Exército Popular Sandinista

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ejército Popular Sandinsta
Flag of the FSLN.png
País Nicarágua
Período de atividade 22 de agosto de 1979
até 1994.
Aniversários 22 de agosto
Lema Patria libre o morir
História
Guerras/batalhas San José de Las Mulas, Repunte 85,
Interarmas 87, Danto 88,
Escudo Inexpugnable, La Trinidad, Teotecacinte
Condecorações Medalla al Valor Camilo Ortega Saavedra
Logística
Efetivo 13.000 regulares, 15.000 conscritos e 200.000 reservistas (1979)[1]
40.000 regulares e 20.000 milicianos ativos (1985)[2]
Cerca de 70.000 ativos (1989)[3]
Comando
Comandante comandante em chefe Humberto Ortega Saavedra (até 1994)
Comandantes
notáveis
Edén Pastora Gómez, Francisco Rivera, Hilario Sánchez, Álvaro Diroy Méndez, Joaquín Cuadra, Manuel Salvatierra e Javier Pichardo.
Sede
Guarnição Totalidade do território nacional.

O Exército Popular Sandinista (em castelhano: Ejército Popular Sandinista, EPS) foi o exército estabelecido em 1979 pelo novo governo sandinista da Nicarágua para substituir a Guarda Nacional da Nicarágua após a derrubada do ditador Anastasio Somoza Debayle. Formou as forças armadas nicaraguenses de 1979 a 1994 e desempenhou um papel decisivo na guerra contra os chamados Contras de 1980 a 1990.[4] Originalmente reunia as milícias da Frente Sandinista de Libertação Nacional (FSLN) que lutaram na insurreição contra Somoza. No poder, os sandinistas transformariam suas forças guerrilheiras em um exército convencional sob Humberto Ortega, que foi durante todo o período comandante em chefe.[5]

Um projeto, chamado Serviço Militar Patriótico (SMP) foi instituído em 1983. Mais tarde, tornou-se Serviço Militar Obrigatório (SMO).[4] As forças especiais Tropas Pablo Ubeda inicialmente ficaram sob o Ministério do Interior e depois foram criados os Batallones de Lucha Irregular.

Na Nicarágua pós-sandinista, o Exército Popular Sandinista seria reformado no Exército Nacional da Nicarágua e Joaquín Cuadra foi nomeado chefe de gabinete em 1995.

Referências