Experimentação humana

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Homem como cobaia em uma pesquisa de 1946 sobre os efeitos do vento em humanos.

Experimentação humana é uma investigação sistemática e científica que pode ser intervencionista (um "julgamento") ou observacional (não "artigo de teste") e envolve seres humanos como sujeitos de pesquisa. Experiências deste tipo podem ser pesquisas médicas (clínicas) ou pesquisas não médicas (por exemplo, ciências sociais). A investigação sistemática incorpora tanto a coleta como a análise de dados para responder a uma pergunta específica. A pesquisa médica do ser humano geralmente envolve a análise de espécimes biológicos, estudos epidemiológicos e comportamentais e estudos de revisão de gráficos médicos.[1]

A pesquisa de humanos é utilizada em vários campos, incluindo pesquisas sobre biologia básica, medicina clínica, enfermagem, psicologia, sociologia, ciência política e antropologia. À medida que a pesquisa se formalizou, a comunidade científica desenvolveu definições formais de "pesquisa em humanos", em grande parte em resposta a abusos de seres humanos, como cometidos durante o Holocausto e na Unidade 731, durante a Segunda Guerra Mundial.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Definition of Human Subject Research». Research Administration, University of California, Irvine. Consultado em 4 de janeiro de 2012. 


Ícone de esboço Este artigo sobre Medicina é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.