Fábio Luís Lula da Silva

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Fábio Luís Lula da Silva
Nascimento 1975 (46 anos)
São Bernardo do Campo, SP
Nacionalidade brasileiro
Progenitores Mãe: Marisa Letícia Lula da Silva
Pai: Luiz Inácio Lula da Silva
Cônjuge Renata de Abreu Moreira
Ocupação Empresário
Campo(s) Biologia

Fábio Luís Lula da Silva (São Bernardo do Campo, 1975), também conhecido como Lulinha, é um biólogo e empresário brasileiro, filho do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Fábio Luís é o filho mais velho do ex-presidente da República do Brasil Luiz Inácio Lula da Silva e de sua segunda esposa, Marisa Letícia Rocco Casa. Nasceu pouco tempo antes da posse de Lula como presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de São Bernardo.[1] Tem dois irmãos, Sandro Luís e Luís Cláudio, e dois meio-irmãos, Marcos Cláudio e Lurian.[carece de fontes?]

Graduou-se em Ciências Biológicas pela Universidade Paulista (UNIP) e foi monitor do Parque Zoológico de São Paulo.[2]

Em março de 2016, o site O Antagonista divulgou a gravação pela Polícia Federal de uma conversa telefônica entre Renata Moreira e Kalil Bittar, sócio do Lulinha e amigo da família, cujo conteúdo foi usado nas investigações do sítio de Atibaia. Subsequentemente, em maio daquele ano, Lulinha, Renata e a ex-primeira-dama Marisa Letícia ajuizaram indenização contra a União por dano moral.[3]

Gamecorp[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Caso Gamecorp

Em 2004, após o primeiro ano de mandato de seu pai no mais alto cargo eletivo do país, Fábio Luís fundou em parceria com os amigos de infância Fernando e Kalil Bittar, filhos de Jacó Bittar, ex-prefeito de Campinas, conselheiro da Fundação Petrobras de Seguridade Social (Petros) e íntimo de Lula desde a década de 1970 a empresa Gamecorp,[4] fato que suscitou diversas matérias jornalísticas e críticas da oposição ao Governo Lula, levantando-se a denúncia de tráfico de influência e favorecimento na destinação de recursos públicos.

As críticas basearam-se na venda de parte das ações de sua empresa à Telemar, que tem participação de capital público e é a maior empresa de telefonia do Brasil, por R$ 5,2 milhões de reais, sendo que o capital social declarado da empresa era de apenas cem mil reais.[5] Desta forma tornar-se-ia a Telemar acionista minoritária. Com a mediação da consultoria de Antoninho Trevisan, outro velho amigo de Lula, o negócio foi consumado em 2005. A direção da Telemar informou que resolvera investir no diminuto empreendimento baseada em projeções econômicas que não divulgou. E garantiu que só soube que se asssociara a um filho do então presidente depois de consumado o acerto.[6]

A Telemar ainda investiu mais dez milhões de reais na Gamecorp pela produção de programas de televisão.[7]

Em defesa a Fábio Luís, a jornalista Soninha Francine declarou que se tratava de um escândalo falso,[8] com vistas a prejudicar a imagem do Governo Lula através de seu filho. O presidente Lula negou que haja relação entre o sucesso financeiro de Fábio Luís e o fato de ele ser seu filho, comparando seu talento ao do jogador de futebol Ronaldinho: "[…] deve haver um milhão de pais reclamando: por que meu filho não é o Ronaldinho? Porque não pode todo mundo ser o Ronaldinho."

Em razão da matéria publicada em 25 de outubro de 2006 sobre os seus negócios, Fábio Luís entrou com uma ação judicial contra a revista Veja.[9]

Venda de participação[editar | editar código-fonte]

Em maio de 2020, divulgou-se que Lulinha e seus sócios, Fernando e Kalil Bittar, venderam 70% das ações da Gamecorp ao empresário Walther Abrahão Filho, por valores mantidos em sigilo.[10]

Viagem à Antártida[editar | editar código-fonte]

Em fevereiro de 2008, Fábio Luís viajou ao lado do pai e de sua comitiva até a estação brasileira na Antártida; a notícia repercutiu boatos de que os custos de sua estada seriam bancados por dinheiro público; porém, logo em seguida, a Secretaria de Comunicação do Palácio do Planalto esclareceu que as despesas de Fábio Luís com hotel seriam pagas de seu próprio bolso. Além disso, a Secretaria explicou que Fábio Luís viajou à Antártida por interesse científico.[11]

Passaportes diplomáticos[editar | editar código-fonte]

No final de 2010, a Folha de S.Paulo revelou que familiares do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, incluindo Fábio Luís, tinham recebido passaportes diplomáticos pelo Ministério das Relações Exteriores, popularmente chamado Itamaraty. O jornal apurou que os documentos haviam sido emitidos "em caráter excepcional" e por haver "interesse do país".[12]

Em novembro de 2013, a Justiça cancelou o passaporte diplomático concedido a Fábio Luiz. A decisão foi do juiz Jamil Rosa de Jesus Oliveira.[13]

Operação Lava Jato[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Operação Lava Jato

Em outubro de 2015 foi noticiado pela imprensa brasileira que Fernando Soares, conhecido como Fernando Baiano, afirmou em delação premiada para a Operação Lava Jato ter pago cerca de R$ 2 milhões em despesas pessoais de Fábio Luís Lula da Silva, o Lulinha, primogênito de Lula.[14] Essa informação foi desmentida cerca de um mês depois, em 8 de novembro de 2015,[15] pelo autor da matéria original, Lauro Jardim, e em seguida por outros veículos da imprensa.[16][17]

No dia 27 de novembro de 2015, um relatório da Polícia Federal, segundo foi publicado na imprensa,[18][19] informou que o trabalho de consultoria que rendeu R$ 2,5 milhões a Luís Cláudio Lula da Silva, filho mais novo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, foi baseado em “meras reproduções de conteúdo disponível na rede mundial de computadores, em especial no site do Wikipedia, e que não há nada em suas negociações que vá em contrário da lei”.

