Eurasian Natural Resources Corporation

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Translation Latin Alphabet.svg
Este artigo ou seção está a ser traduzido de «wp:ERNC» na Wikipédia em inglês. Ajude e colabore com a tradução.


Eurasian Natural Resources Corporation (ERNC)
Razão social Eurasian Natural Resources Corporation PLC
Empresa privada
Atividade Metais e Mineração
Fundação 1994, na forma atual desde 2006
Sede Luxemburgo
Empregados Mais de 72,000 (2011)[ENRC 1]
Produtos Ferrocromo, Ferroliga, Minério de ferro, Alumina, Alumínio, Carvão, Geração de energia, Cobre, Cobalto
Empresa-mãe Bahia Mineração S.A., Mineração Minas Bahia S.A., Mineração Peixe Bravo S.A.
Lucro US$ (374) milhões (2012)[ENRC 2]
Faturamento US$ 6,320 milhões (2012)[ENRC 2]
Renda líquida US$ (852) milhões (2012)[ENRC 2]
Website oficial www.enrc.com

Eurasian Natural Resources Corporation PLC (ENRC) (LSE: ENRC) é uma corporação multinacional que concentra suas atividades no Cazaquistão e na África central.[1] Sua sede era em Londres, no Reino Unido e foi mudada para Luxemburgo.[ENRC 3] Suas atividades englobam a mineração, metalurgia, energia, logística e marketing.

A ENRC foi formada em 1994, durante as privatizações no Cazaquistão,[ENRC 4] listada na Bolsa de Valores de Londres em 2006 e removida em 2013. Na Bolsa de Valores do Cazaquistão a empresa também não é negociada.

Atualmente a ENRC pertence à holding Eurasian Resources Group (ERG).

Um de seus representantes no Brasil é a Bahia Mineração S.A., principal empresa interessada na construção do Porto Sul, que tem sido considerado uma grave ameaça à mata atlântica do sul da Bahia.[2]

Outras empresas do grupo no Brasil são a Mineração Minas Bahia S.A. (MIBA) e a Mineração Peixe Bravo S.A. (MPB).

História[editar | editar código-fonte]

O patrimônio da empresa foi constituído em meados dos anos 1990, no processo de privatização ocorrido no Cazaquistão.[3]

A forma atual da companhia foi estabelecida em 2006, como parte de uma reorganização dos negócios do grupo.[ENRC 5] Em um relatório obrigatório, a ENRC alegou uma receita de US $ 3.256 milhões para o exercício findo em 31 de dezembro de 2006 e US $ 1.856 milhões para os seis meses findos em 30 de junho de 2007. Até então ENRC era "sexto maior exportador mundial de minério de ferro em volume e o quinto maior fornecedor de alumina negociados por volume."

Logo após, em dezembro de 2007, as ações da empresa flutuaram em torno de 20% de seu valor patrimonial na Bolsa de Londres.[3]

Em dezembro de 2009 a Companhia concluiu a aquisição da Central African Mining Exploration Company (CAMEC).[4] As operações da CAMEC incorporaram os ativos de cobre e cobalto na República Democrática do Congo, os projetos de desenvolvimento de carvão em Moçambique, bauxita no Mali, platina no Zimbabwe e fluorita na África do Sul, assim como transportes por caminhões e logística de negócios no continente africano.[ENRC 6] A Mina de Mukondo da CAMEC pode ser a reserva de cobalto mais rica do mundo. Cobre de Mukondo é refinado na usina Luita, com capacidade prevista de 100 mil toneladas por ano de cobre.[5] Em julho de 2009 a CAMEC anunciou um acordo de longo prazo sob o qual CAMEC iria entregar toda a sua produção anual do cobalto concentrado de Mina de Mukondo para a Zhejiang Galico Cobalt & Nickel Materiais da China.[6]

Em fevereiro de 2010 a ENRC adquiriu 90% da participação na Chambishi Metals PLC,[7] uma instalação de fundição em Zâmbia, em conjunto com a participação em 100% da Comit Resources FZE,[8] empresa de marketing e vendas com sede em Dubai que historicamente tem tratado das vendas de cobre e cobalto vendas da Chambishi. Em agosto de 2010 empresa adquiriu 50,5% da Camrose Resources Limited ('Camrose'). Camrose era dona de cinco licenças de mineração de alta qualidade de cobre e cobalto na República Democrática do Congo (RDC).[ENRC 6] Elas incluem o projeto de rejeitos Kolwezi, que o Governo da RDC tinha confiscado de First Quantum Minerals (FQM). FQM gastou C$ 750 milhões para desenvolver o projeto de Kolwezi. A ENRC pagou 175 milhões dólares por sua participação maioritária na Camrose.[9]

