Falling Down (filme)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados de Falling Down, veja Falling Down (desambiguação).
Falling Down
Um Dia de Raiva (PT)
Um Dia de Fúria[1] (BR)
Pôster promocional
 Estados Unidos  França  Reino Unido
1993 •  cor •  113 min 
Direção Joel Schumacher
Produção Timothy Harris
Arnold Kopelson
Herschel Weingrod
Roteiro Ebbe Roe Smith
Elenco Michael Douglas
Robert Duvall
Babara Hershey
Gênero Ação
Drama
Policial
Suspense
Música James Newton Howard
Direção de fotografia Andrzej Bartkowiak
Cinematografia Andrzej Bartkowiak
Edição Paul Hirsch
Companhia(s) produtora(s) Le Studio Canal+
Regency Enterprises
Alcor Films
Distribuição Warner Bros.
Lançamento Estados Unidos 26 de fevereiro de 1993
Brasil maio de 1993
França 26 de maio de 1993
Portugal 28 de maio de 1993
Reino Unido 4 de junho de 1993
Idioma Inglês
Orçamento US$25 milhões
Receita US$40,903,593[2]
Página no IMDb (em inglês)

Falling Down é um filme de drama policial de 1993 dirigido por Joel Schumacher e escrito por Ebbe Roe Smith.[3] O filme é estrelado por Michael Douglas no papel principal de William Foster, um divorciado e desempregado de uma firma de defesa. O filme gira em torno de Foster como ele provoca uma agitação violenta em toda a cidade de Los Angeles, tentando alcançar a casa de sua ex ex-mulher a tempo para a festa de aniversário de sua filha. Ao longo do caminho, uma série de encontros, tanto trivial e provocante, o levam a reagir com violência e fazer observações sarcásticas sobre a vida, a pobreza, a economia, e capitalismo. Robert Duvall co-estrela como Martin Prendergast, um envelhecido sargento da LAPD no dia de sua aposentadoria, que enfrenta suas próprias frustrações, assim como ele rastreia Foster.

O título do filme, referindo-se ao colapso mental de Foster, é retirado da canção de ninar "London Bridge Is Falling Down", que é um motivo recorrente ao longo do filme.

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

Martin Prendergast (Robert Duvall) é um policial no seu último dia de trabalho antes de se aposentar, e que arrisca a sua própria vida para tentar impedir William Foster (Michael Douglas), um homem que está emocionalmente perturbado porque perdeu o seu emprego e vai encontrar-se com Beth (Barbara Hershey), a sua ex-mulher, e de sua filha, sem querer reconhecer que o seu casamento já terminou há muito tempo.

No seu caminho que percorre, William vai matando todos os que forem aparecendo no seu caminho e abusam de uma boa vontade que ele já perdera há muito tempo, como comerciantes estrangeiros, membros de uma gangue, trabalhadores que fecham uma rua, trabalhando sem razão apenas para não ter seus salários reduzidos, e um neonazista dono de uma loja que oferece artigos bélicos, que destrói o presente que William pretendia entregar à filha em seu aniversário, justamente nesse dia.

Gtk-paste.svg Aviso: Terminam aqui as revelações sobre o enredo.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Bilheteria e recepção[editar | editar código-fonte]

O filme arrecadou $40.9 milhões contra um orçamento de $25 milhões. Foi o filme número um do fim de semana durante as suas duas primeiras semanas de lançamento (26-28 de fevereiro a 5-7 de março de 1993).

Comentários sobre o filme foram geralmente positivas. Falling Down detém uma classificação de 73% "certificado fresco" na Rotten Tomatoes[4] e uma pontuação de 56 de 100 ("críticas mistas ou média") no Metacritic.[5] Roger Ebert, que deu ao filme uma crítica positiva no momento de seu lançamento, afirmou de William "D-Fens" Foster:

O que é fascinante sobre o personagem de Douglas, como está escrito e interpretado, é o núcleo de tristeza em sua alma. Sim, no momento em que encontrá-lo, ele tem ido sobre a borda. Mas não há nenhuma alegria em sua fúria, não há liberação. Ele parece cansado e confuso, e em suas ações, ele inconscientemente segue os scripts que ele pode ter aprendido com os filmes, ou no noticiário, onde outros desajustados frustrados desabafam sua raiva em pessoas inocentes.[6]


Tasha Robinson de The A.V. Club tem sido crítico do filme: "É aparentemente concebida como uma espécie de comédia de humor negro sobre os pequenos aborrecimentos da vida, e como eles podem acumular-se e tornar-se tão enlouquecedor que ao longo da violência catártica do início parece ser a única opção satisfatória. Mas a reação violenta de Douglas ao seu entorno, e da forma como o filme trata praticamente todos em torno dele como sem valor, e apresenta sua violência como a recompensa de comédia, transforma-o em um tom surdo, auto-piedade lamento sobre a terrível perseguição de frente para a maioria oprimida em uma era do politicamente correto e crescente multiculturalismo. No seu feio, mundo distorcido, quase todos, mas esse louco é burro, incompetente, e ofensivo, e sua única solução possível é para limpar alguns desses perdedores ao largo da face da terra, depois morrer. É um filme profundamente odioso disfarçado alternadamente (e de forma irregular) quer como tragédia ou humor".[7]

