Felipe Franco Munhoz

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Felipe Franco Munhoz
Felipe Franco Munhoz em 2021
Nascimento 4 de março de 1990 (32 anos)
São Paulo,  São Paulo
Residência São Paulo
Nacionalidade Brasil brasileira
Ocupação Escritor
Principais trabalhos Identidades (2018)

Felipe Franco Munhoz (São Paulo, 4 de março de 1990) é um escritor brasileiro.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Philip Roth e Felipe Franco Munhoz

É formado em Comunicação Social pela Universidade Federal do Paraná. Em 2010, recebeu uma Bolsa Funarte de Criação Literária[1] para escrever seu primeiro livro, Mentiras, inspirado na obra de Philip Roth.[2] A convite da Philip Roth Society, participou, em 2013, das comemorações de 80 anos do escritor estadunidense, em Newark, nos Estados Unidos.[3][4] Em 2014, fundou, junto com Lídia Ganhito, o site Antessala das Letras — uma plataforma que semanalmente publicava autores em início de carreira, referendados por autores consagrados.[5][6] Em 2016, foi considerado, no jornal O Estado de S. Paulo, "um dos melhores talentos da nova geração de ficcionistas brasileiros".[7] Mentiras, seu livro de estreia, foi publicado no dia do aniversário de 26 anos do autor.[8] Desde então, Franco Munhoz vem participando de importantes eventos culturais como, por exemplo, Festival Literário de Macau,[9][10] Printemps Littéraire Brésilien,[11][12] Balada Literária,[13] Flup (em que, em 2017, fez uma leitura, com a atriz Natália Lage, da peça Identidades 15 minutos)[14] e Cultura Inglesa Festival.[15][16] Em 2016, publicou, junto com Carol Rodrigues e Marcelino Freire, entre fevereiro e março, uma sequência de ficções curtas diárias no jornal Ponto Final, de Macau.[17][18] Publicou, em 2018, seu segundo livro Identidades, novamente pela editora Nós.[19] Identidades, uma reelaboração contemporânea e paulistana do mito fáustico, foi aclamado pela crítica, recebendo elogios em veículos como Folha de S.Paulo,[20] O Estado de S. Paulo,[21] Revista Cult,[22] Revista Via Atlântica,[23] Revista Blimunda[24] e Estado de Minas.[25] Em 2021, o jornal O Estado de S. Paulo anunciou que seu próximo livro, Lanternas ao nirvana, seria publicado pela editora Record.[26] O texto Parêntesis, parte de Lanternas ao nirvana, publicado no jornal O Estado de S. Paulo[27][28], foi adaptado para curta-metragem, dirigido por Natália Lage, com trilha sonora de André Mehmari.[29][30] Lanternas ao nirvana foi publicado em 2022.[31]

Obras publicadas[editar | editar código-fonte]

Ficção[editar | editar código-fonte]

  • Mentiras (São Paulo: Nós, 2016)[32]
  • Identidades (São Paulo: Nós, 2018)
  • Lanternas ao nirvana (Rio de Janeiro: Record, 2022)

Teatro[editar | editar código-fonte]

  • Identidades 15 minutos (2017)[33]

Participações em antologias[editar | editar código-fonte]

