Saltar para o conteúdo

Eurocopter AS350 Ecureuil

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
AS 350 Écureuil/AStar
Helicóptero
Eurocopter AS350 Ecureuil
Um helicóptero Esquilo de uso militar
Descrição
Tipo / Missão Helicóptero utilitário leve
País de origem  França
Fabricante Aérospatiale
Eurocopter
Airbus Helicopters
Helibras
Período de produção 1975-presente
Custo unitário US$ 2 milhões (AS350 B2)
US$ 2.3 milhões (AS350 B3)
Primeiro voo em 26 de junho de 1974 (50 anos)
Introduzido em 1975
Tripulação 1 - piloto
Passageiros 5
Especificações
Dimensões
Comprimento 10,93 m (35,9 ft)
Altura 3,14 m (10,3 ft)
Área do(s) rotor(es) 89,75  (966 ft²)
Diâmetro do(s) rotor(es) 10,7 m (35,1 ft)
Peso(s)
Peso vazio 1 174 kg (2 590 lb)
Peso máx. de decolagem 2 250 kg (4 960 lb)
Propulsão
Motor(es) 1x Turbomeca Arriel 2B
Potência (por motor) 847 hp (632 kW)
Performance
Velocidade máxima 245 km/h (132 kn)
Alcance (MTOW) 662 km (411 mi)
Autonomia 4,1 h(s)
Teto máximo 4 600 m (15 100 ft)
Razão de subida 8,5 m/s
Notas
Versão armada
2 lançadores de foguetes SBAT de 70 mm (2,8 in) ou 2 casulos de metralhadoras 7,62 mm (0,30 in) ou 2 casulos de metralhadoras 12,7 mm (0,50 in)

O Eurocopter AS350 Écureuil (ou Esquilo), hoje Airbus Helicopters H125, é um helicóptero utilitário leve originalmente desenvolvido pela Aérospatiale e Eurocopter, hoje Airbus Helicopters. É fabricado no Brasil pela Helicópteros do Brasil S.A (Helibras) com a nomenclatura HB350 B.[1] Segundo a Helibras, a nacionalização é de 43%.[2]

Desenvolvimento

[editar | editar código-fonte]

Nos anos 1970, a Aérospatiale iniciou um programa para substituir o Aérospatiale Alouette II.[3] Enquanto o Aérospatiale Gazelle, que havia sido desenvolvido nas décadas de 1960 e 1970, havia recebido inúmeros pedidos de clientes militares, as vendas comerciais do modelo foram menores do que o esperado, surgindo assim a necessidade de um desenvolvimento voltado para o setor civil.[3]

O desenvolvimento da nova aeronave de asa rotativa, liderado pelo engenheiro-chefe René Mouille, tinha como foco a produção de um helicóptero econômico e eficiente em termos de custos, sendo assim, os departamentos de Produção e Aquisição da Aérospatiale estiveram fortemente envolvidos no processo de design.[3] Uma das medidas adotadas foi o uso de uma estrutura de chapas laminadas, uma técnica de fabricação adaptada da indústria automobilística. Outra inovação foi o rotor principal recém desenvolvido, chamado Starflex. Também foi decidido que novas variantes, tanto civis quanto militares, seriam desenvolvidas para atender aos requisitos militares estabelecidos.[3]

Em 27 de junho de 1974, o primeiro protótipo, um AS350C equipado com um motor turboeixo Lycoming LTS101, realizou seu voo inaugural em Marignane, na França.[4] O segundo protótipo, equipado com um Turbomeca Arriel 1A, fez seu voo inaugural em 14 de fevereiro de 1975.[3][5] A versão com motor Arriel, o AS350 B, destinada a vendas em todo o mundo, exceto na América do Norte, recebeu certificação na França em 27 de outubro de 1977, enquanto o AS350 C (ou AStar) com motor Lycoming foi certificado pela Administração Federal de Aviação dos Estados Unidos (FAA) em 21 de dezembro de 1977. Em março de 1978, as entregas para clientes começaram para o AS350B, e as entregas do AS350 C começaram em abril de 1978.[6]

Com o tempo, o Esquilo passou por desenvolvimentos adicionais. Embora o design da aeronave permaneça amplamente similar, aspectos como o sistema de rotor, motores e aviônica foram progressivamente aprimorados. Em 6 de fevereiro de 1987, um protótipo do AS350 B2 voou com um rotor de cauda tipo fenestron em substituição ao convencional. Em 1.º de março de 1997, o primeiro AS350 B3, equipado com um motor Arriel 2B, realizou seu primeiro voo.[3]

Programas de conversão e complementos para o AS350 têm sido produzidos e são oferecidos por empresas aeroespaciais terceirizadas no mercado de reposição, além daqueles disponíveis diretamente pelo fabricante principal do modelo. Variantes do AS350 B com motor Arriel, AS350 BA, AS350 B1, AS350 B2 e AS350 B3, foram introduzidas progressivamente. O modelo B3 mais recente difere dos modelos anteriores pelo uso crescente de sistemas digitais, como o conjunto de aviônica G500H fabricado pela Garmin e o sistema de controle do motor FADEC.[7]

Antes de 2013, o modelo era fabricado principalmente nas instalações da Eurocopter em Marignane, perto de Marselha, França. Como parte de um movimento da empresa para dispersar suas atividades de produção de helicópteros, a Eurocopter optou por iniciar a produção e montagem final do AS350 em sua fábrica em Columbus, Mississippi, para entregas ao mercado de helicópteros comerciais dos EUA. O AS350 tem sido o produto mais vendido da Eurocopter no mercado estadunidense, com um modelo sendo vendido a cada dia útil.[8][9] Em março de 2015, o primeiro AS350 B3e montado em Columbus recebeu sua certificação da FAA.[10] Em dezembro de 2015, a Airbus Helicopters anunciou a intenção de dobrar a taxa de produção do AS350 em Columbus, com a instalação capaz de produzir até 65 AS350 por ano.[11]

