Familicídio

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Familicídio é um tipo de homicídio ou assassinato-suicídio em que pelo menos um cônjuge e um ou mais filhos são mortos,[1] ou em que um pai ou pais e possivelmente outros parentes como irmãos e avós são mortos. Em alguns casos, todas as vidas dos membros da família são tomadas. Se apenas os pais são mortos, o caso também pode ser referido como um parricídio. Quando todos os membros de uma família são mortos, inclusive quando o assassinato toma a forma de assassinato-suicídio, o crime pode ser referido como aniquilação familiar.

Estudo da Howard Journal of Criminal Justice[editar | editar código-fonte]

Um estudo feito por criminalistas britânicos e publicado na revista acadêmica Howard Journal of Criminal Justice em agosto de 2013 analisou 71 casos de familicídios noticiados em jornais entre 1980 e 2012 e traçou um perfil dos assassinos.[2][3][4]

Em 80% dos 71 crimes analisados, a autoria do crime foi de homens, sendo que, 96% desses homens eram os pais biológicos das crianças mortas. Um total de 60% dos crimes ocorreram a partir do ano 2000, o que expressa uma tendência de aumento desse tipo de crime. Em 55% dos casos, o assassino estava na faixa dos 30 anos e, em 81% dos casos, eles se suicidaram ou tentaram se matar.[2][3] Divórcios e conflitos sobre a guarda das crianças foram apontados como a motivação mais comum, responsáveis por 66% dos casos. Seguido por dificuldades financeiras, crimes de honra e doenças mentais. Esfaqueamentos e intoxicação por monóxido de carbono foram os métodos mais comuns, de acordo com as estatísticas.[2][3][4]

A pesquisa derrubou o argumento que afirmava que os assassinos geralmente são homens fracassados e frustrados profissionalmente, pois 71% deles estavam empregados, com profissões que variavam de cirurgião a carteiro, policial a motorista. O estudo apontou que existem quatro tipos de aniquiladores familiares: o hipócrita, o frustrado, o paranoico e o egoísta.[2][3][4]

  • O Hipócrita: o assassino busca culpabilizar esposa pelo crime. Ele a considera responsável pela separação da família. Para esses homens, o status de provedor é muito importante para seu conceito de família ideal.
  • O Egoísta: o pai vê sua família como a consequência de seu sucesso financeiro, e é através dela que ele mostra suas conquistas e realizações. No entanto, se o pai se torna um fracasso econômico, a família não serve mais essa função.
  • O Frustrado: esse assassino acredita que sua família o desapontou, ou agiu de uma forma que prejudicou, difamou ou destruiu sua imagem de vida familiar ideal. Um exemplo pode ser a decepção que eles sentem quando as crianças não estão seguindo os costumes religiosos ou culturais tradicionais do pai.
  • O Paranoico: é aquele que percebe uma ameaça externa à família. Ele teme que os serviços sociais ou o sistema legal venham a ficar contra ele e retirar a guarda de seus filhos. Aqui, o crime é originado por um desejo deturpado de proteger a família.

De acordo com David Wilson, da Universidade da Cidade Birmingham, na Grã-Betanha, e um dos autores do estudo, a razão para o aumento deste tipo de crime poderia ser “o sentimento que homens têm em exercer poder e controle” sobre suas famílias. O pesquisador explicou à BBC que “normalmente são os homens que investiram mais em um conceito estereotipado do que significa ser um marido e um pai dentro dessa instituição chamada família. A imagem que eles têm de família é muito simplificada, e não reflete o crescimento do papel dinâmico que a mulher pode exercer na economia e na instituição familiar.”[4] Wilson disse também que o que mais o surpreendeu foram “as ideias extraordinárias que os homens têm quando eles pensam em matar seus filhos. Eles pulam de pontes com seus filhos no colo, e entram com o carro em rios com seus filhos no banco de trás. Essas são maneiras dramáticas e controladoras de cometer um crime” afirmou.[4] “Esse é um grupo de homens desconhecido para o sistema de justiça criminal. É um perfil muito diferente dos assassinos normalmente encontrados em investigações criminais”, concluiu Wilson.[4]

Arquivos de jornais foram usados como instrumento de observação e possibilitaram uma classificação de dados como idade e motivação dos assassinos. De todos os 71 casos, apenas 12 foram cmetidos por mulheres.[2][3][4]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Wilson, M., Daly, M. & Daniele, A. (1995). «Familicide: The Killing of Spouse and Children» (PDF). Aggressive Behavior. 21: 275–291. doi:10.1002/1098-2337(1995)21:4<275::aid-ab2480210404>3.0.co;2-s. Arquivado do original (PDF) em 26 de setembro de 2007 
  2. a b c d e «Estudo analisa familicídio dos últimos 30 anos e traça perfil dos crimes». RedeTV!. 25 Setembro 2013. Consultado em 11 Fevereiro 2020. Cópia arquivada em 11 Fevereiro 2020 
  3. a b c d e Cláudia Collucci (25 Setembro 2013). «Estudo britânico analisa casos e faz perfil de autores de familicídio». Folha de S.Paulo. Consultado em 11 Fevereiro 2020. Cópia arquivada em 11 Fevereiro 2020 
  4. a b c d e f g «Estudo britânico identifica tipos de assassinos da própria família». iG. 15 Agosto 2013. Consultado em 11 Fevereiro 2020. Cópia arquivada em 11 Fevereiro 2020 
Ícone de esboço Este artigo sobre um crime ou atividade criminosa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.