Exarcado de Ravena

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde dezembro de 2009). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
A página está num processo de expansão ou reestruturação.
Esta página atravessa um processo de expansão ou reestruturação. A informação presente poderá mudar rapidamente, podendo conter erros que estão a ser corrigidos. Todos estão convidados a contribuir e a editar esta página. Caso esta não tenha sido editada durante vários dias, retire esta marcação.

Esta página foi editada pela última vez por Renato de carvalho ferreira (D C) há 41 dias. (Recarregar)

Exarcado de Ravena
Província do(a) Império Bizantino

584751
Location of Exarcado
Itália bizantino-lombarda, século VII
Capital: Ravena
Governador: Exarca
Período : Idade Média
 -  Extinção da prefeitura pretoriana da Itália 554
 -  Conquista pelo rei lombardo Astolfo 751


O Exarcado de Ravena foi uma divisão administrativa bizantina na península itálica que agrupou, desde o final do século VI a meados do século VIII, os territórios não conquistados pelos lombardos após sua invasão à península em 568 sob comando do rei Alboíno (r. 560/565–572). Foi instituído pelo imperador Maurício I (r. 582–602), que pretendia restruturar as possessões bizantinas para melhor contrapor-se aos invasores.

Em 584, Maurício reformou a organização do exarcado repartindo seu território em sete distritos repartindo-o em sete distritos diretamente controlados e governados pelo exarca. Ele existiu, apesar de sua gradual perda territorial perante o avanço lombardo, até 751, quando o último exarca, Eutíquio (r. 727–751), foi deposto e Ravena foi conquistada pelo rei Astolfo (r. 749–756).

Origem[editar | editar código-fonte]

Em 402, durante o reinado do imperador Honório (r. 395–423), Ravena tornar-se-ia capital do Império Romano do Ocidente devido sua vantajosa localização e seu porto abrigado com acesso ao Adriático. A cidade continuou sendo o centro do Império Romano do Ocidente até sua dissolução em 476, momento em que se tornou primeiro a capital de Odoacro (r. 476–493) e depois dos ostrogodos,[1] sob Teodorico, o Grande (r. 474–523), reinando sobre o território da Itália, Gália Cisalpina, Dalmácia e Sicília.[2]

Permaneceu como capital do Reino Ostrogótico, mas em 540, durante a Guerra Gótica (535–554), foi conquistada pelo general bizantino Belisário.[1] Posteriormente, devido à invasão lombarda, que começou em 568 sob Alboíno (r. 560/565–572), Ravena passou a ser a sede do exarcado imperial. Segundo estimado, teria sido fundado pelo imperador Maurício I (r. 582–602), em resposta à crescente ameaça militar[3] [4] No comando desta província estava o exarca, o representante do imperador, que assumia tanto o poder civil como o militar dentro do território.[5]

Para John H. Rosser e outros autores, a criação do exarcado, bem como a concessão de amplos poderes ao exarca, seria uma admissão indireta de que os domínios ocidentais conquistados por Justiniano (r. 527–565) estavam muito longe para serem governados de Constantinopla, e que seria necessária uma estrutura auto-administrável para lidar com a situação.[6]

O exarcado[editar | editar código-fonte]

O território sob seu domínio se estendia pela costa adriática da Itália desde Veneza no norte até Marcas. O resto dos territórios bizantinos da península Itálica não estava sob a autoridade direta do exarca, mas sim sob o governo de duques ou mestres dos soldados. As ilhas não pertenciam ao exarcado: Sicília constituía uma unidade administrativa diferente, enquanto que Córsega e Sardenha dependiam do Exarcado de Cartago.

Os lombardos fundaram o Reino Lombardo e estabeleceram sua capital em Pávia, de onde controlavam o vale do rio Pó. Alguns guerreiros independentes penetraram mais ao sul, e estabeleceram os Ducados de Espoleto e de Benevento. A criação destas entidades políticas, por conseguinte, dificultou as comunicações de Ravena com os territórios bizantinos da Itália Meridional, tornando mais precário o poder do Império Bizantino na península. Os limites do exarcado não foram jamais definidos, dado o estado de guerra permanente entre bizantinos e lombardos. Para enfrentar a invasão lombarda, Maurício I, em 584, reformou a organização do exarcado, repartindo-o em sete distritos diretamente controlados e governados pelo exarca: Ravena e dependências; o Ducado da Pentápolis; o Ducado de Roma; o Ducado de Perúgia; a Ligúria; Venécia; a Ístria; e o Ducado de Nápoles.

Durante o século VII, o exarcado foi perdendo territórios em benefício dos lombardos. Piemonte, Lombardia, Vêneto, Toscana e grande parte do Sul da Itália passaram ao poder dos lombardos, assim como Ligúria (em 640). Roma, nominalmente sob a autoridade do exarca, era na prática regida pelo papa, e a rivalidade deste último com o patriarca de Constantinopla era causa frequente de tensões. Por volta do ano 740, nas vésperas de seu final, o exarcado controlava apenas a Ístria (exceto a laguna de Veneza, que começava a estabelecer-se como uma cidade-estado independente), Ferrara e Ravena, com a Pentápolis e Perúgia.

O fim do exarcado[editar | editar código-fonte]

Doação de Pepino: O rei franco Pepino o Breve doou terras do Esarcado de Ravena ao papa Estêvão II, momento considerado o nascimento dos Estados Papais.

Durante os séculos VII e VIII, a posição do exarca foi tornando-se mais difícil, devido à ameaça dos lombardos e dos francos, assim como pela divisão entre a cristandade oriental e ocidental motivada pela crise iconoclasta e a rivalidade entre o papa e o patriarca. Ravena continuou sendo a sede do exarcado até a revolta de 727 contra os imperadores iconoclastas. O último exarca foi morto pelo rei Astolfo (r. 749–756) em 751.[7] O exarcado transformou-se no Catapanato da Itália, com capital em Bari, cidade que foi conquistada pelos árabes em 858 e recuperada pelo Império Bizantino em 878.

Quando, em 756, os francos expulsaram os lombardos, o Papa Estêvão III reclamou o exarcado. Seu aliado, Pepino o Breve, rei dos francos, doou os territórios conquistados do antigo exarcado ao papa em 756. Esta doação, confirmada posteriormente por Carlos Magno (774), constituiu o início do poder temporal do Papado, conhecido como Patrimônio de São Pedro e depois como Estados Pontifícios. Quando a Sicília foi conquistada pelos árabes no século X, os restos do poder bizantino na Itália se organizaram nos temas de Calábria e Longobardia. Ístria e a cabeceira do Adriático foram incorporados à Dalmácia.

Referências

  1. a b Kazhdan 1991, p. 1773
  2. Bury 1923, XII.454-455
  3. Gregory 2005, p. 151
  4. Norwich 1989, p. 866
  5. Kazhdan 1991, p. 767
  6. Rosser 2012, p. 325
  7. Gregory 2005, p. 196

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Gregory, T.. A History of Byzantium. [S.l.]: Blackwell Publishing, 2005. ISBN 0-631-23513-2
  • Norwich, John Julius. Byzantium: the early centuries. [S.l.]: Knopf, 1989. ISBN 0-394-53778-5