O AS350 é um helicóptero de motor único, equipado com o Lycoming LTS101 ou Turbomeca Arriel,[a] que aciona um rotor principal de três pás, equipado com uma cabeça de rotor Starflex. O tipo é conhecido por seu desempenho em altitudes elevadas e tem sido usado por operadores em ambientes desafiadores.[12] Tanto o rotor principal quanto o rotor de cauda são feitos de materiais compostos e são projetados para minimizar a corrosão e os requisitos de manutenção.[13]

Um AS350 B2 nos alpes suícos, 2006

O AS350 também foi desenvolvido para cumprir os requisitos de ruído em locais povoados. Os níveis de ruído na cabine são baixos o suficiente para que os passageiros possam conversar facilmente durante o voo. A aeronave também pode ser rapidamente ligada e desligada, o que é frequentemente útil durante missões de serviços de emergência médica.[14] Ele é equipado com controles de voo assistidos hidraulicamente: esses controles permanecem operacionais, embora exijam um esforço físico maior, no caso de uma falha hidráulica.[15]

Grande parte da aviônica do AS350 é fornecida pela Garmin, como o indicador de desvio de curso GI 106A, o receptor VHF/VOR GNS 430, o transponder GTX 327 modo A e C e o intercomunicador GMA 340H.[16] O Display Multifuncional de Veículo e Motor (VEMD) e o Indicador de Limite Principal (FLI) servem para aumentar a segurança da aeronave durante o voo, reduzindo o número de instrumentos que precisam ser monitorados pelo piloto e, assim, reduzindo sua carga de trabalho.[17] Para maior suavidade no voo, o que afeta positivamente o conforto dos passageiros, bem como a segurança, sistemas de aumento de estabilidade podem ser instalados. Aeronaves de produção mais recente apresentam novos aviônicos e sistemas, como a integração de um Sistema Automático de Controle de Voo (AFCS) e piloto automático, um glass cockpit com três displays de cristal líquido (LCD) e aviônicos digitais, como o sistema de mapeamento de terreno com visão sintética e a console central Multibloc da Airbus, na qual os rádios podem ser instalados.[18][19]

O AS350 tem se mostrado popular em uma variedade de funções: várias configurações de cabine podem ser usadas, entre quatro e seis passageiros em uma configuração de assentos típica, e grandes portas deslizantes podem ser instaladas em ambos os lados da cabine. Em alguns operadores, os objetos da cabine foram projetados para permitir que o espaço interno e o equipamento sejam rapidamente reconfigurados, possibilitando a mudança de função da aeronave.[20]

Histórico operacional

[editar | editar código-fonte]
Um HB350 do Exército Brasileiro

Até 2011, mais de 300 helicópteros estavam em operação no Brasil, incluindo no porta-aviões NAe São Paulo (A-12).[21][22][23] Desde 1984, a Marinha do Brasil utiliza os AS350 para apoiar o Programa Antártico Brasileiro.[24] A Helibras, a subsidiária integral da Eurocopter no país, fabricava até 70% dos 600 helicópteros utilizados em território nacional até 2012.[25][26] Em janeiro de 2011, a Helibras assinou um contrato com o Exército Brasileiro para atualizar e reformar substancialmente a frota de 36 AS350 Ecureuil.[27] É carinhosamente chamado de "Tudão"[28] ou "Faz Tudo",[29] pela sua versatilidade em realizar uma grande gama de operações.[28]

Marinha do Brasil

[editar | editar código-fonte]

A Aviação Naval incentivou a produção de helicópteros do Brasil e foi o primeiro operador nacional do Esquilo. A primeira encomenda foi de seis modelos HB350, alocados no 1.º Esquadrão de Helicópteros de Emprego Geral (HU-1) em São Pedro da Aldeia, recebidos entre 1979 e 1980.[30][23] Outras três aeronaves foram adquiridas em 1983.[31][23]

Com o sucesso da operação dos Esquilos pela Marinha, em 1983, foi anunciada a aquisição de um lote de 10 unidades AS355 F2, com oito unidades designadas para integrar o 7.º e 8.º Grupo de Aviação, estabelecido na Base Aérea de Manaus.[32] Eles seriam destinados a realizar diversas missões na região amazônica, em conjunto com os CH-34 Super Puma.[32]

Na Marinha, os HB 350BA são denominados como UH-12 Esquilo.[33] Já os AS355 F2, são denominados UH-13 Esquilo.[34]

Em outubro de 2006, a Marinha do Brasil doou um modelo Esquilo para a Marinha do Uruguai, em cerimônia realizada em Montevidéu sob a presença do presidente do Uruguai na época, Tabaré Vázquez.[35][36]

As unidades do HB350 são utilizadas como helicópteros utilitários no 1.º Esquadrão de Helicópteros de Emprego Geral (HU-1), em São Pedro da Aldeia,[29] 3.º Esquadrão de Helicópteros de Emprego Geral (HU-3), em Manaus,[37][38] 4.º Esquadrão de Helicópteros de Emprego Geral (HU-4), em Mato Grosso do Sul,[39][40] e no 5.º Esquadrão de Helicópteros de Emprego Geral (HU-5), no Rio Grande do Sul.[41][41]

Força Aérea Brasileira

[editar | editar código-fonte]
Um HB350 da Força Aérea Brasileira

Um total de 30 aparelhos HB350 B foram adquiridos pela Força Aérea Brasileira,[1] operando a partir de 1986 como UH-50.[42][43]

O primeiro grupo aéreo a receber o UH-50 foi o 1.º/11.º GAV, em 10 de outubro de 1986.[42] No ano seguinte, foi a vez do 2.º/8.º GAV.[44] Também em 1987, a Academia da Força Aérea e a Base Aérea de Anápolis receberam uma aeronave UH-50 cada.[1]

