Extispício

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Extispício (do latim extispicium) é a prática de usar anomalias nas entranhas do animal para predizer ou adivinhar eventos futuros.[1] Órgãos inspecionados incluíam o fígado, os intestinos e os pulmões. O animal usado para extispício frequentemente deveria ser ritualmente puro e abatido em uma cerimônia especial.[carece de fontes?]

A prática foi comum primeiramente nos antigos templos mesopotâmicos, hititas e cananeus.[carece de fontes?] Mais tarde, adivinhos dos tempos romanos antigos usavam as entranhas de um touro para determinar a conveniência de um esforço particular e os etruscos usavam padrões vistos nos fígados de carneiro para avaliar seu futuro. Ali existe evidência substancial para indicar que esta era a principal forma de adivinhação dentro das culturas clássicas.[1]

Modelos de orgãos e compêndios de extispício na escrita cuneiforme são amplamente encontrados nas escavações arqueológicas nas regiões, mostrando a prevalência e significância do extispício. Em geral, (na antiguidade) a maioria das adivinhações era feita através da inspeção dos intestinos e do fígado.[1]

Valor legítimo[editar | editar código-fonte]

Embora o extispício fosse em geral visto com ceticismo pelas mentes modernas, alguns eruditos do século 20 d.C. sugeriram que esta técnica era também , essencialmente, uma forma legítima e valiosa de autópsia o que poderia indicar doenças internas ligadas a fatores ambientais insatisfatórios,[1] informação que seria importante para os povos nômades.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d Matthews, John, ed. (1994). The World Atlas of Divination (print). [S.l.]: Headline