Farinha

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Farinha d'água)
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Farinha (desambiguação).
Três tipos diferentes de farinha de trigo e centeio. Da esquerda para a direita: farinha de trigo tipo 550 (farinha de uso geral), farinha de trigo tipo 1050 (primeira farinha clara), farinha de centeio tipo 1150
Farinha de uso geral
Farinha de mandioca (esquerda) e farinha de milho (direita) em Quinxassa, República Democrática do Congo. Estas farinhas são ingredientes básicos para a culinária da África Central

Farinha é um pó feito pela moagem de grãos crus, raízes, feijões, nozes ou sementes. As farinhas são usadas para fazer muitos alimentos diferentes. A farinha de cereais, particularmente a farinha de trigo, é o principal ingrediente do pão, que é um alimento básico para muitas culturas. A farinha de milho tem sido importante na culinária mesoamericana desde os tempos antigos e continua sendo um alimento básico nas Américas. A farinha de centeio é um componente do pão no centro e norte da Europa.

Uma agência de saúde americana alertou para não comer massas ou massas de farinha crua. A farinha crua pode conter bactérias como E. coli e precisa ser cozida como outros alimentos.[1]

Etimologia[editar | editar código-fonte]

A palavra inglesa flour é originalmente uma variante da palavra flower, e ambas as palavras derivam do francês antigo fleur ou flour, que tinha o significado literal de "flor" e um significado figurativo "o mais fino". A frase fleur de farine significava "a parte mais fina da moagem", uma vez que a farinha resultava da eliminação de matéria grosseira e indesejada do grão durante a moagem.[2]

História[editar | editar código-fonte]

Um campo de trigo verde
Ver artigo principal: Trigo

Evidências arqueológicas para fazer farinha (sementes de trigo esmagadas entre simples mós) datam de pelo menos 6000 a.C. Em 2018, arqueólogos relataram encontrar evidências[3] de fabricação de pão em Shubayqa 1, um local de caçadores-coletores natufianos com mais de quatorze mil anos no noroeste da Jordânia. Os romanos foram os primeiros a moer sementes em moinhos de cone. Em 1786, no início da Era Industrial, o primeiro moinho de farinha a vapor, Albion Mills, Southwark, foi concluído em Londres.[4] Na década de 1930, algumas farinhas começaram a ser enriquecidas com ferro, niacina, tiamina e riboflavina. Na década de 1940, os moinhos começaram a enriquecer a farinha e o ácido fólico foi adicionado à lista na década de 1990.

Farinha degermada e processada a quente[editar | editar código-fonte]

Um problema importante da revolução industrial foi a preservação da farinha. As distâncias de transporte e um sistema de distribuição relativamente lento colidiram com a vida útil natural. A razão para a vida útil limitada são os ácidos graxos do germe, que reagem a partir do momento em que são expostos ao oxigênio. Isso ocorre quando o grão é moído; os ácidos graxos oxidam e a farinha começa a ficar rançosa. Dependendo do clima e da qualidade do grão, esse processo leva de seis a nove meses. No final do século XIX, esse processo era muito curto para um ciclo de produção e distribuição industrial. Como vitaminas, micronutrientes e aminoácidos eram completamente ou relativamente desconhecidos no final do século XIX, a remoção do germe foi uma solução eficaz. Sem o germe, a farinha não pode ficar rançosa. A farinha de germe tornou-se padrão. A degermação começou em áreas densamente povoadas e levou aproximadamente uma geração para chegar ao campo. A farinha processada por calor é a farinha onde o germe é primeiro separado do endosperma e do farelo, depois processado com vapor, calor seco ou microondas e misturado à farinha novamente.[5]

Moinhos modernos[editar | editar código-fonte]

Os moinhos de rolos logo substituíram os moinhos de moagem de pedra, pois a produção de farinha historicamente impulsionou o desenvolvimento tecnológico, pois as tentativas de tornar os moinhos mais produtivos e menos trabalhosos levaram ao moinho de água[6] e ao moinho de vento. Esses termos são agora aplicados de forma mais ampla aos usos da água e da energia eólica para outros fins que não a moagem.[7] Mais recentemente, o moinho Unifine, um moinho de impacto, foi desenvolvido em meados do século XX.

Equipamentos agrícolas modernos permitem que os pecuaristas façam parte ou toda a sua própria moagem quando chega a hora de converter suas próprias colheitas de grãos em farinha grossa para alimentação do gado. Essa capacidade é economicamente importante porque as margens de lucro geralmente são pequenas o suficiente na agricultura comercial, de modo que economizar em despesas é vital para permanecer no negócio.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Raw Dough Can Contain Germs That Make You Sick». CDC. 28 de julho de 2021 
  2. Palmatier, Robert Allen (2000). Food: a dictionary of literal and nonliteral terms. Westport, CT: Greenwood. p. 136. ISBN 978-0-313-31436-0 
  3. Arranz-Otaegui, Amaia (31 de julho de 2018). «Archaeobotanical evidence reveals the origins of bread 14,400 years ago in northeastern Jordan». Proceedings of the National Academy of Sciences of the United States of America. 115 (31): 7925–7930. PMC 6077754Acessível livremente. PMID 30012614. doi:10.1073/pnas.1801071115Acessível livremente. Consultado em 18 de março de 2022 
  4. «The history of flour – The FlourWorld Museum Wittenburg – Flour Sacks of the World». www.flour-art-museum.de (em inglês). Consultado em 18 de outubro de 2017. Arquivado do original em 4 de abril de 2011 
  5. «Deutsch | Goldkeim». www.goldkeim.com (em alemão). Consultado em 18 de outubro de 2017 
  6. «Grist Mills». Flickr (em inglês). 8 de junho de 2006. Consultado em 18 de outubro de 2017 
  7. «How the Roller Mills Changed the Milling Industry». www.angelfire.com. Consultado em 18 de outubro de 2017 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Farinha