Eva Green

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Eva Green
Eva Green no Festival de Cinema de Toronto de 2009.
Nome completo Eva Gaëlle Green
Nascimento 6 de julho de 1980 (42 anos)
Nacionalidade francesa
Educação American School of Paris
St. Paul Drama School, Paris
Webber Douglas Academy of Dramatic Art
Ocupação atriz e modelo
Atividade 2001-presente
Progenitores Mãe: Marlène Jobert
Pai: Walter Green
Prémios BAFTA
Estrela em ascensão
2007 - Casino Royale
Outros prêmios
Empire Awards de Melhor Nova Estrela
2007 - Casino Royale

Eva Gaëlle Green (Paris, 6 de julho de 1980) é uma atriz e modelo francesa, conhecida por interpretar a personagem Vanessa Ives na série Penny Dreadful.[1][2] Ela começou sua carreira no teatro antes de fazer sua estreia no cinema em Os Sonhadores (2003), uma adaptação polêmica que é dirigida por Bernardo Bertolucci.

Em 2004, atuou como Clarisse na adaptação Arsène Lupin. Em seguida, teve destaque em dois filmes de sucesso que lhe renderam fama: Kingdom of Heaven como Sibylla (2005) e Casino Royale como Vesper Lynd (2006). E por seu trabalho como Vesper Lynd, no ano seguinte ela ganhou um BAFTA na categoria Rising Star Award e um Empire Awards na categoria Best Female Newcomer.

Em 2007, apareceu como Serafina Pekkala na adaptação The Golden Compass. Em 2011, foi a antagonista principal Morgan Pendragon na série Camelot, e protagonizou o drama Sentidos do Amor como a cientista Susan. Em 2012, teve destaque como Angelique Bouchard na adaptação Dark Shadows, baseada na série Dark Shadows de 1966 e protagonizada por Johnny Depp.

Em 2014, teve destaque em duas sequências muito esperadas, a primeira de 300, 300: Rise of an Empire como Artemísia, e a segunda de Sin City, Sin City: A Dame to Kill For como Ava Lord. Ela também começou a protagonizar a série Penny Dreadful como Vanessa Ives. Em setembro de 2016, estreou nos cinemas o filme Miss Peregrine's Home for Peculiar Children, onde ela protagoniza como a Senhorita Peregrine.

Em Março de 2019 teve um papel fundamental no remake live action da Disney, "Dumbo", como Collete Marchant, uma trapezista misteriosa. O filme marca a terceira parceria com o diretor Tim Burton.

Primeiros anos[editar | editar código-fonte]

Eva Gaëlle Green[3] nasceu dois minutos antes de sua irmã gêmea, Joy,[4] em 6 de julho de 1980.[5][6] Ela é filha de Marlène Jobert, atriz e autora, e Walter Green, cirurgião dentista[7] e ator ocasional (Au Hasard Balthazar dirigido por Robert Bresson).[8] Seu pai é descendente de bretões e suecos. Através dele, ela é bisneta do compositor Paul Le Flem.[9]

Green é descendente de judeus[10][11][12][13] através de sua mãe nascida na Argélia, que é descendente de judeus sefarditas e descendentes de Pied-noir.[11][14][15][16] Green se descreveu como "uma judia secular que nunca frequentou a sinagoga quando menina"[10][17][18] e se sente "como uma cidadã do mundo".[19][20] Ela descreveu sua família como "burguesa"[21] e disse que sua irmã é muito diferente dela.[22] Green tinge o cabelo de castanho desde os 15 anos, embora seja loiro escuro de nascença.[23] Ela é sobrinha da atriz Marika Green e prima materna da cantora Elsa Lunghini e da atriz Joséphine Jobert.[24][25][26] O sobrenome "Green" [ˈɡɾeːn]; é sueco.[27] Não se origina da palavra inglesa "green", que é "grön" em sueco.[28] "Green" é derivado da palavra sueca "gren", que significa "galho de árvore".[28]

Green foi criada na França e frequentou a American University of Paris, uma instituição de língua inglesa.[23] Ela também passou um tempo entre Londres e a Irlanda.[29] Ela era quieta na escola,[22] e desenvolveu um interesse pela egiptologia quando visitou o Louvre aos sete anos.[18] Aos 14 anos, depois de ver Isabelle Adjani em The Story of Adele H., Green decidiu se tornar atriz. Sua mãe inicialmente temeu que uma carreira de atriz seria demais para sua filha sensível, mas depois veio a apoiar suas ambições.[29] Green continuou seus estudos no Cours Eva Saint Paul em Paris,[30] e fez um curso de atuação na Webber Douglas Academy of Dramatic Art em Londres.[20] Depois, Green retornou a Paris, onde atuou em várias peças.[29] Green afirmou que quando estava na escola de teatro, "sempre escolhia os papéis realmente maus" porque "é uma ótima maneira de lidar com suas emoções cotidianas".[31]

Carreira[editar | editar código-fonte]

2001-2005[editar | editar código-fonte]

Green estreou no palco em Jalousie en Trois Fax (2001) pelo qual foi indicada ao Prêmio Molière.[32]

