Eustácio II de Bolonha

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Eustácio II, Conde de Bolonha
Detalhe da tapeçaria de Bayeux, possível representação de Eustácio II, Com Bigodes, inscrito na margem acima em latim: E... TIUS, possivelmente forma latinizada do seu nome
Esposas Godgifu
Ida da Lorena
Casa Casa de Bolonha
Nascimento c. 1015–1020
Morte c. 1087
Pai Eustácio I
Mãe Matilda de Lovaina

Eustácio II (c. 1015–1020 – c. 1087), também conhecido com Eustácio, o Bigodudo (aux Gernons)[1][2][3] foi conde de Bolonha de 1049 até sua morte. Lutou ao lado dos normandos na batalha de Hastings, e depois recebeu grandes doações de terras que formam uma honra, na Inglaterra. É um dos poucos companheiros comprovados de Guilherme, o Conquistador. Tem sido sugerido que Eustácio foi o patrono da tapeçaria de Bayeux.[4]

Origens[editar | editar código-fonte]

Era o filho de Eustácio de Bolonha.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Em 1048, Eustácio juntou-seu a rebelião de seu sogro contra o imperador Henrique III. No ano seguinte, foi excomungado pelo Papa Leão IX por se casar dentro do grau de parentesco proibido. Ambos Eustácio e Ida eram descendentes de Luís II de França, e apenas no sétimo grau proibido. No entanto, uma vez que hoje nem todos os seus antepassados são conhecidos, não pode ter existido uma relação mais próxima.[5] A ação do Papa foi, possivelmente, a mando de Henrique III. A rebelião falhou, e em 1049 Eustácio e Godofredo submeteram-se ao Sacro Imperador.

Eustácio visitou a Inglaterra em 1051, e foi recebido com honra na corte de Eduardo, o Confessor. Eduardo e Eustácio eram ex-cunhados e permaneceram aliados políticos.[6] No outro lado da divisão política a figura dominante na Inglaterra era o conde Goduíno de Wessex, que recentemente havia casado seu filho Tostigo com a filha de seu rival, o Conde de Flandres. Além disso o filho de Goduíno, Sueno, tinha rivalizado com seu enteado Raul, o Tímido.

A briga em que Eustácio e os seus servos envolveram-se com os cidadãos de Dover levou a uma briga séria entre o rei e Goduíno. Este último, cuja jurisdição estavam sujeitas aos homens de Dover, se recusou a puni-los. Sua falta de respeito com aqueles que exerciam autoridade tornou-se a razão de seu banimento juntamente com sua família. Eles deixaram a Inglaterra, mas retornaram no ano seguinte, em 1052, com um grande exército, auxiliado pelos Flamengos.

Em 1052, Guilherme de Talou se rebelou contra seu sobrinho o duque Guilherme da Normandia. Eustácio pode muito bem ter sido envolvido nessa rebelião, embora não haja nenhuma evidência específica, depois da rendição de Guilherme de Talou ele fugiu para a corte bolonhesa.

Nos anos seguintes, seus rivais e inimigos avançaram ainda mais. O conde Balduíno de Flandres consolidou seu domínio sobre os territórios que ele tinha anexado ao leste. Em 1060 tornou-se tutor de seu sobrinho, o rei Filipe I de França. Em contraste o enteado de Eustácio, Valter de Mantes falhou em sua tentativa de reivindicar o condado de Maine. Ele foi capturado pelos normandos e morreu logo depois em circunstâncias misteriosas.

Lutas na batalha de Hastings[editar | editar código-fonte]

Suposta representação de Eustácio na batalha de Hastings. Detalhe da Tapeçaria de Bayeux. Inscrição acima do duque Guilherme: HIC EST WILLELMUS DUX ("Aqui está o duque Guilherme") e acima da figura à direita dele E...TIUS (aparentemente uma forma latinizada de "Eustácio")

Estes eventos evidentemente causaram uma mudança em suas lealdades políticas, para ele, em seguida, tornar-se um participante importante na conquista normanda da Inglaterra em 1066. Ele lutou em Hastings, embora fontes variam a respeito dos detalhes de sua conduta durante a batalha. O cronista contemporâneo Guilherme de Poitiers escreveu a respeito dele:

Com uma voz áspera ele (o duque Guilherme) chamou por Eustácio de Bolonha, que, com 50 cavaleiros, estava virando para fuga e estava prestes a dar o sinal de retirada. Este homem veio até o duque e disse em seu ouvido que ele deveria se retirar já que iria cortejar a morte se fosse para a frente. Mas no momento em que pronunciou as palavras Eustácio foi atingido entre os ombros com tanta força que o sangue jorrou de sua boca e nariz e meio morto ele só fez a sua fuga com a ajuda de seus seguidores.[7]

A representação na Tapeçaria de Bayeux mostra um cavaleiro que leva uma bandeira que cavalga até o duque Guilherme e aponta animadamente com seu dedo para a parte de trás da antecedência normanda. Guilherme vira a cabeça e levanta a sua viseira para mostrar aos seus cavaleiros seguindo-o de que ele ainda está vivo e determinado a lutar. Isso está em conformidade, portanto, com Eustácio tendo perdido um pouco a coragem e tendo instado o duque a recuar enquanto a batalha estava no auge com o resultado ainda incerto. Outras fontes sugerem que Eustácio esteve presente com Guilherme no incidente de Malfosse no rescaldo da batalha, onde uma morte saxônica fingida saltou e o atacou, e foi presumivelmente reduzido antes que pudesse chegar a Guilherme.

