Universidade Federal de Minas Gerais

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Universidade Federal de Minas Gerais
Universidade Federal de Minas Gerais
UFMG
Lema Incipit vita nova
"Inicia-se uma vida nova"
Nomes anteriores UMG - Universidade de Minas Gerais
Fundação 7 de setembro de 1927 (92 anos)
Tipo de instituição Pública
Mantenedora Ministério da Educação
Localização
Brasil (reitoria)
19° 52' 8.72" S 43° 57' 58.97" O
Docentes 3 165 [1](2019)
Reitor(a) Profa. Dra. Sandra Regina Goulart Almeida[2]
Vice-reitor(a) Prof. Dr. Alessandro Moreira
Total de estudantes 48 949[3] (2018)
Graduação 31 545[4] (2018)
Pós-graduação 14 343[5](2018)
Campus
Cores da escola      Preto
     Vermelho
Afiliações ANDIFES,[6] AULP,[7] CRUB,[8] RENEX[9]
Orçamento anual 1 730 312 957,53 (2015)[10]
UFMG.svg
[ufmg.br Website oficial]

A Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) é uma instituição de ensino superior pública federal brasileira, sediada na cidade de Belo Horizonte, no estado de Minas Gerais. É a maior universidade do estado de Minas Gerais e possui campi nas cidades de Belo Horizonte, Tiradentes e Montes Claros.

A Universidade Federal de Minas Gerais foi fundada em 7 de setembro de 1927, por iniciativa do governo de Minas Gerais, a partir da reunião de quatro instituições de ensino superior: as Faculdades de Direito[11] e Medicina,[12] e as Escolas de Engenharia[13] e de Odontologia e Farmácia.[14] Permaneceu como instituição estadual até 17 de dezembro de 1949, quando foi federalizada.

Além de desenvolver programas e projetos de ensino, nos níveis de graduação e pós-graduação, pesquisa e extensão, sob a forma de atividades presenciais, e a distância, em oito áreas do conhecimento, a Universidade oferece, também, na Escola Fundamental, no Colégio Técnico, no Núcleo de Ciências Agrárias e no Teatro Universitário, cursos de educação básica e profissional de nível médio. Segundo o Ministério da Educação - MEC, a UFMG é a segunda universidade que mais recebe recursos do governo federal, uma vez que é uma das que mais oferecem cursos e programas para ensino de graduação, pós-graduação, pesquisa e extensão.[15] [16]

A UFMG também é um dos maiores núcleos de inovação do Brasil, sendo que em 2010 a UFMG foi a instituição brasileira que mais requereu patentes segundo dados do Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI).[17] A universidade registrou em 2010 um total de 350 patentes nacionais e 110 internacionais.[18] Em outubro de 2019 a UFMG já contava com 1.042 patentes registradas.[19] Dentre vários indicadores internacionais e nacionais que avaliam as universidades, a UFMG tem se destacado como uma das mais importantes universidades no Brasil, particularmente com crescente presença internacional como apontado pelo Academic Ranking of World Universities (ARWU). Segundo o ARWU, a UFMG está classificada entre as cinco melhores universidades no Brasil e no mundo.[20] [21] [22] Segundo o QS World University Rankings , a UFMG também está classificada entre as melhores universidades brasileiras.[23]


História[editar | editar código-fonte]

A UFMG é a mais antiga universidade de Minas Gerais, e sua história se confunde com a história das primeiras faculdades desse estado. Ela foi criada em 1927 com o nome de Universidade de Minas Gerais (UMG) como uma instituição privada e subsdiada pelo Estado. Sua criação foi decorrente da união entre as quatro escolas de nível superior que então existiam em Belo Horizonte: a Faculdade de Direito[11] (criada em 1892 em Ouro Preto e transferida para a atual capital em 1898), a Escola Livre de Odontologia[14] (1907), a Faculdade de Medicina[12] (1911) e a Escola de Engenharia[13] (1911).

