Fernão Carlos Botelho Bracher

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde junho de 2014). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Gnome globe current event.svg
Este artigo ou seção é sobre alguém que morreu recentemente. A informação apresentada pode mudar com frequência. Não adicione especulações, nem texto sem referência a fontes confiáveis. (data da marcação: 11 de fevereiro de 2019; editado pela última vez em 28 de junho de 2019) Twemoji 1f464.svg
Fernão Carlos Botelho Bracher
10º Presidente do Banco Central do Brasil
Período 28 de agosto de 1985
até 11 de fevereiro de 1987
Presidente José Sarney
Antecessor Antônio Carlos Lemgruber
Sucessor Francisco Gros
Dados pessoais
Nascimento 3 de abril de 1935
São Paulo, SP
Morte 11 de fevereiro de 2019 (83 anos)
São Paulo, SP
Nacionalidade brasileiro
Progenitores Mãe: Zilda Botelho Bracher
Pai: Gustavo Bracher
Alma mater Faculdade de Direito do Largo São Francisco
Profissão Banqueiro e advogado

Fernão Carlos Botelho Bracher (São Paulo, 3 de abril de 1935São Paulo, 11 de fevereiro de 2019) foi um banqueiro brasileiro. Presidente do Banco BBA e vice-presidente do conselho de administração do Banco Itaú, foi o décimo presidente do Banco Central do Brasil, durante o governo Sarney.[1]

Juventude e formação[editar | editar código-fonte]

Bracher é filho de Eduardo Bracher e Zilah Botelho, e bisneto de Antônio Carlos de Arruda Botelho. Formou-se em direito pela Faculdade de Direito do Largo São Francisco.[2]

Carreira[editar | editar código-fonte]

Ele obteve seu primeiro cargo de direção Banco da Bahia, logo após a sua saída do escritório Pinheiro Neto Advogados. Após a empreitada no banco baiano, ele foi promovido ao cargo de vice-presidente do Grupo Atlântica-Boavista de Seguros.

Depois, trabalhou como vice-presidente do Banco Bradesco e, em seguida, tornou-se diretor do Banco Central do Brasil. Em 1985, ocupou a presidência do mesmo.

Ao sair do Banco Central, abriu conjuntamente com Antônio Beltran Martinez o Banco BBA Creditanstalt. Após algum tempo, o controle do banco, antes na mão de um grupo austríaco, foi passado para o banco Itaú. Porém, mesmo com a fusão, Fernão Bracher continuou como presidente da instituição.

Em 2005, Fernão Bracher dissociou-se definitivamente da presidência do Itaú-BBA, passada para as mãos de seu filho Candido Botelho Bracher, então vice-presidente do Banco, atualmente presidente do Itaú Unibanco.

Morte[editar | editar código-fonte]

Fernão Bracher faleceu aos 83 anos de idade, ao meio-dia de 11 de fevereiro de 2019, fruto de complicações de saúde ocorridas após uma queda sofrida em sua fazenda, no interior do estado de São Paulo. Uma semana após ter dado entrada no Hospital Albert Einstein, um infarto matou o banqueiro.[3]

Referências

  1. «Fernão Catrlos Botelho Bracher». Bloomberg. 25 de agosto de 2018. Consultado em 25 de agosto de 2018 
  2. «Personalidade forte». Itaú Unibanco 90 anos. Rio de Janeiro: [s.n.] 2015. p. 217 
  3. «Fernão Bracher, fundador do banco BBA, morre aos 83 anos». Valor Econômico. 11 de fevereiro de 2019. Consultado em 11 de fevereiro de 2019 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Precedido por
Antônio Carlos Lemgruber
Presidente do Banco Central do Brasil
1985-1987
Sucedido por
Francisco Roberto André Gros