Federação da Rodésia e Niassalândia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Não confundir com República Centro-Africana.
Federation of Rhodesia and Nyasaland
Federação da Rodésia e Niassalândia

Federação

Flag of Northern Rhodesia (1939–1964).svg
 
Flag of Southern Rhodesia (1924–1964).svg
 
Flag of Nyasaland (1919–1925).svg
1953 – 1963 Flag of Northern Rhodesia (1939–1964).svg
 
Flag of Southern Rhodesia (1964–1965); Flag of Rhodesia (1965–1968).svg
 
Flag of Nyasaland (1919–1925).svg
Flag Brasão
Bandeira Brasão
Localização de Rodésia e Niassalândia
Localização da Federação da Rodésia e Niassalândia
na África Austral.
Continente África
Região África Austral
Capital Salisbury
Governo Federação
Governador-geral
 • 1953–1957 John Jestyn Llewellin
 • 1957–1963 Simon Ramsay
 • 1963 Sir Humphrey Gibbs
Primeiro-ministro
 • 1953–1956 Sir Godfrey Huggins
 • 1956–1963 Sir Roy Welensky
História
 • 1 de agosto de 1953 Fundação
 • 31 de dezembro de 1963 Dissolução
População
 • 1960 est. 8,288,300

  • 7 980 000 negros (96,28%)
  • 308 300 brancos (3,72%) 
Moeda Libra

A Federação da Rodésia e Niassalândia, também conhecida como Federação Centro-Africana (FCA), foi um estado semi-independente no sul de África que existiu de 1953 a 1963 composto pela colônia da Rodésia do Sul, a Rodésia do Norte e a Niassalândia.[1] Era um reino federal da Coroa Britânica - nem uma colônia nem um domínio.

A Federação foi estabelecida em 1º de agosto de 1953,[2][3] com um governador-geral como representante da Rainha. Uma característica interessante e inovadora foi o African Affairs Board, criado para salvaguardar os interesses dos africanos e dotado de poderes estatutários para o efeito, nomeadamente no que diz respeito à legislação discriminatória.[4] O status constitucional dos três territórios - uma colônia autônoma e dois protetorados - não foi afetado, embora certos decretos se aplicassem à Federação como um todo, como se fosse parte dos domínios de Sua Majestade e uma Colônia.[4] As vantagens econômicas para a Federação nunca foram seriamente questionadas, e as causas do fracasso da Federação foram puramente políticas: a oposição forte e crescente dos habitantes africanos.

Os governantes dos novos estados negros da África estavam unidos em querer acabar com o colonialismo na África. Com a maior parte do mundo se afastando do colonialismo durante o final dos anos 1950 e início dos 1960, o Reino Unido foi submetido à pressão para descolonizar tanto das Nações Unidas quanto da Organização da Unidade Africana (OUA). Esses grupos apoiaram as aspirações dos nacionalistas negros africanos e aceitaram suas reivindicações de falar em nome do povo.

A federação terminou oficialmente em 31 de dezembro de 1963.[5][6] Em 1964, logo após a dissolução, Rodésia do Norte e Niassalândia tornaram-se independentes sob os nomes de Zâmbia e Malawi, respectivamente. Em 1965, a Rodésia do Sul declarou unilateralmente a independência do Reino Unido como o estado da Rodésia.

Referências

  1. «Federation of Rhodesia and Nyasaland». Encyclopædia Britannica 
  2. Rhodesia and Nyasaland Federation Act, 1953 of the United Kingdom (1 and 2 EI, 2, c. 30)
  3. Federation of Rhodesia and Nyasaland (Constitution) Order in Council, 1953 of the United Kingdom, S.I. 1953 No. 1199, p. 1804
  4. a b Commonwealth and Colonial Law by Kenneth Roberts-Wray, London, Stevens, 1966. P. 745
  5. Rhodesia and Nyasaland Act, 1964
  6. Federation of Rhodesia and Nyasaland (Dissolution) Order in Council, 1963, S.I. 1963 No. 2085, p.4477.
Mercator Africa 037.jpg Este artigo sobre História da África é um esboço relacionado ao Projeto África. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.