Em 1949, a UMG foi federalizada e incorporou ao seu patrimônio territorial uma extensa área na região da Pampulha onde hoje está localizado seu campus principal. O nome atual (Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG) só foi adotado em 1965.[24]

Em 1998, foi instituída uma comissão para elaborar o Plano Diretor da UFMG. Seus princípios norteadores e suas proposições, embora o Plano ainda não tenha sido aprovado pelo Conselho Universitário, baliza as decisões relativas ao espaço físico do Campus Pampulha. Nesse mesmo ano, foi instituído um projeto denominado Campus 2000.[25] visando à transferência das unidades acadêmicas localizadas na região centro-sul de Belo Horizonte, de modo a integrar as diversas áreas do conhecimento, assim como a ampliação do número de vagas e a promoção do desenvolvimento acadêmico da Universidade, além da ampliação, reforma e modernização de unidades acadêmicas já instaladas no Campus Pampulha. Atualmente, praticamente todos os projetos já foram concluidos.

Faixa indicando greve na UFMG em 2012.

Hoje, firmemente estabelecida como instituição de referência para o resto do país, a UFMG continua em franca expansão. Com a implementação do REUNI na Universidade, novos cursos tem sido criados e surgiram mais vagas em alguns dos antigos cursos. Assim, novos prédios estão sendo construídos no campus pampulha para atender essas novas demandas.[26] A partir de 2013, o vestibular da UFMG foi destituído, sendo substituído pelo ENEM. No século XXI, durante o governo Governo Lula, a universidade massificou a cooperação com Israel.[27]

Extensão[editar | editar código-fonte]

As Unidades Acadêmicas da UFMG têm, cada uma delas, um Centro de Extensão (Cenex), que conta com uma estrutura administrativa e um coordenador. Esse órgão executa a gestão da política de Extensão da Unidade em articulação com a política de Extensão da Universidade. É por meio das ações desenvolvidas pelos Cenex que os estudantes passam a fazer parte das equipes de Extensão e podem participar dos projetos e programas desenvolvidos, nessa área, na UFMG.

Estrutura[editar | editar código-fonte]

As Universidades Públicas no Brasil, em especial aquelas vinculadas ao Sistema Federal, adotam um modelo organizacional que se caracteriza por muitas similaridades em que predominam as decisões de Órgãos Colegiados. No caso da UFMG, cuja forma de organização está sinteticamente representada nos dois organogramas que se seguem, há dois Colegiados Superiores: o Conselho Universitário, que estabelece as linhas políticas mestras da Universidade, e o Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (CEPE), encarregado de detalhar e coordenar a política acadêmica da Instituição. A estrutura da Reitoria – órgão básico da Administração Central da Universidade – conta, também, com as Pró-Reitorias, as Diretorias e as Coordenadorias, órgãos encarregados de dar conseqüência às decisões do Conselho Universitário e do CEPE.

A estrutura da UFMG inclui, ainda, Unidades Acadêmicas e Unidades Especiais, encarregadas de ministrar o ensino, desenvolver projetos de pesquisa e de extensão e, também, de prestar serviços à comunidade. Departamentos e cursos são subordinados às Unidades Acadêmicas. Cada curso é administrado por um Colegiado, cuja autoridade máxima é o Coordenador. Os estudantes são diretamente vinculados ao Colegiado de seu Curso.

Com uma área total de 8.775.579 m² e área construída de 620.735 m² a UFMG se constitui de três campi universitários com 20 unidades acadêmicas, 2 unidades especiais, 26 bibliotecas e 12 Espaços culturias (Rede de Museus, Espaços de Ciência e Cultura). Constituem ainda no patrimônio da universidade a Fazenda Experimental Professor Hélio Barbosa com 240 hectares,[28] a Fazenda Experimental Professor Hamilton de Abreu Navarro (NCA): 6.050.000 m², e a Fazendo Modelo Pedro Leopoldo: 4.520.000 m².[29]

Campi[editar | editar código-fonte]

Pampulha[editar | editar código-fonte]

Faculdade de Direito da UFMG, localizada no centro e em processo de transferência para o Campus Pampulha.
Faculdade de Odontologia no Campus Pampulha.

