Feminismo marxista

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Feminismo marxista é um ramo do feminismo focado em investigar e explicar as maneiras pelas quais as mulheres são oprimidas por meio dos sistemas do capitalismo e da propriedade privada. De acordo com as feministas marxistas, a libertação das mulheres só pode ser alcançada através de uma reestruturação radical da economia capitalista atual, em que grande parte do trabalho das mulheres é desigual.[1] Karl Marx chegou a citar François Fourier que dizia que o progresso humano estaria associado a emancipação com relação ao sexismo.[2] O combate que Marx e Engels faziam ao sexismo era confirmado por contemporâneos como August Bebel que republicou os trabalhos do antropólogo Lewis Henry Morgan sobre este tema.[3] Marx também argumentava que o trabalho extenuante tirava o foco dos pais com relação ao cuidado da prole[4] e defendia que a família tradicional era uma maneira de preservar a propriedade privada.[5][6] O autor também não descartou o papel da mulher como grupo social na história,[7] desafiando o determinismo machista e darwinista da época, apesar de afirmar que a emancipação das mulheres seria algo inevitável desde que haja a superação dos modos de produção.[8] Os autores marxistas dos séculos XIX e início do XX[9][10][11][12][13] acreditavam que a resolução do sexismo era uma das maiores questões a serem enfrentadas pela esquerda a nível de justiça social e equidade. A prostituição também é descrita pelo pensador como algo suscetível a toda classe trabalhadora[14] e Karl defendia como antídoto um conceito de nova família em que cada membro fosse considerado como irmão.[15][16] Apesar disso, alguns autores argumentam que Marx defendia uma redução da jornada de trabalho para que as mulheres ficassem na dependência do lar.[17]

Referências

  1. Ferguson, A. & Hennessy, R. (2010). [1] Feminist Perspectives on Class and Work. Stanford Encyclopedia of Philosophy.
  2. Hayden, Carol Eubanks. 1979 /1984. Feminism and Bolshevism: The Zhenotdel and the Politics of Women’s Emancipation in Russia, 1917-1930. Ann Arbor, Mich.: University Microfilms International.
  3. Hayden, Carol Eubanks. 1979 /1984. Feminism and Bolshevism: The Zhenotdel and the Politics of Women’s Emancipation in Russia, 1917-1930. Ann Arbor, Mich.: University Microfilms International.p. 32-34
  4. Field, Mark G. 1968. “Workers (and Mothers): Soviet Women Today.” Pp.7-56 in The Role and Status of Women in the Soviet Union by Donald R. Brown, ed. NYC: Teachers College Press. P. 8-9
  5. Luryi, Yuri I. 1980. Soviet Family Law. Buffalo, NY: William S. Hein and Company.
  6. Field, Mark G. 1968. “Workers (and Mothers): Soviet Women Today.” Pp.7-56 in The Role and Status of Women in the Soviet Union by Donald R. Brown, ed. NYC: Teachers College Press. P. 8-9
  7. Hayden, Carol Eubanks. 1979 /1984. Feminism and Bolshevism: The Zhenotdel and the Politics of Women’s Emancipation in Russia, 1917-1930. Ann Arbor, Mich.: University Microfilms International.p. 33-34
  8. Buckley, Marry. 1985. “Soviet Interpretations of the Woman Question.” Pp.24-53 in Soviet Sisterhood: British Feminists on Women in the USSR. Barbara Holland, ed. London, UK: Fourth Estate.
  9. Goldman, Wendy Z. 1993. Women, The State, and Revolution: Soviet Family Policy and Social Life, 1917-1936. NYC: Cambridge University Press.
  10. Hayden, Carol Eubanks. 1979 /1984. Feminism and Bolshevism: The Zhenotdel and the Politics of Women’s Emancipation in Russia, 1917-1930. Ann Arbor, Mich.: University Microfilms International.
  11. Pushkareva, Natalia.1997. Women in Russian History: From the Tenth to the Twentieth Century. Translated and edited by Eve Levin. London, UK: M.E. Sharpe.
  12. Marsh, Rosalind. 1998. “Introduction.” Pp.ix-xix in Women and Russian Culture: Projections and Self-Perceptions by Rosalind Marsh, ed. Oxford, UK: Berghahn Books.
  13. Stites, Richard. 1978. The Women’s Liberation Movement in Russia: Feminism, Nihilism, and Bolshevism 1860-1930. Princeton, NJ: Princeton University Press.
  14. Hayden, Carol Eubanks. 1979 /1984. Feminism and Bolshevism: The Zhenotdel and the Politics of Women’s Emancipation in Russia, 1917-1930. Ann Arbor, Mich.: University Microfilms International.p. 33-34
  15. Field, Mark G. 1968. “Workers (and Mothers): Soviet Women Today.” Pp.7-56 in The Role and Status of Women in the Soviet Union by Donald R. Brown, ed. NYC: Teachers College Press.
  16. Goldman, Wendy Z. 1993. Women, The State, and Revolution: Soviet Family Policy and Social Life, 1917-1936. NYC: Cambridge University Press.
  17. Field, Mark G. 1968. “Workers (and Mothers): Soviet Women Today.” Pp.9 in The Role and Status of Women in the Soviet Union by Donald R. Brown, ed. NYC: Teachers College Press.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre sociologia ou um sociólogo é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.