Hoje, as 26[45] unidades restantes são usadas principalmente nas atividades de instrução aérea no 1.º/11.º Grupo de Aviação[46] e pela Equipe SAR da Academia da Força Aérea,[47] em Pirassununga, esta última era a aeronave do 2.º/8.º Grupo de Aviação.[48][b]

Exército Brasileiro

[editar | editar código-fonte]

Com a recriação da Aviação do Exército do Brasil, em 1986, foram adquiridos inicialmente 16 HA-1 Esquilo. A aeronave recebeu seu "batismo de fogo" em 1991, no âmbito da Operação Traíra,[49] uma ofensiva conjunta das Forças Armadas brasileiras e colombianas contra as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia na fronteira, ao lado do HM-1 Pantera.[50][51] Eles levaram suprimentos à base no rio Traíra, transportaram o 1.º Batalhão Especial de Fronteira e infiltraram e exfiltraram patrulhas do 1.º Batalhão de Forças Especiais. A operação revelou a necessidade de introduzir regras de voo por instrumentos, navegação por GPS e uma base de aviação na Amazônia.[52][53]

Em meados dos anos 2000, o HA-1 mostrou-se útil no reconhecimento após a instalação do Sistema Olho de Águia, com uma câmera e antena instaladas abaixo do piso e conectadas aos decisores militares em terra.[54]

Em agosto de 2022, o Exército Brasileiro operava 34 unidades do modelo AH-1A Fennec, sendo 16 no Centro de Instrução da Aviação do Exército (CIAvEx), em Taubaté, 12 no 1.º Batalhão de Aviação do Exército (1.º BAvEx), também em Taubaté, e 6 no 3.º BAvEx, em Campo Grande.[55]

No Brasil, diversas polícias estaduais utilizam o Esquilo operacionalmente no combate ao crime. O destaque é a Polícia Militar do Estado de São Paulo, no CAvPM/SP "João Negrão",[c] onde a maior frota brasileira dessas aeronaves, 24,[58] é utilizada e tem o dever de apoiar todas as unidades da PMESP.[59] Já a Polícia Civil do Estado de São Paulo, no SAT, possuía 4 aeronaves Esquilo até 2015,[60] uma delas, o primeiro Esquilo blindado do Brasil para uso policial.[61] No Ceará, o modelo é operado pela Coordenadoria Integrada de Operações Aéreas (Ciopaer), divisão de segurança da Polícia Militar do Ceará, que possui 2 aparelhos.[62] No Rio Grande do Sul, a Brigada Militar do Rio Grande do Sul opera com 2 aeronaves.[63]

O Estado Português adquiriu em 2007 4 helicópteros Eurocopter AS350 B3 Ecureuil para o combate a incêndios florestais,[64] sendo operados pela empresa pública EMA - Empresa de Meios Aéreos até 2014, data em que esta empresa foi extinta devido a cortes orçamentais.[65] Após 2014, estes helicópteros do Estado Português passaram a ser reparados e operados por empresas particulares no combate a incêndios. Em 2018 a gestão dos meios aéreos de combate a incêndios passou a ser gerida pela Força Aérea Portuguesa,[66] podendo estes helicópteros virem a ser incorporados no inventário de meios aéreos da Força Aérea, à semelhança do que aconteceu aos 6 Kamov Ka-32 em 2022.[67]

Dos 4 AS350 B3 adquiridos pelo estado Português, 3 estão em operação e um sofreu um acidente em 2015, não havendo vítimas mortais a registar.[68][69][70]

Recorde de altitude

[editar | editar código-fonte]

No dia 14 de maio de 2005, o piloto de testes Didier Delsalle decolou de Lukla, Nepal para definir o recorde mundial de pouso mais elevado já realizado, descendo com um Eurocopter AS350 Squirrel sobre o topo do monte Everest, situado a 8.848 metros de altitude em relação ao nível médio do mar. Após ficar no topo do mundo por três minutos e cinquenta segundos, Delsalle decolou de volta ao aeroporto de Lukla.[71]

Restos carbonizados de um AS350, prefixo LN-OFU, acidentado em Skoddevarre, Noruega.

No dia 29 de dezembro de 2005, um helicóptero AS350 B2 Esquilo, batizado Águia 4, prefixo PP-EDJ, da Coordenadoria Integrada de Operações Aéreas (Ciopaer) da Polícia Militar do Estado do Ceará, sofreu um grave acidente enquanto retornava de uma missão de patrulhamento aéreo em Fortaleza-CE, quando por motivos ainda desconhecidos, perdeu potência e altitude vindo a cair em um matagal. O piloto chegou a arremeter jogando o helicóptero para cima, mas a manobra de emergência não surtiu efeito e o aparelho caiu de uma altura de 40 metros em direção ao solo. Todos os três ocupantes policiais morreram na queda.

Em 10 de fevereiro de 2010 o helicóptero de notícias Esquilo Águia Dourada, da Rede Record, sofreu uma pane e caiu no Jockey Club, em São Paulo. Havia dois tripulantes, sendo estes o piloto, que faleceu na hora da queda, e o tripulante Alexandre Silva de Moura, cinegrafista da emissora, que ficou internado em estado grave.[72] O cinegrafista conseguiu sobreviver ao acidente.

