Fawzi Selu

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Fawzi Selu.jpg

Fawzi Selu (1905–1972) (em árabe: فوزي السلو) foi um líder militar, político e chefe de Estado sírio (3 de dezembro de 1951-11 de julho de 1953).

Estudou na Academia Militar de Homs e se juntou aos Troupe Speciales patrocinados pelos franceses que foi criado quando a França impôs o seu Mandato da Liga das Nações sobre a Síria em julho de 1920. Teve uma carreira militar de sucesso, e quando a Síria tornou-se totalmente independente em 1946, se tornou o diretor da academia.[1]

Foi-lhe dado um comando na guerra árabe-israelense de 1948, onde se tornou próximo chefe de gabinete de Husni al-Za'im.[1] Quando Za'im chegou ao poder em um golpe em março de 1949, ele designou Selu adido militar às negociações do armistício sírio-israelense, e Selu tornou-se o principal arquiteto do cessar-fogo que foi assinado em julho do mesmo ano.[1] Selu, apoiado por Za'im, demonstrou uma vontade de buscar um acordo de paz abrangente com Israel, incluindo um acordo final de fronteira, sobre os refugiados palestinos, e o estabelecimento de uma embaixada da Síria em Tel Aviv.[1] No entanto Za'im foi derrubado e morto, e um governo civil foi restabelecido com a administração do nacionalista Hashim al-Atassi. Atassi confirmou o acordo de cessar fogo, mas recusou-se a considerar a paz com Israel.[1]

Selu então aliou-se com o homem forte dos militares, o General Adib al-Shishakli, que fez Selu ser nomeado ministro da Defesa em três gabinetes sob o presidente Atassi. Shishakli finalmente lançou um golpe de Estado em novembro de 1951,[1] mas não conseguiu convencer o popular Atassi a permanecer como presidente, que renunciou em protesto. Como resultado, Shishakli Selu foi nomeado como presidente, primeiro-ministro e chefe de gabinete, mantendo o poder real para si próprio com a função menos pública do vice-chefe de gabinete. Os dois homens conduziram um estado policial e suprimiram praticamente toda a oposição. Sob a direção de Shishakli, Selu melhorou as relações com a Jordânia, abrindo a primeira embaixada da Síria em Amã, fazendo amizade com Rei Talal. Também procurou melhorar as relações com o Líbano, Egito e Arábia Saudita.

Em 11 de julho de 1953, Shishakli finalmente dispensou Selu e nomeou a si mesmo como presidente. Selu fugiu para a Arábia Saudita e tornou-se um conselheiro do Rei Saud e, em seguida, de seu irmão, o Rei Faisal. Quando Shishakli foi derrubado em fevereiro de 1954, um tribunal militar em Damasco acusou Selu de corrupção, abuso de poder, e alteração ilegal da Constituição. Ele foi condenado à morte in absentia.

Referências

  1. a b c d e f Sami Moubayed (2006). Steel & Silk: Men and Women Who Shaped Syria 1900-2000. [S.l.]: Cune Press. 623 páginas 
Precedido por
Hashim al-Atassi
Presidente da Síria
1951–1953 (regime militar)
Sucedido por
Adib al-Shishakli
(regime militar)