James Berardinelli escreveu "Falling Down é repleto de humor negro, quase ao ponto onde ele poderia ser classificado como uma 'comédia de humor negro'".[8] John Truby chama o filme "uma história anti-Odisseia "sobre" a mentira do sonho americano".[9] Ele acrescenta: "Não me lembro de rir tanto em um filme".[9]

Escritor do The Washington Post Hal Hinson observou "como ele fez em Fatal Attraction e Wall Street, Douglas leva novamente o manto simbólico do Zeitgeist. Mas em Falling Down, ele e Schumacher querem ter seu bolo e comê-lo, pois eles querem que ele seja um herói e um vilão, e ele simplesmente não vai funcionar".[10]

Na época de seu lançamento, o pai de Douglas, o ator Kirk Douglas, declarou: "Ele interpretou de forma brilhante. Eu acho que é o melhor pedaço de trabalho até à data".[11] Ele também defendeu o filme contra os críticos que afirmavam que ele glorifica transgressões da lei: "O personagem de Michael não é o 'herói' ou 'mais novo ícone urbano'. Ele é o vilão e a vítima, vemos muitos elementos de nossa sociedade que contribuíram para a sua loucura. Nós até temos pena dele. Mas o filme nunca tolera suas ações".[11]

Controvérsia[editar | editar código-fonte]

A Korean American Coalition protestou sobre o filme pelo seu tratamento das minorias, especialmente o dono da mercearia coreana.[12] A Warner Brothers da Coreia cancelou o lançamento de Falling Down na Coreia do Sul após ameaças de boicote.[13] Trabalhadores desempregados da defesa também ficaram irritados com seu retrato no filme.[12] Falling Down tem sido descrita como uma exploração definitiva da noção de "homem branco com raiva"; o personagem D-FENS foi destaque nas capas de revistas, incluindo a revista Time, e relatado como uma forma de realização do estereótipo.[14]

Influências[editar | editar código-fonte]

A cena de abertura dos créditos compartilha a mesma atmosfera claustrofóbica com a sequência inicial de de Fellini, em cada uma das duas sequências há um homem em seu carro, preso no trânsito em uma passagem subterrânea cheia de fumaça, que está se sentindo cada vez mais em desacordo com a realidade em que vive, as duas histórias, em seguida, partem de maneiras bastante distintas na forma da evasão, arte e irrealidade no cinema, violência e insanidade de Fellini, no caso de Joel Schumacher.

Na cultura popular[editar | editar código-fonte]

The Simpsons, mais tarde, usa o personagem de Douglas como modelo para um convidado do programa, uma estrela popular, Frank Grimes, no episódio "Homer's Enemy".[15]

Iron Maiden em 1995 no single Man on the Edge, que foi baseado no filme, incluindo um coro composto por simplesmente as palavras, "falling down".

A banda de rock americana Foo Fighters baseou o videoclipe da canção "Walk" na trama de Falling Down.[16]

Prêmios e nomeações[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Araújo, Inácio (25 de janeiro de 1998). «Filmes da semana». TV Folha (Folha de S.Paulo). Consultado em 21 de dezembro de 2017. 
  2. «Falling Down (1993)». Box Office Mojo. 25 de maio de 1993. Consultado em 15 de junho de 2012. 
  3. Canby, Vincent (26 de fevereiro de 1993). «Falling Down (1993) Review/Film; Urban Horrors, All Too Familiar». The New York Times 
  4. Rotten Tomatoes – Falling Down
  5. Metacritic – Falling Down
  6. Falling Down – rogerebert.com – Reviews
  7. http://www.avclub.com/article/our-most-hated-movies-of-the-90s-86560
  8. «Reelviews Movie Reviews». Reelviews.net. 26 de fevereiro de 1993. Consultado em 18 de agosto de 2013. 
  9. a b «Falling Down». Truby.com 
  10. Hinson, Hal (26 de fevereiro de 1993). «Falling Down». The Washington Post. Consultado em 23 de abril de 2014. 
  11. a b «Kirk Douglas Defends Son». McCook Daily Gazette. 23 de março de 1993. Consultado em 28 de junho de 2012. 
  12. a b Appelo, Tim (12 de março de 1993). «'Down' Beat - Up in arms over Falling Down - Laid-off workers are offended by the Michael Douglas film». Entertainment Weekly. Consultado em 17 de março de 2012. 
  13. "'Falling Down' won't play Korea." Rocky Mountain News, March 10, 1994.
  14. Carl Scott Gutiérrez-Jones (2001), Critical race narratives, ISBN 978-0-8147-3145-1, NYU Press, pp. 61–65 
  15. Reardon, Jim (2006). The Simpsons season 8 DVD commentary for the episode "Homer's Enemy" (DVD). 20th Century Fox 
  16. «Music Video News: WATCH IT: Foo Fighters "Walk" (Sam Jones, dir.)». Video Static. Consultado em 8 de junho de 2011. 
  17. «Festival de Cannes: Falling Down». festival-cannes.com. Consultado em 18 de agosto de 2009. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]