Fazenda Santo Antônio (Rio de Janeiro)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Fazenda Santo Antônio
Tipo fazenda
Geografia
País Brasil

A Fazenda Santo Antônio é uma fazenda do município de Conceição de Macabu, no estado do Rio de Janeiro, hoje, localidade do referido município. Nela formou-se a primeira colônia agrícola japonesa do Brasil. A fazenda constituiu-se no século XIX. Sua toponímia deriva da Serra do Santo Antônio e do rio de mesmo nome, nomenclaturas usadas pelos missionários católicos que catequizavam na região para demarcar suas áreas de acesso ao vale do Rio Macabu.

Histórico[editar | editar código-fonte]

Brasil  Imigração Japonesa no Brasil
Japão   日系ブラジル人
Nipo-brasileiros
Família de imigrantes japoneses em Bastos, São Paulo, 1930
Imigração

Início oficial: 1908 com navio Kasato Maru.
Principais destinos: São Paulo e Paraná.
Total de imigrantes: cerca de 200 mil.

Artigos sobre Imigração Japonesa no Brasil
Imigração japonesa no Brasil
Cronologia da imigração japonesa no Brasil
Fazenda Santo Antônio   |   Kasato Maru
Shindo Renmei   |   Imigração japonesa
Decasséguis   |   Decasséguis brasileiros

Centenário da imigração japonesa ao Brasil

Nipo-brasileiros

População: cerca de 1.500.000 (0.7% da população brasileira).[1]
Religião: católica,[2] budista, xintoísta.[3]
Idiomas: Português e Japonês (minoria).
Brasileiros no Japão: cerca de 300 mil.[4]

Artigos sobre Nipo-brasileiros
Nikkei   |   Categoria:Brasileiros de ascendência japonesa

Foi fundada pelo capitão Manuel Figueiredo e fazia parte das três fazendas mais antigas da região de Conceição de Macabu (as outras duas fazendas eram Fazenda São José do Sossego e Fazenda Santa Maria). Manuel Figueiredo ficou conhecido por hospedar Charles Darwin na Fazenda São José do Sossego.[5]

Entre 1870 e 1874, formou-se e foi dissolvido na fazenda o Quilombo de Cruz Sena, o último grande quilombo da região Norte Fluminense.

A primeira colônia agrícola japonesa do Brasil, liderada por Saburo Kumabe, foi fundada nesta fazenda em 1907.

Na década de 2000, a Fazenda Santo Antônio onde estava situada a usina Carapebus, foi alvo de ocupações ilegais.[6]

Colônia Japonesa[editar | editar código-fonte]

Primeiros Japoneses - Fazenda Santo Antônio

Em 1906 Ryu Mizuno, responsável pela emigração japonesa ao Brasil, faz sua primeira visita ao Rio de Janeiro. Apesar das preocupações com relação ao processo, o o acordo de imigração é concretizado em outubro de 1907.

A primeira colônia agrícola japonesa do Brasil, liderada por Saburo Kumabe, foi fundada na Fazenda Santo Antônio em 1907.

Este grupo de japoneses vieram sete meses antes do navio Kasato Maru aportar em Santos, no estado de São Paulo.[7]

Em 1912, a colônia japonesa chegou ao fim, certamente devido a falta de experiência na agricultura dos imigrantes que eram integrantes da elite japonesa (advogados, professores, funcionários públicos).

Referências

  1. «MOFA: Japan-Brazil Relations» (em inglês). MOFA. Consultado em 6 de setembro de 2009 
  2. «Adital - Brasileiros no Japão». Adital. Consultado em 2 de setembro de 2008. Cópia arquivada em 6 de março de 2008 
  3. «U.S. State Department - International Religious Freedom Report, 2007» (em inglês). U.S. State Department. Consultado em 2 de setembro de 2008 
  4. «Asahi Newspaper. Editorial: Brazilian immigration» (em inglês). Consultado em 2 de setembro de 2008 
  5. «Prefeitura Municipal de Conceição de Macabu». www.conceicaodemacabu.rj.gov.br. Consultado em 4 de maio de 2021 
  6. «A luta pela terra/territorio no Norte do Estado do Rio de Janeiro: a formação dos assentamentos rurais de reforma agrária». Movimiento Regional por la Tierra y el Territorio (em espanhol). Consultado em 3 de maio de 2021 
  7. «História – Associação Okinawa de Campo Grande MS». Consultado em 4 de maio de 2021 

Bibliografias[editar | editar código-fonte]

  • GOMES, Marcelo Abreu. "ABC de Macabu - Dicionário de Topônimos e Curiosidades de Conceição de Macabu". Conceição e Macabu:Editora Macuco, 2003.
  • GOMES, Marcelo Abreu. "Antes do Kasato Maru...". Conceição de Macabu: Editora Macuco, 2008.

Ver também[editar | editar código-fonte]