Fernanda Abreu

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde dezembro de 2011). Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.
Fernanda Abreu
Fernanda Abreu no 26° Prêmio da Música Brasileira em 2015.
Informação geral
Nome completo Fernanda Sampaio de Lacerda Abreu
Nascimento 8 de setembro de 1961 (55 anos)
Local de nascimento Rio de Janeiro, RJ
Brasil
Gênero(s)
Ocupação(ões)
Outras ocupações Escritora
Gravadora(s)
Afiliação(ões) BLITZ
Página oficial www.fernandaabreu.com.br

Fernanda Sampaio de Lacerda Abreu (Rio de Janeiro, 8 de setembro de 1961), mais conhecida como Fernanda Abreu, é uma cantora e compositora brasileira de música pop. Iniciou a carreira como vocal de apoio na banda BLITZ, e posteriormente, seguiu carreira solo, sendo influenciada pelo samba, disco, rap, funk, soul e funk carioca,[1] estilo musical que ajudou a popularizar,[2] abandonando o pop rock de sua antiga banda. Entre seus maiores sucessos estão "A Noite", "Você Pra Mim", "Rio 40 Graus", "Jorge da Capadócia", "Veneno da Lata", "Garota Sangue Bom", "Kátia Flávia, a Godiva do Irajá", Outro Sim, entre outros.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Fernanda Sampaio de Lacerda Abreu nasceu em 8 de setembro de 1961 no Rio de Janeiro. Filha de pai português e de mãe carioca,[3] ela era de descendência portuguesa por parte de pai e africanos e indígenas por parte de mãe. Seu irmão Felipe nasceu cerca de um ano depois que ela. Desde os quatro anos, ela morou nos arredores do Jardim Botânico do Rio de Janeiro, numa casa com piscina e de dois andares projetada e construída por seu pai arquiteto. De uma família de classe média, ela e seu irmão sempre estudaram em escola pública por princípio de seus pais, o que refletiu na diversidade de seus amigos.[4]

Aos nove anos, ela iniciou aulas de balé por recomendação de um médico ortopedista, para o qual a cantora direcionou sua energia para se exibir. Ela também fez cursos de inglês, violão, canto, dança e outros ocasionais.[4] Aos 17 anos, prestou vestibular para Arquitetura na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e Sociologia na Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC). Começou cursando Arquitetura porque possuía habilidade para desenho, mas não gostava de calcular, abandonando o curso seis meses depois. Na PUC, cursou Sociologia durante três anos. Faltando um ano para se formar, ela abandonou o curso para entrar na BLITZ.[4]

Carreira[editar | editar código-fonte]

1982-87: BLITZ[editar | editar código-fonte]

Em 1982, Abreu entrou como backing vocal da banda de pop rock BLITZ, que também tinha como integrantes Evandro Mesquita, Lobão, Marcia Bulcão, Ricardo Barreto, Antônio Pedro Fortuna e William Forghieri. O primeiro single "Você Não Soube Me Amar" foi um sucesso estrondoso, logo seguido pelo álbum As Aventuras da Blitz 1, vendendo 330.000 cópias, consolidando a banda como fenômeno de massa.[5] O sucesso do primeiro álbum foi seguido pelo lançamento dos próximos álbuns Radioatividade (1983) e BLITZ 3 (1984).[6][7] Em 1984, a Rede Globo levou ao ar o musical Blitz contra o Gênio do Mal.[8] Após a dissolução da banda em 1986, começou a investir na carreira solo, tendo aulas de violão e canto, e chegou a colaborar com Fausto Fawcett em sua música "Juliette" no ano seguinte.[9]

1990-94: SLA Radical Dance Disco Club e SLA 2 Be Sample[editar | editar código-fonte]

Abreu em uma apresentação da turnê SLA 2 Be Sample, 1993

Abreu lançou-se em carreira solo em 1990 com o álbum SLA Radical Dance Disco Club, produzido por Herbert Vianna e Fábio Fonseca. A primeira canção lançada como single foi "A Noite", também presente na trilha sonora da novela Mico Preto da Rede Globo.[10] Com forte inspiração disco, a faixa é uma das mais dançantes do álbum.[9] Em seguida, Abreu alcançou o topo das paradas com a balada "Você pra Mim", tema da novela Meu Bem, Meu Mal.[11] O álbum conta ainda com uma versão de "Got to Be Real" de Cheryl Lynn, intitulada "Luxo Pesado". Dele saiu ainda o videoclipe de "Speed Racer", veiculado nos primórdios da MTV Brasil.

Em seu segundo álbum de estúdio, SLA 2 Be Sample, de 1992, a música disco foi substituída pelos samplers, e com isso Abreu tornou-se uma das pioneiras do processo no país.[12] O primeiro single, "Rio 40 Graus", de autoria de Fausto Fawcett e Laufer, foi um marco na carreira da cantora. Exaltando e ao mesmo tempo criticando sua cidade natal, Abreu compôs um mosaico dos "tipos cariocas", de sua música, de seus hábitos e preferências.[13] Outros singles do álbum foram a versão cover da música de Jorge Ben Jor, "Jorge da Capadócia", "Do Seu Olhar" e "Hello Baby". Abreu logo depois saiu em turnê para divulgar o álbum por todo Brasil.[14] Ela apresentou-se no festival Hollywood Rock em 1994 com a turnê.[15]

1995-99: Da Lata e Raio X[editar | editar código-fonte]