Cidade Universitária da UFMG localizado na região da Pampulha em Belo Horizonte, o Campus Pampulha como é conhecida, possui uma área de cerca de 5.375.579 m², sendo que dos quase 400.159 m² de área construída, 342.967 m² são ocupados por prédios escolares e laboratórios (dados de 2007). Nesse campus são encontradas a maioria das unidades da UFMG. Circulam pelo campus Pampulha, em um dia letivo, cerca de 50 mil pessoas.

Saúde[editar | editar código-fonte]

Localizado na área hospitalar de Belo Horizonte, centro da capital mineira, no campus Saúde, estão a Faculdade de Medicina, a Escola de Enfermagem e o Hospital das Clínicas, considerado centro de referência e excelência. Com 50.053 m² de área física, ele é formado por um prédio principal e sete ambulatórios e abriga as atividades de 2.000 estudantes de Medicina, 200 de Enfermagem e muitos acadêmicos de cursos como Farmácia, Fisioterapia, Psicologia, Terapia Ocupacional, Fonoaudiologia e Nutrição.

Montes Claros[editar | editar código-fonte]

Localizado em Montes Claros. Tradicional colégio agrícola da UFMG, em Montes Claros, hoje é um campus avançado de ensino superior, onde funciona o Instituto de Ciências Agrárias, tendo seis cursos de graduação, um mestrado voltado para o desenvolvimento de tecnologias de convivência com o semi-árido do Norte mineiro, e ampla inserção local, por meio de cursos e projetos de extensão. O campus da UFMG em Montes Claros é uma fazenda-escola, localizada a sete quilômetros do centro da cidade, com área de 232,32 hectares. Ao lado dos cursos superiores, ainda hoje funciona na Unidade o Colégio Agrícola Antônio Versiani Athayde, criado em abril de 1964 e incorporado ao patrimônio da Universidade em 1968.

Outras unidades[editar | editar código-fonte]

Além das unidades localizadas nos campi Pampulha e Saúde, a UFMG possui ainda outras no centro de Belo Horizonte e bairros periféricos. De acordo com o projeto de construção da Universidade, algumas dessas unidades devem ser transferidas, gradualmente, para o campus Pampulha. Encontra-se no centro da capital a Faculdade de Direito; no bairro Funcionários está instalada a Escola de Arquitetura. Diversas outras faculdades já se encontraram na Região Centro-Sul da capital mineira, tais como a FACE, A FAFICH, a Escola de Engenharia, dentre outras, mas hoje já estão instaladas no Campus Pampulha.

A Universidade conta ainda com alguns órgãos localizados fora de seus dois campi principais. Nesta situação encontra-se o Centro Cultural da UFMG, o Conservatório UFMG e a Fundação Mendes Pimentel, instalados no centro, e o Museu de História Natural e Jardim Botânico, localizado no bairro Horto.

Museus[editar | editar código-fonte]

Em 2001, a UFMG criou a Rede de Museus e Espaços de Ciências e Tecnologias, que agregou o conjunto das suas instituições dedicadas a esta área. Com a criação dessa rede buscou-se somar esforços, otimizar recursos, encontrar soluções para problemas comuns, definir estratégias, planejar ações conjuntas, ampliar o intercâmbio com o público e agir de forma solidária, preservando a identidade, as características e a missão de cada espaço que a compõe. A Rede de Museus e Espaços de Ciências e Tecnologias da UFMG é integrada por oito espaços de ciências e tecnologia. Eles estão situados em vários pontos da Região Metropolitana de Belo Horizonte: Centro de Memória da Engenharia, Centro de Memória da Medicina, Centro de Referência em Cartografia Histórica, Espaço do Conhecimento, Estação Ecológica, Laboratório de História e Educação em Saúde, Museu de Ciências Morfológicas, Museu de História Natural e Jardim Botânico, e Observatório Astronômico Frei Rosário. Há também em, Tiradentes, o Museu Casa de Padre Toledo.

Bibliotecas[editar | editar código-fonte]

Fachada da Biblioteca Central.