Eustácio recebeu grandes concessões de terra posteriormente, o que sugere que ele contribuiu de outras formas, bem como, talvez, fornecendo navios.

Rebelião e morte[editar | editar código-fonte]

No ano seguinte, provavelmente pela razão de estar insatisfeito com a sua parte do espólio, ajudou um cidadão de Kent em uma tentativa de tomar o Castelo de Dover. A conspiração falhou, e Eustácio foi condenado a perder seus feudos ingleses. Posteriormente, ele se reconciliou com o Conquistador, que restaurou uma parte das terras confiscadas.

Eustácio morreu por volta de 1087, e foi sucedido por seu filho, Eustácio III.[8]

Casamento e progenitura[editar | editar código-fonte]

Casou-se duas vezes:

A existência de uma prole maior foi postulada por vários autores desde a Idade Média. A mais extensa e detalhada revisão do tema foi publicada em 1982 por J. A. Coldeweij, estudo elogiado na Low Countries Historical Review pela sua fartura documental e profundidade interpretativa.[15] Segundo Coldeweij, a bibliografia tradicional tem sido muito omissa na consideração de várias crônicas antigas que atribuem outros filhos a Eustácio. A História Eclesiástica de Orderico Vital, considerado um cronista confiável, cita duas irmãs de Godofredo, mas não as nomeia. Guilherme de Tiro menciona Guilherme, a Crônica de Brogne cita uma Ida como irmã de Godofredo, vários documentos mencionam o conde Conon de Montaigu como cunhado de Godofredo, e várias cartas de doações de bens envolvendo a família de Ida da Lorena aludem pelo menos a uma filha, chamada Ida de Bolonha. Esta Ida foi casada primeiro com Herman de Malsen, conde em Teisterbant e senhor de Cuijk, gerando com ele os condes de Cuijk, e foi a segunda esposa de Conon de Montaigu.[16]

Referências

  1. Tanner, Heather. "The Expansion of the Power and Influence of the Counts of Boulogne under Eustace II". Anglo-Norman Studies 14: 251-277.
  2. Cawley, Charles (2012). «NORTHERN FRANCE, NOBILITY». FMG  NORTHERN FRANCE, NOBILITY apresenta uma série de datas para o seu nascimento e morte. A sétima edição da Encyclopædia Britannica parece favorecer uma data de falecimento, 1087. Isso entra em conflito com a fonte anterior e com Holböck, Ferdinand (c. 2002). Married Saints and Blesseds. São Francisco, CA: Ignatius Press. 147 páginas. ISBN 0-89870-843-5  and Duby, Georges; Jane Dunnett, translator (c. 1996). Love and Marriage in the Middle Ages. University of Chicago Press: Ignatius Press. 40 páginas. ISBN 0-226-16774-7 
  3. a b c Heather J. Tanner, ‘Eustace (II) , count of Boulogne (d. c.1087)’, Oxford Dictionary of National Biography, Oxford University Press, 2004.
  4. Bridgeford 1999
  5. Tanner 263
  6. Gravett, Christopher. Hastings 1066: The Fall of Saxon England. Oxford: Osprey Publishing, 2000. pp. 7. ISBN 1841761338
  7. Wm. of Poitiers, por Douglas, David C. & Greenaway, George W. (Eds.) English Historical Documents 1042-1189, Londres, 1959. "William of Poitiers: the Deeds of William, Duke of the Normans and King of the English", pp. 217–232 (pp.228-9) & "The Bayeux Tapestry", pp. 232–279. Douglas (1959),
  8. Roffe, David (2012). The English and Their Legacy, 900-1200: Essays in Honour of Ann Williams. Martlesham, RU: Boydell Press. p. 156. ISBN 1843837943 
  9. Vital, Orderico; Thomas Forester, tradutor (1854). The Ecclesiastical History of England and Normandy, Vol II (em inglês). Londres: H.G. Bohn. p. 12, footnote 
  10. Norgate, Kate. "Matilda of Boulogne". In: Lee, Sidney (ed.). Dictionary of National Biography, 1885-1900 Volume 37
  11. "Godfrey of Bouillon". In: Encyclopaedia Britannica Online
  12. France, John. "The Election and Title of Godfrey de Bouillon". In: Canadian Journal of History, 1983; 18 (3):321–329
  13. Murray, Alan V. The Crusader Kingdom of Jerusalem: A Dynastic History, 1099–1125. Prosopographica et Geneologica, 2000, pp. 182; 203
  14. Barber, Malcolm. The Crusader States. Yale University Press, 2012, p. 113
  15. Monna, A. D. A. "J. A. Coldeweij, De Heren van Kuyc 1096-1400. BMGN - Low Countries Historical Review. 100 (1): 93–94". In: BMGN – Low Countries Historical Review, 1985
  16. Coldeweij, J. A. De Heren van Kuyc 1096-1400. Stichting Zuidelijk Historisch Contact, 1982
Precedido por
Eustácio I
Conde de Bolonha
Blason Courtenay.svg

1049–1087
Sucedido por
Eustácio III