Em setembro de 2010 a ENRC adquiriu 50% da Bahia Mineração S.A. e, em outubro de 2010, 100% da Mineração Minas Bahia S.A. (MIBA) e 51% da Mineração Peixe Bravo SA (MPB).[10]

Em março de 2013 a ENRC foi forçada a assumir US $ 1,5 bilhões em perdas devido em grande parte a uma ação "onerosa" registrada em contrato com a empresa de alumínio da Rússia, Rusal, à qual deve fornecer alumínio a preços abaixo do valor de mercado.[11]

Em 21 de abril de 2013, o jornal The Sunday Times revelou que três fundadores da ERNC, Alexander Mashkevitch, Patokh Chodiev e Alijan Ibragimov, estavam por trás de uma possível oferta de aquisição da ENRC.[12] Após esta notícia, três altos executivos renunciaram e um quarto anunciou uma licença de ausência. Estes incluíram o Chefe de Recursos Humanos e a Secretária da Empresa.[13] Em 23 de abril Mehmet Dalman, o presidente da ENRC, também renunciou e no dia seguinte o grupo confirmou que Gerhard Ammann, diretor não-executivo da ENRC e presidente do Banco Von Roll, um banco privado suíço, iria substituir o Dalman.[14]

O Escritório de Fraudes Sérias da Inglaterra abriu uma investigação criminal contra as práticas comerciais da ERNC em abril de 2013.[15]

O relatório anual divulgado em 30 de abril, disse que as autoridades do Reino Unido estão investigando se a ENRC infringiu as regras da Grã-Bretanha para as empresas cotadas em bolsa, especificamente em relação às aquisições realizadas na República Democrática do Congo e a venda em 2012 da empresa de manutenção ferroviária Zhol Zhondeushi para uma empresa ligada à família de um dos fundadores da ERNC.[16]

Em novembro de 2013 a ENRC se retirou da Bolsa de Valores de Londres, depois dos grupos fundadores adquirirem a empresa juntamente com o governo do Cazaquistão. Dentre os acionistas, 96,7 % aceitaram a oferta de US$ 2,65 em dinheiro e 0,23 de uma ação da Kazakhmys para cada ação da ENRC.[17]

Em fevereiro de 2014, foi relatado que a empresa teria de vender seus ativos internacionais, incluindo suas lucrativas minas de cobre na República Democrática do Congo, após os fundadores da empresa sofrerem crescente pressão para reembolsar o empréstimo que haviam feito na privatização da ENRC.[18]

Em agosto de 2014 a agência Moody's rebaixou a classificação da ERNC devido aos altos riscos financeiros e de liquidez da empresa.[19]

Operações[editar | editar código-fonte]

A ENRC opera no Cazaquistão, China, Rússia, Brasil, República Democrática do Congo, Zâmbia, Moçambique e África do Sul.[ENRC 1] O grupo é composto por 6 divisões: ferroliga, minério de ferro, alumina e alumínio, energia, outros metais não ferrosos e logística.[ENRC 7]

Composição da corporação[editar | editar código-fonte]

Em abril de 2008, os acionistas fundadores da Eurasian Natural Resources Corporation Group afirmaram que "em última análise, indiretamente e em partes iguais eram proprietários" de várias empresas: Industrial Metals Technology Limited, Chesswood Holdings Limited, Blackmore Holdings Limited, Prentice Holdings Limited, Cretown Corporate Advisory BV, International Mineral Resources BV ('IMR') Serov Ferrochrome Producer (Serov SPA).[ENRC 8] P. Chodiev, An Ibragimov e A. Machkevitch foram os acionistas fundadores da ERNC. Johannes Sittard foi o Diretor principal da ENRC e Sir David Cooksey foi o presidente não-executivo da ENRC.[ENRC 8]

Conselho diretor[editar | editar código-fonte]

O conselho diretor da ERNC é composto pelos seguintes membros:[ENRC 9]

Mehmet Dalman Presidente e diretor não-executivo
Felix Vulis Principal executivo
Zaure Zaurbekova Diretora financeira
Jim Cochrane Diretor comercial, vendas & marketing e logística
Beat Ehrensberger Conselheiro geral
Victoria Penrice Secretária da companhia
Mounissa Chodieva Diretora de investimentos & relações públicas

Propriedade[editar | editar código-fonte]