O sistema das bibliotecas da Universidade Federal de Minas Gerais é constituido por 27 bibliotecas setoriais em várias áreas do conhecimento. Também existem as unidades especiais ou de extensão, são elas as bibliotecas: Colégio Técnico; Teatro Universitário; Centro Pedagógico; Museu de História Natural; Carro Biblioteca. As bibliotecas possuem coleções especiais como a Memória Intelectual da UFMG, Obras Raras, Coleções Pessoais (Henriqueta Lisboa, Murilo Rubião, Oswaldo França Júnior, Abgar Renault, Curt Lange, Mineiriana), entre outras.

As bibliotecas setoriais estão vinculadas tecnicamente à Biblioteca Universitária e são responsáveis pelo oferecimento à comunidade universitária, de serviços e produtos de informação necessários ao desenvolvimento das atividades de ensino, pesquisa e extensão na UFMG, bem como de acervos específicos em suas áreas de atuação e abrangência.[30]

A Biblioteca da FACE (Faculdade de Ciências Econômicas) e a Biblioteca Professor Rubens Costa Romanelli, da FALE (Faculdade de Letras), funcionam diariamente até as 21h30 com todos os serviços e em regime de 24 horas, inclusive sábados, domingos e feriados (exceto sexta feira da paixão, Natal e Ano novo). A partir das 21h30, estão disponíveis dois serviços: consulta ao acervo e acesso aos terminais de computadores. Na Face, para os usuários internos, há ainda os serviços de auto-empréstimo de livros.[30]:

Ensino[editar | editar código-fonte]

Graduação[editar | editar código-fonte]

Entrada principal do campus Pampulha da UFMG.

A UFMG oferece ensino de graduação de boa qualidade, o que vem sendo atestado pelos exames nacionais, e busca eficiência nessa sua área de atuação. A iniciativa de estabelecer um programa de bolsas, com base nas suas próprias disponibilidades orçamentárias, é um ponto importante a ser valorizado. Do mesmo modo, destaca-se o dinamismo que vêm adquirindo os programas voltados para o intercâmbio dos estudantes em instituições nacionais e estrangeiras, para a recepção de alunos de outras instituições de ensino e para os acordos e convênios firmados com instituições internacionais. O projeto pedagógico em vigor se baseia na proposta de flexibilização curricular, que sinaliza para a necessidade de que a formação do profissional da UFMG não se restrinja ao domínio apenas da área específica do curso.[carece de fontes?]

Atualmente a UFMG conta com 80 cursos de graduação sendo 5 à distância [31] em todas as áreas do conhecimento, cada um deles subordinado a sua respectiva unidade. Com a adoção ao REUNI[32] esse número tende a aumentar até 2012. Os cursos de graduação são classificados pela Universidade em oito grandes áreas: Ciências agrárias, Ciências biológicas, Ciências exatas e da terra, Ciências humanas, Ciências da saúde, Ciências sociais aplicadas, Engenharias, e Linguística, letras e artes.[carece de fontes?]

Pós-Graduação[editar | editar código-fonte]

Presente na diversidade dos campos de conhecimento, a pós-graduação na UFMG vem alcançando, sucessivamente, patamares sempre mais elevados na avaliação da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), situando-se entre uma das melhores do Brasil. A universidade oferece 70 Programas de Pós-Graduação (stricto sensu) que envolvem 58 cursos de Doutorado, 66 de Mestrado e 3 de Mestrado Profissional em todas as áreas do conhecimento. Na Especialização - Pós-Graduação Lato Sensu - a UFMG oferece 87 Cursos também em todas as áreas do conhecimento.[33]

Educação básica e profissional[editar | editar código-fonte]

A UFMG também atua na área da educação básica e profissional, para isso conta com o Centro Pedagógico (que engloba o Colégio de Aplicação, agora denominado de Escola Fundamental, e o Colégio Técnico, oferecendo cursos nos níveis fundamental, médio e técnico), o Teatro Universitário, destinado à formação de atores em nível médio, e o Colégio Agrícola do Núcleo de Ciências Agrárias de Montes Claros. A educação básica e profissional da UFMG têm em vista o aprimoramento de sua gestão pedagógica e administrativa, sendo um campo de experimentação para a formação no ensino superior, essas escolas constituem um lócus de produção teórica e metodológica sobre as questões referentes a esses níveis de ensino.

