Evangelicalismo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Evangélicas)
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Evangelismo (desambiguação).

O evangelicalismo, evangelismo[1] ou cristianismo evangélico é um movimento cristão protestante surgido no século XVII, depois da Reforma Protestante, tornando-se uma vertente organizada com o surgimento, dos metodistas entre os anglicanos, dos puritanos entre os calvinistas e Igrejas Reformadas, ambos na Inglaterra e dos pietistas entre os luteranos na Alemanha e Escandinávia. O movimento tornou-se ainda mais significativo nos Estados Unidos da América durante o Grande Despertamento dos séculos XVIII e XIX, onde conseguiu muito mais membros do que na Europa. O movimento continua a atrair adeptos em nível mundial no século XXI, especialmente no mundo em desenvolvimento. É um movimento que reúne vários submovimentos, sendo os principais Anabatismo, Igreja Batista e Pentecostalismo.

Definição[editar | editar código-fonte]

O evangelicalismo desenfatiza o ritual e enfatiza a piedade do indivíduo, exigindo-lhe que cumpra certos compromissos ativos, incluindo:

David Bebbington classificou estes quatro aspectos distintivos como conversionismo, biblicismo, crucicentrismo (e ressurreição de Jesus) e ativismo, observando que "juntos, eles formam um quadrilátero de prioridades que é a base do evangelicalismo".[3][4] Os protestantes evangélicos são diferentes dos protestantes de linha principal (mainlines). Os evangélicos possuem postura mais conservadora, contra o ecumenismo amplo, com maior enfase no evangelismo e posturas tradicionais contra o liberalismo teológico, ordenação feminina e casamento igualitário, enquanto que os protestantes tradicionais têm uma postura ecumênica, progressista, mais voltada para o trabalho social da igreja. No Brasil a ampla maioria dos protestantes são evangélicos.[5]

O cristianismo evangélico reúne diferentes movimentos de teologia evangélica, sendo as principais fundamentalismo, conservador, moderada, liberal.[6][7] A adesão à doutrina da Igreja de crentes é uma característica comum da definição de uma igreja evangélica no sentido estrito.[8][9] Durante a Reforma Protestante, os teólogos protestantes adotaram o termo como se referindo à "verdade do evangelho". Martinho Lutero referiu-se à "evangelische Kirche" ("igreja evangélica") para distinguir protestantes de católicos da Igreja Católica Romana.[10]

História[editar | editar código-fonte]

Origens[editar | editar código-fonte]

Não podemos atribuir o nascimento dos evangélicos a um único evento em particular, mas a Reforma Protestante principalmente, as guerras do século XVI, o lado de Martin Luther em favor da nobreza alemã, Calvinismo, Arminianismo e Movimentos do Despertar têm sua parte.[11]

Alguns historiadores e teólogos, no entanto, veem que os primórdios do evangelismo são encontrados na Reforma Radical do século XVI, principalmente devido ao credobatismo.[12][13]

A Aliança Evangélica Mundial fundada por organizações evangélicas de 21 países, na primeira reunião geral da Woudschoten (Zeist) para Holanda em 1951 estabeleceu um confissão de fé comum.[14][15]

Várias organizações evangélicas inter-religiosas também contribuíram para o desenvolvimento da unidade evangélica.[16] Em estudos bíblicos, Aliança Bíblica Universitária do Brasil e International Fellowship of Evangelical Students. Na ajuda humanitária cristã, World Vision. Também houve o surgimento de várias escolas bíblicas não denominacionais.

Século XVIII[editar | editar código-fonte]

Início[editar | editar código-fonte]

Na década de 1730, o evangelicalismo emergiu como um fenômeno distinto do reavivamento religioso que começou na Grã-Bretanha e na Nova Inglaterra. Enquanto os reavivamentos religiosos ocorriam dentro das igrejas protestantes no passado, os avivamentos evangélicos que marcaram o século XVIII eram mais intensos e radicais.[17] Os revivalismos colocou homens comuns evangélicos e mulheres com confiança e entusiasmo para compartilhar o evangelho e conversão de outros de fora do controlo das igrejas estabelecidas, uma descontinuidade chave com o protestantismo da era anterior.[18]

Evolução[editar | editar código-fonte]

Culto em Faith Tabernacle, afiliada com a Living Faith Church Worldwide, em Lagos, Nigéria, 2005

A era da evolução da doutrina da segurança se diferenciou do evangelicalismo de antes. Bebbington disse: "O dinamismo do movimento evangélico só foi possível porque seus adeptos foram assegurados em sua fé".[19] Ele continua: "Considerando que os puritanos tinha considerado que a garantia é rara, tarde e o fruto da luta na experiência dos crentes, os evangélicos acreditavam que fosse geral, normalmente dado em conversão e resultado de simples aceitação do dom de Deus. A consequência da forma alterada da doutrina era uma metamorfose na natureza do protestantismo popular. Houve uma mudança nos padrões de piedade, afetando a vida devota e prática em todos os seus departamentos. A mudança, de fato, foi responsável pela criação no evangelicalismo um movimento novo e não apenas uma variação sobre temas ouvido desde a Reforma."[20]

Primeiro avivamento[editar | editar código-fonte]

O primeiro avivamento local, ocorreu em Northampton, Massachusetts, sob a liderança do ministro congregacional Jonathan Edwards. No outono de 1734, Edwards pregou uma série de sermões sobre a "justificação pela fé", e a resposta da comunidade foi extraordinária. Sinais de compromissos religiosos entre os leigos aumentaram, especialmente entre os jovens da cidade. O renascimento em última análise, se espalhou para 25 comunidades em Massachusetts ocidental e o centro de Connecticut até que ele começou a minguar até à Primavera de 1735.[21] Edwards foi fortemente influenciado pelo pietismo, tanto que um historiador sublinhou o seu "pietismo americano."[22] Uma prática claramente copiada dos pietistas europeus foi o uso de pequenos grupos divididos por idade e sexo, que se reunia em casas particulares para conservar e promover as frutas de avivamento.[23]

Nas universidades[editar | editar código-fonte]

Ao mesmo tempo, os alunos da Universidade de Yale (naquele tempo Yale College) em New Haven, Connecticut, foram também experimentando o avivamento. Entre eles estava Aaron Burr, que se tornaria um ministro presbiteriano proeminente e futuro presidente da Universidade de Princeton. Em Nova Jersey, Gilbert Tennent, outro pastor presbiteriano, estava pregando a mensagem evangélica e instando a Igreja Presbiteriana de salientar a necessidade de ministros convertidos.[24] A primavera de 1735 também marcou eventos importantes na Inglaterra e no País de Gales. Howell Harris, um professor da escola de Gales, teve uma experiência de conversão em 25 de maio, durante um serviço de comunhão. Ele descreveu que recebeu a garantia da graça de Deus, após um período de jejum, o auto-exame, e desespero sobre seus pecados. Algum tempo depois, Daniel Rowl e o pároco anglicano de Llangeitho, do País de Gales, fizeram a conversão experiente também. Os dois homens começaram a pregar a mensagem evangélica para grandes audiências, tornando-se líderes do reavivamento galês metodista.[25] Mais ou menos na mesma época em que Harris havia experimentado a conversão no País de Gales, George Whitefield foi convertido na Universidade de Oxford depois de sua própria crise espiritual prolongada. Whitefield mais tarde comentou: "Sobre este tempo, Deus estava contente para iluminar minha alma, e me trazer para o conhecimento de Sua graça livre, e a necessidade de ser justificado diante dele pelo Pai apenas".[26]

Morávios[editar | editar código-fonte]

O colega do Clube Santo de Whitefield e mentor espiritual, Charles Wesley, relatou uma conversão evangélica em 1738.[25] Na mesma semana, o irmão de Charles e futuro fundador do metodismo, John Wesley também foi convertido depois de um longo período de luta na ala. Durante esta crise espiritual, John Wesley foi diretamente influenciado pelo pietismo. Dois anos antes de sua conversão, Wesley tinha viajado para a recém-criada colônia da Geórgia como um missionário da sociedade para promover o conhecimento cristão. Ele compartilhou sua viagem com um grupo, o morávio Brethrenled de August Gottlieb Spangenberg. Os morávios impressionaram Wesley, especialmente a sua crença de que era uma parte normal da vida cristã ter uma garantia de sua salvação.[27] Wesley relatou o seguinte diálogo com Spangenberg em 7 de fevereiro de 1736:

[Spangenberg] disse: "Meu irmão, eu preciso primeiro fazer-lhe uma ou duas perguntas. Já há testemunha dentro de si mesmo? Será que o Espírito de Deus dá testemunho com seu espírito de que você é um filho de Deus?" Fiquei surpreso, mas não sabia o que responder. Ele observou, e perguntou: "Você conhece a Jesus Cristo?" Fiz uma pausa, e disse: "Eu sei que ele é o Salvador do mundo." "É verdade," ele respondeu, "mas você sabe se ele te salvou?" Eu respondi: "Eu espero que ele tenha morrido para me salvar." Ele só acrescentou: "Sabe-se?" Eu disse: "eu faço." Mas temo que elas eram palavras vãs.[28]

Wesley finalmente recebeu a garantia de que ele vinha procurando em uma reunião de uma sociedade religiosa em Londres. Enquanto ouve uma leitura do prefácio de Martin Luther ao Epístola aos Romanos, Wesley sentiu-se espiritualmente transformado: "Cerca de um quarto antes das nove, enquanto [o alto-falante] estava descrevendo a mudança que Deus opera no coração mediante a fé em Cristo, eu senti meu coração estranhamente aquecido. Senti a confiança em Cristo, Cristo para a salvação, e uma garantia me foi dada de que ele tinha tirado meus pecados, mesmo os meus, e me salvou da lei do pecado e da morte."[29]

O pietismo continuou a influenciar Wesley, que havia traduzido 33 hinos pietistas do alemão para língua inglesa. Numerosos hinos alemães pietistas se tornaram parte do repertório Inglês Evangélico.[30]

Em 1737, Whitefield tinha se tornado uma celebridade nacional na Inglaterra, onde sua pregação atraiu grandes multidões, especialmente em Londres.[31] Whitfield juntou forças com Edwards para "reavivar a chama do avivamento" nas Treze Colônias, de 1739-1740.

As Treze Colônias[editar | editar código-fonte]

Logo os protestantes do Primeiro Grande Despertamento foram para cima e para baixo nas Treze Colônias.[25] Pregadores evangélicos enfatizaram a salvação pessoal e da piedade mais que o ritual e tradição. Panfletos e sermões impressos cruzaram o oceano Atlântico, encorajando os revivalistas.[32] O Despertar resultou na pregação poderosa que deu ouvintes um sentimento de profunda revelação pessoal de sua necessidade de salvação por Jesus Cristo. Afastando-se de rituais e cerimônias, o Grande Despertar fez do cristianismo intensamente pessoal para a pessoa média, promovendo um profundo sentimento de convicção espiritual e redenção, e incentivando introspecção e um compromisso para um novo padrão de moralidade pessoal. Chegou a pessoas que já eram membros da igreja. Ele mudou seus rituais, sua piedade e sua auto-consciência. Para os imperativos evangélicos da Reforma Protestante, do século XVIII cristãos americanos adicionaram ênfases em efusões divinas do Espírito Santo e conversões que implantavam dentro de novos crentes um intenso amor por Deus. O reavivamento encapsulou essas marcas e transmitiu o evangelicalismo recém-criado no início da república.[33]

Século XIX[editar | editar código-fonte]

O início do século XIX viu um aumento no trabalho missionário e muitas das principais sociedades missionárias foram fundadas em torno deste tempo. Tanto os movimentos evangélicos como a chamada Igreja Alta (as igrejas mais próximas da tradição anglicana) patrocinaram missionários. O Segundo Grande Despertar (que começou em 1790) foi principalmente um movimento revivalista americano e resultou em um crescimento substancial das igrejas metodistas e batistas. Charles Finney foi um pregador importante deste período. Na Grã-Bretanha, além de sublinhar a combinação wesleyana tradicional de "Bíblia, cruz, conversão e ativismo", o movimento revivalista procurou um apelo universal, na esperança de incluir pessoas ricas e pobres, urbanas e rurais, homens e mulheres. Foram feitos esforços especiais para atrair crianças e para produzir literatura de difusão da mensagem de renovação.[34]

A "consciência cristã" foi usada pelo movimento evangélico britânico para promover o ativismo social. Os evangélicos acreditavam que o ativismo do governo e a esfera social era um método essencial para alcançar o objetivo de eliminar o pecado em um mundo mergulhado em maldade.[35]

Os evangélicos na Clapham Sect incluiu figuras como William Wilberforce que fizeram campanha com sucesso para a abolição da escravatura. No final do século XIX, o movimento Santidade revivalista, com base na doutrina da "inteira santificação", tomou uma forma mais extrema na América rural e no Canadá, onde em última instância se separou da Igreja Metodista institucional. Na Grã-Bretanha urbana a mensagem de Santidade foi menos exclusiva e de censura.[36]

John Nelson Darby era um pastor anglicano irlandês do século XIX, que inventou dispensacionalismo moderno, uma interpretação teológica protestante inovadora da Bíblia que foi incorporada no desenvolvimento do evangelicalismo moderno. Cyrus Scofield promoveu ainda mais a influência de dispensacionalismo através das notas explicativas de sua Bíblia de Referência Scofield. De acordo com o estudioso Mark S. Sweetnam, que tem uma perspectiva dos estudos culturais, o dispensacionalismo pode ser definido em termos do seu evangelicalismo, a sua insistência na interpretação literal das Escrituras, seu reconhecimento de estágios no relacionamento de Deus com a humanidade, a sua expectativa do retorno iminente de Cristo para arrebatar seus santos, e seu foco tanto no apocaliticismo como no pré-milenarismo.[37]

Culto no El Lugar de Su Presencia, afiliada à Hillsong Family, em Bogotá, na Colômbia, 2019

Figuras notáveis da segunda metade do século XIX incluem Charles Spurgeon, de Londres, e Dwight L. Moody, de Chicago. Sua pregação poderosa atingiu grandes audiências.[38][39] Uma perspectiva teológica avançada veio dos teólogos de Princeton a partir de década de 1850 à década de 1920, como de Charles Hodge, Archibald Alexander e BB Warfield.[40]

Características[editar | editar código-fonte]

Crenças[editar | editar código-fonte]

Cada igreja tem uma confissão de fé particular e comum se for membro de uma denominação cristã. [41]

A Aliança Evangélica Mundial fundada por organizações evangélicas de 21 países, na primeira reunião geral da Woudschoten (Zeist) para Holanda em 1951 estabeleceu um confissão de fé comum.[14][15]

Mas, esta confissão de fé é resumida, já que toda denominação cristã evangélica tem peculiaridades teológicas. Apesar das nuances nos vários movimentos evangélicos, existe um conjunto semelhante de crenças para movimentos aderentes à doutrina da Igreja de crentes, sendo os principais Anabatismo, Igreja Batista e Pentecostalismo.[42][43][44][45][46][47]

Cristianismo evangélico reúne diversas movimentos da teologia evangélica, as principais sendo conservadora fundamentalista ou moderada e a liberal.[7][48]

A excomunhão é usado como último recurso, por denominações e igrejas para membros que não querem se arrepender de crenças ou comportamento em desacordo com a confissão de fé da comunidade. [49][50]

Para a maioria dos cristãos evangélicos, o literalismo bíblico assegura que os milagres descritos na Bíblia ainda são relevantes e podem estar presentes na vida do crente.[51][52] Curas, sucessos acadêmicos ou profissionais, o nascimento de uma criança após várias tentativas, o fim de um vício, etc., seriam exemplos tangíveis da intervenção de Deus com o e oração, pelo Espírito Santo.[53] Na década de 1980, o movimento neo-carismático enfatizou novamente os milagres e a cura pela fé.[54] Em certas igrejas, um lugar especial é reservado para curas com imposição de mãos durante o culto ou para campanhas evangelização.[55][56] A cura pela fé ou cura divina é considerada uma herança de Jesus adquirida por sua morte e ressurreição.[57]

Diferença entre Evangelicalismo e Protestantismo[editar | editar código-fonte]