No dia 17 de junho de 2011, o helicóptero Esquilo, prefixo PR-OMO, decolou de Porto Seguro, por volta das 18h, com destino a Trancoso, mas caiu no mar minutos antes do pouso; morreram na queda todos passageiros e tripulante.[73]

No dia 27 de outubro de 2013, o helicóptero Esquilo prefixo PT-HZQ decolou de Ilheus, Bahia, às 19h34min, a fim de realizar um voo de treinamento local. Com cerca de 12 minutos de voo, houve a perda de controle em voo da aeronave, que se chocou contra o solo. Devido a baixa altitude, o piloto e os dois passageiros saíram ilesos.[74]

No dia 7 de junho de 2014, o helicóptero HB-350BA Esquilo, prefixo PT-YJJ, caiu logo após decolar, em Aruanã, Goiás. Todos os cinco tripulantes faleceram, entre eles o ex-jogador Fernandão. O laudo pericial do Cenipa divulgado somente em 18 de janeiro de 2016, apontou que a causa do acidente foi erro humano do piloto. Os tripulantes eram Milton Ananias, coronel aposentado da Polícia Militar e quem pilotava a aeronave, Antônio de Pádua, primo do ex-governador de Goiás, Marconi Perillo, Edmilson de Sousa Lemes, cabo da PM e presidente da Câmara Municipal de Palmeiras de Goiás, Lindomar Mendes Vieira, funcionário da Fazenda e o ex-jogador Fernando Lúcio da Costa.[75]

No dia 19 de novembro de 2016, o helicóptero Esquilo AS 350B3 caiu durante uma operação da PM na Cidade de Deus, Rio de Janeiro, até então classificada pelo governo como "pacificada".[76] Não havia, até o dia 21 de novembro, apuração da real causa da queda. A manutenção do helicóptero estava em dia[77] e o modelo não era blindado.[78] Todos os 4 policiais militares que estavam a bordo morreram no local e todos eles tinham experiência de mais de 1 década na corporação, afastando a possibilidade da causa da queda ter sido erro humano.[79]

  • AS350: Protótipo.
  • AS350 Firefighter: Versão para combate a incêndios. AS350B Equipado com um motor Turbomeca Arriel 1B.
  • AS350 B: Equipada com um motor Turbomeca Arriel 1B.
  • AS350 B1: Versão aprimorada do AS350B original, equipada com um motor Turbomeca Arriel 1D, lâminas principais AS355, rotor de cauda AS355 com abas e um servo do rotor de cauda.
  • AS350 B2: Versão com peso bruto maior, equipada com um motor Arriel 1D1 em relação à versão B1, com estabilizador aerodinâmico instalado na cauda ao longo do lado estibordo e dutos de exaustão do motor angulados para melhor controle de guinada.
  • O primeiro AS350 B3 da América do Norte, adaptado para combate a incêndios
    AS350 B3: Versão de alto desempenho, equipada com um motor Turbomeca Arriel 2B e uma Unidade de Controle do Motor Digital (DECU) de canal único com sistema de backup mecânico. Este helicóptero foi o primeiro a pousar no cume do Monte Everest.[80][81][82] A variante AS350 B3/2B1 introduz um motor aprimorado com Controle Digital de Motor de Autoridade Total (FADEC) de canal duplo, sistema hidráulico duplo e um peso máximo de decolagem de 2.370 kg (5.225 lb). O AS350 B3e (introduzido no final de 2011) é equipado com o motor Arriel 2D; o AS350 B3e foi renomeado para H125.[83]
  • AS350 BA: Equipado com motor Arriel 1B e com lâminas de rotor principal AS355 de maior envergadura e servo do rotor de cauda.
  • AS350 BB: Variante AS350 B2 selecionada para atender às necessidades de treinamento de asa rotativa do Ministério da Defesa do Reino Unido, por meio da Defence Helicopter Flying School, em 1996. Equipado com um motor Arriel 1D1 de potência reduzida para melhorar o ciclo de vida dos helicópteros.
  • Eurocopter Squirrel HT.1: Designação do AS350BB operado pelo Exército Britânico, por meio da Defence Helicopter Flying School, como helicóptero de treinamento.
  • Eurocopter Squirrel HT.2: Designação do AS350BB operado pelo Corpo de Aviação do Exército Britânico como helicóptero de treinamento, baseado em Middle Wallop. Atualmente aposentado.
  • AS350 C: Variante inicial da versão com motor Lycoming LTS-101-600A2 desenvolvida para o mercado norte-americano como o AStar. Rapidamente substituído pelo AS350D.
  • AS350 D: Equipado com um motor Lycoming LTS-101 para o mercado norte-americano como o AStar. Em algum momento, comercializado como AStar 'Mark III'.
  • AS350 L1: Derivado militar do AS350 B1, equipado com um motor turboeixo Turbomeca Arriel 1D de 510 kW (684 shp). Substituído pelo AS350 L2.
  • AS350 L2: Derivado militar do AS350 B2, equipado com um motor turboeixo Turbomeca Arriel 1D1 de 546 kW (732 shp). A designação foi substituída pelo AS550 C2.
  • HB350 B Esquilo, versão militar desarmada para a Força Aérea Brasileira. Designações brasileiras CH-50 e TH-50. Fabricado sob licença pela Helibras no Brasil.
  • HB350 B1 Esquilo, versão militar desarmada para a Marinha Brasileira. Designação brasileira UH-12. Fabricado sob licença pela Helibras no Brasil.
  • HB350 L1, versão militar armada para o Exército Brasileiro. Designação brasileira HA-1. Fabricado sob licença pela Helibras no Brasil.

Conversões pós-venda

[editar | editar código-fonte]
  • Soloy SD1: Super D AS350 BA, D equipado com um motor LTS101-600A-3A.
  • Soloy AllStar: AS350 BA equipado com um motor Rolls-Royce 250-C30. Soloy SD2 AS350 B2 equipado com um motor LTS101-700D-2.
  • Heli-Lynx 350FX1: AS350 BA equipado com um motor LTS101-600A-3A. Heli-Lynx 350FX2 AS350 BA ou AS350 B2 equipado com um motor LTS101-700D-2.
  • Otech AS350BA+: AS350 BA equipado com um motor LTS101-600A-3A.[84]

 Argentina

 Áustria

 Benim
 Bolívia

Botswana

  • Força Aérea de Botswana[89]

 Brasil

Um AS350 B2 da Polícia Militar do Estado de São Paulo pousando no Campo de Marte, São Paulo

 Burquina Fasso

  • Força Aérea de Burquina Fasso[97]

