Exposição mundial

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Exposição Mundial, Exposição Internacional, Exposição Universal, Feira Mundial ou, abreviadamente, Expo, são nomes dados a várias grandes exposições públicas realizadas em diferentes partes do mundo. A primeira Expo foi realizada no Palácio de Cristal, em Hyde Park, Londres, Reino Unido, em 1851, sob o título "Grande Exposição dos Trabalhos da Indústria de Todas as Nações". A "Grande Exposição", como muitas vezes é chamada, foi uma ideia do Príncipe Albert, marido da Rainha Victoria, e foi a primeira exposição internacional de produtos manufaturados. Como tal, influenciou o desenvolvimento de vários aspectos da sociedade, incluindo a arte e a educação de design, o comércio e relações internacionais e relações e até o turismo.[1] Além disso, foi o precedente para muitas exposições internacionais, mais tarde chamado "Exposição Mundial", que foram posteriormente detidas até os dias atuais. Em Acapulco, Nova Espanha (atual México), feiras anuais ocorreram durante vários séculos em que os países da Ásia apresentaram seus produtos trazidos para o Novo Mundo pela Nao de China da Marinha Real Espanhola.

As principais atrações na Feira Mundial são os pavilhões nacionais, criado pelos países participantes. Na Expo 2000, em Hanôver, onde os países criaram sua própria arquitetura, o investimento médio foi de cerca de 13 milhões. Tendo em conta estes custos, dos governos às vezes são céticos sobre a participação que as prestações sejam muitas vezes não assumida superam os custos. Efeitos concretos são difíceis de medir, no entanto, um estudo independente para o pavilhão holandês na Expo 2000 estimou que o pavilhão (que custou cerca de € 35 milhões) gerou cerca de € 350 milhões de receitas em potencial para a economia dos Países Baixos. Ele também identificou vários fatores de sucesso para pavilhões de exposição do mundo em geral.[2]

Desde a assinatura da Convenção de 1928 sobre Exposições Internacionais, o Bureau International des Expositions (BIE; Português: Oficina Internacional de Exposições) tem servido como um organismo internacional de sanções. As feiras aprovadas pelo BIE aprovados são divididas em um número de tipos: universais, internacionais ou especializadas. Elas geralmente duram entre três a seis meses.

Exposições universais[editar | editar código-fonte]

Uma Exposição Universal engloba temas que afectam uma vasta parcela da experiência humana, normalmente focando um período ou questões específicas da humanidade. As exposições universais realizam-se com menor frequência que as exposições internacionais ou especializadas, principalmente porque são mais dispendiosas. Para as distinguir de feiras menores, requer-se que os pavilhões sejam desenhados a partir do zero. Como consequência, muitas nações competem para realizar a mais espectacular ou notável estrutura. Exemplos recentes disto incluem os pavilhões do Japão, França, Marrocos e Espanha na Expo 92, em Sevilha. Algumas vezes são usadas estruturas pré-fabricadas para minimizar os custos para as nações em desenvolvimento, ou para então compartilhar espaço entre países da mesma área geográfica (caso da Praça das Américas, na Expo 92)

O BIE decidiu apenas aprovar exposições de 5 em 5 anos, a partir do século XXI. Com as décadas de 1980 e 1990 sobrecarregadas com exposições, muitos vêem esta medida como uma tentativa de cortar nas despesas de potênciais nações participantes. Como efeito,imagina-se que a ausência da Austrália da Expo 98 em Lisboa, foi motivada pela proximidade geográfica e temporal com a exposição de Sevilha, o que não justificaria o envio de outra representação.

Exposições internacionais ou especializadas[editar | editar código-fonte]

As exposições especializadas seguem temas mais restritos, tal como a 'Exposição Internacional de Jardins', realizada em Osaca, Japão em 1990 e em Kunming, China em 1999.

Uma exposição especializada ou internacional é normalmente mais pequena e económica quer para a organização, quer para os países participantes, porque os custos arquitectónicos são menores.

Referências

  1. John R. Davies in Findling and Pelle (2008), "Encyclopedia of World's Fairs and Expositions", pp. 13–14
  2. Tjaco Walvis (2003), "Building Brand Locations", Corporate Reputation Review, Vol.5, No.4, pp. 358–366

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Exposição mundial