Excentricidade (comportamento)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados de excentricidade, veja Excentricidade.
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde julho de 2019). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Excentricidade (também chamada de estranheza) refere-se a um comportamento não-usual por parte de um indivíduo. Tal comportamento pode ser notado por ser muito incomum ou simplesmente desnecessário. A excentricidade é contrastada pelo comportamento normal, o meio quase universal pelo qual os indivíduos da sociedade resolvem problemas e superam determinadas adversidades na vida cotidiana. O conceito de excentricidade pode variar de acordo com a cultura local, dadas as diferenças de comportamento naturalmente encontradas em grupos étnicos geograficamente distantes. As pessoas que consistentemente exibem um comportamento benignamente excêntrico são rotuladas como "excêntricas".

Etimologia[editar | editar código-fonte]

O artista inglês David Bowie têm sido referido como um proeminente excêntrico do séc. XX por suas personas e visuais.[1][2][3][4]

Do latim medieval eccentricus, derivado do grego ekkentros, significando "fora do centro"; ek- ou ex- ("fora de") + kentron ("centro"). A palavra excêntrico apareceu escrita pela primeira vez em ensaios ingleses como um neologismo, em 1551, como um termo astronômico que significa "um círculo no qual a terra, o sol etc. se desvia de seu centro". Cinco anos depois, em 1556, foi utilizada uma forma adjetiva da palavra. Em 1685, a definição evoluiu do literal para o figurativo, e "excêntrico" é notado como ter começado a ser usado para descrever um comportamento não convencional ou estranho. Uma forma substantiva da palavra - pessoa que possui e exibe qualidades e comportamentos não convencionais ou estranhos - apareceu em 1832.

Representações[editar | editar código-fonte]

A excentricidade é frequentemente associada a genialidade, superdotação intelectual ou criatividade. É possível notar o comportamento excêntrico do indivíduo como a expressão externa de sua inteligência única ou seus impulsos criativos.[5] Nesse sentido, os hábitos do excêntrico são incompreensíveis, não porque são ilógicos ou derivem da loucura, mas porque se originam de uma mente de caráter singular, que rejeita conformismos com as normas sociais, tentativas de padronização e o discurso sistemático sobre a normalidade.[6][7][nota 1] O pensador utilitarista inglês John Stuart Mill (n. 1806) escreveu que "a quantidade de excentricidade em uma sociedade é geralmente proporcional à quantidade de genialidade, vigor mental e coragem moral que ela contém",[8][7] e lamentou a falta de excentricidade como " o principal perigo do tempo ".[9] Edith Sitwell (n. 1887) escreveu que a excentricidade é "muitas vezes uma espécie de orgulho inocente", dizendo também que gênios e aristocratas são chamados de excêntricos porque "não têm medo e não são influenciados pelas opiniões e pelos caprichos da multidão".[10] A excentricidade também está associada à grande riqueza. O que seria considerado sinais de insanidade em uma pessoa pobre, poderia ser aceito como excentricidade em pessoas ricas.[11]

Comparação com ideias de "normalidade"[editar | editar código-fonte]

Uma pessoa que está simplesmente em uma situação de isolamento social ou "pensando fora da caixa" não é, pela definição mais estrita, um excêntrico, uma vez que (presumivelmente) ele ou ela pode ser comum pelas convenções de seu ambiente nativo.

Os excêntricos podem ou não compreender os padrões de comportamento normal em sua cultura. Eles simplesmente não se preocupam com a desaprovação da sociedade a seus hábitos ou crenças. Muitas das mentes mais brilhantes da história exibiram alguns comportamentos e hábitos incomuns.

Alguns excêntricos são considerados pejorativamente "excêntricos" em vez de gênios. Comportamento excêntrico é muitas vezes considerado caprichoso ou peculiar, embora também possa ser estranho e perturbador. Muitos indivíduos anteriormente considerados meramente excêntricos, como o magnata da aviação Howard Hughes, foram diagnosticados retrospectivamente como portadores de transtornos mentais (transtorno obsessivo-compulsivo no caso de Hughes).

Outras pessoas podem ter um gosto excêntrico por roupas, hobbies excêntricos ou coleções que buscam completar com grande energia. Elas também podem ter um jeito pedante e preciso de falar, misturado com um jogo de palavras inventivo.

Muitos indivíduos podem até mesmo manifestar excentricidades consciente e deliberadamente, na tentativa de se diferenciar das normas sociais ou aumentar o senso de identidade inimitável. Dados os estereótipos esmagadoramente positivos (pelo menos na cultura popular e especialmente com personagens fictícios) frequentemente associados à excentricidade, como detalhado acima, certos indivíduos procuram ser associados a esse tipo de caráter. No entanto, isso nem sempre é bem-sucedido, pois indivíduos excêntricos não são necessariamente carismáticos e o indivíduo em questão pode simplesmente ser dispensado pelos outros como apenas alguém buscando atenção.