Notícias falsas[editar | editar código-fonte]

Lulinha está entre os maiores alvos de fake news no Brasil (segundo a revista Veja, o ex-presidente Lula é o maior alvo de notícias falsas no Brasil). Dentre algumas que se destacam, ele é acusado de embolsar R$ 317 milhões da empresa Gamecorp, de ter comprado a maior fazenda do mundo em Goiás (no valor de R$ 4 bilhões), de ter um luxuoso avião a jato de R$ 50 milhões e de ser o dono da empresa Friboi. Nessa última acusação, Lulinha foi acusado novamente em 2019 de ser dono de frigoríficos e ter culpa na alta do preço da carne no país no fim de 2019. Todas as notícias, que são falsas, foram acusadas de serem divulgadas por sites ou políticos ligados a partidos de oposição .[20][21][22][23][24][25]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Declarações feitas por Marisa Letícia Lula da Silva, Paraná, Denise, Lula, o Filho do Brasil 3.ª ed. , pp. 340, 343 .
  2. «Gislândia governo». O Dia Online. Consultado em 28 de outubro de 2009. Arquivado do original em 24 de novembro de 2009 
  3. «Mulher e filho de Lula pedem indenização por grampos.». Revista Exame. Consultado em 18 de março de 2020 
  4. O Estado de São Paulo, 29 de outubro de 2006 .
  5. «Veja online». Consultado em 28 de outubro de 2009 
  6. Nunes, Augusto (13 de julho de 2011). «O Ronaldinho da informática». Veja. Consultado em 27 de outubro de 2014. Arquivado do original em 3 de novembro de 2014 
  7. «Pop Brasil 2». Veja online ed. Consultado em 28 de outubro de 2009. Arquivado do original em 11 de abril de 2008 
  8. «A Nova Corja». Insanus. Consultado em 28 de outubro de 2009 
  9. «Juiz quer nome dos acionistas da Gamecorp». Folha de S.Paulo. 29 de novembro de 2006. Consultado em 28 de outubro de 2009 
  10. «Filho de Lula vende participação na empresa Gamecorp». Jovem Pan. 10 de maio de 2020. Consultado em 15 de maio de 2020 
  11. «Filho de Lula vai à Antártida por 'interesse científico', diz Planalto», Fazenda, Resenha Eletrônica [ligação inativa].
  12. «Outros dois filhos de Lula receberam passaporte diplomático», Folha de S.Paulo .
  13. «Justiça brasileira anula o passaporte diplomático a um filho de Lula». R7. Record. Efe. 11 de novembro de 2013. Consultado em 20 de outubro de 2014 
  14. Jardim, Lauro. «Em delação, Fernando Baiano diz que pagou despesas pessoais de filho de Lula». O Globo. Globo. Consultado em 11 de outubro de 2015 
  15. Jardim, Lauro. «Correção». O Globo. Consultado em 12 de novembro de 2015 
  16. «Lulinha não foi citado na delação premiada de Fernando Baiano». Zero Hora Notícias. Consultado em 12 de novembro de 2015 
  17. «Correção: Fernando Baiano não pagou despesas de Lulinha». Época. Consultado em 12 de novembro de 2015 
  18. «Consultoria de filho de Lula foi copiada do Wikipedia, diz PF». Consultado em 28 de novembro de 2015 
  19. «Em relatório, PF diz que consultoria do filho de Lula reproduziu Wikipédia». G1. Globo. Consultado em 28 de novembro de 2015 
  20. «Post que acusa Lulinha de embolsar fortuna omite dados e deturpa contexto». noticias.uol.com.br. Consultado em 20 de fevereiro de 2020 
  21. «Boato falso diz que 'Lulinha' comprou a 'maior fazenda do mundo'». Estadão Verifica. Consultado em 20 de fevereiro de 2020 
  22. «Fazenda à venda por R$ 4 bilhões em Goiás não é de filho de Lula». Estadão Verifica. Consultado em 20 de fevereiro de 2020 
  23. «[Agência Lupa] #Verificamos: É falso que filho de Lula tem avião de US$ 50 milhões pago 'com dinheiro do povo'». Agência Lupa. 10 de janeiro de 2019. Consultado em 20 de fevereiro de 2020 
  24. Lima, Caique. «A última da usina de fake news: Lulinha é culpado pelo aumento da carne». Diário do Centro do Mundo. Consultado em 20 de fevereiro de 2020 
  25. «Lula, Temer e Moro são os maiores alvos de notícias falsas». VEJA. Consultado em 20 de fevereiro de 2020