Camboja Camboja

  • Real Força Aérea do Camboja[98]

 Canadá

 Chile

 Dinamarca

Equador

Um AS350 B2 do Los Angeles Police Department (LAPD)

 Estados Unidos

 França

Gabão

  • Força Aérea do Gabão[109]

Guiné

  • Força Aérea da Guiné[110]

 Paraguai

Portugal Portugal

 Ucrânia

República Centro-Africana

  • Força Aérea Centro-Africana[116]

 Austrália

 Reino Unido

  • Escola de Defesa Aérea[119]

Especificações

[editar | editar código-fonte]
O cockpit de um HB350 B2 Esquilo da Helibras

Dados de Brassey's World Aircraft & Systems Directory 1999/2000[120]

Características gerais

[editar | editar código-fonte]
  • Tripulação: 1
  • Capacidade: 5 passageiros. Opções de 4, 5 e 6 passageiros disponíveis.[121] A configuração de 6 passageiros substitui o assento dianteiro individual por um banco de dois lugares.[122]
  • Altura: 3,145 m
  • Peso vazio: 1.174 kg (2.588 lb)
  • Peso máximo de decolagem (MTOW): 2.250 kg (4.960 lb)

Velocidade de cruzeiro: 245 km/h (152 mph, 132 kn)

Velocidade máxima: 287 km/h (178 mph, 155 kn)

Alcance: 662 km (411 mi, 357 nmi)

Autonomia: 4 horas e 6 minutos

Teto operacional: 4.600 m (15.100 pés)

Taxa de subida: 8,5 m/s (1.670 ft/min)

  1. para variantes bimotoras, veja Eurocopter AS355.
  2. Essa aeronave foi usada pelo Esquadrão Poti entre 1987 e 2009, quando foi transferida para Pirassununga.[47]
  3. Também referido como "Grupamento Águia".[56][57]

