Falso boato antissemita

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Falsos boatos antissemitas são rumores infundados ou falsas alegações que são difamatórias para o judaísmo como religião, ou difamatórias para os judeus como um grupo étnico ou religioso. Eles geralmente fazem parte de teorias mais amplas de conspirações judaicas. Segundo o advogado de defesa Kenneth Stern, "Historicamente, os judeus não se saíram bem em torno das teorias da conspiração. Tais ideias alimentam o antissemitismo. Os mitos de que todos os judeus são responsáveis pela morte de Cristo, ou envenenaram poços, ou mataram crianças cristãs para assar matzos", ou "inventaram" o Holocausto, ou conspiração para controlar o mundo, não se sucedem, mas a lista de falsos boatos antissemitas fica mais longa."[1]

A negação do Holocausto também é considerada uma teoria da conspiração antissemita por causa de sua posição de que o Holocausto é um embuste destinado a promover os interesses dos judeus e justificar a criação do Estado de Israel.[2][3]

Wiki letter w.svg Este artigo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o. Editor: considere marcar com um esboço mais específico.

Veja também[editar | editar código-fonte]

Portal A Wikipédia tem os portais:

Referências

  1. Stern, Kenneth S. (1997). «A Force upon the Plain: The American Militia Movement and the Politics of Hate». Imprensa da Universidade de Oklahoma. p. 247. ISBN 9780684819167 
  2. «"Denial": how to deal with a conspiracy theory in the era of 'post-truth'». Cambridge University Press. 16 de Fevereiro de 2017 
  3. Doward, Jamie (22 de Janeiro de 2017). «New online generation takes up Holocaust denial». The Observer 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

  • Ilustrações da Propaganda Nazista Um Guia do Professor para o Holocausto. Produzido pelo Centro da Florida para Tecnologia Instrucional, Faculdade de Educação, Universidade do Sul da Flórida