Exposição colonial

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Presença da Companhia União Fabril Portuense das Fábricas de Cerveja e Bebidas Refrigerantes (CUFP) na Exposição Colonial Portuguesa, de 1934.

As exposições coloniais eram realizadas mundialmente durante o século XIX e na primeira metade do século XX nos países europeus. Destinavam-se a mostrar aos habitantes da metrópole, as diferentes facetas das colónias.[1] As exposições coloniais resultavam das reconstruções espetaculares dos ambientes naturais e monumentos de África, Ásia e Oceânia. A encenação dos habitantes das colónias, muitas vezes deslocados à força do seu local de origem, deu-lhes posteriormente a classificação de zoológicos humanos.[2]

Cronologia das exposições coloniais[editar | editar código-fonte]

Exposição colonial en Paris (1931)
Exposição Colonial Portuguesa, 1934
  • 1866: Exposição Intercolonial da Australásia, Melburne (Intercolonial Exhibition of Australasia)
  • 1870: Exposição Intercolonial de Sydney (Sydney Intercolonial Exhibition)[3]
  • 1875: Exposição Intercolonial Vitoriana, Melburne (Victorian Intercolonial Exhibition)[3]
  • 1876: Exposição Intercolonial, Brisbane (Intercolonial Exhibition)
  • 1883: Exposição Universal e Colonial de Exportação Geral, Amesterdão (Internationale Koloniale en Uitvoerhandel Tentoonstelling ou Exposition Universelle Coloniale et d'Exportation Générale)
  • 1886: Exposição Colonial e Indiana de Londres (Colonial and Indian Exhibition)
  • 1889: Exposição Universal de 1889, Paris[4]
  • 1894: Exposição Universal, Internacional e Colonial, Lião (Exposition universelle, internationale et coloniale)
  • 1894: Exposição Insular e Colonial Portuguesa, Porto[5]
  • 1896: Exposição Nacional e Colonial de Ruão (Exposition nationale et coloniale de Rouen)
  • 1896: Grande Exposição Industrial de Berlim (Große Berliner Gewerbeausstellung)
  • 1897: Exposição Internacional de 1897, Bruxelas
  • 1898: Exposição Internacional e Colonial de Rochefort (Exposition internationale et coloniale de Rochefort-sur-Mer)
  • 1902: Exposição Indochina Francesa e Internacional de Hanói (Indo China Exposition Française et Internationale de Hanoï)
  • 1902: Exposição Internacional e Colonial dos Estados Unidos, Nova Iorque (United States, Colonial and International Exposition), não realizada
  • 1906: Exposição Colonial de Marselha (Exposition coloniale de Marseille)
  • 1907: Exposição Colonial de Paris (Exposition coloniale de Paris)
  • 1908: Exposição Franco-Britânica, Londres (Exposition Franco-Britannique ou Franco-British Exhibition)
  • 1910: Exposição Universal de 1910, Bruxelas
  • 1911: Festival do Império, Londres (Festival of Empire)
  • 1914: Exposição Colonial, Semarang (Koloniale Tentoonstelling)[6]
  • 1921: Exposição Internacional de Borracha e Outros Produtos Tropicais, Londres (International Exhibition of Rubber and Other Tropical Products)
  • 1922: Exposição Nacional e Colonial de Marselha (Exposition nationale coloniale de Marseille)
  • 1924–5: Exposição do Império Britânico, Wembley (British Empire Exhibition)[7]
  • 1930: Exposição Internacional Colonial, Marítima e da Arte Flamenga de Antuérpia (Exposition Internationale Coloniale, Maritime et d'Art flamand d'Anvers)[3]
  • 1931: Exposição Colonial Internacional, Paris (Exposition coloniale internationale)
  • 1934: Exposição Colonial Portuguesa, Porto[8]
  • 1936: Exposição do Império, Joanesburgo (Empire Exhibition)
  • 1937: Exposição Universal de 1937, Paris[9]
  • 1938: Exposição do Império, Glásgua (Empire Exhibition)
  • 1939: Exposição Colonial Alemã, Dresda (Deutsche Kolonial Ausstellung)
  • 1940: Exposição do Mundo Português, Lisboa[10][11]
  • 1948: Feira Colonial, Bruxelas (Foire coloniale)

Exposições coloniais japonesas[editar | editar código-fonte]

Entrada da Exposição da Coreia, em Seul (1929).