Formas de ingresso[editar | editar código-fonte]

Graduação[editar | editar código-fonte]

Abaixo estão especificadas as formas de ingresso aos cursos de graduação da Universidade Federal de Minas Gerais:[34][35]

Vestibular[editar | editar código-fonte]

Banners listando as notas dos candidatos ao Vestibular 2010, afixados em frente à reitoria.

Principal forma de admissão à UFMG, é aberto a estudantes que estejam concluído ou tenham concluído o Ensino Médio ou estudos equivalentes. O processo seletivo era, até 2009, organizado inteiramente pela Comissão Permanente do Vestibular (Copeve) e ocorria uma vez por ano, sendo a primeira etapa no final do mês de novembro ou início de dezembro e a segunda etapa no início do mês de janeiro. Eram aplicadas provas e Belo Horizonte, Montes Claros e em outras 14 cidades importantes do estado. A segunda etapa era aplicada somente em Belo Horizonte e Montes Claros.

ENEM[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: ENEM

Em maio de 2010, após uma votação, a reitoria da UFMG anunciou que a primeira etapa do vestibular seria substituida pelo ENEM, que acontece no início de novembro. Para se adaptar ao calendário do ENEM, a segunda etapa (ainda organizada pela Copeve), foi transferida para a última semana de janeiro. Outra mudança importante foi a retirada da prova de redação da segunda fase, que era aplicada para todos os candidatos, pelo fato de o ENEM já contar com uma redação entre suas questões.[36][37][38] A partir de 2013, o vestibular da UFMG foi destituído, sendo substituído inteiramente pelo SiSU-ENEM (este aplicado pelo Ministério da Educação-MEC) e, a partir de 2016, a universidade passou a adotar no SiSU a entrada unificada, na qual ambos os semestres têm suas vagas ocupadas já no primeiro semestre a fim de evitar vagas ociosas.[39][40]

Pós-graduação[editar | editar código-fonte]

O acesso aos cursos de pós-graduação se faz por meio de processos seletivos definidos pelos colegiados de cursos, segundo normas gerais estabelecidas pelo Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão. Esta seleção é aberta a candidatos que tenham concluído curso de graduação que contenha disciplinas consideradas afins à área de estudo pretendida, a critério do colegiado do curso.

São admitidos os alunos que, tendo finalizado o curso de graduação, forem selecionados mediante entrevista, teste de conhecimento ou outro processo previsto no regulamento do curso. Os candidatos devem ser capazes de compreender textos de literatura técnica ou científica em pelo menos uma língua estrangeira para o mestrado e, em duas, para o doutorado. No caso de curso de especialização, a exigência de língua estrangeira pode ser dispensada, de acordo com o regulamento de cada curso.

Além da admissão via seleção, poderão ser aceitos pedidos de transferência de estudantes de outros cursos. O estudante transferido deve obter, no mínimo, um quarto de créditos exigidos pelo regulamento do curso, nas disciplinas de sua área de concentração, independentemente do número de créditos obtidos na instituição de origem. São também aceitos estudantes de países que mantêm convênios de cooperação com o Brasil.[33]

Unidades de educação básica e profissional[editar | editar código-fonte]

A Escola Fundamental oferece 90 vagas anuais, ocupadas por meio de sorteio. O Colégio Técnico (Coltec) oferece o curso técnico concomitante com o médio, com 180 vagas anuais oferecidas em concurso,divididas em proporções iguais para alunos que fizeram o ensino fundamental em escolas públicas, de forma mista em escolas públicas e particulares, e em escolas particulares. O Teatro Universitário oferece 20 vagas anuais para o curso de nível médio destinado à formação de atores, e o Núcleo de Ciências Agrárias oferece 40 vagas anuais para o curso de Técnico Agrícola.

