Felipe Conceição

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Felipe Conceição
Informações pessoais
Nome completo Felipe de Oliveira Conceição
Data de nasc. 9 de julho de 1979 (42 anos)
Local de nasc. Nova Friburgo (RJ), Brasil
Nacionalidade brasileiro
Altura 1,84 m
Apelido Felipe Tigrão
Informações profissionais
Período em atividade Como jogador: 1998–2011 (13 anos)
Como técnico: 2012–presente
Equipa atual Remo
Posição ex-Atacante
Função Treinador
Clubes de juventude
1993–1997
1997–1998
Friburguense
Botafogo
Clubes profissionais
Anos Clubes
1998–2002
2002
2003
2003–2004
2004
2005
2006
2006
2007
2007–2008
2008–2009
2008–2009
2010
2010
2010–2011
Botafogo
Juventude
Tombense
Germinal Beerschot
Botafogo
América Mineiro
Cabofriense
Portuguesa da Ilha
Tupi
Vitória de Guimarães
Pontevedra (emp.)
Baleares (emp.)
Paulista
Liaoning
Cabofriense
Seleção nacional
1999 Brasil (sub-20)
Times/Equipas que treinou
2012
2018
2018
2019–2020
2020
2020–2021
2021
2021–
São Gonçalo FC
Botafogo
Macaé
América Mineiro
Red Bull Bragantino
Guarani
Cruzeiro
Remo
Última atualização: 6 de julho de 2021

Felipe de Oliveira Conceição (Nova Friburgo, 9 de julho de 1979), mais conhecido como Felipe Conceição, é um treinador e ex-futebolista brasileiro que atuava como atacante. Atualmente comanda o Remo.

Carreira como jogador[editar | editar código-fonte]

Felipe foi revelado pelo Botafogo no fim da década de 1990, era tido com uma das maiores revelações do clube, sendo na época bicampeão estadual de juniores, título que o Botafogo não conquistava há 19 anos. Subiu ao profissional em julho de 1998, já com destaque, em 1999 foi convocado pela Seleção Brasileira Sub-20 onde atuou com Ronaldinho Gaúcho, Juan (zagueiro da AS Roma - Itália), Júlio César, entre outros. Porém, várias lesões impediram o seguimento da carreira do atacante em alto nível, e em 2003, após um pouco mais de 8 anos de clube, saiu do Botafogo. Felipe acabou passando por uma série de pequenos clubes do Rio de Janeiro, como o América (2003), a Portuguesa da Ilha e a Cabofriense (2005) - primeiro ano em que o clube chegou uma semi-final da Taça Guanabara. Também atuou pelo Juventude (RS) em 2002, emprestado pelo Botafogo. Desacreditado reiniciou sua carreira em 2006 no Resende, na terceira divisão carioca, e em uma ascensão rápida disputou o campeonato Mineiro da 1° divisão em 2007 onde obteve um grande destaque, marcando belos gols, e contribuindo para que depois de vinte anos o Tupi chegasse entre os quatro melhores, e como consequência voltou a um grande clube, dessa vez o Vitória de Guimarães - Portugal, disputando o campeonato Português na temporada 2007/2008 (melhor temporada do clube em toda sua história). Ainda nesta mesma temporada, foi o melhor marcador da 1° liga intercalar de Portugal.

Esteve ao serviço do Pontevedra por empréstimo do Vitória Sport Clube. Em Julho de 2009 o jogador e o clube português rescindiram o contrato por mútuo acordo.[1]

Em 2010, iniciou o ano no Paulista, clube de Jundiaí (SP), mas em fevereiro foi jogar na China pelo Liaoning, clube da cidade de Shenyang, norte chinês. [2]

Carreira como treinador[editar | editar código-fonte]

São Gonçalo[editar | editar código-fonte]

Em 2011 abandonou a carreira de jogador para se tornar diretor executivo do São Gonçalo Futebol Clube (RJ) [3], tendo no ano seguinte como treinador, comandando a equipe profissional do clube São Gonçalo Esporte Clube, que se sagrou campeão da terceira divisão do Rio de Janeiro.

Botafogo[editar | editar código-fonte]

Em meados de 2013, assumiu a equipe sub-15 do Botafogo[4], no final de 2013 foi promovido ao sub-17 do Botafogo. Ainda em 2014 foi o treinador da equipe sub-18 do Botafogo no torneio internacional Zayed Cup nos Emirados Árabes.

No dia 23 de dezembro de 2017, foi anunciado como técnico principal do Botafogo para temporada de 2018. No dia 10 de fevereiro, tendo apenas 7 partidas no cargo, após a eliminação da equipe do Botafogo na Taça Guanabara pelo Flamengo e consequentemente a eliminação da equipe do Botafogo na primeira fase da Copa do Brasil diante da Aparecidense, resultou em sua demissão.[5]

Macaé[editar | editar código-fonte]

No final de março de 2018, Felipe Conceição acertou com o Macaé.[6]

América Mineiro[editar | editar código-fonte]

No dia 15 de julho de 2019, Felipe sai do cargo de coordenador técnico em que estava desde junho de 2018 e foi efetivado como técnico do América Mineiro.[7] Ele foi conhecido pela sua bela campanha de recuperação no ano, mas por 1 vitória o América não conseguiu voltar para a série A.

Red Bull Bragantino[editar | editar código-fonte]

Em 25 de janeiro de 2020, deixa o América e aceita proposta para comandar o Red Bull Bragantino.[8][9] A primeira competição oficial foi o Campeonato Paulista de 2020, onde a equipe obteve a melhor campanha geral da 1ª fase, nas quartas foi eliminado para o Corinthians. Pelo Troféu do Interior, a equipe eliminou o Novorizontino e venceu o Guarani na final.

Cruzeiro[editar | editar código-fonte]

Em janeiro de 2021 foi contratado pelo Cruzeiro.[10] Mas após eliminações no Campeonato Mineiro, na Copa do Brasil e desempenho ruim na série B do campeonato brasileiro, foi demitido em 9 de junho de 2021. Comandou o clube em 19 partidas, com um retrospecto de oito vitórias, três empates e oito derrotas.[11]

Remo[editar | editar código-fonte]

No dia 1º de julho de 2021, foi anunciado pelo Remo para a sequência da temporada.[12]

Títulos[editar | editar código-fonte]

Red Bull Bragantino

Referências

Precedido por
Jair Ventura
Treinador do Botafogo
2018
Sucedido por
Alberto Valentim
Precedido por
Josué Teixeira
Treinador do Macaé
2018
Sucedido por
Carlinhos Ganjão
Precedido por
Maurício Barbieri
Treinador do América Mineiro
2019–2020
Sucedido por
Lisca
Precedido por
Vinícius Munhoz (interino)
Treinador do Red Bull Bragantino
2020
Sucedido por
Maurício Barbieri
Precedido por
Ricardo Catalá
Treinador do Guarani
2020–2021
Sucedido por
Allan Aal
Precedido por
Célio Lúcio (interino)
Treinador do Cruzeiro
2021
Sucedido por
Mozart Santos
Precedido por
Paulo Bonamigo
Treinador do Remo
2021–
Sucedido por