Euglenoidea

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Mergefrom 2.svg
O artigo ou secção Euglenida deverá ser fundido aqui. (desde dezembro de 2013)
(por favor crie o espaço de discussão sobre essa fusão e justifique o motivo aqui; não é necessário criar o espaço em ambas as páginas, crie-o somente uma vez. Perceba que para casos antigos é provável que já haja uma discussão acontecendo na página de discussão de um dos artigos. Cheque ambas (1, 2) e não esqueça de levar toda a discussão quando levar o caso para a central.).
Como ler uma caixa taxonómicaEuglenóide
Ocorrência: Eoceno (53.5Ma) - actualidade[1]
Esquema de uma Euglena sp.

Esquema de uma Euglena sp.
Classificação científica
Domínio: Eukaryota
Reino: Protista
(sem classif.) Excavata
Filo: Euglenozoa
Classe: Euglenoidea
Bütschli 1884
Grupos principais
Fototróficos

   Euglenales
   Eutreptiales
Osmotróficos
   Rhabdomonadales
Fagotróficos
   ?Heteronematales
   ?Sphenomonadales

[2][3]Euglenóides ou euglenófitas são um grupo de Protistas integrantes do filo Euglenozoa (também chamado de Divisão Euglenophyta na botânica) e classe Euglenoidea, que vivem em água doce. Como exemplo desses protistas pode-se citar a Euglena viridis, que é dotada de um flagelo frontal e se reproduz por cissiparidade. Quando sua reprodução é intensa, a água pode exibir coloração esverdeada.[4]

Os gêneros Euglena e Peranema estão entre os mais familiares. O corpo é alongado com uma invaginação, o reservatório, na extremidade anterior. O citóstoma está na base do reservatório e ligado a uma citofaringe. Algumas espécies possuem vacúolo contrátil que descarrega no reservatório, e dois flagelos, cada um apresentando uma série de mastigonemas.

Origem e registro fóssil

Apesar do registro fóssil de Euglenophyta ser escasso, o fóssil mais antigo atribuído ao grupo é datado entre o meio do Ordoviciano e o Siluriano (410-460 milhões de anos atrás) e veio de ambientes de água doce próximos ao mar.

Estrutura Celular

O Phylum Euglenophyta apresenta indivíduos de organização celular eucariótica e talo sempre unicelular. Existem euglenófitos heterotróficos, fotoautotróficos facultativos e indivíduos parasitas. Os indivíduos apresentam dois corpos basais e um ou dois flagelos emergentes. Certas Euglenophyta possuem dois flagelos emergentes, enquanto que outras apresentam dois flagelos, mas apenas um deles é emergente. Essa organela emerge de uma invaginação anteriormente posicionada na célula, que consiste de uma porção estreita e tubular, chamada canal e uma câmara esférica ou piriforme, chamada de reservatório. O reservatório recebe água descarregada pelo vacúolo contráctil, que tem função osmorregulatória na célula.

O envoltório celular é constituído por uma película, que ocorre abaixo da membrana plasmática. Sua composição química é predominantemente protéica e lipídica, sendo o restante constituído de carboidratos. A película consiste de inúmeras “estrias” sobrepostas. Cada estria tem uma terminação mais fina e outra mais espessada.

Alguns euglenóides possuem uma película flexível que permite à célula apresentar um movimento característico que, no meio aquoso ou úmido, se denomina movimento euglenóide (metabolia).

Numerosos cloroplastos são encontrados nas células euglenóides usualmente têm forma discóides ou placóides com um pirenóide central. Pirenóide é uma região proteinácea dos cloroplastos, rica na enzima rubisco, e que por isto, comumente está relacionada com a formação de produtos de reserva da fotossíntese. Nos cloroplastos ocorrem três membranas, duas do envelope do cloroplasto e a mais externa, a membrana do cloroplasto retículo endoplasmático.

Os pigmentos fotossintetizantes são a clorofila a e a clorofila b e o β-caroteno, algumas euglenófitas apresentam a xantofila diadinoxantina.

Grânulos de paramilo estão presentes no citoplasma atuando como substância de reserva. Em alguns casos, a crisolaminarina pode em alguns casos substituir os gânulos de paramilo como forma de reserva.

Características especificas do grupo

Os estigmas são um conjunto de gotículas de lipídios de coloração vermelho-alaranjados, independentes dos cloroplastos e posicionados na porção anterior da célula. Há relatos de estigmas de composição variada: alguns contêm α-caroteno e sete tipos de xantofila, outros são compostos predominantemente de β-carotenos, ou de um de seus derivados, a equinona.

Todas as espécies de euglenóides que possuem um estigma e um aparato flagelar exibem fototaxia, geralmente nadando contra a luz forte (fototaxia negativa) e nadando do escuro em direção à luz (fototaxia positiva), preferindo luz de baixa intensidade. Apesar de fazer parte do processo de fototaxia, o estigma não é o fotorreceptor que responde as mudanças de luminosidade do ambiente.

Reprodução

Em Euglenophyta, a reprodução sexuada é desconhecida, A divisão celular ocorre do ápice para base e cada célula filha conserva um dos flagelos da célula-mãe, sintetizando o outro par “de novo”. Em resposta a modificações nas condições ambientais, os euglenóides podem formar cistos, que funcionam com uma fase de resistência. A formação dos cistos envolve a perda dos flagelos, aumento no número de grânulos de paramilo estocados, alteração do formato celular (torna-se uma esfera), aumento do número de corpos mucíferos e deposição externa de várias camadas de mucilagem.

Floração

As floraçãoes de Euglenophyta ocorrem em ambientes ricos em matéria orgânica e amônia. Euglena sanguinea tem sido citada por vários autores como uma espécie que, quando em floração, pode conferir coloração avermelhada a água. Esta coloração deve-se à presença de grânulos de hematocromo na célula da alga, que aumentam rapidamente em quantidade sob condições de estresse como altas temperaturas e luminosidade.

Classificação

Classe Euglenophyceae

Ordem Heteronematales - Representantes: Peranema sp.

Ordem Eutreptiales - Representantes: Eutreptia sp., Eutreptiella sp. (Estuários) e Distgma sp. (Água-doce)

Ordem Euglenales -Representantes: Euglena sp, Trachelomonas sp., Phacus sp. Colacium sp. e Astasia sp. (incolor)

Referências

  1. lee, R.E. (2008). Phycology, 4th edition Cambridge University Press [S.l.] ISBN 978-0521638838. 
  2. RAVEN, P.H.; EVERT, R.F.;EICHHORN, S.E. Biologia Vegetal. 7ª Ed. Editora Eletrônica: Nova Estrutura. 830p. 2007.
  3. ALVES-DA-SILVA, S.M.; TAMANAHA, M.S. Ocorrência de Euglenophyceae pigmentadas em rizipiscicultura na região do Vale do Itajaí, SC, Sul do Brasil. Acta bot. bras. 2008.
  4. CORREIA, D.M. Domínio Eukarya Phylum Euglenophyta. 3.p. 2016.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wiki letter w.svg Este artigo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o. Editor: considere marcar com um esboço mais específico.