Evolução como teoria e facto

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

A frase "A evolução é tanto uma teoria como um facto" é muitas vezes encontrada em literatura de biologia.[1][2][3][4][5][6][7] Evolução é uma teoria no sentido científico do termo; é um modelo científico estabelecido que explica observações e faz previsões através de mecanismos como a selecção natural.

Quando cientistas dizem que a "evolução é um facto", estão a usar um de dois sentidos para a palavra "facto". Um sentido é empírico, usado para significar mudanças observadas nas frequências alélicas ou características de uma população ao longo de gerações sucessivas.

"Facto" é por vezes também usado para referir um certo tipo de teoria, uma que tem sido tão poderosa e produtiva durante tanto tempo que é universalmente aceite por cientistas. Quando cientistas dizem que a evolução é um facto neste sentido, querem dizer que é um facto que todos os organismos vivos descendem de um ancestral comum (ou pool genético ancestral)[8] mesmo que isto não possa ser observado. Isto implica também que os humanos partilham um ancestral comum com outros primatas.


Ver também[editar | editar código-fonte]

Livros da Wikipédia

Referências

  1. Moran, Laurence (22 de janeiro de 1993). «Evolution is a Fact and a Theory». Talk.origins. Consultado em 18 de outubro de 2007 
  2. Gould, Stephen Jay (1 de maio de 1981). «Evolution as Fact and Theory». Discover. 2 (5): 34–37  Republicado em:
  3. Muller, H. J. (1959). «One hundred years without Darwin are enough». School Science and Mathematics. 59: 304–305. doi:10.1111/j.1949-8594.1959.tb08235.x  Republicado em:
    • Zetterberg, Peter (ed.) (1 de maio de 1983). Evolution Versus Creationism: The Public Education Controversy. Phoenix AZ: ORYX Press. ISBN 0897740610 
  4. Campbell, Neil A.; Reece, Jane B. (5 de fevereiro de 2002). Biology 6th ed. [S.l.]: Benjamin Cummings. p. 1175. ISBN 0805366245 
  5. Dobzhansky, Theodosius (1 de março de 1973). «Nothing in biology makes sense except in the light of evolution». American Biology Teacher. 35  Republicado em:
    • Zetterberg, Peter (ed.) (1 de maio de 1983). Evolution Versus Creationism: The Public Education Controversy. Phoenix AZ: ORYX Press. ISBN 0897740610 
  6. Lenski, Richard E. (2000). «Evolution: Fact and Theory». American Institute of Biological Sciences. Consultado em 18 de outubro de 2007 
  7. Mayr, Ernst (1988). Toward a New Philosophy of Biology: Observations of an Evolutionist. Cambridge: Harvard University Press. ISBN 0-674-89666-1 
  8. Cavalier-Smith T (2006). «Cell evolution and Earth history: stasis and revolution». Philos Trans R Soc Lond B Biol Sci. 361 (1470): 969–1006. doi:10.1098/rstb.2006.1842. PMC 1578732Acessível livremente. PMID 16754610 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • J.P. Franck, et al., "Evolution of a satellite DNA family in tilapia." Annual Meeting Canadian Federation of Biological Societies. Halifax, (1990).
  • M. Losseau-Hoebeke, "The biology of four haplochromine species of Lake Kivu (Zaire) with evolutionary implications." Thesis, Dept. Ichthyology, Rhodes University, Grahamstown, (1992).
  • Este artigo foi inicialmente traduzido do artigo da Wikipédia em inglês, cujo título é «Evolution as theory and fact», especificamente desta versão.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

  • Not Just a Theory (em inglês) Refuta a afirmação de que evolução é "apenas uma teoria", com explicação do significado de teoria no contexto científico.
  • Talk Origins (em (erro: código de língua '2n

' não reconhecido!)) Resposta à alegação de que não há exemplos observados de especiação.

  • Glenn Branch; Louise S. Mead (6 de junho de 2008). «"Theory" in Theory and Practice» (pdf). Evo Edu Outreach (2008) 1:287–289. Springer Science + Business Media. Consultado em 21 de julho de 2008