Felipe de Bourbon

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta biografia de uma pessoa viva não cita as suas fontes ou referências, o que compromete sua credibilidade. (desde outubro de 2012)
Ajude a melhorar este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes. Material controverso sobre pessoas vivas sem apoio de fontes fiáveis e verificáveis deve ser imediatamente removido, especialmente se for de natureza difamatória.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Felipe de Bourbon
Príncipe das Astúrias
Cônjuge Letizia Ortiz (2004-presente)
Descendência
Infanta Leonor
Infanta Sofia
Nome completo
Felipe Juan Pablo Alfonso de Todos los Santos de Borbón y Grecia
Casa Bourbon
Pai Juan Carlos da Espanha
Mãe Sofia da Grécia
Nascimento 30 de Janeiro de 1968 (46 anos)
Madrid, Espanha
Assinatura

Filipe João Paulo Afonso de Todos os Santos de Bourbon e Grécia, Príncipe de Astúrias (em espanhol: Felipe Juan Pablo Alfonso de Todos los Santos de Borbón y Grecia) GOTEGCTEGCCGCA (nascido em Madrid, 30 de janeiro de 1968), é o terceiro filho, porém único varão, de Juan Carlos I e de Sofia da Grécia, os atuais reis da Espanha.

Herdeiro da Coroa desde a proclamação de seu pai como rei, no dia 22 de novembro de 1975, Felipe recebeu em 1 de novembro de 1977 o título de príncipe das Astúrias, junto com os títulos de príncipe de Girona e príncipe de Viana; correspondentes aos herdeiros dos reinos de Castela, Aragão e Navarra, cuja união formou no século XVI a monarquia espanhola. Ostenta, assim sendo, os títulos de duque de Montblanc, conde de Cervera e senhor de Balaguer.

A 30 de janeiro de 1986, aos dezoito anos, jurou perante as Cortes Gerais, fidelidade à constituição e ao rei, assumindo a plenitude do seu papel institucional como sucessor da Coroa. Quando vier a suceder a seu pai, terá o título de Rei Felipe VI de Espanha.

Baptismo[editar | editar código-fonte]

Recebeu no sacramento do baptismo os nomes Felipe (em memória do primeiro Bourbon que reinou em Espanha), Juan (em memória do seu avô paterno Juan de Bourbon), Pablo (em memória do rei Paulo I da Grécia, seu avô materno) e Alfonso (em memória do seu bisavô paterno, o rei Afonso XIII de Espanha. Foram seus padrinhos o Conde de Barcelona, seu avô paterno e, a sua bisavó paterna a rainha Vitória Eugénia de Battenberg.

Educação e funções militares[editar | editar código-fonte]

O príncipe herdeiro Felipe.

Frequentou a pré-escolar, Educação Geral Básica e Bacharelato. Unificado Polivalente no Colégio de Santa Maria dos Rosais, um centro moderno onde se integrou sem distinção dos restantes alunos e em que permaneceu até 1984. Concluídos os seus estudos secundários, realizou o último curso escolar equivalente ao C.O.U. em Lakefield College School, Canadá, onde permaneceu um ano.

Posteriormente, desde setembro de 1985 a julho de 1988, levou a cabo os seus estudos militares, sucessivamente, na Academia Geral Militar de Saragoça, na Escola Naval Militar da Marinha e na Academia Geral do Ar de São Xavier, recebendo no mês de julho de 1989 os despachos de tenente de infantaria, alferes de navio e tenente de arma da aviação.

De outubro de 1988 a junho de 1993, estudou na Universidade Autónoma de Madrid, onde se licenciou em Direito, estudando também diversas cadeiras da carreira de Ciências Económicas com o objectivo de completar a sua formação nesta matéria.

Em setembro de 1993 iniciou um Mestrado em Relações Internacionais na Edmund Walsh School de Foreign Service da Universidade de Georgetown (Washington D.C.), graduando-se a 26 de maio de 1995.

Actualmente, ostenta nas Forças Armadas Espanholas as funções de comandante do Corpo Geral da Armada e comandante do Corpo Geral do Exército do Ar. Assim sendo, é piloto de helicópteros, com aptidão para o voo instrumental no 402 Esquadrão das Forças Aéreas do Exército do Ar. Esta em posição das alas de piloto de helicópteros do exército de terra e da Armada.

Desde setembro de 1999 até junho de 2000, levou a cabo um curso de actualização de conhecimentos em matéria de segurança e defesa.

Gregário e desenvolto, Felipe fala fluentemente castelhano, catalão, inglês e francês, além de um pouco de grego[1]

Família real espanhola
Casa de Bourbon
Coat of Arms of Spanish Monarch.svg

SM o Rei
SM a Rainha



Actividades em Espanha e no estrangeiro[editar | editar código-fonte]

Desde a conclusão dos seus estudos académicos nos Estados Unidos, Dom Felipe, ao longo de cada ano, atende os compromissos institucionais derivados da sua condição de Herdeiro da Coroa, preside numerosos actos oficiais em Espanha e participa nos acontecimentos mais relevantes dos diferentes sectores e âmbitos da vida pública espanhola.