Durante o início do século XX, o Império do Japão foi notável pelo facto de não organizar os mostruários coloniais em exposições nos arquipélagos, mas realizou várias exposições em grande escala dentro das suas colónias como a Coreia e Taiwan. Estas exposições tiveram objetivos comparáveis aos dos seus homólogos europeus, na medida em que destacaram as realizações económicas e o progresso social sob o domínio colonial japonês para os assuntos coloniais iguais aos do Japão.

As exposições realizadas nas colónias japonesas, foram:

  • Feira de Exposição da Coreia para Comemorar os Cinco Anos de Governo (Seul, 1915)
  • Exposição da Coreia (Seul, 1929)
  • Feira de Exposição de Taiwan para Comemorar os Quarenta Anos de Governo (Taipé, 1935)

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Laure Blevis, Hélène Lafout-Couturieur (2008). 1931: Les Étrangers au temps de l'Exposition Coloniale (em francês). Paris: Gallimard 
  2. Pascal Blanchard, Nicolas Bancel, Sandrine Lemaire. «From human zoos to colonial apotheoses: the era of exhibiting the Other». Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra (em inglês). Universidade de Coimbra. Consultado em 22 de fevereiro de 2016 
  3. a b c Findling Pelle, ed. (2008). «Appendix D:Fairs Not Included». Encyclopedia of World's Fairs and Expositions (em inglês). McFarland & Company. pp. 415–423. ISBN 978-0-7864-3416-9 
  4. Abbal, Odon (2010). L'exposition coloniale de 1889: La Guyane présentée aux Français (em francês). Guiana Francesa: Ibis Rouge Éditions. 110 páginas. ISBN 978-2-84450-382-4 
  5. Exposição insular e colonial portugueza em 1894 no Palacio de Crystal Portuense. Porto: Typographia Central. 1893. 17 páginas 
  6. «Calendar». The Independent (em inglês). 13 de julho de 1914 
  7. «Lexicon — Empire Exhibition» (em inglês). Artefacts. Consultado em 22 de fevereiro de 2016 
  8. «Exposição Colonial Portuguesa, 1934». Hemeroteca Municipal de Lisboa. Consultado em 22 de fevereiro de 2016 
  9. Rivoirard, Philippe (1987). Bertrand Lemoine, ed. Paris 1937: Cinquantenaire de l'Exposition internationale des arts et des techniques dans la vie moderne (em francês). Paris: Instituto Francês de Arquitetura, Museu de Arte Moderna da Cidade de Paris. ISBN 285346041X 
  10. «Exposição do Mundo Português». Rádio e Televisão de Portugal. Consultado em 22 de fevereiro de 2016 
  11. «Exposição do Mundo Português». Dicionários Porto Editora. Infopédia 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Catherie Hodeir, Michel Pierre (1991). L’Exposition coloniale de 1931 (em francês). Bruxelas: Éditions Complexe 
  • Daeninckx, Didier (1998). Cannibale (em francês). Lagrasse: Éditions Verdier. ISBN 978-2-86432-297-9 
  • Nicolas Bancel, Pascal Blanchard e Sandrine Lemaire (Agosto de 2000). «Ces zoos humains de la République coloniale». Le Monde diplomatique (em francês). ISSN 0026-9395 
  • Razac, Olivier (2002). L'écran et le zoo: spectacle et domestication, des Expositions coloniales à Loft Story (em francês). Paris: Éditions Denoël. 211 páginas. ISBN 2-207-25170-5 
  • Nicolas Bancel, Pascal Blanchard, Gilles Boëtsch, Eric Deroo (2004). Zoos humains: Au temps des exhibitions humaines (em francês). Paris: La Découverte. ISBN 978-2707144010 
  • Lozère, Christelle (2013). Les Salons coloniaux en province (1850-1896) (em francês). Paris: Éditions Mare & Martin 
  • C.T. Geppert, Alexander (2010). Fleeting Cities: Imperial Expositions in Fin-de-Siècle Europe (em inglês). Basingstoke/Nova Iorque: Palgrave Macmillan 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Exposição colonial