Referências

  1. a b c «Helibrás HB-350B Esquilo Monoturbina UH-50/H-50 – História da Força Aérea Brasileira». 15 de fevereiro de 2021. Consultado em 18 de maio de 2023 
  2. Benevides, Gabriel (11 de julho de 2022). «Airbus alcança a expressiva marca de 7.000 helicópteros H125 Esquilo entregues». AEROFLAP. Consultado em 18 de maio de 2023 
  3. a b c d e f "1974: AS350/355 Ecureuil/AStar- AS550/555 Fennec – EC130." Arquivado em 2015-12-26 no Wayback Machine Eurocopter, Acessado em: 25 de dezembro de 2015.
  4. Viana, Pedro (27 de junho de 2022). «Há 48 anos decolava o primeiro Aérospatiale AS350, que originou o famoso H125 Esquilo». AEROFLAP. Consultado em 18 de maio de 2023 
  5. Jackson 2003, p. 244.
  6. Taylor 1982, p. 56.
  7. Lombardi, Frank. "AStar Evolution. Arquivado em 2015-12-26 no Wayback Machine", Aviation Today, 12 de maio de 2015.
  8. «French Unions Dislike Eurocopter's U.S. AS350 Plan | Aviation Week Network». aviationweek.com. Consultado em 18 de maio de 2023 
  9. «Eurocopter to assemble AS350 aircraft in Mississippi plant - UPI.com». UPI (em inglês). Consultado em 18 de maio de 2023 
  10. "First US-made Airbus Helicopters AS350 certified. Arquivado em 6 julho 2015 no Wayback Machine", Aerospace Manufacturing and Design, 3 March 2015.
  11. «Airbus aims to ramp up H125 production in Mississippi». Vertical Mag (em inglês). Consultado em 18 de maio de 2023 
  12. Lombardi, Frank. "AStar Evolution. Arquivado em 2015-12-26 no Wayback Machine", Aviation Today, 12 de maio de 2015.
  13. Stephens, Ernie, and James T. McKenna. "The AS350 — Versatility and Power. Arquivado em 2015-12-16 no Wayback Machine", Rotor & Wing, 1 de junho de 2007.
  14. Stephens, Ernie, and James T. McKenna. "The AS350 — Versatility and Power. Arquivado em 2015-12-16 no Wayback Machine", Rotor & Wing, 1 de junho de 2007.
  15. "AS350: Hydraulics Out? Fly the Procedure. Arquivado em 2015-12-26 no Wayback Machine", Rotor & Wing, 1 de junho de 2007.
  16. Stephens, Ernie, and James T. McKenna. "The AS350 — Versatility and Power. Arquivado em 2015-12-16 no Wayback Machine", Rotor & Wing, 1 de junho de 2007.
  17. "Civil: H125." Arquivado em 2015-09-11 no Wayback Machine Airbus Helicopters, 2015.
  18. Lombardi, Frank. "AStar Evolution. Arquivado em 2015-12-26 no Wayback Machine", Aviation Today, 12 de maio de 2015.
  19. «Eurocopter's Helibras Subsidiary to Modernize 36 AS350 Ecureuil Helicopters Operated by the Brazilian Army Aviation Command | helicoptermaintenancemagazine.com». helicoptermaintenancemagazine.com. Consultado em 18 de maio de 2023 
  20. Lombardi, Frank. "AStar Evolution. Arquivado em 2015-12-26 no Wayback Machine", Aviation Today, 12 de maio de 2015.
  21. «Eurocopter's Helibras Subsidiary to Modernize 36 AS350 Ecureuil Helicopters Operated by the Brazilian Army Aviation Command | helicoptermaintenancemagazine.com». helicoptermaintenancemagazine.com. Consultado em 18 de maio de 2023 
  22. admin (6 de maio de 2015). «Zentech to support Brazilian aircraft carrier Sao Paulo's upgrade programme». Naval Technology (em inglês). Consultado em 18 de maio de 2023 
  23. a b c Galante, Alexandre (18 de junho de 2009). «Helicóptero UH-12 Esquilo: 30 anos de serviço ativo na Marinha do Brasil». Poder Naval. Consultado em 18 de maio de 2023 
  24. «ROTOR on line - A publication of Eurocopter - The Ecureuil in Antarctica». www.airbushelicopters.com. Consultado em 18 de maio de 2023 
  25. "Eurocopter Unit Inaugurates Chopper Plant in Brazil.[ligação inativa]", DefenseNews, 2 de outubro de 2012.
  26. «Helibras inaugura fábrica de helicópteros de grande porte no Brasil – DefesaNet». Consultado em 18 de maio de 2023 
  27. «savunmasanayi.net». www-savunmasanayi-net.translate.goog. Consultado em 18 de maio de 2023 
  28. a b fabioluiz (21 de setembro de 2022). «UH-12 – Esquilo». Marinha do Brasil. Consultado em 18 de maio de 2023 
  29. a b http://www.defesaaereanaval.com.br (18 de junho de 2019). «UH-12 Esquilo: 40 anos de serviço ativo na Marinha do Brasil». Defesa Aérea & Naval. Consultado em 18 de maio de 2023 
  30. «Helibras Esquilo». www.naval.com.br. Consultado em 18 de maio de 2023 
  31. «Helibras HB-350B e BA UH-12 Esquilo». Consultado em 18 de maio de 2023 
  32. a b «AS555 F2 Esquilo UH-13, VH-55 e CH-55». Consultado em 18 de maio de 2023 
  33. fabioluiz (21 de setembro de 2022). «UH-12 – Esquilo». Marinha do Brasil. Consultado em 18 de maio de 2023 
  34. Galante, Alexandre (6 de novembro de 2019). «Helicópteros UH-13 Esquilo da MB realizam última operação na Antártica». Poder Naval. Consultado em 18 de maio de 2023 
  35. http://www.defesaaereanaval.com.br (12 de dezembro de 2013). «BAeNSPA conclui PMGA do Esquilo da Armada do Uruguai». Defesa Aérea & Naval. Consultado em 18 de maio de 2023 
  36. «G1 > Mundo - NOTÍCIAS - Marinha brasileira doa helicóptero militar ao Uruguai». g1.globo.com. Consultado em 18 de maio de 2023 
  37. Galante, Alexandre (28 de setembro de 2011). «Esquadrão HU-3 realiza exercício de tiro em Velho Airão – AM». Naval.com.br. Consultado em 18 de maio de 2023 
  38. «Esquadrão HU-3 é submetido à Vistoria de Segurança de Aviação | Comando Do 9° Distrito Naval». www.marinha.mil.br. Consultado em 18 de maio de 2023 
  39. «Navio-Transporte Fluvial Almirante Leverger realiza operações com aeronave do Esquadrão HU-4 | Comando do 6º Distrito Naval». www.marinha.mil.br. Consultado em 18 de maio de 2023 
  40. http://www.defesaaereanaval.com.br (16 de maio de 2023). «Esquadrão HU-61 completa 28 anos». Defesa Aérea & Naval. Consultado em 18 de maio de 2023 
  41. a b http://www.defesaaereanaval.com.br (25 de junho de 2019). «Esquadrão HU-5 completa 21 anos». Defesa Aérea & Naval. Consultado em 18 de maio de 2023 
