F-Zero (série)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
F-Zero
Gênero(s) Corrida
Desenvolvedora(s)
Distribuidora(s) Nintendo
Criador(es) Shigeru Miyamoto
Plataformas
Primeiro título F-Zero
21 de novembro de 1990
Último título F-Zero Climax
21 de outubro de 2004
Portal Portal de jogos eletrônicos

F-Zero é uma série de jogos eletrônicos de corrida futurísticos originalmente criada pela Nintendo EAD e mais tarde desenvolvida por diversas outras companhias e publicada pela Nintendo. O primeiro jogo foi lançado para o Super Nintendo Entertainment System em 1990; seu incitou que a Nintendo produzisse sequências em consoles subsequentes.[1]

A série é conhecida por suas corridas em alta velocidade, personagens e cenários únicos, jogabilidade difícil e música original, além de tirar o máximo de cada console para ser um dos jogos de corrida mais rápidos. O título original inspirou a criação de jogos como Daytona USA e a série Wipeout.[2][3][4]

A série está em um hiato desde o lançamento de F-Zero Climax no Japão, em 2004. Elementos da séries foram representados em outros jogos da Nintendo, incluindo as franquias Super Smash Bros. e Mario Kart. Títulos anteriores já foram emulados através de múltiplos consoles da Nintendo pelo serviço de Virtual Console. O F-Zero original é um dos seletos jogos emulados no Super NES Classic Edition.[5]

Jogos[editar | editar código-fonte]

Linha do tempo de anos de lançamento
1990F-Zero
1991
1992
1993
1994
1995
1996BS F-Zero Grand Prix
1997BS F-Zero Grand Prix 2
1998F-Zero X
1999
2000F-Zero X Expansion Kit
2001F-Zero: Maximum Velocity
2002
2003F-Zero GX
F-Zero AX
F-Zero: GP Legend
2004F-Zero: Climax

F-Zero (1990)[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: F-Zero

Primeiro jogo da série, lançado originalmente para o SNES, F-Zero foi também o primeiro jogo para o console a utilizar a técnica denominada "Rolamento de Mode 7" (Mode 7 Scrolling), possibilitando a simulação de ambientes tridimensionais utilizando elementos bidimensionais. Tal técnica era considerada revolucionária em um tempo onde a maioria dos consoles estavam restritos a fundos estáticos e objetos em 2D. O resultado foi a criação pela Nintendo EAD de um jogo que o crítico da IGN Craig Harris chamou de "o mais rápido e polido jogo de corrida em pseudo-3D para consoles de seu tempo".[6]

BS F-Zero Grand Prix (1996) e BS F-Zero Grand Prix 2 (1997)[editar | editar código-fonte]

Seis anos depois do primeiro título, BS F-Zero Grand Prix foi lançado para o Satellaview, expansão exclusivamente japonesa baseada em satélites para o Super Famicom. Foi lançado em partes separadas, e incluía uma atualização para o jogo original. Uma sequência incluindo novas pistas, BS F-Zero Grand Prix 2, foi lançada no ano seguinte.[3][7]

F-Zero X (1998) e F-Zero X Expansion Kit (2000)[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: F-Zero X

Depois de sete anos de um hiato fora do Japão, a série fez a transição para 3D com o F-Zero X para o Nintendo 64. O jogo introduziu 26 novos veículos além dos quatro presentes no primeiro título. Em adição ao modo Grad Prix, o jogo introduziu um modo chamado "corrida da morte" (death race) e um gerador aleatório de pistas chamado "Copa X" (Cup X). Na corrida da morte, o objetivo do jogador é aniquilar os 29 outros corredores o mais rápido possível, enquanto a Copa X gera uma seleção diferente de pistas a cada vez que é jogada.[8] As limitações do Nintendo 64 fizeram com que os desenvolvedores sacrificassem detalhes gráficos e músicas para permitir que o jogo funcionasse a 60 quadros por segundo e com trinta veículos na tela ao mesmo tempo.[9]

Uma expansão para o Nintendo 64DD, intitulada F-Zero Expansion Kit, foi lançada no Japão como o último disco adicional para o sistema. O Expansion Kit adicionou um editor de pistas, um editor de veículos, duas novas copas, três novos veículos e novas músicas. O editor de pistas era a principal atração da expansão, e foi elogiado por sua profundidade, visto que era praticamente o mesmo programa utilizado pelos desenvolvedores para criar as pistas oficiais.[10]

F-Zero: Maximum Velocity (2001)[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: F-Zero: Maximum Velocity

F-Zero: Maximum Velocity foi o jogo de estreia da série em um console portátil, sendo lançado simultaneamente com o Game Boy Advance. Foi o primeiro título desenvolvido pela subsidiária da Nintendo, NDcube.[11] O jogo retornou à jogabilidade do primeiro F-Zero, se utilizando de um motor de jogo no estilo do Mode 7.[6]

Cabine de luxo de F-Zero AX, simulando um veículo da série.

F-Zero GX e F-Zero AX (2003)[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: F-Zero GX

F-Zero GX foi lançado para o Nintendo GameCube e desenvolvido pela Amusement Vision, subsidiária da Sega. É o primeiro jogo da série a incluir um modo história. O jogo foi inicialmente intitulado "F-Zero GC", e depois renomeado para seu nome final.