A principal distinção entre igrejas evangélicas e igrejas protestantes é a doutrina Igreja de crentes, embora haja uma "veia evangélica" mais ampla no protestantismo.[58] As igrejas protestantes têm predominantemente uma teologia liberal enquanto as igrejas evangélicas têm predominantemente uma teologia conservadora ou moderada.[59][60]

Organização[editar | editar código-fonte]

A Igreja evangélica local é a organização que representa a Igreja universal e é vista pelos evangélicos como o corpo de Jesus.[61] Ela é responsável pelo ensino e ordenanças, a saber, o batismo do crente e a Santa Ceia.[62] Muitas igrejas são membros de denominações cristãs evangélicas.[63]Algumas denominações são membros de uma aliança nacional da Aliança Evangélica Mundial.[64]

A administração da Igreja é assegurada pelos ministros evangélicos quem são principalmente os de diácono, líder de louvor, pastor, e evangelista.[65] Outros ministérios também podem estar presentes, como o de ancião, com funções semelhantes às do pastor.[66] O ministério de bispo com a função de supervisionar as igrejas em escala regional ou nacional está presente em todas as denominações cristãs evangélicas, mesmo se o título de presidente do conselho ou superintendente geral for usado principalmente para isso função.[67][68] O termo bispo é explicitamente usado em certas denominações.[69] Em algumas igrejas do movimento nova reforma apostólica, existem cinco ministérios; os de apóstolo, profeta, evangelista, pastor, professor.[70]

Seminário teológico batista em Hong Kong, afiliado à Convenção Batista de Hong Kong, 2008

O treinamento de ministros ocorre em uma escola bíblica por um período de um ano (certificado) a quatro anos (licenciatura ou a mestrado) em teologia evangélica.[71] Ministros podem se casar e ter filhos.[72] O pastor é geralmente ordenado em uma cerimônia chamada "consagração pastoral".[73][74][75]

Algumas denominações evangélicas autorizam oficialmente a ordenação de mulheres nas igrejas.[76] O ministério feminino é justificado pelo fato de que Maria Madalena foi escolhida por Jesus para anunciar sua ressurreição aos apóstolos.[77] A primeira mulher batista que foi pastor consagrado é a americana Clarissa Danforth na denominação Batista de Livre Arbítrio em 1815.[78] Em 1882, na National Baptist Convention, USA.[79] Nas Assembléias de Deus dos Estados Unidos, desde 1927.[80] Em 1961, na Progressive National Baptist Convention.[81] Em 1975, na Igreja Quadrangular.[82]

Culto[editar | editar código-fonte]

Mostra sobre a vida de Jesus em Igreja da Cidade, afiliada com a Convenção Batista Brasileira, São José dos Campos, Brasil, 2017

Nas igrejas evangélicas, o culto é visto como um ato da adoração de Deus na vida da Igreja.[83] Não há liturgia e a concepção do serviço de adoração é mais informal.[84] Normalmente é dirigido por um pastor cristão. Geralmente contém duas partes principais, o louvor (música cristã) e o sermão, e periodicamente a Santa Ceia.[85][86][87][88] Durante o culto, geralmente existe uma creche para bebês.[89] Crianças e adolescentes recebem educação adequada, escola dominical, em uma sala separada.[90]

Edifício da Chumukedima Ao Baptist Church em Chumukedima, Kohima, afiliada ao Conselho da Igreja Batista de Nagaland (Índia).

Locais de culto são geralmente chamados de "templos" ou simplesmente "edifício (de igreja)".[91][92][93] Em algumas megaigrejas, a palavra "campus" é usada algumas vezes.[94][95] A arquitetura dos locais de culto é caracterizada principalmente por sua sobriedade.[96][97] A cruz latina é um dos únicos símbolos espirituais que geralmente podem ser vistos na construção de uma igreja evangélica e que identifica o pertencimento do lugar.[98][99] Alguns serviços ocorrem em teatros, escolas ou salas polivalentes, alugadas apenas para o domingo.[100][101][102] Por causa de sua compreensão do segundo dos Dez Mandamentos, os evangélicos não têm representações materiais religiosas como estatutos, ícones ou pinturas em seus locais de culto.[103][104] Geralmente há um batistério no palco do auditório (também chamado santuário) ou em uma sala separada, para batismos por imersão.[105][106]

Os principais festividades cristãs celebradas pelos evangélicos são Natal, Pentecostes (pela maioria das denominações evangélicas) e Páscoa para todos os crentes.[107][108][109]

Em alguns países do mundo que aplicam a xaria ou o comunismo, as aprovações governamentais são complexas.[110][111][112] Por causa da perseguição aos cristãos, as igrejas domésticas evangélicas desenvolveram.[113] Por exemplo, existem movimentos evangélicos de igrejas domésticas chinesas.[114] As reuniões acontecem em casas particulares, em segredo e em "ilegalidade".[115]

Educação[editar | editar código-fonte]

Faculdade de Enfermagem, Universidade Central das Filipinas, afiliada à Convenção das Igrejas Batista das Filipinas, em Iloílo, 2018

As igrejas evangélicas têm se envolvido no estabelecimento de escolas primárias e secundárias.[116] Permitiu também o desenvolvimento de vários escolas bíblicas, faculdades e universidades nos Estados Unidos durante o século XIX.[117][118] Outras universidades evangélicas foram estabelecidas em vários países do mundo.[119]

O Conselho para Faculdades e Universidades Cristãs foi fundado em 1976 pelo Christian College Consortium, uma organização universitária cristã evangélica americana, sob o nome de Coalition for Christian Colleges. [120][121] Em 1999, tinha 94 escolas membros e mudou seu nome para Conselho para Faculdades e Universidades Cristãs. [122] Em 2021, CCCU tinha 180 membros em 21 países. [123] 150 estavam nos Estados Unidos e Canadá e 30 em 18 outros países.

A Associação Internacional de Escolas Cristãs foi fundada em 1978 por 3 associações americanas de escolas cristãs evangélicas. [124] Várias escolas internacionais aderiram à rede. [125] Em 2021, tinha 23.000 escolas em 100 países. [126]

O Conselho Internacional para Educação Teológica Evangélica tem suas origens em um projeto de redes regionais de institutos teológicos evangélicos na década de 1970. [127] Em 1980, foi oficialmente fundado pela Comissão Teológica da Aliança Evangélica Mundial. [128] Em 2015, teria 1.000 escolas membros em 113 países. [129]

Ajuda humanitária[editar | editar código-fonte]

Um dos aviões Samaritan's Purse usados para o transporte de emergência de necessidades básicas e trabalhadores humanitários em Birmingham, Inglaterra, 2019

Na década de 1940, nos Estados Unidos, o neo-evangelicalismo desenvolveu a importância de justiça social e ações humanitárias nas igrejas evangélicas.[130] A maioria das organizações cristãs evangélicas humanitárias foi fundada na segunda metade do século XX.[131] Entre aqueles com os países mais parceiros, houve a fundação de World Vision International (1950), Samaritan's Purse (1970), Mercy Ships (1978), Prison Fellowship International (1979), International Justice Mission (1997).[132]

Sexualidade[editar | editar código-fonte]

Cerimônia de casamento em Primeira Igreja batista de Rivas, Nicarágua, 2011

Em matéria de sexualidade, várias igrejas evangélicas promovem o pacto de pureza para jovens cristãos evangélicos, que são convidados a cometer durante uma cerimônia em público em abstinência sexual até casamento cristão.[133] Este pacto é muitas vezes simbolizado por um anel da pureza.[134]

Nas igrejas evangélicas, jovens adultos e casais solteiros são incentivados a se casar cedo, a fim de viver uma sexualidade de acordo com a vontade de Deus.[135][136]

Um estudo americano de 2009 da Campanha Nacional para Prevenir a Gravidez Não Planejada de Adolescentes relatou que 80% dos jovens evangélicos solteiros tiveram relacionamentos e que 42% estavam em um relacionamento com sexo, quando pesquisados.[137]

A maioria das igrejas cristãs evangélicas é contra interrupção voluntária da gravidez e apóia agências de adoção e agências de apoio social para mães jovens.[138] Organizações evangélicas como a Focus on the Family estão envolvidas no movimento pró-vida.[139]

