Fausto Rocha

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde agosto de 2014)
Por favor, melhore este artigo inserindo fontes no corpo do texto quando necessário.
Fausto Rocha (à direita), em 1980.

Fausto Auromir Lopes Rocha, mais conhecido como Fausto Rocha (São Paulo, 4 de novembro de 1938Campinas, 7 de abril de 2011), foi um apresentador de televisão, professor universitário, radialista e político brasileiro.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Filho de Fausto Martins Rocha e de Odete Lopes dos Santos Rocha, bacharelou-se em Direito na Faculdade do Vale Paraibano, na turma de 1966.

Na televisão, sua carreira teve início na década de 1960, na TV Tupi São Paulo, apresentando o telejornal Imagens do Dia. De 1975 a 1979, exerceu a função de locutor oficial do Palácio dos Bandeirantes, na gestão do governador Paulo Egydio Martins.

Em 1978, concorreu ao cargo de deputado estadual pela ARENA e foi o candidato mais votado de seu partido. Assumiu, assim, mandato na 9ª legislatura (1979-1983) da Assembleia Legislativa de São Paulo, período em que integrou as comissões de Constituição e Justiça, Finanças e Orçamento, Esportes e Turismo, e Promoção Social, além da comissão especial de investigação da situação dos menores abandonados.

Durante o governo de Paulo Maluf, já no PDS (criado após a extinção da ARENA), exerceu o cargo de secretário extraordinário da Desburocratização, entre 1981 e 1982.

Em 1982, foi reeleito deputado estadual pelo PDS. Nesse mandato (10ª legislatura), fez parte das comissões de Relações do Trabalho e Cultura, Ciência e Tecnologia.

Em 1986, foi eleito deputado federal para a Assembleia Nacional Constituinte, tornando-se integrante titular da Subcomissão da Ciência e Tecnologia e da Comunicação, e da Comissão de Família, da Educação, Cultura e Esportes.

Filiou-se ao PFL e integrou o bloco parlamentar evangélico. Nesse mandato, votou a favor da licença paternidade e da licença gestante, e do mandato de cinco anos do presidente José Sarney.

Em 1989, reelegeu-se deputado federal pelo PRN (o mesmo que elegeu presidente da República Fernando Collor de Mello), sendo o candidato evangélico mais votado do país. Em 1992, votou pelo impeachment do presidente Collor e, no ano seguinte, filiou-se ao PSD.

Após o fim do mandato, em 1995, não mais concorreu a cargos eletivos, passando a dedicar-se à carreira empresarial na área jornalística — era dono de uma emissora de TV no interior de São Paulo e de duas revendas de automóveis em Campinas.

Morreu de parada cardíaca e foi sepultado no Cemitério do Araçá.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um político brasileiro é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.