Excitação

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Disambig grey.svg Nota: Não confundir com excitação sexual.

Excitação é o estado fisiológico e psicológico de ser acordado ou de órgãos dos sentidos estimulados a um ponto de percepção. Envolve a ativação do sistema ativador reticular ascendente (SARA) no cérebro, que medeia a vigília, o sistema nervoso autônomo e o sistema endócrino, levando ao aumento da frequência cardíaca e da pressão arterial e uma condição de alerta sensorial, desejo, mobilidade e prontidão para responder.

A excitação é mediada por vários sistemas neurais. A vigília é regulada pelo SARA, que é composto por projeções dos cinco principais sistemas de neurotransmissores que se originam no tronco encefálico e formam conexões que se estendem por todo o córtex; a atividade dentro do SARA é regulada por neurônios que liberam os neurotransmissores acetilcolina, norepinefrina, dopamina, histamina e serotonina. A ativação desses neurônios produz um aumento na atividade cortical e, posteriormente, no estado de alerta.

A excitação é importante na regulação da consciência, atenção, estado de alerta e processamento de informações. É crucial para motivar certos comportamentos, como a mobilidade, a busca de nutrição, a resposta de luta ou fuga e atividade sexual (a fase de excitação do ciclo de resposta sexual humana de Masters e Johnson). Ele tem significado dentro da emoção e foi incluído em teorias como a teoria da emoção de James-Lange. De acordo com Hans Eysenck, as diferenças no nível de excitação inicial levam as pessoas a serem extrovertidos ou introvertidos.

A lei de Yerkes-Dodson afirma que existe um nível ideal de excitação para o desempenho, e muito pouca ou muita excitação pode afetar adversamente o desempenho da tarefa. Uma interpretação da Lei de Yerkes-Dodson é a hipótese de utilização de pistas de Easterbrook. Easterbrook afirma que um aumento de excitação diminui o número.

Importância[editar | editar código-fonte]

AnsiedadeExcitaçãoFluxo (psicologia)PreocupaçãoControle (administração)ApatiaTédioRelaxamento (psicologia)
Estado mental em termos de nível de desafio e nível de habilidade, de acordo com o modelo de fluxo de Csikszentmihalyi.[1] (clique em um fragmento da imagem para ir ao artigo apropriado)

A excitação é importante na regulação da consciência, atenção e processamento de informações. É crucial para motivar certos comportamentos, como mobilidade, busca de nutrição, resposta de luta ou fuga e atividade sexual (veja o ciclo de resposta sexual humana de Masters e Johnson, onde é conhecido como fase de excitação). A excitação também é um elemento essencial em muitas teorias influentes da emoção, como a teoria da emoção de James-Lange ou o Modelo Circumplex. De acordo com Hans Eysenck, as diferenças no nível de excitação inicial levam as pessoas a serem extrovertidas ou introvertidas. Pesquisas posteriores sugerem que extrovertidos e introvertidos provavelmente têm diferentes excitações. Seu nível de excitação inicial é o mesmo, mas a resposta à estimulação é diferente.[2]

A lei de Yerkes-Dodson afirma que existe uma relação entre a excitação e o desempenho da tarefa, argumentando essencialmente que há um nível ideal de excitação para o desempenho, e muito pouca ou muita excitação pode afetar negativamente o desempenho da tarefa. Uma interpretação da lei de Yerkes-Dodson é a teoria de utilização de pistas de Easterbrook. Ele previu que altos níveis de excitação levariam ao estreitamento da atenção, durante o qual a gama de pistas do estímulo e do ambiente diminui.[3] De acordo com essa hipótese, a atenção será focada principalmente nos detalhes de excitação (pistas) do estímulo, de modo que a informação central para a fonte da excitação emocional será codificada, enquanto os detalhes periféricos não.[4]

Na psicologia positiva, a excitação é descrita como uma resposta a um desafio difícil para o qual o sujeito possui habilidades moderadas.[1]

Referências

  1. a b Csikszentmihalyi M (1997). Finding Flow: The Psychology of Engagement with Everyday Life 1st ed. New York: Basic Books. p. 31. ISBN 978-0-465-02411-7 
  2. Randy J. Larsen, David M Buss; "Personality psychology, domains of knowledge about human nature", McGraw Hill, 2008
  3. Easterbrook JA (maio de 1959). «The effect of emotion on cue utilization and the organization of behavior». Psychological Review. 66 (3): 183–201. PMID 13658305. doi:10.1037/h0047707 
  4. Sharot T, Phelps EA (setembro de 2004). «How arousal modulates memory: disentangling the effects of attention and retention». Cognitive, Affective & Behavioral Neuroscience. 4 (3): 294–306. PMID 15535165. doi:10.3758/CABN.4.3.294Acessível livremente 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]