Fórmula de Haversine

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Trigonometria

História
Funções
Funções inversas
Aprofundamento

Referência

Lista de identidades
CORDIC

Teoria euclidiana

Lei dos senos
Lei dos cossenos
Lei das tangentes
Teorema de Pitágoras

Cálculo

Integração trigonométrica
Substituição trigonométrica
Integrais de funções
Diferenciação trigonométrica


A fórmula de haversine é uma importante equação usada em navegação, fornecendo distâncias entre dois pontos de uma esfera a partir de suas latitudes e longitudes. É um caso especial de uma fórmula mais geral de trigonometria esférica, a lei dos haversines, que relaciona os lados e ângulos de um triângulo contido em uma superfície esférica.

O nome haversine foi criado em 1835 pelo matemático e astrônomo James Inman. Estes nomes se devem ao fato de que são escritos nos termos da função haversine, dado por hav(θ) = sen2(θ2). As fórmulas podem ser igualmente escritas em termos de qualquer múltiplo do haversine, como a antiga função versine (duas vezes o haversine). Antes do uso de computadores, a eliminação da divisão e multiplicação por fatores de dois se provou suficientemente conveniente que tabelas de valores do haversine e logaritmos foram incluídos no século 19 e começo do século 20 em livros de navegação e trigonometria. Atualmente a fórmula de haversine é também conveniente pelo fato de não ter coeficiente na frente da função sen2.

Formulação[editar | editar código-fonte]

Definido o ângulo central Θ entre dois pontos quaisquer de uma esfera ser:

onde:

A fórmula de haversine permite que o haversine de Θ (ou seja, o hav(Θ)) seja calculado direto pela latitude e longitude dos dois pontos:

onde:

  • φ1, φ2 são a latitude do ponto 1 e a latitude do ponto 2 (em radianos),
  • λ1, λ2 são a longitude do ponto 1 e longitude do ponto 2 (em radianos).

Finalmente, a função haversine hav(Θ), aplicada acima para ambos o ângulo central Θ e a diferenças na latitude e longitude é:

A função haversine computa metade da versine do ângulo θ.

Para resolver pela distância d, aplica-se o arc versine (haversine inverso) para h = hav(Θ) ou usa-se a função arco seno (inverso do seno):

Quando usamos estas fórmulas, devemos ter cuidado de assegurar que h não seja maior que 1. h só se aproxima de 1 pelo ponto antipodal (em lados opostos da esfera)—nesta região um número relativamente grande de erros tende a ocorrer na fórmula quando uma precisão finita é usada. Como d é maior (aproximando-se de πR, metade da circunferência) um pequeno erro não causa preocupação nesse caso não usual (embora existam outras formulas da distância do Círculo máximo que evitam esse problema). A fórmula acima é algumas vezes escrita em termos da função arco tangente, mas sofre problemas similares quando fica próxima de h = 1.

Como descrito abaixo, uma fórmula similar pode ser escrita em termos de cossenos (algumas vezes chamada de lei esférica dos cossenos, não confundir com a lei dos cossenos da geometria plana) ao invés de haversines, mas sofre problemas de precisão para casos comuns de pequenas distâncias e ângulos o que reduz seu uso seriamente. Como a formula do haversine usa senos, ela evita esse problema.

Esta fórmula é só uma aproximação quando aplicada à Terra, porque esta não é uma esfera perfeita: seu raio varia de 6356,752 km nos pólos até 6378,137 km no equador. O raio de curvatura de uma linha norte-sul na superfície da terra é 1% maior nos polos (≈6399,594 km) que no equador (≈6335,439 km)—então a fórmula de haversine e lei dos cossenos não podem se garantir corretas a melhor que 0,5%.

A lei dos Haversines[editar | editar código-fonte]

Dada uma esfera unitária, um "triângulo" em sua superfície é definido pelo Círculo máximo conectando três pontos u, v, and w na esfera. Se o comprimento destes três lados forem a (de u até v), b (de u até w), and c (de v até w), e o ângulo do canto oposto c é C, então a lei dos haversines estabelece que:

Sendo que é uma esfera unitária, os comprimentos de a, b, e c são simplesmente iguais aos ângulos (em radianos) subentendidos por estes lados do centro da esfera (para uma esfera não unitária, cada um desses comprimentos de arco é igual ao seu ângulo central multiplicado pelo raio R da esfera).

Triângulo esférico resolvido pela lei dos haversines.

Para se obter a fórmula haversine da seção previa dessa lei, consideramos um caso especial quando u é o pólo norte geográfico, enquanto v e w são dois pontos em que a separação d é para se determinar. Neste caso, a e b são π2φ1,2 (ou seja, as co-latitudes), C é separação de longitude λ2λ1, e c é o dR desejado. Nota-se que sin(π2φ) = cos(φ), a fórmula de haversine segue imediatamente.

Para derivar a lei dos haversines, devemos começar com a lei esférica dos cossenos:

Como mencionado acima, esta fórmula é uma forma contra-indicada para resolver para c quando c é pequeno. Em vez disso, substituímos a igualdade que cos(θ) = 1 − 2 hav(θ), e também empregamos a igualdade trigonométrica adição e subtração cos(ab) = cos(a) cos(b) + sen(a) sen(b) para obter a lei dos haversines acima.

Referências gerais[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]