Pesquisas[editar | editar código-fonte]

A Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) tem professores com mestrado e doutorado com dedicação a pesquisas científicas e pesquisas acadêmicas, com especialistas em inovação e pesquisa científica.[41][42][43][44] Em março de 2020 o Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa em Engenharia (Coppe/UFRJ) desenvolveu um novo teste com exame mais simples para detectar coronavírus,[45][46] em conjunto com a UFMG sequenciam genoma de coronavírus em pacientes de 5 estados brasileiros e lideram pesquisas para o combate ao novo vírus e tratamento da Covid-19.[47]

Canais de informação[editar | editar código-fonte]

Boletim[editar | editar código-fonte]

A mais regular publicação jornalística editada por uma universidade brasileira, o Boletim, veiculado sob forma impressa e eletrônica semanalmente, divulga, há mais de 30 anos, informações de interesse da comunidade acadêmica, além de se constituir no órgão oficial da UFMG.[48]

Rádio UFMG Educativa[editar | editar código-fonte]

A Rádio UFMG Educativa é resultado de uma parceria entre a Universidade Federal de Minas Gerais e a Radiobrás. É possível ouvir a sua programação através da freqüência 104.5FM em Belo Horizonte, Contagem e outras cidades da Grande BH. Pela internet também é possível acompanhar a rádio.[49]

TV UFMG[editar | editar código-fonte]

A TV UFMG é o nome que se dá ao conjunto de programas produzidos pelo núcleo de TV e vídeo da Diretoria de Divulgação e Comunicação Social (DDCS) da Universidade. A programação é exibida através dos canais a cabo 14 (Way TV) e 12 (NET). A emissora universitária é composta por três Universidades: UFMG, PUC Minas e UEMG – e por um Centro Universitário – UNIBH.[50]

Diversa[editar | editar código-fonte]

Em circulação desde setembro de 2002, a revista Diversa busca apresentar um retrato da Universidade Federal de Minas Gerais, abordando aspectos diversificados a ela relacionados. São quatro edições anuais: a cada semestre, é lançada uma edição, com perfil editorial temático, além de uma edição especial para o Vestibular, que descreve, de forma singular, a diversidade de cursos oferecidos pela Universidade.[51]

Site da UFMG[editar | editar código-fonte]

