Expedição chinesa ao Tibete (1910)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

A expedição chinesa ao Tibete de 1910 ou invasão chinesa do Tibete em 1910 [1] foi uma campanha militar da dinastia Qing para estabelecer um domínio direto no Tibete no início de 1910. A expedição ocupou Lhasa em 12 de fevereiro e oficialmente depôs o 13º Dalai Lama no dia 25. [2] O domínio Qing do Tibete foi estabelecido no início do século XVIII, após a expedição chinesa ao Tibete de 1720, porém era essencialmente um protetorado ao invés de um domínio direto. O domínio real também declinaria consideravelmente com o enfraquecimento gradual da dinastia Qing no século XIX. Após a expedição britânica ao Tibete em 1904 e o tratado sino-britânico de 1906, os Qing decidiram estabelecer o domínio direto sobre o Tibete e, portanto, enviariam uma expedição em 1910. No entanto, o domínio direto sobre o Tibete teria curta duração: após a eclosão da Revolução de Xinhai e dos tumultos Xinhai em Lhasa em 1911-1912, o domínio Qing, essencialmente, terminou em Lhasa e em outras partes do Tibete. Todas as forças Qing deixariam o Tibete até o final de 1912.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Sky Train: Tibetan Women on the Edge of History, by Canyon Sam, p258
  2. Melvyn C. Goldstein. A History of Modern Tibet, 1913-1951: The Demise of the Lamaist State. [S.l.: s.n.]