A extravagância é uma espécie de excentricidade, relacionada à abundância e ao desperdício; uma espécie de hipérbole da forma convencional.

Características[editar | editar código-fonte]

O psicólogo David Weeks acredita que enquanto as pessoas que possuem doenças mentais "sofrem" com seu comportamento, os excêntricos podem ser muito felizes na mesma condição.[12][13] Ele até mesmo afirma que excêntricos são menos propensos a doenças mentais do que todos os outros grupos.

De acordo com o estudo do psicólogo, há várias características distintas que frequentemente diferenciam uma pessoa excêntrica saudável de uma pessoa normal ou de uma pessoa com doença mental. As cinco primeiras características da lista de Weeks são encontradas na maioria das pessoas consideradas excêntricas:

  • Persistente inconformismo
  • Criatividade
  • Fortemente motivada por uma curiosidade extremamente poderosa e comportamento exploratório relacionado
  • Um sentimento duradouro e distinto de diferença em relação aos outros
  • Idealismo no sentido de querer tornar o mundo um lugar melhor e as pessoas nele mais felizes
  • Desinteresse geral por companhia ou em opiniões de outras pessoas
  • Um ou mais hobbies em que a pessoa é alegremente obcecada
  • Grande disposição para falar e opinar
  • Estado civil solteiro
  • Filho único ou o mais velho.
  • Hábitos incomuns de refeições e arranjos de vida incomuns
  • Interessado e de bom humor
  • Otografia fraca
  • Não são competitivos e não precisam ser tranquilizados pela sociedade ou por outras pessoas[14]
  • Eles podem ser peculiares, bizarros, irritadiços e erráticos.

Ver também[editar | editar código-fonte]


Notas

  1. A autora também cita "On Liberty" de Stuart Mill, que também dialoga com o tema através de constatações sobre a excentricidade: "A excentricidade sempre se levantou onde a força de caráter se levantou"; "Precisamente por causa da tirania de opinião, tornou-se desejável fazer censura à excentricidade [...]"

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. «David Bowie, el genio excéntrico» (em espanhol). Informalia. 11 de janeiro de 2016. Consultado em 9 de julho de 2019 
  2. Vasconcelos, Isabelle. «David Bowie: o artista excêntrico que mudou a indústria fonográfica com sua atitude». Rota Principal. Consultado em 9 de julho de 2019 
  3. Easthope, Alex (9 de janeiro de 2017). «Get to know the eccentric personalities of David Bowie in London» (em inglês). Classic Driver. Consultado em 9 de julho de 2019 
  4. Trynka, Paul (2011). Starman: David Bowie - The Definitive Biography. Reino Unido: Hachette 
  5. Stares (6 de novembro de 2005). «Einstein, eccentric genius, smoked butts picked up off street». The Daily Telegraph (em inglês). Londres. Consultado em 9 de julho de 2019. Cópia arquivada em 8 de fevereiro de 2009 
  6. Aymes-Stokes, Sophie; Mellet, Laurent. (2012). In and out : eccentricity in Britain. Newcastle upon Tyne: Cambridge Scholars Publishing. p. 8, 9. ISBN 1443839450. OCLC 823577645. Consultado em 11 de julho de 2011 
  7. a b Mill, John Stuart. On Liberty (em inglês) 2 ed. Londres: John W.Parker & Son. Consultado em 11 de julho de 2019 
  8. «Mill, John Stuart quote – Eccentricity has always abounded when and where strength of character» (em inglês). Quotationsbook.com. 30 de julho de 2007. Consultado em 9 de julho de 2019. Cópia arquivada em 1 de fevereiro de 2010 
  9. «Famous John Stuart Mill Quotes» (em inglês). Philosophy Paradise. Consultado em 9 de julho de 2019. Cópia arquivada em 4 de abril de 2010 
  10. «Quote by Edith Sitwell: Eccentricity is not, as some would believe...» (em inglês). Goodreads. Consultado em 19 de abril de 2010 
  11. Battaglia, Debbora (3 de fevereiro de 1995). «On Eccentricity». Rhetorics of self-making (em inglês). [S.l.]: University of California Press. ISBN 978-0-520-08799-6. Consultado em 9 de julho de 2019 
  12. Weeks, David and James, Jamie (1995) Eccentrics: A study of Sanity and Strangeness, Villiard, ISBN 0-394-56565-7
  13. «Interview with David Weeks – "Nutrition Health Review", Winter, 1996» (em inglês). Findarticles.com. 2 de junho de 2009. Consultado em 9 de julho de 2019 
  14. Weeks, David (2014) "The Definition of Eccentricity" «Archived copy» (em inglês). Consultado em 9 de julho de 2019. Cópia arquivada em 2 de fevereiro de 2017 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Excentricidade (comportamento)
Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Excentricidade