Desde 2003, o sítio www.ufmg.br[1] vem sendo objeto de enorme revitalização, expressa na implementação de sua versão trilíngüe – português, inglês e espanhol – na criação de uma dinâmica página de notícias e na manutenção de hot sites de eventos específicos da Universidade. Assim, cumpre importante papel quanto a dar visibilidade às informações da Instituição, bem como acessibilidade aos serviços existentes e aos projetos desenvolvidos pela UFMG.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Campos, Ado Jorio de Vasconcelos, Antônio Leite, Cassiano Rabelo, João Luiz. «Somos UFMG». Somos UFMG. Consultado em 13 de outubro de 2019 
  2. UFMG apresenta sua política de inovação no CNE
  3. Gerais, Universidade Federal de Minas. «UFMG em Números». Universidade Federal de Minas Gerais. Consultado em 13 de outubro de 2019 
  4. Gerais, Universidade Federal de Minas. «UFMG em Números». Universidade Federal de Minas Gerais. Consultado em 13 de outubro de 2019 
  5. Gerais, Universidade Federal de Minas. «UFMG em Números». Universidade Federal de Minas Gerais. Consultado em 13 de outubro de 2019 
  6. «ANDIFES - Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior». ANDIFES 
  7. «Cópia arquivada». Consultado em 5 de dezembro de 2009. Arquivado do original em 7 de agosto de 2010 
  8. http://www.crub.org.br/interna.php?id=121#UFMG>
  9. «Home - RENEX - Rede Nacional de Extensão» 
  10. «Portal da Transparência - Gastos Diretos por Órgão Executor». www.portaltransparencia.gov.br 
  11. a b «Faculdade de Direito: fundada em 11 de maio de 1892». Consultado em 12 de janeiro de 2015 
  12. a b «Faculdade de Medicina da UFMG: fundada em 1911». Consultado em 12 de janeiro de 2015 
  13. a b «Escola de Engenharia: desde 21 de maio de 1911». Consultado em 12 de janeiro de 2015 
  14. a b «História da Escola de Odontologia e Farmácia da UFMG». Consultado em 12 de janeiro de 2015 
  15. Fonte: http://www.portaltransparencia.gov.br/PortalComprasDiretasOEOrgaoSubordinado.asp?Ano=2015&CodigoOS=26000&Ordem=1
  16. Gerais, Universidade Federal de Minas. «UFMG em Números». Universidade Federal de Minas Gerais. Consultado em 13 de outubro de 2019 
  17. Fonte: http://www.administradores.com.br/informe-se/artigos/ufmg-faz-parcerias-e-acelera-pesquisas/52721/[ligação inativa]
  18. Fonte: http://www.ufmg.br/online/arquivos/018260.shtml
  19. Campos, Ado Jorio de Vasconcelos, Antônio Leite, Cassiano Rabelo, João Luiz. «Somos UFMG». Somos UFMG. Consultado em 13 de outubro de 2019 
  20. «World University Rankings - 2019 | Brazil Universities in Top 1000 universities | Academic Ranking of World Universities - 2019 | Shanghai Ranking - 2019». www.shanghairanking.com. Consultado em 13 de outubro de 2019 
  21. «Federal University of Minas Gerais | Academic Ranking of World Universities - 2019 | Shanghai Ranking - 2019». www.shanghairanking.com. Consultado em 13 de outubro de 2019 
  22. «Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) - Perfil de Universidades e Faculdades - Ranking Universitário Folha - RUF 2019 | Folha». Ranking Universitário Folha. Consultado em 13 de outubro de 2019 
  23. «Universidade Federal de Minas Gerais». Top Universities (em inglês). 16 de julho de 2015. Consultado em 13 de outubro de 2019 
  24. «História da UFMG». Portal UFMG. Consultado em 12 de janeiro de 2015. Arquivado do original em 24 de janeiro de 2015 
  25. Fonte: http://www.ufmg.br/campus2000/index.htm
  26. Fonte: http://www.ufmg.br/online/arquivos/006795.shtml
  27. «Embaixadora de Israel visita UFMG - Notícias da UFMG». UFMG. Consultado em 14 de setembro de 2019 
  28. «Escola de Veterinária». www.vet.ufmg.br 
  29. Fonte: http://www.ufmg.br/conheca/nu_index.shtml
  30. a b Fonte: http://www.bu.ufmg.br/
  31. «UFMG em números». www.ufmg.br 
  32. «- REUNI». www.ufmg.br 
  33. a b Web, Aquariun Soluções. «PRPG - Universidade Federal de Minas Gerais». www.ufmg.br 
  34. Fonte: http://www.ufmg.br/dri/estrangeiro/formas-de-ingresso-na-ufmg/
  35. «UFMG - Departamento de Registro e Controle Acadêmico». www.ufmg.br 
  36. «Notícias da UFMG - Clélio Campolina detalha adesão ao Enem em entrevista coletiva». www.ufmg.br 
  37. «UFMG adotará Enem em substituição à primeira etapa do Vestibular - Notícias da UFMG» 
  38. «Notícias da UFMG - UFMG aprova uso integral da nota do Enem na seleção para segunda etapa». www.ufmg.br 
  39. «UFMG retoma entrada única e divulga cronograma para candidatos». Cidades. Consultado em 24 de fevereiro de 2016 
  40. «Boletim da UFMG». www.ufmg.br. Consultado em 24 de fevereiro de 2016 
  41. UFMG - Pesquisa e Inovação
  42. UFMG - Instituto de Ciências Biológicas - Pesquisa
  43. UFMG - Especialistas e Produção Científica
  44. UFMG Notícias - Relação dos projetos de Pesquisa e Inovação (2004 até 2017)
  45. A Coppe/UFRJ desenvolve novo teste para detectar coronavirus - Valor Econômico (23/03/2020)
  46. Coronavirus: UFRJ desenvolve novo teste para detectar COVID-19
  47. A UFMG e UFRJ sequenciam genoma de coronavirus em pacientes de 5 estados - Estado de Minas Gerais (25/05/2020)
  48. Fonte: http://www.ufmg.br/boletim/
  49. Fonte: http://www.ufmg.br/online/radio/
  50. Fonte: http://www.ufmg.br/online/tv/
  51. Fonte: http://www.ufmg.br/online/diversa/

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Commons Imagens e media no Commons