A contraparte de F-Zero GX para arcades foi intitulada F-Zero AX e lançada simultaneamente com a versão para consoles em 2003. O jogo tinha três tipos de cabines; padrão, a "Monster Ride" e a de luxo, que se parecia com um veículo da série. F-Zero AX tinha seis pistas e dez personagens originais. Essas seus pistas e dez personagens poderiam ser desbloqueados em F-Zero GX, mesmo que através do cumprimento de requerimentos difíceis.[12][13]

F-Zero: GP Legend (2003)[editar | editar código-fonte]

F-Zero: GP Legend é o segundo título portátil a ser lançado para o Game Boy Advance e o segundo a incluir um modo história. Este, porém, é baseado na série animada de mesmo nome, introduzindo um novo personagem chamado Ruy Suzaku/Rick Wheeler.[14] Diferente dos jogos anteriores, que se passavam no século XXVI, GP Legend se passa no século XXII.[15]

F-Zero: Climax (2004)[editar | editar código-fonte]

F-Zero: Climas foi lançado exclusivamente para o Game Boy Advance em 21 de outubro de 2004. Assim como seu antecessor, F-Zero: GP Legend, Climax foi publicado e parcialmente desenvolvido pela Nintendo, juntamente com a Suzak. Este é o primeiro título da série a ter um editor de pistas sem a necessidade de uma expansão. Pistas customizadas podem ser salvas em um de trinta espaços para uso futuro e trocadas com outros jogadores através do link cable. Se a memória do jogo for completamente preenchida ou a conexão com o link cable impedida, o jogo pode gerar uma senha para a pista; quando inserida em qualquer cartucho de F-Zero: Climax, a senha vai gerar a pista.[16]

Jogos cancelados[editar | editar código-fonte]

Zero Racers (G-Zero) foi um jogo cancelado da série para o Virtual Boy. O jogo foi pré-visualizado pela Nintendo Power.[17] A jogabilidade se diferenciava em um ponto importante de seu predecessor e de todos os jogos F-Zero lançados depois. Em Zero Racers os veículos corriam em todas as três dimensões espaciais em túneis.

A Nintendo da Europa ofereceu à Criterion Games, desenvolvedora da série Burnout, que criasse um novo título para a franquia que seria lançado exclusiva e simultaneamente com o Wii U. A Nintendo pediu que uma demonstração do jogo estivesse pronta para ser mostrada na E3 de 2011. A desenvolvedora, porém, negou a oferta por estar ocupada com o desenvolvimento de Need for Speed: Most Wanted, que seria lançado em 2012.[18]

Referências

  1. «Nintendo Feature: 100 Best Nintendo Games - Part Two - Official Nintendo Magazine». web.archive.org. 23 de fevereiro de 2009. Consultado em 9 de fevereiro de 2019 
  2. «Update: F-Zero GC & AC - Gaming Age». web.archive.org. 29 de setembro de 2007. Consultado em 9 de fevereiro de 2019 
  3. a b «IGN: F-Zero (Virtual Console) Review». web.archive.org. 28 de junho de 2007. Consultado em 9 de fevereiro de 2019 
  4. Staff, I. G. N. (14 de julho de 1998). «F-Zero X». IGN (em inglês). Consultado em 9 de fevereiro de 2019 
  5. «Super Nintendo Entertainment System™: Super NES Classic Edition – Official site». www.nintendo.com (em inglês). Consultado em 9 de fevereiro de 2019 
  6. a b Harris, Craig (14 de junho de 2001). «F-Zero: Maximum Velocity». IGN (em inglês). Consultado em 9 de fevereiro de 2019 
  7. BS F-Zero 2 Grand Prix - IGN.com (em inglês), consultado em 9 de fevereiro de 2019 
  8. «IGN: F-Zero X Review». web.archive.org. 13 de fevereiro de 2009. Consultado em 9 de fevereiro de 2019 
  9. «Guides: F-Zero GX Guide». web.archive.org. 13 de junho de 2006. Consultado em 9 de fevereiro de 2019 
  10. Schneider, Peer (18 de julho de 2000). «F-Zero X Expansion Kit (Import)». IGN (em inglês). Consultado em 9 de fevereiro de 2019 
  11. «N-Sider.com: Review: FZero Maximum Velocity (GBA)». web.archive.org. 11 de março de 2016. Consultado em 9 de fevereiro de 2019 
  12. Kasavin, Greg (19 de novembro de 2006). «F-Zero Review». GameSpot (em inglês). Consultado em 9 de fevereiro de 2019 
  13. Torres, Ricardo (8 de julho de 2003). «F-Zero AX Impressions». GameSpot (em inglês). Consultado em 9 de fevereiro de 2019 
  14. F-Zero: GP Legend - IGN.com (em inglês), consultado em 9 de fevereiro de 2019 
  15. Staff, I. G. N. (20 de agosto de 2003). «F-Zero: The Cartoon». IGN (em inglês). Consultado em 9 de fevereiro de 2019 
  16. Gantayat, Anoop (21 de outubro de 2004). «F-Zero Climax Playtest». IGN (em inglês). Consultado em 9 de fevereiro de 2019 
  17. «Preview: Zero Racers». Nintendo. Nintendo Power. 87: 40–41. 1996 
  18. Karmali, Luke (23 de junho de 2015). «Burnout Dev Criterion Nearly Made a F-Zero Wii U Game». IGN (em inglês). Consultado em 9 de fevereiro de 2019