Eurocentrismo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Mapa do globo terrestre com o Meridiano de Greenwich: exemplo de visão eurocêntrica.[1]

O eurocentrismo é uma visão de mundo que tende a colocar a Europa (assim como sua cultura, seu povo, suas línguas, etc.) como o elemento fundamental na constituição da sociedade moderna, sendo necessariamente a protagonista da história do homem.[2]

Veiculação[editar | editar código-fonte]

A crítica acadêmica sugere que a ideologia eurocêntrica vem sendo sistematicamente difundida por diferentes veiculações: na literatura, cinema, artes, música e na política.[3]

Rediscussões[editar | editar código-fonte]

Alguns autores como, por exemplo, Jack Goody, apontam que o eurocentrismo é um sistema ideológico para dar sustentação à passada colonização territorial e a atual colonização cultural. Jack Goody, no livro O Roubo da História, sustenta que muitos inventos e costumes, proclamados como inventados/criados na Europa, na verdade foram copiados e até roubados de outros povos e civilizações, como a filosofia, a democracia e outros.[4]

Referências

  1. Abril. «Visão eurocêntrica». Revista Escola. Consultado em 5 de setembro de 2015 
  2. «Eurocentrismo». Mundo Educação. Consultado em 5 de setembro de 2015 
  3. GOODY, Jack. O Roubo da História: como os europeus se apropriaram das invenções e ideias do oriente. São Paulo; contexto, 2010.
  4. «O roubo da história: Antropólogo fundamental, Jack Goody ataca a superioridade do Ocidente e diz que democracia e capitalismo já existiam no Oriente». Folha de S. Paulo. 31 de agosto de 2008. Consultado em 15 de junho de 2021