A masturbação é vista como proibida por alguns pastores evangélicos por causa dos pensamentos sexuais que podem acompanhá-la. [140][141] No entanto, pastores evangélicos apontaram que a prática foi erroneamente associada a Onan por estudiosos, que não é pecado se não praticada de maneira fantasiosa ou compulsiva, e que foi útil para um casal, se seu parceiro fosse não tinha a mesma frequência de necessidades sexuais. [142][143]

Algumas igrejas evangélicas falam apenas de abstinência sexual e não falam de sexualidade no casamento.[144][145][146] Outras igrejas evangélicas nos Estados Unidos e Suíça falam de sexualidade cristã como um presente de Deus e parte de um casamento cristão cumprido, em mensagens em cultos ou conferências.[147][148][149] Muitos livros e sites evangélicos são especializados no assunto.[150][151] O livro O ato conjugal publicado em 1976 pelo pastor batista Tim LaHaye e sua esposa Beverly LaHaye foi uma pioneira no campo.[152]

A percepções da homossexualidade nas igrejas evangélicas são variadas, as principais conservadora fundamentalista ou moderada, liberal e neutra.[153][154] A posição conservadora fundamentalista é muito hostil aos homossexuais e está envolvida em causas anti-gays e declarações homofóbicas.[155] Algumas igrejas têm uma posição conservadora moderada.[156] Apesar de não aprovarem práticas homossexuais, mostram simpatia e respeito pelos homossexuais.[157] Existem também denominações evangélicas internacionais liberal gay-friendly.[158][159] Algumas denominações evangélicas adotaram posições neutras, deixando a escolha das igrejas locais para decidirem por casamento gay.[160][161]

Controvérsias[editar | editar código-fonte]

Uma doutrina particularmente controversa nas igrejas evangélicas é a da teologia da prosperidade, que se espalhou nas décadas de 1970 e 1980 nos Estados Unidos, principalmente por televangelistas pentecostais e carismáticos.[162][163] Esta doutrina é centrada no ensino da fé cristã como um meio de enriquecer-se financeira e materialmente, através de uma "confissão positiva" e uma contribuição para os ministérios cristãos.[164] Promessas de cura divina e prosperidade são garantidos em troca de certos montantes de doações.[165][166] A fidelidade no dízimo permitiria evitar as maldições de Deus, os ataques do diabo e da pobreza.[167] As ofertas e dízimo ocupam muito tempo nos cultos.[168] Muitas vezes associada ao dízimo obrigatório, esta doutrina é por vezes comparada com um negócio religioso.[169][170][171] Em 2012, o Conselho Nacional de Evangélicos da França publicou um documento denunciando essa doutrina, mencionando que a prosperidade era de fato possível para um crente, mas que essa teologia levada ao extremo leva ao materialismo e à idolatria, que não é a propósito do evangelho.[172][173] Pastores pentecostais que aderem à teologia da prosperidade têm sido criticados por jornalistas por seu estilo de vida bling-bling (roupas luxuosas, casas grandes, carros luxuosos, avião particular, etc.)[174]

Desde a década de 1970, vários escândalos financeiros de peculato têm sido relatados em igrejas e organizações evangélicas.[175] O Conselho Evangélico de Responsabilidade Financeira foi fundado em 1979 para fortalecer a integridade financeira de organizações e igrejas evangélicas que desejam voluntariamente ser membros e passar por auditorias contábeis anuais.[176]

Em 2011, o professor evangélico americano Ed Stetzer atribuiu ao individualismo o motivo do aumento do número de igrejas evangélicas que afirmam ser cristianismo não denominacional.[177]

No Pentecostalismo, desvios acompanharam o ensino de cura pela fé. Em algumas igrejas, foi observado o preço da oração contra promessas de cura.[178] Alguns pastores e evangelistas foram acusados de reivindicar falsas curas.[179][180] Algumas igrejas, nos Estados Unidos ou Nigéria, aconselharam seus membros contra vacinação ou remédio, dizendo que é para os fracos na fé e que com uma confissão positiva, eles estariam imunes.[181][182] Em 2019, em Mbandjock, nos Camarões, três mortes estão relacionadas a esta posição em uma igreja.[183] Esta posição não é representativa de todas as igrejas evangélicas, como indica o documento "The Miraculous Healing", publicado em 2015 pelo Conselho Nacional dos Evangélicos da França, que menciona que medicina é um dos dons de Deus feitos aos seres humanos.[184][185] Igrejas e certas organizações evangélicas humanitárias também estão envolvidas em programas de saúde médica.[186][187][188]

Algumas igrejas e organizações evangélicas foram criticadas pelas vítimas de estupro e violência doméstica pelo manejo silencioso de casos de abuso por parte de pastores ou membros.[189] A falta de denúncia de abuso à polícia está presente principalmente em igrejas que não são membros da denominação cristã evangélica, ou afiliadas a denominações que atribuem grande importância à ampla autonomia das igrejas.[190] A organização evangélica GRACE foi fundada em 2004 por o professor batista Boz Tchividjianpara ajudar as igrejas a combater abuso sexual, abuso psicológico e abuso físico em organizações cristãs.[191]

Em 2018, o professor norte-americano Scot McKnight, do Northern Baptist Theological Seminary, criticou as megaigrejas evangélicas pela fraca relação de responsabilidade externa de seus líderes por não serem membros da denominação cristã, expondo-os ainda mais ao abuso de poder.[192]

Em 2018, o teólogo batista Russell D. Moore criticou algumas Igrejas Batistas americanas por seu moralismo enfatizando fortemente a condenação de certos pecados pessoais, mas silencioso sobre as injustiças sociais que afligem populações inteiras, como o racismo.[193]