  42. a b «PAMA-SP entregou mais um H-50 Esquilo revisado » Força Aérea». Força Aérea. 10 de dezembro de 2020. Consultado em 18 de maio de 2023 
  43. «Força Aérea Brasileira - UH-50 / CH-55 / VH-55 - Helibrás Esquilo». freepages.rootsweb.com. Consultado em 18 de maio de 2023 
  44. «2º/8º Grupo de Aviação – Esquadrão "Poti" – História da Força Aérea Brasileira». 16 de janeiro de 2022. Consultado em 18 de maio de 2023 
  45. RUAG, In association with. «World Air Forces 2020». Flight Global (em inglês). Consultado em 18 de maio de 2023 
  46. «Esquadrão Gavião realiza exercício operacional "Gavião Real" » Força Aérea». Força Aérea. 28 de outubro de 2020. Consultado em 18 de maio de 2023 
  47. a b Centeno, Gabriel (15 de maio de 2021). «Asas Rotativas: Conheça os helicópteros da Força Aérea Brasileira». AEROFLAP. Consultado em 18 de maio de 2023 
  48. Centeno, Gabriel (15 de julho de 2021). «Aos rotores! Esquadrão Poti completa 48 anos». AEROFLAP. Consultado em 18 de maio de 2023 
  49. Rodrigues 2021, p. 11.
  50. Wiltgen, Guilherme (8 de março de 2021). «Operação Traíra: Patrulha Cruzeiro - O batismo de fogo da Aviação do Exército». Defesa Aérea & Naval. Consultado em 2 de novembro de 2022 
  51. Nobre 2013, p. 34-35.
  52. Silva 2020, p. 6.
  53. Mendonça 2021.
  54. Santos 2018, p. 44-51 e 59-64.
  55. http://www.defesaaereanaval.com.br (18 de agosto de 2022). «Rearticulação das Aeronaves da Aviação do Exército». Defesa Aérea & Naval. Consultado em 18 de maio de 2023 
  56. Paulo, CEMAESP-Centro de medicina Aeroespacial de São. «CEMAESP - Centro de medicina Aeroespacial de São Paulo». CEMAESP – Centro de medicina Aeroespacial de São Paulo. Consultado em 18 de maio de 2023 
  57. Martins, Carlos (16 de julho de 2021). «Polícia de São Paulo apresenta nova pintura no helicóptero Esquilo». AEROIN. Consultado em 18 de maio de 2023 
  58. InfoDefensa, Revista Defensa. «Polícia Militar de São Paulo renova imagem de seus 24 helicópteros AS350». Infodefensa - Noticias de defensa, industria, seguridad, armamento, ejércitos y tecnología de la defensa (em espanhol). Consultado em 18 de maio de 2023 
  59. Policial, Piloto (15 de agosto de 2020). «Comando de Aviação da Policia Militar de São Paulo completa 36 anos». Piloto Policial. Consultado em 18 de maio de 2023 
  60. Policial, Piloto (9 de março de 2015). «São Paulo, capital dos helicópteros: para transporte ou salvar vidas». Piloto Policial. Consultado em 18 de maio de 2023 
  61. a b «G1 > Edição São Paulo - NOTÍCIAS - Novo helicóptero da Polícia Civil de SP resiste a tiro de fuzil». g1.globo.com. Consultado em 18 de maio de 2023 
  62. a b Gianotto, Juliano (14 de janeiro de 2023). «Com 9 helicópteros, Ciopaer realiza incríveis 2.411 missões no Ceará em 2022». AEROIN. Consultado em 18 de maio de 2023 
  63. «Sobre o CFAer». Brigada Militar. 24 de abril de 2020. Consultado em 6 de março de 2024 
  64. «MEIOS AÉREOS NO COMBATE A INCÊNDIOS FLORESTAIS | Operacional». Consultado em 11 de fevereiro de 2022 
  65. Lusa. «Empresa de Meios Aéreos foi extinta». PÚBLICO. Consultado em 11 de fevereiro de 2022 
  66. Valente, Liliana. «Força Aérea lançou concurso de 156 milhões para aeronaves de combate a incêndios». PÚBLICO. Consultado em 11 de fevereiro de 2022 
  67. «KAMOV TRANSFERIDOS PARA A FORÇA AÉREA [M2289 - 6/2022]». Consultado em 11 de fevereiro de 2022 
  68. Oliveira, Mariana. «Helicóptero ligeiro da frota do Estado cai em Paços de Ferreira». PÚBLICO. Consultado em 11 de fevereiro de 2022 
  69. «EMA (Empresa de Meios Aéreos, S.A.) - Frota». Bombeiros Portugueses. 3 de abril de 2013. Consultado em 11 de fevereiro de 2022 
  70. «Piloto de helicóptero "estava em choque"». www.cmjornal.pt. Consultado em 31 de dezembro de 2022 
  71. «Archived copy». Consultado em 24 de junho de 2009. Arquivado do original em 2 de agosto de 2009 
  72. «Piloto de helicóptero da Rede Record morre após queda de aeronave no Jockey Club - São Paulo - R7». noticias.r7.com. 10 de fevereiro de 2010. Consultado em 21 de novembro de 2016. Arquivado do original em 11 de março de 2016 
  73. «G1 - acidente na Bahia - página visitada em 22-06-2011». g1.globo.com 
  74. «RELATÓRIO FINAL A-193/CENIPA/2013» (PDF). Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos. 25 de junho de 2018. Consultado em 8 de janeiro de 2022 
  75. «Laudo aponta falhas do piloto em acidente que matou Fernandão». Goiás. 18 de janeiro de 2016 
  76. «Helicóptero da PM cai e mata quatro policiais na Cidade de Deus | VEJA.com». VEJA.com. 19 de novembro de 2016 
  77. «Perícia mostra que policiais e helicóptero não foram alvejados | VEJA.com». VEJA.com. 20 de novembro de 2016 
  78. «Sá diz que manutenção de helicóptero estava em dia e lamenta mortes». Rio de Janeiro. 20 de novembro de 2016 
  79. «PM diz que sinais de áudio e vídeo de helicóptero que caiu foram cortados | Rio de Janeiro | G1». g1.globo.com. Consultado em 21 de novembro de 2016 
  80. «Everest - Mount Everest by climbers, news». web.archive.org. 13 de janeiro de 2015. Consultado em 18 de maio de 2023 
  81. «Everest 2005: The Helicopter land on Everest with video: But it is good?». wayback.archive-it.org. Consultado em 18 de maio de 2023 
  82. «First Helicopter Landing on Everest's Summit @ National Geographic Adventure Magazine». web.archive.org. 2 de agosto de 2009. Consultado em 18 de maio de 2023 
  83. «H125». Airbus S.A.S. Consultado em 24 de fevereiro de 2018. Cópia arquivada em 23 de fevereiro de 2018 
  84. Reyno, Mike, "Power Play", Vertical, dezembro de 2006
  85. «Ecureuil scores success in South America». eurocopter.com. Consultado em 17 de fevereiro de 2013. Arquivado do original em 24 de dezembro de 2012 
  86. «Control and Prevention». Consultado em 18 de dezembro de 2012. Cópia arquivada em 21 de fevereiro de 2014 
