Feohifomicose

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Quisto cutâneo pigmentado causado por Exophiala spinifera.

Predefinição:A grafia feohifomicose desvia-se das normas oficiais ortográficas da língua portuguesa. Escreve-se feo-hifomicose (com hífen) Rogo consultar o Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa, da Academia Basileira de Letras, Lei 5.765, pág XXVIII,Feohifomicose é qualquer infecção fúngica causada pela formação de hifas ou pseudo-hifas negras (fungos melanizados), pertencentes à família dematiacea. Pode se manifestar de forma cutânea, subcutânea ou disseminada, formando quistos, e pode afetar também pacientes com boa imunidade, sendo especialmente comum em pacientes imunodeprimidos por medicamentos usados no transplante de órgão. [1]

Causas[editar | editar código-fonte]

A feohifomicose geralmente é causada pelos fungos Exophiala (E. jeanselmei, E. moniliae, E.spinifera), Alternaria (A. alternata e A. tenuiissima), Phialophora (P. richardisiae e P. verrucosa), Bipolaris australiensis, Curvularia lunata ou Phaeoacremonium spp. Esses fungos são amplamente encontrados no ambiente e penetram por feridas causadas por espinhos, picadas ou cortes, principalmente quando entram em contato com plantas ou terra. Além de infectar humanos, também infectam diversos outros animais.[2] Também pode causar feohifomicose pulmonar, disseminada e fungemia quando esporos de dematiaceas são inalados por pessoas imunodeprimidas.

Tratamento[editar | editar código-fonte]

Extração cirúrgica dos nódulos ou quistos e itraconazol, fluorocitocina ou fluconazol por via oral durante 6 a 12 meses. [1] Não se recomenda usar cetonazol nem anfotericina B porque apesar de boa resposta in vitro, alguns Exophiala possuem resistência in vivo, e causam danos renais em sua forma mais usual. O tratamento mais recomendado é itraconazol mais extirpação cirúrgica.[3]

Referências

  1. a b BORROTO DIAZ, Gerardo et al. Feohifomicosis subcutánea en un paciente trasplantado renal. Rev cubana med [online]. 2012, vol.51, n.4 [citado 2015-09-16], pp. 336-343 . Disponible en: <http://scielo.sld.cu/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-75232012000400007&lng=es&nrm=iso>. ISSN 0034-7523.
  2. UFPR - micologia: http://www.prppg.ufpr.br/redefungos/feohifomicose.html
  3. RUSSO, J P; RAFTI, P y MESTRONI, S. Feohifomicosis subcutánea. Rev. argent. dermatol. [online]. 2009, vol.90, n.1 [citado 2015-09-16], pp. 64-70 . Disponible en: <http://www.scielo.org.ar/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1851-300X2009000100002&lng=es&nrm=iso>. ISSN 1851-300X.