O fato de os evangélicos falarem evangelismo e falam sobre sua fé em público é frequentemente criticado pela mídia e associado ao proselitismo.[194] Segundo os evangélicos, a liberdade religiosa e a liberdade de expressão permita que eles falem sobre sua fé como qualquer outra coisa.[195] Os filmes cristãos produzidos por produtoras evangélicas americanas também são regularmente associado ao proselitismo.[196][197] De acordo com Sarah-Jane Murray, professora de roteiro da Comissão de Televisão Cristã e Cristã dos EUA Unidos, os filmes cristãos são obras de arte, não proselitismo.[198] Para Hubert de Kerangat, gerente de comunicações da Saje distribution, distribuidor desses filmes cristãos americanos na França, se filmes cristãos são "prosélitos", todos os filmes são "prosélitos", já que cada filme transmite uma mensagem, independentemente de o espectador aprovar ou não.[199]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Dicionário Priberam de Língua Portuguesa. «Definição de "Evangelismo" - Priberam» (em português). Consultado em 21 de janeiro de 2020 
  2. «Defining Evangelicalism». Institute for the Study of American Evangelicals, Wheaton College. Consultado em 31 de agosto de 2011. Arquivado do original em 21 de junho de 2012 
  3. Bebbington, D. W.. Evangelicals in Modern Britain: A History from the 1730s to the 1980s , p. 3.
  4. Harold Heie, A Future for American Evangelicalism: Commitment, Openness, and Conversation, Wipf and Stock Publishers, USA, 2015, p. 11-15
  5. «Igrejas de Linha Principal». Consultado em 26 de fevereiro de 2019 
  6. Roger E. Olson, The Westminster Handbook to Evangelical Theology, Westminster John Knox Press , UK, 2004, p. 172
  7. a b Peter Beyer, Religion in the Process of Globalization, Ergon, Germany, 2001, p. 261
  8. Religioscope, Sébastien Fath, À propos de l’évangélisme et des Églises évangéliques en France – Entretien avec Sébastien Fath, religion.info, França, 3 de março de 2002
  9. Donald W. Dayton, The Variety of American Evangelicalism, Univ. of Tennessee Press, USA, 2001, p. 155
  10. Livingstone, Elizabeth A (2005). The Oxford Dictionary of the Christian Church 3rd ed. rev ed. Oxford: Oxford University Press. p. 583. ISBN 0-19-280290-9 
  11. Brian Stiller, Evangelicals Around the World: A Global Handbook for the 21st Century, Thomas Nelson, USA, 2015, p. 10
  12. Michael G. Baylor, Raymond Geuss, Quentin Skinner, The Radical Reformation, Cambridge University Press, UK, 1991, p. X11
  13. Sébastien Fath, Du ghetto au réseau: Le protestantisme évangélique en France, 1800-2005, Édition Labor et Fides, France, 2005, p. 70-71
  14. a b Roger E. Olson, The Westminster Handbook to Evangelical Theology, Westminster John Knox Press, USA, 2004, p. 100
  15. a b Brian Stanley, The Global Diffusion of Evangelicalism: The Age of Billy Graham and John Stott, InterVarsity Press, USA, 2013, p. 73
  16. Donald M. Lewis, Richard V. Pierard, Global Evangelicalism: Theology, History & Culture in Regional Perspective, InterVarsity Press, USA, 2014, p. 267
  17. Mark. A. Noll; Richard J. Mouw (2004). Wonderful Words of Life. Hymns in American Protestant History and Theology (em inglês). Estados Unidos: Midwest Book. p. 76. ISBN 978-0-8028-2160-7 
  18. David W. Bebbington (1989). Evangelicalism in Modern Britain. A History from the 1730s to the 1980s (em inglês). Reino Unido: Routledge. p. 74. ISBN 0415104645 
  19. David W. Bebbington (1989). Evangelicalism in Modern Britain. A History from the 1730s to the 1980s (em inglês). Reino Unido: Routledge. p. 42. ISBN 0415104645 
  20. David W. Bebbington (1989). Evangelicalism in Modern Britain. A History from the 1730s to the 1980s (em inglês). Reino Unido: Routledge. p. 43. ISBN 0415104645 
  21. Mark. A. Noll; Richard J. Mouw (2004). Wonderful Words of Life. Hymns in American Protestant History and Theology (em inglês). Estados Unidos: Midwest Book. p. 76-78. 308 páginas. ISBN 978-0-8028-2160-7 
  22. Richard F. Lovelace (2007). The American Pietism of Cotton Mather. Origins of American Evangelicalism (em inglês). [S.l.]: Wipf & Stock Pub. 360 páginas. ISBN 978-1556353925 
  23. Mark. A. Noll; Richard J. Mouw (2004). Wonderful Words of Life. Hymns in American Protestant History and Theology (em inglês). Estados Unidos: Midwest Book. p. 77. ISBN 978-0-8028-2160-7 
  24. Mark. A. Noll; Richard J. Mouw (2004). Wonderful Words of Life. Hymns in American Protestant History and Theology (em inglês). Estados Unidos: Midwest Book. p. 81-82. 308 páginas. ISBN 978-0-8028-2160-7 
  25. a b c David W. Bebbington (1989). Evangelicalism in Modern Britain. A History from the 1730s to the 1980s (em inglês). Reino Unido: Routledge. p. 20. ISBN 0415104645 
  26. Mark. A. Noll; Richard J. Mouw (2004). Wonderful Words of Life. Hymns in American Protestant History and Theology (em inglês). Estados Unidos: Midwest Book. p. 79-80. 308 páginas. ISBN 978-0-8028-2160-7 
  27. Mark. A. Noll; Richard J. Mouw (2004). Wonderful Words of Life. Hymns in American Protestant History and Theology (em inglês). Estados Unidos: Midwest Book. p. 84. ISBN 978-0-8028-2160-7 
  28. Mark. A. Noll; Richard J. Mouw (2004). Wonderful Words of Life. Hymns in American Protestant History and Theology (em inglês). Estados Unidos: Midwest Book. p. 85. ISBN 978-0-8028-2160-7 
  29. Mark. A. Noll; Richard J. Mouw (2004). Wonderful Words of Life. Hymns in American Protestant History and Theology (em inglês). Estados Unidos: Midwest Book. p. 97. ISBN 978-0-8028-2160-7 
  30. Douglas H Shantz (2013). An Introduction to German Pietism: Protestant Renewal at the Dawn of Modern Europe (em inglês). [S.l.]: Johns Hopkins University Press. p. 80-279. 520 páginas. ISBN 1421408317 
  31. Mark. A. Noll; Richard J. Mouw (2004). Wonderful Words of Life. Hymns in American Protestant History and Theology (em inglês). Estados Unidos: Midwest Book. p. 87. ISBN 978-0-8028-2160-7 
  32. Jennifer Snead (2010). Print, Predestination, and the Public Sphere: Transatlantic Evangelical Periodicals, 1740–1745 (em inglês). [S.l.]: Early American Literature 45 
  33. Stout, Harold 'Harry' (1991). The Divine Dramatist: George Whitefield and the Rise of Modern Evangelicalism (em inglês). [S.l.]: Wm. B. Eerdmans Publishing Co. 325 páginas. ISBN 0802801544 
  34. David W Bebbington (2002). The Evangelical Revival in Britain in the Nineteenth Century (em inglês). [S.l.]: Kyrkohistorisk Arsskrift. p. 63-70 
  35. Bebbington, David W (2007), "The Evangelical Conscience", Welsh Journal of Religious History 2 (1): 27–44
  36. Bebbington, David W (1996), "The Holiness Movements in British and Canadian Methodism in the Late Nineteenth Century", Proceedings of the Wesley Historical Society 50 (6): 203–28
  37. Sweetnam, Mark S (2010), "Defining Dispensationalism: A Cultural Studies Perspective", Journal of Religious History 34 (2): 191–212
  38. Bebbington, David W (2005), Dominance of Evangelicalism: The Age of Spurgeon and Moody
  39. Findlay, James F (1969), Dwight L. Moody: American Evangelist, 1837–1899
  40. Hoffecker, W. Andrew (1981), Piety and the Princeton Theologians, Nutley: Presbyterian & Reformed, v
  41. Brad Christerson, Richard Flory, The Rise of Network Christianity, Oxford University Press, USA, 2017, p. 58
  42. William H. Brackney, Historical Dictionary of the Baptists, Scarecrow Press, USA, 2009, p. 87 : Tradução: "A partir do século 16, aqueles no círculo próximo das igreja de crentes incluem os Menonitas, Irmãos, Batistas, Amish e Huteritas, para citar as principais subcategorias. No desenvolvimento mais moderno, (...) como os Pentecostais, podem se considerar igrejas de crentes por esta definição. " Texto original em inglês: "From the 16th century, those in the close circle of the believer's churches include the Mennonites, Brethren, Baptists, Amish, and Hutterites, to name the major subcategories. In more modern development, (…) such as the Pentecostals, may consider themselves believer's churches by this definition."