  87. «Austrian Federal Ministry of Internal Affairs». bmi.gv.at. Consultado em 5 de setembro de 2018. Cópia arquivada em 5 de setembro de 2018 
  88. «World Air Forces». Flightglobal Insight. 2015. Consultado em 28 de março de 2016. Cópia arquivada em 19 de janeiro de 2016 
  89. «World Air Forces». Flightglobal Insight. 2015. Consultado em 28 de março de 2016. Cópia arquivada em 19 de janeiro de 2016 
  90. «World Air Forces». Flightglobal Insight. 2015. Consultado em 28 de março de 2016. Cópia arquivada em 19 de janeiro de 2016 
  91. «World Air Forces». Flightglobal Insight. 2015. Consultado em 28 de março de 2016. Cópia arquivada em 19 de janeiro de 2016 
  92. «Exército Brasileiro recebe helicópteros modernizados para missões de reconhecimento e ataque - Site EPEx». www.epex.eb.mil.br. Consultado em 18 de maio de 2023 
  93. «Ibama image». Consultado em 4 de abril de 2023 
  94. Lucchesi Air International June 2000, p. 377.
  95. «PMMG Aeronaves». Consultado em 29 de março de 2016. Cópia arquivada em 17 de agosto de 2018 
  96. «Sobre o BAvBM». Brigada Militar. 8 de novembro de 2019. Consultado em 23 de fevereiro de 2024 
  97. Hoyle Flight International 2021, p. 14
  98. «World Air Forces». Flightglobal Insight. 2015. Consultado em 28 de março de 2016. Cópia arquivada em 19 de janeiro de 2016 
  99. «R.C.M.P Helicopter». Consultado em 26 de janeiro de 2005. Cópia arquivada em 18 de novembro de 2010 
  100. Cuenca, Oliver. «York Regional Police acquire H125». AirMed&Rescue. Consultado em 4 de abril de 2023 
  101. «HAWCS continues to serve as instrumental resource in keeping Calgarians safe». Consultado em 9 de outubro de 2020 
  102. «World Air Forces». Flightglobal Insight. 2015. Consultado em 28 de março de 2016. Cópia arquivada em 19 de janeiro de 2016 
  103. Hoyle Flight International 2021, p. 17
  104. Sanchez, Alejandro (30 de novembro de 2017). «Ecuadorian Army acquires two AS 350B3 helicopters». IHS Jane's 360. Consultado em 2 de dezembro de 2017. Arquivado do original em 2 de dezembro de 2017 
  105. «Airbus delivers six H125s to four California law enforcement agencies». helihub.com. 19 de janeiro de 2016. Consultado em 29 de março de 2016. Cópia arquivada em 2 de abril de 2016 
  106. «Why Is That LAPD Helicopter Circling Overhead?». Consultado em 22 de fevereiro de 2014. Cópia arquivada em 1 de março de 2014 
  107. «N503PH – Aircraft Registration». FlightAware (em inglês). Consultado em 5 de abril de 2017. Cópia arquivada em 6 de abril de 2017 
  108. «French National Gendarmerie AS350 ecureuil». Consultado em 17 de fevereiro de 2013. Cópia arquivada em 15 de maio de 2013 
  109. «World Air Forces». Flightglobal Insight. 2015. Consultado em 28 de março de 2016. Cópia arquivada em 19 de janeiro de 2016 
  110. «World Air Forces». Flightglobal Insight. 2015. Consultado em 28 de março de 2016. Cópia arquivada em 19 de janeiro de 2016 
  111. a b «World Air Forces». Flightglobal Insight. 2015. Consultado em 28 de março de 2016. Cópia arquivada em 19 de janeiro de 2016 
  112. «MEIOS AÉREOS NO COMBATE A INCÊNDIOS FLORESTAIS | Operacional». Consultado em 18 de agosto de 2021 
  113. «CS-HMH Empresa de Meios Aéreos (EMA) Eurocopter AS 350B Ecureuil». Planespotters.net (em inglês). 19 de dezembro de 2014. Consultado em 12 de agosto de 2021 
  114. «Piloto de helicóptero "estava em choque"». www.cmjornal.pt. Consultado em 31 de dezembro de 2022 
  115. «Ukraine to buy new rotorcraft from Airbus Helicopters». Jane's 360. Consultado em 26 de maio de 2018. Arquivado do original em 30 de maio de 2018 
  116. «World Air Forces». Flightglobal Insight. 2015. Consultado em 28 de março de 2016. Cópia arquivada em 19 de janeiro de 2016 
  117. «World Air Forces». Flightglobal Insight. 2015. Consultado em 28 de março de 2016. Cópia arquivada em 19 de janeiro de 2016 
  118. Dominguez, Gabriel (1 de dezembro de 2017). «RAN retires S-70B-2, AS350BA helicopters». IHS Jane's 360. Consultado em 4 de dezembro de 2017. Arquivado do original em 4 de dezembro de 2017 
  119. «World Air Forces». Flightglobal Insight. 2015. Consultado em 28 de março de 2016. Cópia arquivada em 19 de janeiro de 2016 
  120. Taylor 1999, p. 377.
  121. «Helicopter : Civil helicopter, ecureuil helicopter AS 350 - Eurocopter, an EADS company». Consultado em 25 de fevereiro de 2012. Arquivado do original em 29 de fevereiro de 2012 
  122. «Archived copy». Consultado em 25 de fevereiro de 2012. Cópia arquivada em 26 de fevereiro de 2012 
  • Elliott, Bryn (maio–junho de 1999). «On the Beat: The First 60 Years of Britain's Air Police, Part Two». Air Enthusiast (81): 64–69. ISSN 0143-5450 
  • Hoyle, Craig. "World Air Forces Directory". Flight International. Vol 180 No 5321, 13–19 de dezembro de 2011. pp. 26–52.
  • Hoyle, Craig (2021). «World Air Forces 2022». Flight International. Consultado em 12 de dezembro de 2021 
  • Jackson, Paul. Jane's All The World's Aircraft 2003–2004. Coulsdon, Surry, UK: Jane's Information Group, 2003. ISBN 0-7106-2537-5.
  • Lucchesi, Claudio. "Brazilian Police Air Unit: São Paulo's Police Eagles". Air International, June 2000, Vol. 58, No. 6. pp. 376–378.
  • Ripley, Tim. Middle East Air Power in the 21st Century. Casemate Publishers, 2010. ISBN 1-8488-4099-3.
  • Taylor, John W. R. Jane's All The World's Aircraft 1982–83. London: Jane's Yearbooks, 1982. ISBN 0-7106-0748-2.
  • Taylor, Michael J. H. Brassey's World Aircraft & Systems Directory 1999/2000. London: Brassey's, 1999. ISBN 1-85753-245-7.
  • Board, N. T. S., 2017. Loss of Control at Takeoff, Air Methods Corporation, Airbus Helicopters AS350 B3e, N390LG, Frisco, Colorado, 3 de julho de 2015, Washington, DC: National Transportation Safety Board.

Ligações externas

[editar | editar código-fonte]
Commons
Commons
O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Eurocopter AS350 Ecureuil