A partir de outubro de 1995, iniciou uma série de visitas oficiais às comunidades autónomas com o fim de aprofundar no conhecimento de Espanha e facilitar a aproximação aos restantes espanhóis. Mantém periodicamente encontros e reuniões com os órgãos constitucionais e com as principais instituições do Estado com o objectivo de estar ao corrente das suas actividades. Assim, também, a reuniões com distintos organismos da "Administração do Estado e das Comunidades Autónomas" quando assim o requerem as actividades institucionais que desenvolve, tanto nacionais como internacionais.

Recebe em audiências públicas e privadas, um grande número de pessoas com a finalidade de estar informado da realidade nacional e internacional. Especialmente, mantém encontros com pessoas próximas da sua geração e que singularmente destacam-se nos âmbitos político, económico, cultural e dos meios de comunicação.

Quando não assiste o rei, preside anualmente às entregas de despachos aos oficiais e sub-oficiais das forças armadas. Também participa em exercícios militares dos três Exércitos.

Pelo que se refere às suas actividades no estrangeiro, realizou numerosas viagens oficiais a países europeus e americanos, assim como aos do mundo árabe, Extremo Oriente e Oceânia. Mostra um especial interesse por todos os assuntos relacionados com a União Europeia, Médio Oriente, Norte de África e Ibero-américa. De janeiro de 1996, o príncipe das Astúrias assumiu a representação do Estado nas tomadas de posse dos presidentes ibero-americanos.

Assim sendo, vem desenvolvendo um papel muito activo na promoção dos interesses económicos e comerciais de Espanha e no fomento do conhecimento da língua e cultura espanhola no exterior. Habitualmente, preside às Exposições económicas e comerciais organizadas por Espanha no estrangeiro (Expotecnia, Expoconsumo e Expohábitat) e está especialmente interessado em promover a criação de Centros e Cátedras que difundam a história e a realidade presente em Espanha nas principais Universidades estrangeiras.

Nas demais actividades oficiais, Felipe é o presidente de honra de várias associações e fundações, como a Fundação Codespa, que financia actividades específicas de desenvolvimento económico e social em Espanha, América Latina e outros países, e a secção espanhola da Associação de Periodistas Europeus, que reúne destacados profissionais da comunicação. Entre todas elas, destaca-se especialmente a Fundação Príncipes das Astúrias, presidindo anualmente à entrega dos Prémios que levam o seu nome a grande prestígio internacional . No marco destas instituições que perseguem fins de interesse geral, dirige preferentemente a sua atenção às actividades relacionadas com projectos de desenvolvimento, voluntariado, meio ambiente, projecção da Universidade, participação da Juventude no mundo do trabalho e da empresa, relações entre empresa e sociedade e comunicação social.

Com o motivo da declaração pelas Nações Unidas em 2001, como Ano Internacional do Voluntariado, o seu Secretário Geral, Kofi Annan, declarou em Novembro de 2000 ao Príncipe Felipe “Eminent Person” (Pessoa Eminente) pela contribuição a nível internacional da difusão da importância dos voluntários.

Desportos[editar | editar código-fonte]

Adepto do desporto em geral, foi membro da equipa olímpica de Vela na classe Soling nos Jogos Olímpicos de Barcelona de 1992, em cuja inauguração desfilou como porta-bandeira da equipa espanhola, terminando em sexto lugar e obtendo por ele um Diploma Olímpico.

Casamento[editar | editar código-fonte]

No dia 1 de Novembro de 2003, os reis de Espanha anunciaram o seu noivado com Letizia Ortiz.

A cerimónia matrimonial realizou-se no dia 22 de maio de 2004 na Catedral de Santa Maria a Real de Almudena de Madrid. Após isso, decorreu um cortejo até Atocha, onde Dona Letizia entregou o seu bouquet a Nossa Senhora de Atocha. O copo de água decorreu no Palácio da Zarzuela, em Madrid, à porta fechada, após os príncipes aparecerem na varanda do Palácio que dá para a Praça do Oriente e das habituais sessões fotográficas. A lua-de-mel foi passada em Espanha.

Ascendência[editar | editar código-fonte]

Descendência[editar | editar código-fonte]

Os principes das Astúrias têm duas filhas:

Ambas possuem o título de Infanta de Espanha e o tratamento de Sua Alteza Real.

Títulos[editar | editar código-fonte]

Monograma real duplo dos príncipes Felipe e Letizia

Desde o seu nascimento ostentava o tratamento de Infante de Espanha e desde 1977, por decreto real os títulos históricos de heredeiro dos diferentes reinos espanhóis; por isso recebe o tratamento de Alteza Real:

Seu tratamento real completo é: Sua Alteza Real, o Sr. Dom Felipe de Bourbon e Grécia, Príncipe das Astúrias, de Girona e de Viana, Duque de Montblanc, Conde de Cervera, Senhor de Balaguer.

Condecorações[editar | editar código-fonte]

Felipe de Bourbon e Letizia Ortiz

Referências

Ver também[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui multimídias sobre Felipe de Bourbon

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Precedido por
Afonso de Espanha
Coat of Arms of the Prince of Asturias.svg
Príncipe das Astúrias

1977 - presente
Sucedido por
-
Precedido por
-
Linha de sucessão ao trono espanhol
1.ª posição
Sucedido por
Leonor de Bourbon Ortiz
Precedido por
Juan Carlos I da Espanha
Linha de sucessão ao trono francês
4.ª posição
Sucedido por
Francisco de Bourbon y Escasany