  43. Darren T. Duerksen, William A. Dyrness, Seeking Church: Emerging Witnesses to the Kingdom, InterVarsity Press, USA, 2019, p. 45 : Tradução: "A Igreja de crentes: Conforme nos voltamos para a “Reforma radical” ou movimento Anabatista (...) amplamente visto em várias igrejas Batistas, Pentecostais, comunitárias e independentes." Texto original em inglês: "The Believer's Church: As we turn to the early “radical Reformation” or Anabaptist movement (…) widely seen in various Baptist, Pentecostal, community, and independent churches."
  44. Michel Deneken, Francis Messner, Frank Alvarez-Pereyre, La théologie à l'Université: statut, programmes et évolutions, Editions Labor et Fides, France, 2009, p. 64 : Tradução: “Ensino em estabelecimentos evangélicos: (...) igrejas evangélicas que gostam de se apresentar como 'Igrejas de crentes', cujos membros são cristãos convictos e comprometidos”. Texto original em francês : "L’enseignement dans les établissements évangéliques : (…) les églises évangéliques aimant à se présenter comme des « Églises de professants », dont les membres sont des chrétiens convaincus et engagés."
  45. Religioscope et Sébastien Fath, À propos de l’évangélisme et des Églises évangéliques en France – Entretien avec Sébastien Fath, religion.info, France, 3 mars 2002: Tradução: “O critério de “Igreja de crentes” permite definir com mais clareza o que se denomina stricto sensu dos evangélicos” Texto original em francês: "Le critère d’«Eglise de professants» permet plus nettement de cerner ce que l’on appelle stricto sensu des évangéliques"
  46. Donald M. Lewis, Richard V. Pierard, Global Evangelicalism: Theology, History & Culture in Regional Perspective, InterVarsity Press, USA, 2014, p. 40 :Tradução: “O movimento missionário moderno é a mostra notável da influência do impulso teológico evangélico nos últimos quatro séculos”. e 297: "As tradições Batista e Menonita são exemplos de igrejas de crentes". Texto original em inglês: "The modern mission movement is the outstanding exhibit of the influence of the evangelical theological impulse over the past four centuries". and 297: "The Baptist and Mennonite traditions are examples of believer's churches".
  47. Robert H. Krapohl, Charles H. Lippy, The Evangelicals: A Historical, Thematic, and Biographical Guide, Greenwood Publishing Group, USA, 1999, p. 11
  48. Roger E. Olson, The Westminster Handbook to Evangelical Theology, Westminster John Knox Press, USA, 2004, p. 172
  49. Donald F. Durnbaugh, The Believers' Church: The History and Character of Radical Protestantism, Wipf and Stock Publishers, USA, 2003, p. 32
  50. William H. Brackney, Historical Dictionary of the Baptists, Scarecrow Press, USA, 2009, p. 183
  51. Sébastien Fath, Du ghetto au réseau: Le protestantisme évangélique en France, 1800-2005, Édition Labor et Fides, França, 2005, p. 28
  52. James Innell Packer, Thomas C. Oden, One Faith: The Evangelical Consensus, InterVarsity Press, USA, 2004, p. 104
  53. Franck Poiraud, Les évangéliques dans la France du XXIe siècle, Editions Edilivre, França, 2007, p. 69, 73, 75
  54. George Thomas Kurian, Mark A. Lamport, Encyclopedia of Christianity in the United States, Volume 5, Rowman & Littlefield, USA, 2016, p. 1069
  55. Cecil M. Robeck, Jr, Amos Yong, The Cambridge Companion to Pentecostalism, Cambridge University Press, UK, 2014, p. 138
  56. Béatrice Mohr e Isabelle Nussbaum, Rock, miracles & Saint-Esprit, rts.ch, Suíça , 21 de abril de 2011
  57. Randall Herbert Balmer, Encyclopedia of Evangelicalism: Revised and expanded edition, Baylor University Press, USA, 2004, p. 212
  58. Erro de citação: Etiqueta <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs de nome religion.info
  59. Eric C. Miller, The Political Legacy of Progressive Evangelicals, religionandpolitics.org, USA, 27 de outubro de 2015
  60. Frederick Casadesus, Les évangéliques sont-ils tous protestants ?, reforme.net, França, 20 de outubro de 2005
  61. Robert Paul Lightner, Handbook of Evangelical Theology, Kregel Academic, USA, 1995, p. 228
  62. Robert Paul Lightner, Handbook of Evangelical Theology, Kregel Academic, USA, 1995, p. 234
  63. Timothy J. Demy Ph.D., Paul R. Shockley Ph.D., Evangelical America: An Encyclopedia of Contemporary American Religious Culture, ABC-CLIO, USA, 2017, p. 105
  64. Brian Stiller, Evangelicals Around the World: A Global Handbook for the 21st Century, Thomas Nelson, USA, 2015, p. 210
  65. Walter A. Elwell, Evangelical Dictionary of Theology, Baker Academic, USA, 2001, p. 778
  66. Walter A. Elwell, Evangelical Dictionary of Theology, Baker Academic, USA, 2001, p. 370
  67. John H. Y. Briggs, A Dictionary of European Baptist Life and Thought, Wipf and Stock Publishers, USA, 2009, p. 53
  68. William K. Kay, Pentecostalism: A Very Short Introduction, OUP Oxford, UK, 2011, p. 81
  69. Walter A. Elwell, Evangelical Dictionary of Theology, Baker Academic, USA, 2001, p. 171
  70. Karl Inge Tangen, Ecclesial Identification beyond Late Modern Individualism?: A Case Study of Life Strategies in Growing Late Modern Churches, BRILL, Países Baixos, 2012, p. 27
  71. Michel Deneken, Francis Messner, Frank Alvarez-Pereyre, La théologie à l'Université: statut, programmes et évolutions, Editions Labor et Fides, França, 2009, p. 61
  72. Sébastien Fath, Du ghetto au réseau: Le protestantisme évangélique en France, 1800-2005, Édition Labor et Fides, França, 2005, p. 55
  73. Sébastien Fath, Une autre manière d'être chrétien en France: socio-histoire de l'implantation baptiste, 1810-1950, Editions Labor et Fides, France, 2001, p. 578
  74. William H. Brackney, Historical Dictionary of the Baptists, Scarecrow Press, USA, 2009, p. 431
  75. Shane Clifton, Pentecostal Churches in Transition: Analysing the Developing Ecclesiology of the Assemblies of God in Australia, BRILL, Netherlands, 2009, p. 134
  76. Brian Stiller, Evangelicals Around the World: A Global Handbook for the 21st Century, Thomas Nelson, USA, 2015, p. 117
  77. Mark Husbands, Timothy Larsen, Women, Ministry and the Gospel: Exploring New Paradigms, InterVarsity Press, USA, 2007, p. 230
  78. Rosemary Skinner Keller, Rosemary Radford Ruether, Marie Cantlon, Encyclopedia of Women and Religion in North America, Volume 1, Indiana University Press, USA, 2006, p. 294
  79. Robert E. Johnson, A Global Introduction to Baptist Churches, Cambridge University Press, UK, 2010, p. 372
  80. Lisa Stephenson, Dismantling the Dualisms for American Pentecostal Women in Ministry, BRILL, USA, 2011, p. 46
  81. Glenn T. Miller, Piety and Plurality: Theological Education since 1960, Wipf and Stock Publishers, USA, 2014, p. 94
  82. Lisa Stephenson, Dismantling the Dualisms for American Pentecostal Women in Ministry, BRILL, USA, 2011, p. 55
  83. Gerald R. McDermott, The Oxford Handbook of Evangelical Theology, Oxford University Press, UK, 2013, p. 311
  84. Roger E. Olson, The Westminster Handbook to Evangelical Theology, Westminster John Knox Press , UK, 2004, p. 284
  85. Bruce E. Shields, David Alan Butzu, Generations of Praise: The History of Worship, College Press, USA, 2006, p. 307-308
  86. Robert Dusek, Facing the Music, Xulon Press, USA, 2008, p. 65
  87. Gaspard Dhellemmes, Spectaculaire poussée des évangéliques en Île-de-France, lejdd.fr, França, 7 de junho de 2015
  88. Franklin M. Segler, Randall Bradley, Christian Worship: Its Theology and Practice, B&H Publishing Group, USA, 2006, p. 207
