Fast-food no Brasil

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Loja do Bob's
Loja do Habib's
Filial do China in Box

De acordo com especialistas, o fast-food nasceu no Reino Unido nos anos 1860 e se popularizou nos Estados Unidos na década de 1950.[1] O fast-food no Brasil foi introduzido pelo ex-tenista Robert Falkenburg, fundador da rede Bob's em 1952.[2]

Segundo um estudo realizado pela EAE Business School, na América do Sul, ninguém gasta mais em fast-food do que os brasileiros, que estão apenas atrás de Estados Unidos (290,2 bilhões de reais), Japão (162,3 bilhões de reais) e China (130,2 bilhões de reais) em gastos no setor em todo o mundo.[3]

História[editar | editar código-fonte]

Em 1952, abriu a primeira loja Bob's em Copacabana, lançando no Brasil o cachorro-quente (hot-dog), o hambúrguer, o milk-shake e o sundae.[carece de fontes?] A primeira investida estrangeira de sucesso veio somente em 1979, com a abertura da primeira loja do McDonald's no Brasil, também em Copacabana.

Desde então, o mercado viu a entrada de várias redes com presença regional e algumas com presença nacional. Entre estas, estão Subway (americana), McDonald's (americana), Habib's (brasileira, origem SP, Giraffas (brasileira, origem DF), Bob's (americana e brasileira, origem RJ), Vivenda do Camarão (brasileira), Spoleto (brasileira, origem RJ) e Pizza Hut (americana). O Habib’s o Giraffa’s o Bob’s, Subway e McDonald’s são os cinco maiores grupos no mercado brasileiro, em número de pontos de venda e faturamento.[carece de fontes?]

Com o crescimento do setor, deu-se a ampliação de redes regionais como a Vivenda do Camarão (originalmente de São Paulo) Bonaparte, Mr. Whim Burger & Pizza (originalmente de Sergipe), Marietta (originalmente de Brasília), Au Au (originalmente de Curitiba), Pitts Burg e Estupendo (as duas originalmente de Natal), A Petiskeira (originalmente de Porto Alegre), QG Pasteis e Companhia do Grelhado (originalmente de Goiânia). Redes multinacionais mais recentes são: Burger King (americana), Havanna (argentina) e Starbucks (americana).[carece de fontes?]

São Paulo, nos anos 1970, contou com a presença da Well's, rede de lanchonetes ligada ao Pão de Açúcar dirigida pelo Greg Ryan, futuro senhor Mc Donald's.[carece de fontes?]

O fast food brasileiro, a partir da segunda década do século XXI, presencia a implementação e expansão da tendência americana do Food truck e da "gourmetização" de antigos lanches presentes no dia a dia do brasileiro como hambúrgueres, hot dogs e pizza.[carece de fontes?]

Lista de redes no país[editar | editar código-fonte]

Abaixo está uma lista de redes de fast-food presentes no Brasil.

Índice: 0–9 A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W X Y Z

B[editar | editar código-fonte]

C[editar | editar código-fonte]

D[editar | editar código-fonte]

E[editar | editar código-fonte]

G[editar | editar código-fonte]

H[editar | editar código-fonte]

J[editar | editar código-fonte]

K[editar | editar código-fonte]

M[editar | editar código-fonte]

P[editar | editar código-fonte]

Q[editar | editar código-fonte]

R[editar | editar código-fonte]

S[editar | editar código-fonte]

T[editar | editar código-fonte]

W[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «The History of Fast Food» (em inglês). The History of Fast Food. Consultado em 17 de fevereiro de 2017 
  2. Terra (1 de janeiro de 2013). «Campeão em Wimbledon foi pioneiro do fast food no Brasil». Terra. Consultado em 17 de fevereiro de 2017 
  3. Dora Luz Romero. «Brasileiros estão entre os maiores consumidores de 'fast food' do mundo». El País. Consultado em 5 de agosto de 2016