Em 2002, Green teve sua estreia no cinema, quando o diretor Bernardo Bertolucci a escalou para o papel de Isabelle em The Dreamers (2003), que a envolveu em extensas cenas de nudez frontal e traseira, bem como cenas de sexo gráficas. Green disse ao The Guardian que seu agente e seus pais imploraram para que ela não aceitasse o papel, preocupados que o filme faria com que sua carreira "tivesse o mesmo destino de Maria Schneider",[33] por causa da experiência traumática de Schneider durante as filmagens de Último Tango em Paris,[29] Green disse que com a orientação de Bertolucci ela se sentiu confortável durante as filmagens das cenas de nudez e sexo,[34] mas ficou envergonhada quando sua família viu o filme.[29] Seu desempenho foi bem recebido, e alguns a compararam a Liv Tyler.[35] Green expressou surpresa quando um minuto foi cortado do filme para o mercado americano, afirmando: "Aqui há tanta violência, tanto nas ruas quanto na tela. Eles não pensam nada disso. No entanto, acho que eles estão assustados com sexo."[29] Seu próximo filme foi Arsène Lupin (2004), no qual ela interpretou o interesse amoroso de Lupin. Ela gostou do papel alegre, embora ela tenha afirmado que geralmente prefere personagens mais complexos.[32]

Sua atuação em The Dreamers levou Ridley Scott a escalar Green em Kingdom of Heaven (2005), um filme sobre as Cruzadas onde ela interpretou Sibila de Jerusalém. Green realizou seis testes de tela e foi contratada apenas uma semana antes do início das filmagens.[20] Green achou a atmosfera de entrar em um filme tão tensa e excitante, e gostou da ambiguidade do filme ao abordar seu assunto.[31] Para sua decepção, muito de seu tempo de tela foi cortado.[20] Stephanie Zacharek do Salon.com elogiou seu desempenho: "Ela não sabe muito bem o que fazer com o diálogo empolado de seu personagem, mas ela se comporta tão majestosamente que você mal percebe."[36] Nev Pierce da BBC, no entanto, chamou sua personagem de "limpo".[37] Green ficou satisfeita quando a subtrama complexa de sua personagem foi restaurada no corte do diretor.[38] A Total Film disse que as novas cenas completaram sua performance: "No corte teatral, Sibila dorme com Balião e depois, mais ou menos, perde a cabeça. Agora entendemos o porquê. Não apenas Sibila tem um filho pequeno, mas quando percebe que ele sofre de lepra assim como seu irmão Balduíno, ela decide tirar sua vida logo após ele ser coroado rei."[39]

Green no BAFTA Awards 2007

Filmografia[editar | editar código-fonte]

Ano Titulo Papel Nota
2020 A Patriot Kate Jones Pós produção
The Luminaries Lydia Wells Elenco Principal
2019 Proxima Sarah Protagonista
Dumbo Colette Marchant Elenco Principal
2018 Based on a True Story (film) Elle Protagonista
2017 Euphoria Emilie Protagonista
2016 Miss Peregrine's Home for Peculiar Children Senhorita Peregrine
2014 – 2016 Penny Dreadful Vanessa Ives Indicações
Globo de Ouro de Melhor Atriz em Série Dramática[1]
Critics Choice Television Award de Melhor Atriz em Série Dramática (2015 - 2016)[1]
Satellite Awards de Melhor Atriz em Série Dramática[1]
2014 Sin City: A Dame to Kill For Ava Lord
The Salvation Madelaine
300: Rise of an Empire Artemísia
White Bird in a Blizzard Eve Connors
2012 Dark Shadows Angelique Bouchard Antagonista
2011 Camelot Morgan Pendragon Elenco Principal / Antagonista
Sentidos do Amor Susan Protagonista
2010 Womb Rebecca
2009 Cracks Miss G
2008 Quantum of Solace Vesper Lynd Dublagem
Franklyn Emilia / Sally
2007 The Golden Compass Serafina Pekkala
2006 Casino Royale Vesper Lynd
2005 Kingdom of Heaven Sibylla
2004 Arsène Lupin Clarisse de Dreux-Soubise
2003 Os Sonhadores Isabelle

