Eunice Gutman

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Eunice Gutman
Nascimento 04 de fevereiro de 1941 (80 anos)
Nacionalidade brasileira
Ocupação
Atividade 1976–presente

Eunice Gutman (Rio de Janeiro, 4 de fevereiro de 1941) é uma cineasta, roteirista e editora brasileira. Foi co-roteirista de “Os Doces Bárbaros” de Jom Tob Azulay e dirigiu o curta documental “A Rocinha Tem Histórias”, vencedor do prêmio de melhor direção nos Festivais de Brasília (1985) e Gramado (1987). Foi, ainda, uma das primeiras mulheres a trabalhar com montagem no país.[1]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Antes de se dedicar ao cinema, Eunice Gutman traçou uma jornada acadêmica, foi professora primária e no começo dos anos 70 cursou sociologia na Faculdade Nacional de Filosofia. Começou sua trajetória no cinema na Bélgica, no curso de cinema da INSAS (Instituto Nacional Superior de Artes, Espetáculos e Técnicas de Difusão) de Bruxelas, onde se formou com menção honrosa, passou a trabalhar com a edição de programas de televisão belgas e franceses. Ainda nos anos 70, volta ao Brasil, onde começa a trabalhar com edição de comerciais para a TV e filmes como “Os Doces Bárbaros” (Jom Tob Azuley, 1976), onde também atuou como roteirista.[1]

No mesmo ano, estreou na direção com o documentário “E o Mundo era Muito Maior que a Minha Casa” (1976), sobre o processo de alfabetização de adultos na zona rural do Rio de Janeiro. Em seguida, realizou três curta-metragens com Regina Veiga, com destaque para “Só no Carnaval”(1982). A maior parte de sua obra se dedica a analisar o papel da mulher na sociedade. Em 1985, lançou o curta-metragem documental "A Rocinha Tem Histórias" que ganhou o prêmio de melhor direção no Festival de Brasília e Gramado [2].

Por conta de sua atuação aglutinadora junto à classe cinematográfica, Eunice Gutman foi presidente da Associação Brasileira de Documentaristas (ABD/RJ) entre 1985 e 1987, além de sócia-fundadora da ABRACI — Associação Brasileira de Cineastas [3], onde participa, atualmente, da diretoria. Organizou também, com outras cineastas, o Coletivo de Mulheres de Cinema e Vídeo do Rio de Janeiro.[carece de fontes?]

Entre 2005 e 2007 realizou filmes para o Projeto Memória Viva do CEDIM [4], então Conselho Estadual dos Direitos da Mulher do Rio de Janeiro. E em março de 2015 recebeu o Prêmio Leolinda Daltro, em sessão solene na Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro.[carece de fontes?]

Seu último filme lançado foi o longa “Luzes, Memória, Mulheres e Ação” que foi exibido na 4ª Mostra de Cinema de Mulher[5], realizada em Franco da Rocha (SP). O filme narra episódios do movimento das mulheres no Brasil e no mundo, passando por diferentes etapas de lutas, da Revolução Francesa às primeiras manifestações no início do século XX. O filme transita entre entrevistas, cenas teatrais e imagens históricas.[carece de fontes?]

Filmografia[editar | editar código-fonte]

Como Diretora[editar | editar código-fonte]

  • E O Mundo era Muito Maior que a Minha Casa (1976)
  • Com Choro e Tudo na Penha (1978)
  • Anna Letycia (1979)
  • Só no Carnaval ( 1982)
  • Vida de Mãe é Assim Mesmo? (1983)
  • A Rocinha tem Histórias (1985)
  • Duas Vezes Mulher (1985)
  • Tempo de Ensaio (1986)
  • Mulheres, Uma Outra História (1988)
  • Benedita da Silva (1990-1991)
  • Amores de Rua (1994)
  • Femenino Sagrado (1995)
  • Segredos de Amor (1998)
  • Palavra de Mulher (1999-2000)
  • Outro Lado do Amor (2000-2003)
  • Nos Caminhos Do Lixo (As Catadoras de Jacutinga) (2009)

Como Editora[editar | editar código-fonte]

  • Intimidade (1975)
  • Os Doces Bárbaros (1977)
  • O Samba da Criação do Mundo (1979)
  • O Bandido Antônio Dó (1980)
  • Corações a Mil (1981)
  • O Mágico e o Delegado (1983)

Referências

  1. a b Susana Fuentes (2016). «Um novo olhar para o envelhecimento na obra de Eunice Gutman». Revista Graphos. 18 (1): 66-75. ISSN 1516-1536. Consultado em 29 de outubro de 2020 
  2. Rocinha Tem Histórias, Cinemateca Brasileira.
  3. Gutman
  4. Memória Viva do CEDIM homenageia Maria Prestes, O Saquá, 18 de abril de 2011
  5. memória, mulheres e ação (RJ), Medium, 15 de março de 2019