Félix Vallotton

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde setembro de 2010). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Félix Vallotton
Nome completo Félix Edouard Vallotton
Nascimento 28 de dezembro de 1865
Lausana
Morte 29 de dezembro de 1925 (60 anos)
Paris
Nacionalidade Franco-suíço
Principais trabalhos L'Enlèvement d' Europe
Área Xilogravura
Formação Académie Julian
Movimento(s) Les Nabis, Impressionismo

Félix Edouard Vallotton (Lausana, 28 de dezembro de 1865 - Paris, 29 de dezembro de 1925) foi um pintor e gravurista suíço associado com Les Nabis. Ele foi uma figura importante no desenvolvimento da xilogravura moderna.

Nascido no seio de uma família burguesa protestante; ingressou em 1882 na Académie Julian, em Paris, então frequentada por muitos artistas pós-impressionistas, incluindo os futuros integrantes do grupo Les Nabis.

Provavelmente foi por instigação de seu amigo Charles Maurin que interessou-se por gravura em madeira em 1891, numa época em que a litografia colorida era mais popular.

A xilogravura lhe permitiu fazer imagens expressivas, em preto-e-branco, caracterizadas por seus temas singulares e um estilo muito sintético, incisivo, reforçado pela ausência de gradiente. Sua fama tornou-se internacional por conta de suas xilogravuras e ilustrações.

Participou regularmente em várias exposições (Salon des Artistes Français, Salon des Indépendants, Salon d'Automne). A última década do século também é marcada por seu trabalho como ilustrador, especialmente para o magazine literário “La Revue Blanche”.

Uniu-se ao grupo Les Nabis de 1893 a 1903, por influência de seu amigo Édouard Vuillard.

Casou-se em 1899 com Gabrielle Bernheim (1863-1932), filha do negociante de arte Alexandre Bernheim. Obteve a nacionalidade francesa por decreto de naturalização no ano seguinte.

Valloton então abandonou a gravura em favor da pintura de cenas interiores, depois dedica-se a temas clássicos, paisagens, nus, retratos e naturezas-mortas que ele traduz de uma maneira pessoal, fora das correntes contemporâneas.

Sua primeira exposição individual aconteceu em Zurique em 1909. A partir de então, exibe regularmente em Paris, e participa de exposições internacionais na Europa e nos Estados Unidos.

Félix Vallotton sempre buscava novas formas de expressão. Publicava ocasionalmente críticas de arte, além de outros escritos. Escreveu três romances, incluindo o semi-autobiográfico “La Vie Meurtrière”, iniciado em 1907 e publicado postumamente. Também escreveu oito peças teatrais, algumas das quais foram encenadas entre 1904 e 1907.

Tocado pelo horror da Primeira Guerra Mundial, ele encontra no conflito uma fonte de inspiração que o faz retornar ao meio de xilogravura pela primeira vez desde 1901; para expressar seus sentimentos por seu país adotivo na série “C’est La Guerre” executada entre 1915 e 1916.

Vallotton morreu em 1925 após uma cirurgia para retirada de um câncer. Está sepultado em Paris no cemitério de Montparnasse.

Referências

Ícone de esboço Este artigo sobre um(a) pintor(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.