O Eurasian Resources Group (ERG) é o atual proprietário da ENRC, que opera com uma empresa privada.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «ENRC Swings To Net Loss After $1.54 Billion Charge». Base Metals Highlights: Top Stories of the Day:. 20 de março de 2013 
  2. Fabíola Ortiz (4 de Dezembro de 2014). «Em Ilhéus, ambientalistas combatem o Porto Sul». O eco. Consultado em 8 de Dezembro de 2014 
  3. a b Polya Lesova (13 de novembro de 2007). «Kazakhstans Eurasian Natural Resources to list on LSE». MarketWatch. Consultado em 23 de março de 2013  Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome "MarketWatch20071113" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes
  4. «ENRC Africa offer for CAMEC has 93.55% acceptance». Ibtimes.co.uk. 8 de dezembro de 2009. Consultado em 18 de abril de 2011 
  5. «CAMEC - The Cobalt Champion» (PDF). International Mining. Julho de 2008. Consultado em 18 de novembro de 2011 
  6. Amy Witherden (6 de julho de 2009). «Daily podcast - July 6, 2009». Mining weekly. Consultado em 15 de novembro de 2011 
  7. «ENRC buys 90% of Zambian copper and cobalt producer Chambishi Metals». Financial Times. 20 de fevereiro de 2010. Consultado em 8 de dezembro de 2014. Arquivado do original em 1 de março de 2011 
  8. «ENRC buys central African smelter». Free-kaz.org. Consultado em 18 de abril de 2011. Arquivado do original em 26 de julho de 2011 
  9. Loni Prinsloo (9 de setembro de 2010). «ENRC defends DRC acquisition, hits back at First Quantum». Consultado em 8 de novembro de 2011 
  10. «Mining Journal – ENRC acquisitions». Consultado em 19 de outubro de 2010. Arquivado do original em 30 de setembro de 2011 
  11. Emma Rowley (21 de março de 2013). «ENRC dragged to loss by £1bn of write-downs». UK: Daily Telegraph. Consultado em 23 de março de 2013 
  12. Danny Fortson. «Tycoons plot to grab ENRC on the cheap». The Sunday Times. Consultado em 23 de abril de 2013 
  13. Guthrie, Jonathan (18 de abril de 2013). «Three more executives leave ENRC». FT.com. Consultado em 23 de abril de 2013 
  14. ENRC chairman quits besmirched miner Financial Times, 24 April
  15. Simon Goodley, Mark Hollingsworth, Rupert Neate (25 de abril de 2013). «ENRC: Serious Fraud Office launches criminal investigation». UK: The Guardian. Consultado em 25 de abril de 2013 
  16. ENRC warns shareholders of more questions on Congo Reuters, 30 April 2013
  17. ENRC Founders Plan Nov. 25 Delisting as 96.7% Accept Bid Bloomberg, 25 October 2013
  18. ENRC could sell precious DRC mines to repay costly debt, International: Reuters, 2014 
  19. «Moody's assigns B3 CFR and B3-PD to Eurasian Resources Group Sarl; negative outlook». Moody's. 27 de agosto de 2014. Consultado em 9 de dezembro de 2014 

Publicações da empresa

  1. a b «Key facts». ENRC. Consultado em 24 de março de 2012. Arquivado do original em 21 de março de 2012  Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome "glance" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes
  2. a b c Preliminary Results 2012[ligação inativa]
  3. «Eurasian Resources Group (ERG) is a Luxembourg-based natural resources company. It incorporates the assets of former FTSE-100 group, ENRC PLC, which it acquired in November 2013.». Consultado em 9 de dezembro de 2014. Arquivado do original em 16 de maio de 2008 
  4. «Group Overview». ENRC. 2013. Consultado em 8 de dezembro de 2014. Arquivado do original em 2 de março de 2013 
  5. «ENRC Prospectus: PricewaterhouseCoopers LLP report 2006-June 2007 Eurasian Natural Resources Corporation PLC, 16 St James's Street, London and Deutsche Bank AG, London Branch» (PDF). 2007. Consultado em 8 de dezembro de 2014. Arquivado do original (PDF) em 3 de março de 2016 
  6. a b «ENRC history». Enrc.com. Consultado em 18 de abril de 2011. Arquivado do original em 28 de maio de 2011 
  7. «ENRC Divisions». ENRC. Consultado em 23 de março de 2013. Arquivado do original em 21 de maio de 2013 
  8. a b «ENRC Regulatory News». Russia: ENRC. 4 de abril de 2008. Consultado em 23 de março de 2013 
  9. «ENRC Group Overview». Enrc.com. Consultado em 18 de abril de 2011. Arquivado do original em 26 de maio de 2011 

Links externos[editar | editar código-fonte]

Portal A Wikipédia tem o portal: