Euthyna

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Euthyna (plural euthynai, do grego: endireitar) é uma ação pública peculiar[1] sobre prestação de contas, ou um exame oficial de responsabilidade feito pela Assembléia Grega, onde o funcionário público ou magistrado enfrentava ao terminar o período de exercício do seu cargo,[2] na Grécia Clássica, afim de verificar se uma realizou corretamente os deveres do cargo exercido.[1]

Em Atenas, o exame tinha duas partes: os logos ('extrato de contas'), diziam respeito à utilização do dinheiro público e eram tratados por um conselho de dez logistai (contadores), e o euthynai propriamente dito, uma oportunidade de levantar acusações à conduta de alguém, que era tratada por um conselho de dez eutinios (ou euthynoi, "enderezadores")[3][4] indicados pela Bulé. Essas autoridades poderiam indeferir as acusações ou passá-las aos tribunais.[5]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b «Transgressão e punição no génos dos átrides: sistema de conduta na pólis dos atenienses» (PDF). Universidade Federal Fluminense Instituto de Ciencias Humanas e Filosofia. 2016. Consultado em 11 de outubro de 2018 
  2. Pseudo-Xenofonte (1 de janeiro de 2013). A constituição dos atenienses. [S.l.]: Imprensa da Universidade de Coimbra / Coimbra University Press. ISBN 9789892605135 
  3. Vincenç, Joaquín Bastús (Bastús e Carrera) (1833). Diccionario histórico enciclopédico. 3. Biblioteca de Catalunia. Google Livros: Roca. p. 384. Consultado em 11 de outubro de 2018 
  4. Bastús, p. 384.
  5. 'Dictionary of the Classical World' John Roberts, 2005. Oxford