  89. Greg Dickinson, Suburban Dreams: Imagining and Building the Good Life, University of Alabama Press, USA, 2015, p. 144
  90. Jeanne Halgren Kilde, When Church Became Theatre: The Transformation of Evangelical Architecture and Worship in Nineteenth-century America, Oxford University Press, USA, 2005, p. 159, 170, 188
  91. D. A. Carson, Worship: Adoration and Action: Adoration and Action, Wipf and Stock Publishers, USA, 2002, p. 161
  92. Jeanne Halgren Kilde, Sacred Power, Sacred Space: An Introduction to Christian Architecture and Worship, Oxford University Press, USA, 2008, p. 193
  93. Harold W. Turner, From Temple to Meeting House: The Phenomenology and Theology of Places of Worship, Walter de Gruyter, Germany, 1979, p.258
  94. Justin G. Wilford, Sacred Subdivisions: The Postsuburban Transformation of American Evangelicalism, NYU Press, USA, 2012, p. 78
  95. Anne C. Loveland, Otis B. Wheeler, From Meetinghouse to Megachurch: A Material and Cultural History, University of Missouri Press, USA, 2003, p. 2
  96. Peter W. Williams, Houses of God: Region, Religion, and Architecture in the United States, University of Illinois Press, USA, 2000, p. 125
  97. Murray Dempster, Byron D. Klaus, Douglas Petersen, The Globalization of Pentecostalism: A Religion Made to Travel, Wipf and Stock Publishers, USA, 2011, p. 210
  98. Mark A. Lamport, Encyclopedia of Christianity in the Global South, Volume 2, Rowman & Littlefield, USA, 2018, p. 32
  99. Anne C. Loveland, Otis B. Wheeler, From Meetinghouse to Megachurch: A Material and Cultural History, University of Missouri Press, USA, 2003, p. 149
  100. Annabelle Caillou, Vivre grâce aux dons et au bénévolat, ledevoir.com, Canadá, 10 de novembro de 2018
  101. Helmuth Berking, Silke Steets, Jochen Schwenk, Religious Pluralism and the City: Inquiries into Postsecular Urbanism, Bloomsbury Publishing, UK, 2018, p. 78
  102. George Thomas Kurian, Mark A. Lamport, Encyclopedia of Christianity in the United States, Volume 5, Rowman & Littlefield, USA, 2016, p. 1359
  103. Cameron J. Anderson, The Faithful Artist: A Vision for Evangelicalism and the Arts, InterVarsity Press, USA, 2016, p. 124
  104. Doug Jones, Sound of Worship, Taylor & Francis, USA, 2013, p. 90
  105. William H. Brackney, Historical Dictionary of the Baptists, Scarecrow Press, USA, 2009, p. 61
  106. Wade Clark Roof, Contemporary American Religion, Volume 1, Macmillan, UK, 2000, p. 49
  107. William H. Brackney, Historical Dictionary of the Baptists, Scarecrow Press, USA, 2009, p. 402
  108. Daniel E. Albrecht, Rites in the Spirit: A Ritual Approach to Pentecostal/Charismatic Spirituality, A&C Black, UK, 1999, p. 124
  109. Walter A. Elwell, Evangelical Dictionary of Theology, Baker Academic, USA, 2001, p. 236 - 239
  110. Erwin Fahlbusch, Geoffrey William Bromiley, The Encyclopedia of Christianity, Volume 4, Wm. B. Eerdmans Publishing, USA, 2005, p. 163
  111. Yves Mamou, Yves Mamou: «Les persécutions de chrétiens ont lieu en majorité dans des pays musulmans», lefigaro.fr, França, 20 de março de 2019
  112. Wesley Rahn, In Xi we trust - Is China cracking down on Christianity?, dw.com, Alemanha, 19 de janeiro de 2018
  113. Allan Heaton Anderson, An Introduction to Pentecostalism: Global Charismatic Christianity, Cambridge University Press, UK, 2013, p. 104
  114. Brian Stiller, Evangelicals Around the World: A Global Handbook for the 21st Century, Thomas Nelson, USA, 2015, p. 328
  115. Mark A. Lamport, Encyclopedia of Christianity in the Global South, Volume 2, Rowman & Littlefield, USA, 2018, p. 364
  116. Kevin M. Taylor, American Evangelicals and Religious Diversity: Subcultural Education, Theological Boundaries, and the Relativization of Tradition, Information Age Publishing, USA, 2006, p. 34
  117. James Findlay, Agency, Denominations, and the Western Colleges, 1830-1860 dans Roger L. Geiger, The American College in the Nineteenth Century, Vanderbilt University Press, USA, 2000, p. 115
  118. Timothy J. Demy Ph.D., Paul R. Shockley Ph.D., Evangelical America: An Encyclopedia of Contemporary American Religious Culture, ABC-CLIO, USA, 2017, p. 206
  119. Mark A. Noll, The New Shape of World Christianity: How American Experience Reflects Global Faith, InterVarsity Press, USA, 2009, p. 45
  120. George Thomas Kurian, Mark A. Lamport, Encyclopedia of Christian Education, Volume 3, Rowman & Littlefield, USA, 2015, p. 348
  121. Randall Herbert Balmer, Encyclopedia of Evangelicalism: Revised and expanded edition, Baylor University Press, USA, 2004, p. 190
  122. CT, Why Christian Colleges Are Booming, christianitytoday.com, USA, 26 de abril de 1999
  123. Council for Christian Colleges & Universities, About, cccu.org, USA, acessado em 8 de junho de 2021
  124. George Thomas Kurian, Mark A. Lamport, Encyclopedia of Christian Education, Volume 3, Rowman & Littlefield, USA, 2015, p. 819
  125. Randall Herbert Balmer, Encyclopedia of Evangelicalism: Revised and expanded edition, Baylor University Press, USA, 2004, p. 40
  126. ACSI, Where does ACSI work?, acsi.org, USA, acessado em 8 de junho de 2021
  127. George Thomas Kurian, Mark A. Lamport, Encyclopedia of Christian Education, Volume 3, Rowman & Littlefield, USA, 2015, p. 645
  128. Bernhard Ott, Understanding and Developing Theological Education, Langham Global Library, UK, 2016, p. 23
  129. Brian Stiller, Evangelicals Around the World: A Global Handbook for the 21st Century, Thomas Nelson, USA, 2015, p. 170
  130. David P. King, God's Internationalists: World Vision and the Age of Evangelical Humanitarianism, University of Pennsylvania Press, USA, 2019, p. 27, 121
  131. Brian Steensland, Philip Goff, The New Evangelical Social Engagement, Oxford University Press USA, USA, 2014, p. 242-243
  132. Wendy Murray Zoba, The Beliefnet Guide To Evangelical Christianity, Three Leaves Press, USA, 2005, p. XX
  133. John DeLamater, Rebecca F. Plante, Handbook of the Sociology of Sexualities, Springer, USA, 2015, p. 351
  134. Kathleen J. Fitzgerald, Kandice L. Grossman, Sociology of Sexualities, SAGE Publications, USA, 2017, p. 166
  135. Noah Manskar, Baptists encourage marrying younger, tennessean.com, USA, 12 de agosto de 2014
  136. Maïté Maskens, Le traitement de la virginité chez les migrants pentecôtistes à Bruxelles, L'Espace Politique , 13 | 2011-1, França, publicado em 06 de maio de 2011, parágrafo 28
  137. Anugrah Kumar, Are Most Single Christians in America Having Sex?, christianpost.com, USA, 28 de setembro de 2011
  138. Robert Woods, Evangelical Christians and Popular Culture: Pop Goes the Gospel, Volume 1, ABC-CLIO, USA, 2013, p. 44
  139. Hilde Løvdal Stephens, Family Matters: James Dobson and Focus on the Family's Crusade for the Christian Home, University of Alabama Press, USA, 2019, p. 100
  140. David K. Clark, Robert V. Rakestraw, Readings in Christian Ethics: Issues and Applications, Baker Academic, USA, 1994, p. 162
  141. Mark D. Regnerus, Forbidden Fruit : Sex & Religion in the Lives of American Teenagers, Oxford University Press, USA, 2007, p. 115
  142. Hilde Løvdal Stephens, Family Matters: James Dobson and Focus on the Family's Crusade for the Christian Home, University of Alabama Press, USA, 2019, p. 95-97
  143. Eromosele Ebhomele, Masturbation Not A Sin – Oyakhilome, pmnewsnigeria.com, Nigeria, 24 de fevereiro de 2012
  144. Molly McElroy, Virginity pledges for men can lead to sexual confusion — even after the wedding day, washington.edu, USA, 9 de outubro de 2015
  145. Joy Bennett, Many churches don't talk about sex beyond virginity, virginity, virginity, theguardian.com, UK, 11 de fevereiro de 2013
  146. Sara Moslener, Virgin Nation: Sexual Purity and American Adolescence, Oxford University Press, USA, 2015, p. 14