  • No ringue de Hemingway, Livro dos Novos (Curitiba: Travessa dos Editores, 2013)[34]
  • Berlin, Escrever Berlim (São Paulo: Nós, 2017)[35]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Netto, Irinêo Baptista. «O avesso da vida». Gazeta do Povo. Consultado em 20 de fevereiro de 2022 
  2. «Estreia de Felipe Franco Munhoz mistura obra de Philip Roth e relações amorosas - Cultura». Estadão. Consultado em 20 de fevereiro de 2022 
  3. Moser, Sandro. «A honra de homenagear o ídolo Philip Roth». Gazeta do Povo. Consultado em 20 de fevereiro de 2022 
  4. Fernando CastroDo G1 PR (15 de março de 2013). «Jovem escritor brasileiro lê obra para Philip Roth em evento literário». Paraná. Consultado em 20 de fevereiro de 2022 
  5. «Site convida autores consagrados a indicar escritores em início de carreira». Zero Hora. 25 de fevereiro de 2015. Consultado em 20 de fevereiro de 2022 
  6. Machado, Sandra (16 de dezembro de 2015). «Jovens escritores consolidam trabalhos pela internet». MultiRio. Consultado em 20 de fevereiro de 2020 
  7. Werneck, Humberto (1 de março de 2016). «Ficções da memória». O Estado de S. Paulo. Consultado em 20 de fevereiro de 2022 
  8. «Diálogos com Philip Roth - 'Mentiras', de Felipe Franco Munhoz, será lançado hoje, em SP». PublishNews. 4 de março de 2016. Consultado em 20 de fevereiro de 2022 
  9. Coutinho, Isabel. «A arte de garimpar literatura do Brasil até à China». PÚBLICO. Consultado em 20 de fevereiro de 2022 
  10. «Iniciar 2020 | The Script Road». Consultado em 20 de fevereiro de 2022 
  11. PublishNews. «Primavera literária brasileira da Universidade da Sorbonne divulga programação». PublishNews. Consultado em 20 de fevereiro de 2022 
  12. «Programme». printempsbresilien (em francês). Consultado em 20 de fevereiro de 2022 
  13. «Caio Fernando de Abreu é o homenageado da 11a Balada Literária». Rádio Cultura FM. 22 de novembro de 2016. Consultado em 20 de fevereiro de 2022 
  14. «Flup leva debate sobre representação das periferias ao Vidigal». Agência Brasil. 11 de novembro de 2017. Consultado em 20 de fevereiro de 2022 
  15. Rodrigues, Maria Fernanda (6 de março de 2021). «Caetano Veloso revive experiência do exílio em Londres durante live do Cultura Inglesa Festival». O Estado de S. Paulo. Consultado em 20 de fevereiro de 2022 
  16. «'O Brasil deve salvar o mundo', diz Caetano em live». Folha de S.Paulo. 7 de março de 2021. Consultado em 20 de fevereiro de 2022 
  17. Domingues, Catarina (1 de junho de 2016). «A primeira vez que vi Macau». Revista Macau. Consultado em 20 de fevereiro de 2022 
  18. Rodrigues, Maria Fernanda (29 de janeiro de 2016). «FESTIVAL – 1 Na China». Babel - O Estado de S. Paulo. Consultado em 20 de fevereiro de 2022 
  19. «Em romance experimental, Felipe Franco Munhoz atualiza o mito de Fausto - Cultura». Estadão. Consultado em 20 de fevereiro de 2022 
  20. Tezza, Cristovão (29 de julho de 2018). «Em busca de um narrador». Folha de S.Paulo. Consultado em 20 de fevereiro de 2022 
  21. Perpetuo, Irineu Franco (22 de dezembro de 2018). «Felipe Franco Munhoz faz releitura do mito do Fausto em 'Identidades'». O Estado de S. Paulo. Consultado em 20 de fevereiro de 2022 
  22. Galindo, Caetano W. (8 de abril de 2019). «Um pacto com o mistério». Revista Cult. Consultado em 20 de fevereiro de 2022 
  23. Valentim, Jorge Vicente (1 de julho de 2019). «MUNHOZ, FELIPE FRANCO. IDENTIDADES. SÃO PAULO: EDITORA NÓS, 2018.». Revista Via Atlântica - USP. Consultado em 20 de fevereiro de 2022 
  24. Costa, Sara Figueiredo (1 de julho de 2018). «Um Fausto pós-moderno» (PDF). Revista Blimunda - Fundação José Saramago. Consultado em 20 de fevereiro de 2022 
  25. Cagiano, Ronaldo (19 de julho de 2019). «'Identidades' faz releitura do mito de Fausto e Mefistófeles diante de questões de gênero». Estado de Minas. Consultado em 20 de fevereiro de 2022 
  26. Rodrigues, Maria Fernanda (12 de junho de 2021). «Babel». O Estado de S. Paulo. Consultado em 20 de fevereiro de 2022 
  27. Franco Munhoz, Felipe (13 de junho de 2020). «Parêntesis» (PDF). O Estado de S. Paulo. Consultado em 26 de fevereiro de 2022 
  28. Sobota, Guilherme (13 de junho de 2020). «Escritores buscam na pandemia matéria-prima para produzir obras diferentes e vibrantes». O Estado de S. Paulo. Consultado em 26 de fevereiro de 2022 
  29. «16º Comunicurtas UEPB: conheça os filmes selecionados». Cinevitor. 25 de novembro de 2021. Consultado em 26 de fevereiro de 2022 
  30. «Parentheses». Nepal International Film Festival. Consultado em 26 de fevereiro de 2022 
  31. https://rascunho.com.br/noticias/felipe-franco-munhoz-combina-poesia-e-dramaturgia-em-novo-livro/
  32. https://anovacritica.wordpress.com/2016/04/24/desfiando-o-travesseiro-de-roth/
  33. http://flup.net.br/evento/identidades-15-minutos/
  34. https://issuu.com/jornalrelevo/docs/relevojaneiro/12
  35. http://oasyscultural.com.br/krishna-monteiro-na-coletanea-escrever-berlim/