Evolução cultural

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde janeiro de 2013). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Evolução cultural é a classificação das culturas humanas em sociedades mais ou menos evoluídas. Tal pensamento ganhou força com a publicação de A Origem das Espécies (1859), de Charles Darwin, obra onde foi apresentada a ideia de evolução biológica e que abriu espaço para o questionamento da evolução da humanidade, comparando-a com a evolução dos animais. A ideia precariamente apresentada por Darwin é aquela que apresenta a cultura de um povo como sendo objeto permanente de seleção natural.

Aplicação nos Regimes Totalitários[editar | editar código-fonte]

Uma interpretação deste pensamento trouxe o conceito de eugenia, uma filosofia que supunha que alguns povos eram melhores e/ou mais desenvolvidos que outros e, por isso, eram superiores a estes. O uso da eugenia como fundamento para totalitarismos, em especial no tocante aos partidos nazifascistas durante as décadas de 1920, 1930 e 1940, criou, posteriormente à Segunda Guerra Mundial (na qual foram derrotados os regimes nazifascistas), uma resistência na comunidade científica à inserção de fatores determinísticos oriundos das ciências naturais junto às considerações advindas das ciências humanas.

Recuperação Atual do Conceito[editar | editar código-fonte]

Atualmente, contudo, a ideia vem sendo, lentamente, recuperada, levando em conta conceitos como meme, psicologia evolucionista e evolução sociocultural.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • LÉVI-STRAUSS - Antropologia Estrutural II, Raça e Cultura/O Etnocentrismo. 1973. 337