Referências

  1. a b c d [1] Eva Green 0 IMDb
  2. [2] Penny Dreadful - IMDb
  3. «eftekasat.net». eftekasat.net. 6 de julho de 1980. Consultado em 30 de setembro de 2013. Arquivado do original em 23 de novembro de 2012 
  4. Williamson, Charlotte (junho de 2005). «Green Goddess». Harpers & Queen. p. 111 
  5. Godard, Agathe (29 de agosto de 1988). «Marlène et ses filles». Paris Match (em francês) 
  6. Maida, Sabine (25 de novembro de 2001). «Eva Green, une star en herbe». Version femme (La Tribune/Le Progrès) (em francês) 
  7. Choteau, Martin (5 de fevereiro de 2017). «Qui est le mari de Marlène Jobert, Walter Green?». www.gala.fr (em francês). Consultado em 29 de setembro de 2020 
  8. Gérard Lefort (9 de dezembro de 2003). «Un joli "moi" de mai». Libération (em French). Consultado em 10 de outubro de 2021 
  9. Le Flem's family genealogy [3] Article published in Ouest-France, 24 January 2007 : "Fifteen days after her husband, Lennart Green, Jeanne Green-Le Flem [...] died Friday aged 95 [...]. The ceremony took place in the privacy of the family [...] her daughter, actress Marika Green, her granddaughters Joy and Eva Green [...] and her daughter in law Marlene Jobert. Madame Green-Le Flem, daughter of [French] composer Paul Le Flem, was buried in the family vault in the cemetery of Vieux-Marché [near the city of Lannion, Brittanny, France].
  10. a b Jeffries, Stuart (3 de maio de 2016). «Eva Green: 'I don't want to be put in a box marked Weird Witch'». The Guardian. Consultado em 29 de abril de 2018 
  11. a b Day, Elizabeth (5 de junho de 2011). «Eva Green interview: Playing evil». The Guardian. Consultado em 27 de maio de 2018 
  12. Milligan, Lauren (6 de junho de 2011). «My Friend John». British Vogue. Consultado em 27 de maio de 2018 
  13. «Bond girl Eva Green: 'I have a dark side'». Irish Independent. 3 de julho de 2011. Consultado em 31 de março de 2019 
  14. Telle mère, quelle fille Arquivado 19 março 2012 no Wayback Machine, Novembre 2010, Par Sophie Carquain, Madame, Le Figaro
  15. Adams, Sam (14 de abril de 2011). «Eva Green». The A.V. Club. Consultado em 27 de maio de 2018 
  16. Berg, Roger; Chalom Chemouny; Franklin Didi (1971). Guide juif de France. [S.l.]: Éditions Migdal. p. 402 
  17. Palmer, Martyn (dezembro de 2007). «Faith No More». Total Film. p. 90 
  18. a b Verghis, Sharon (3 de dezembro de 2006). «Not easy being Green». The Age. Australia. Consultado em 27 de agosto de 2007 
  19. Les Pieds-noirs, Emmanuel Roblès, (P. Lebaud, Paris: 1982), 137: "Marlène Jobert est née également à Alger, mais peut-on la considérer comme une pied-noir"
  20. a b c d «Eva Green Biography». Yahoo! Movies. Consultado em 27 de agosto de 2007 
  21. Kern, Richard (2003). «Eva Green». Index Magazine. Consultado em 27 de agosto de 2007 
  22. a b Young, Neil (30 de dezembro de 2003). «Eva Green: Confessions of a nervous». Neil Young's Film Lounge. Consultado em 27 de agosto de 2007 
  23. a b Daly, Steve (2 de outubro de 2007). «Green Goddess». Vanity Fair. Consultado em 5 de outubro de 2007 
  24. Biographie de Elsa Lunghini www.universalmusic.fr
  25. Elsa bio: biographie de stars Arquivado 20 março 2011 no Wayback Machine www.gala.fr, Gala Magazine
  26. «Joséphine Jobert – Ados.fr». tele.ados.fr. Consultado em 21 de março de 2017 
  27. Adrian Deevoy (6 de agosto de 2014). «Eva Green». GQ. Consultado em 8 de novembro de 2016 
  28. a b Jonny Black (22 de agosto de 2014). «Eva Green Facts: 27 Things You (Probably) Don't Know About the 'Sin City' Star». Moviefone. Consultado em 8 de novembro de 2016. Arquivado do original em 8 de novembro de 2016 
  29. a b c d e f Jeffries, Stuart (26 de janeiro de 2007). «He's the Bond girl, not me». The Guardian. UK. Consultado em 27 de agosto de 2007 
  30. Palmer, Caroline (outubro de 2003). «Mystery Girl». Vogue. p. 290 
  31. a b Brett, Anwar (4 de maio de 2005). «Eva Green – Kingdom of Heaven». BBC. Consultado em 27 de agosto de 2007 
  32. a b Schweiger, Daniel (maio de 2005). «All Hail The Queen: Eva Green Rules Supreme Over The Kingdom of Heaven». Venice. pp. 60–63 
  33. Stealing beauty, a February 2004 article from The Guardian
  34. Russell, Steve (24 de março de 2005). «Auteur's Muse». Rolling Stone. Consultado em 27 de agosto de 2007. Arquivado do original em 1 de outubro de 2007 
  35. Webber, Monique (janeiro de 2007). «The Green Mile». Australian Vogue. p. 90 
  36. Zackarek, Stephanie (6 de maio de 2005). «Kingdom of Heaven». Salon.com. Consultado em 27 de agosto de 2007. Arquivado do original em 7 de agosto de 2007 
  37. Pierce, Nev (6 de maio de 2005). «Kingdom of Heaven». BBC. Consultado em 27 de agosto de 2007 
  38. Douglas, Edward (14 de novembro de 2006). «Eva Green's Envious Role». Superherohype.com. Consultado em 27 de agosto de 2007 
  39. «Kingdom of Heaven: Director's Cut – DVD Review». Total Film. Julho de 2006. Consultado em 27 de agosto de 2007 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Eva Green
O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Eva Green