerados, dissidentes, deficientes mentais, homossexuais, vadios, insanos e fracos, que deveriam ser eliminados da cadeia de hereditariedade. Mais de 400 mil pessoas foram esterilizadas, enquanto 70 mil foram mortas pelo programa Aktion T4.[1]

As opiniões de Hitler sobre a eugenia[editar | editar código-fonte]

Adolf Hitler leu sobre higiene racial durante sua prisão na prisão de Landsberg.[2]

Hitler acreditava que a nação havia se tornado fraca, corrompida por disgênicos, a infusão de elementos degenerados em sua corrente sanguínea.[3]

O racialismo e a ideia de competição, denominados darwinismo social em 1944, foram discutidos por cientistas europeus e também na imprensa de Viena durante os anos 1920. De onde Hitler pegou as ideias é incerto. A teoria da evolução era geralmente aceita na Alemanha na época, mas esse tipo de extremismo era raro.

Em seu segundo livro , que não foi publicado durante a era nazista, Hitler elogiou Esparta (usando ideias talvez emprestadas de Ernst Haeckel), acrescentando que considerava Esparta como o primeiro "Estado Völkisch". Ele endossou o que percebeu ser um tratamento eugênico inicial de crianças deformadas:

Esparta deve ser considerada o primeiro Estado Völkisch. A exposição das crianças doentes, fracas, deformadas, enfim, sua destruição, foi mais decente e na verdade mil vezes mais humana do que a miserável insanidade de nossos dias que preserva o assunto mais patológico, e na verdade a qualquer preço, mas tira a vida de cem mil crianças saudáveis ​​em consequência do controle da natalidade ou por meio de abortos, para posteriormente criar uma raça de degenerados sobrecarregados de doenças.[4]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Ian Kershaw, Hitler: A Profile in Power, Capítulo VI, primeira seção (Londres, 1991, rev. 2001)
  2. Friedman, Jonathan C., 1966- (2011). The Routledge history of the Holocaust. Abingdon, Oxon: Routledge. OCLC 708569071 
  3. Evans, Richard J. (2005). The Third Reich in power, 1933-1939. New York: Penguin Press. OCLC 61451667 
  4. Hawkins, Mike, 1946-. Social Darwinism in European and American thought, 1860-1945 : nature as model and nature as threat. Cambridge: [s.n.] OCLC 34705047 
Ícone de esboço Este artigo sobre Nazismo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.