Fernão Carlos Botelho Bracher

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde junho de 2014). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Fernão Carlos Botelho Bracher (São Paulo, 3 de abril de 1935) Filho de Gustavo Bracher e Zilda Botelho Bracher, bisneto de Antônio Carlos de Arruda Botelho ,Conde do Pinhal, é um banqueiro e advogado formado pela Faculdade de Direito do Largo São Francisco, brasileiro, vice-presidente do conselho de administração do Banco Itaú e décimo presidente do Banco Central do Brasil.

No Banco da Bahia, obteve seu primeiro cargo de direção, logo após anunciar a sua saída do Pinheiro Neto Advogados. Após a empreitada no banco baiano, ele foi condecorado com o cargo de vice-presidente do Grupo Atlântica-Boavista de Seguros.

Depois, trabalhou como vice-presidente do Banco Bradesco e, em seguida, tornou-se diretor do Banco Central do Brasil. Em 1985, ocupou a presidência do mesmo.

Ao sair do Banco Central, abriu conjuntamente com Antônio Beltran Martinez o Banco BBA Creditanstalt. Após algum tempo, o controle do banco, antes na mão de um grupo austríaco, foi passado para o banco Itaú. Porém, mesmo com a fusão, Fernão Bracher continuou como presidente da instituição.

Em 2005, Fernão Bracher dissociou-se definitivamente da presidência do Itaú-BBA, passada para as mãos de seu filho Candido Botelho Bracher, então vice-presidente do Banco, atualmente presidente do Itaú Unibanco.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Precedido por
Antônio Carlos Lemgruber
Presidente do Banco Central do Brasil
1985-1987
Sucedido por
Francisco Roberto André Gros