  147. Timothy J. Demy Ph.D., Paul R. Shockley Ph.D., Evangelical America: An Encyclopedia of Contemporary American Religious Culture, ABC-CLIO, USA, 2017, p. 371
  148. Emma Green, The Warrior Wives of Evangelical Christianity, theatlantic.com, USA, 9 de novembro de 2014
  149. Christian Willi, 400 jeunes pour une conférence sur le sexe, christianismeaujourdhui.info, Suíça, 23 de agosto de 2016
  150. Kelsy Burke, Christians Under Covers: Evangelicals and Sexual Pleasure on the Internet, University of California Press, USA, 2016, p. 31, 66
  151. Luiza Oleszczuk, Interview: Famed Author Gary Chapman Talks Love, Marriage, Sex, christianpost.com, USA, 25 de fevereiro de 2012
  152. Jonathan Zimmerman, Tim LaHaye's sex-ed legacy: Before he wrote novels about the apocalypse, he and his wife opened right-wing Christian married couples' eyes, nydailynews.com, USA, 29 de julho de 2016
  153. Jeffrey S. Siker, Homosexuality and Religion: An Encyclopedia, Greenwood Publishing Group, USA, 2007, p. 112
  154. William Henard, Adam Greenway, Evangelicals Engaging Emergent, B&H Publishing Group, USA, 2009, p. 20
  155. Jeffrey S. Siker, Homosexuality and Religion: An Encyclopedia, Greenwood Publishing Group, USA, 2007, p. 114
  156. David L. Balch, Muddling Thought : The Church and Sexuality/Homosexuality by Mark G. Toulouse, Homosexuality, Science, and the "Plain Sense" of Scripture, Wipf and Stock Publishers, USA, 2007, p. 28
  157. Stephen Hunt, Contemporary Christianity and LGBT Sexualities, Routledge, UK, 2016, p. 40-41
  158. William H. Brackney, Historical Dictionary of the Baptists, Editions Scarecrow Press, Canada, 2009, p. 520
  159. Adrian Thatcher, The Oxford Handbook of Theology, Sexuality, and Gender, Oxford University Press, UK, 2015, p. 368
  160. Jacqueline L. Salmon, Rift Over Gay Unions Reflects Battle New to Black Churches, washingtonpost.com, USA, 19 de agosto de 2007
  161. Dan Dyck et Dick Benner, Delegates vote to allow space for differences, canadianmennonite.org, Canadá, 20 de julho de 2016
  162. Kate Bowler, Blessed: A History of the American Prosperity Gospel, OUP USA, USA, 2013, p. 73
  163. Randall Herbert Balmer, Encyclopedia of Evangelicalism: Revised and expanded edition, Baylor University Press, USA, 2004, p. 562
  164. Kate Bowler, Blessed: A History of the American Prosperity Gospel, OUP USA, USA, 2013, p. 59
  165. Bob Smietana, Prosperity Gospel Taught to 4 in 10 Evangelical Churchgoers, christianitytoday.com, USA, 31 de julho de 2018
  166. Kate Shellnutt, When Tithing Comes With a Money-Back Guarantee, charismanews.com, USA, 28 de junho de 2016
  167. Venance Konan, Églises évangéliques d’Abidjan - Au nom du père, du fils et... du business Arquivado em 13 de janeiro de 2017, no Wayback Machine., koffi.net, Costa do Marfim, 10 de maio de 2007
  168. Marie-Claude Malboeuf e Jean-Christophe Laurence, Églises indépendantes: le culte de l'argent, lapresse.ca, Canadá, 17 de novembro de 2010
  169. Laurie Goodstein, Believers Invest in the Gospel of Getting Rich, nytimes.com, USA, 15 de agosto de 2009
  170. Jean-Christophe Laurence, Le business religieux, lapresse.ca, Canadá, 17 de novembro de 2010
  171. Trésor Kibangula, RDC : pasteur, un job en or, jeuneafrique.com, França, 06 de fevereiro de 2014
  172. Henrik Lindell, Théologie de la prospérité : quand Dieu devient un distributeur de miracles, lavie.fr, França, 8 de agosto de 2012
  173. AFP, Le ruineux Evangile des "théologiens de la prospérité", lepoint.fr, França, 26 de março de 2013
  174. Cathleen Falsani, Falsani: Get real, ‘Preachers of L.A.’, ocregister.com, USA, 7 octobre 2013
  175. Michael J. Anthony, Introducing Christian Education: Foundations for the Twenty-first Century, Baker Academic, USA, 2001, p. 284
  176. Randall Herbert Balmer, Encyclopedia of Evangelicalism: Revised and expanded edition, Baylor University Press, USA, 2004, p. 239
  177. Ed Stetzer, Do Denominations Matter?, christianitytoday.com, USA, 15 de setembro de 2011
  178. Laure Atmann, Au nom de Dieu et… du fric!, notreafrik.com, Bélgica, 26 de julho de 2015
  179. Bbc, Un pasteur qui 'prétend guérir' le Sida condamné au Zimbabwe, bbc.com, Reino Unido, 6 de fevereiro de 2019
  180. Bbc, South Africa funeral firm to sue pastor for 'resurrection stunt', bbc.com, UK, 26 de fevereiro de 2018
  181. Marwa Eltagouri, A televangelist’s flu-season advice: ‘Inoculate yourself with the word of God’, cnn.com, USA, 6 de fevereiro de 2018
  182. Richard Burgess, Nigeria's Christian Revolution, Wipf and Stock Publishers, USA, 2008, p. 225
  183. Jean François Channon Denwo, Au Cameroun, trois morts dans une Église évangélique qui interdit à ses patients les soins médicaux, africa.la-croix.com, França, 6 de março de 2019
  184. Serge Carrel, Un texte du CNEF pour dialoguer autour de la guérison, lafree.ch, Suíça, 13 de maio de 2016
  185. CNEF, La guérison miraculeuse, lecnef.org, França, junho de 2015
  186. Stephen Offutt, New Centers of Global Evangelicalism in Latin America and Africa, Cambridge University Press, UK, 2015, p. 143
  187. Melani McAlister, The Kingdom of God Has No Borders: A Global History of American Evangelicals, Oxford University Press, USA, 2018, p. 223, 256
  188. Sharon Henderson Callahan, Religious Leadership: A Reference Handbook, SAGE Publications, USA, 2013, p. 494
  189. Eliza Griswold, Silence Is Not Spiritual: The Evangelical #MeToo Movement, newyorker.com, USA, 15 de junho de 2018
  190. The Associated Press, Evangelicals confront sex abuse problems in #MeToo era, nationalpost.com, Canadá, 17 de agosto de 2018
  191. Kathryn Joyce, The Next Christian Sex-Abuse Scandal, prospect.org, USA, 5 de maio de 2014
  192. James Wellman Jr., Katie Corcoran, Kate Stockly, Éloi Ficquet, High on God: How Megachurches Won the Heart of America, Oxford University Press, UK, 2020, p. 212
  193. Samuel Smith, Moore on MacArthur's Social Justice Statement: 'Bible Doesn't Make These Artificial Distinctions', christianpost.com, USA, 13 de setembro de 2018
  194. Jean-Paul Willaime et Flora Genoux, "Pour les évangéliques, l'idée reste qu'être croyant, cela doit se voir", lemonde.fr, França, 03 de fevereiro de 2012
  195. Loup Besmond de Senneville, Les protestants évangéliques revendiquent d’avoir le droit de dire leur foi, la-croix.com, França, 25 de janeiro de 2015
  196. Barry Hertz, Miracles from Heaven: Religious film has an insulting and forced message, theglobeandmail.com, Canadá, 18 de abril de 2014
  197. Nick Schager, Film Review: ‘Overcomer’, variety.com, EUA, 22 de agosto de 2019
  198. Carl Hoover, Has Hollywood finally found religion? Faith-based films here to stay, wacotrib.com, USA, 18 de abril de 2014
  199. Thomas Imbert, SAJE Distribution : rencontre avec ce distributeur centré sur la foi, allocine.fr, França, 9 de janeiro de 2019

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Bebbington, D W Evangelicals in

and the Rise of Evangelical Protestantism, 1929-1942," Church History 49 (1980) pp. 62–75.

  • Freston, Paul (2004). Evangelicals and Politics in Asia, Africa and Latin America. [S.l.]: Cambridge University Press. ISBN 052160429X 
  • Marsden, George M., Reforming Fundamentalism: Fuller Seminary and the New Evangelicalism, William B. Eerdmans, Grand Rapids, 1987.
  • Pierard, Richard V., "The Quest For the Historical Evangelicalism: A Bibliographical Excursus," Fides et Historia 11 (2) (1979) pp. 60–72.
  • Price, Robert M., "Neo-Evangelicals and Scripture: A Forgotten Period of Ferment," Christian Scholars Review 15 (4) (1986) pp. 315–330.
  • Mendonça, A.G. e Velasques F.(2002),P: Introdução ao Protestantismo no Brasil. São Paulo: Edições Loyola.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]