Fabrício Carpinejar

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Fabrício Carpinejar
O poeta na abertura da Feira do Livro de Canoas, RS, 2012 (foto:Cultura/RS, remix de Olimor)
Pseudônimo(s) Fabrício Carpinejar
Nascimento 23 de outubro de 1972 (44 anos)
Caxias do Sul, RS
 Brasil
Nacionalidade  brasileiro(a)
Progenitores Mãe: Maria Carpi
Pai: Carlos Nejar
Filho(s) Mariana Carpi Nejar e Vicente Carpi Nejar
Ocupação Poeta, escritor, colunista e jornalista
Influências
Prémios Prêmio Nacional Olavo Bilac, da Academia Brasileira de Letras
entre outros
Magnum opus As Solas do Sol
Escola/tradição Pós-modernismo poético
Assinatura
Asscarpjar.png

Fabrício Carpi Nejar (Caxias do Sul, 23 de outubro de 1972), ou Fabricio Carpinejar, como passou a assinar a partir de 1998, é um poeta, cronista e jornalista brasileiro.

Biografia[editar | editar código-fonte]

É filho dos poetas Maria Carpi e Carlos Nejar. Após a separação dos pais, em 1981, passou a ser criado pela mãe.[1]

Ingressou em 1990 no curso de jornalismo, na Universidade Federal do Rio Grande do Sul, onde formou-se em 1995. Pela mesma instituição tornou-se mestre em Literatura Brasileira, em 2002.

Lançou As solas do sol, em 1998. A partir desse momento une seus sobrenomes e passa a assinar: Carpinejar.

Em 2003 publicou, pela editora Companhia das Letras, a antologia Caixa de sapatos, que lhe conferiu notoriedade nacional.

Mantém o blog Consultório Poético no portal Globo.com.

Em 6 de março de 2012, estreou como apresentador do programa A Máquina, na TV Gazeta;[2].

Desde maio de 2011 mantém a coluna que antes era ocupada por Moacyr Scliar no jornal Zero Hora.

Livros publicados[editar | editar código-fonte]

  • 1998 - As solas do sol
  • 2000 - Um terno de pássaros ao sul
  • 2001 - Terceira sede
  • 2002 - Biografia de uma árvore
  • 2003 - Caixa de sapatos (antologia)
  • 2004 - Cinco Marias
  • 2004 - Porto Alegre e o dia em que a cidade fugiu de casa (Série Paralelepípedos 2)
  • 2005 - Como no céu/Livro de visitas
  • 2006 - O Amor Esquece de Começar
  • 2006 - Filhote de Cruz Credo
  • 2006 - Meu filho, minha filha
  • 2008 - Diário de um apaixonado - Sintomas de um bem incurável
  • 2008 - Canalha
  • 2009 - www.twitter.com/carpinejar
  • 2010 - Mulher perdigueira
  • 2010 - O menino grisalho
  • 2011 - Borralheiro
  • 2011 - A menina superdotada
  • 2012 - Beleza Interior - Uma viagem poética pelo Rio Grande do Sul
  • 2012 - Ai meu Deus, Ai meu Jesus
  • 2012 - Bem-vindo - Histórias com as cidades de nomes mais bonitos e misteriosos do Brasil

Prêmios[editar | editar código-fonte]

Linha do Tempo[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Biografia Fabrício Carpinejar. «Biografia Fabrício Carpinejar». Consultado em 30 de dezembro de 2012. 
  2. Portal Imprensa, Luiz Gustavo (23 de fevereiro de 2012). «Jornalista Fabrício Carpinejar ganha programa de entrevistas na grade da TV Gazeta». Portal IMPRENSA. Consultado em 20 de junho de 2012. 
  3. Folha. «Carpinejar vence Prêmio Olavo Bilac». Consultado em 30 de dezembro de 2012. 
  4. O Polvo. «Scliar e Carpinejar vencem o Prêmio Jabuti». Consultado em 30 de setembro de 2009. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.