Abreu apresentando-se durante a turnê Da Lata, 1997

O terceiro álbum de estúdio de Abreu foi batizado de Da Lata. Ele foi lançado em maio de 1995,[16] e recebeu este título por conta da expressão "da lata", que surgiu a partir de 1987, quando tripulantes de um navio estrangeiro despejaram 22 toneladas de maconha dentro de latas no litoral do Rio de Janeiro, temendo uma ação da polícia. As latas fechadas continham maconha de excelente qualidade. O fato deu origem à gíria "da lata", que é usada para algo que é bom, mas ao mesmo tempo, a lata é um material barato, e serviu de contraponto para a cantora diante da pobreza do Brasil.[17] Do álbum saíram os singles de sucesso "Veneno da Lata", "Garota Sangue Bom", "Brasil É o País do Suingue" e "É Hoje", além das canções "Um Dia Não Outro Sim" e "Babilônia Rock", que foram tema da telenovela da Rede Globo História de Amor e da primeira temporada da série Malhação, respectivamente.[18][19] O cenário da turnê de divulgação foi projetado por Luiz Stein, então marido de Abreu. Ele contava com uma estrutura feita com uma tonelada de sucata com adornos como hélices de ventilador, quentinhas e pás,[20] telas eletrônicas com fotos da cantora e letras metálicas.[21] A turnê teve ainda uma parte internacional em 1996 passando pela Europa.[22] No mesmo ano, a cantora participou de uma regravação da canção de Gilberto Gil, "Aquele Abraço" com outros artistas, como parte de uma campanha em prol da candidatura da cidade do Rio de Janeiro como sede das Olimpíadas de Verão de 2004.[23]

Em 1997, Abreu lançou sua primeira compilação, intitulada Raio X, contendo regravações de seus maiores sucessos, além de novas músicas. O álbum seria ao vivo, mas a cantora sentiu que era pouco pra traduzir o que queria e sentia.[24] Para "dar um sotaque brasileiro à dance music,[25] ela chamou cantores como Lenine, Carlinhos Brown e Chico Science para colaborar com ela, com a intenção de nacionalizar seu som.[26] O lançamento do álbum foi acompanhado pela Revista Raio X, que reunia imagens de divulgação e shows dos discos anteriores da cantora, em edição limitada.[27] De Raio X foram retirados três singles: "Kátia Flávia, a Godiva do Irajá", "Jack Soul Brasileiro" e "Um Amor, Um Lugar", que foi trilha sonora da telenovela Anjo Mau.[28] Abreu entrou em turnê para promover a compilação, que contou com equipamentos como projeções, samplers e computação gráfica. A cantora usou figurinos da grife São Sebastião para os shows, que incluíam um vestido de porta-bandeira e um cocar feitos de radiografias.[25][29] Além de passar pelas principais cidades brasileiras, a turnê teve uma parte europeia, apresentando-se em Paris, Genebra, Zurique e Lisboa, entre outras cidades.[25]

2000-05: Entidade Urbana e Na Paz[editar | editar código-fonte]

Abreu durante apresentação da turnê Na Paz em 2004.

Entidade Urbana, seu quarto álbum de estúdio lançado em 2000, trouxe um conceito que gira em torno de cidades, metrópoles e urbanidade.[30] Uma revista lançada em edição limitada juntamente com o álbum chamada Revista Entidade Urbana reuniu trabalhos cedidos por 49 artistas brasileiros ligados a diversas formas de expressão, como artes gráficas, artes plásticas, música, poesia e grafite, abordando o tema das grandes cidades.[31] Os singles retirados do disco foram "Baile da Pesada", "Paisagem de Amor" e "São Paulo - SP". Em 2001, ela estreou a turnê que promovia o álbum, com cenografia de seu então marido Luiz Stein e coreografada por Deborah Colker.[32] No mesmo ano, ela apresentou-se no Rock in Rio III, e trouxe como convidado especial Evandro Mesquita, e cantaram "Você Não Soube Me Amar".[33]

Seu quinto álbum de estúdio, Na Paz, foi lançado em 2004, sendo o primeiro lançamento através de seu novo selo Garota Sangue Bom.[34] Apesar de ainda dever dois discos à EMI, ela rescindiu o contrato e virou parceira da gravadora, que ficou encarregada apenas do marketing e distribuição dos futuros trabalhos da artista.[12] Neste trabalho, a cantora deixou o seu som percursivo característico de lado, optando por um som mais zen e fazendo um apelo à paz.[35] O conceito gráfico do álbum também segue o mesmo estilo, com a cantora empunhando armas de cujos canos brotam flores, vestida com calça de guerrilha e blusa com coração vermelho estampado.[12] Na Paz atraiu críticas mistas por parte dos críticos, com alguns dizendo que o disco acertava ao radiografar o estado de guerra civil de metrópoles como Rio de Janeiro e São Paulo,[36] mas que no álbum faltava criatividade, e que a cantora parecia não ter nada a dizer.[37] O primeiro single de Na Paz, "Eu Vou Torcer", uma regravação de Jorge Ben Jor, teve certa rotação nas rádios. "Bidolibido" foi lançada como segundo single tendo menos notoriedade. Meses depois, ela saiu em excursão para promover o disco.[38]

2006-14: MTV ao Vivo e Perfil[editar | editar código-fonte]

Abreu durante a turnê Eletro-Acústico, em 2009.

Em maio de 2006, Fernanda lançou o CD MTV ao Vivo, seu único trabalho lançado através da Universal Music.[39][40] O show de gravação da série MTV ao Vivo aconteceu no Teatro Carlos Gomes nos dias 30 e 31 de março de 2006.[41] O concerto foi exibido pela MTV no dia 28 de maio, um dia antes do lançamento do CD; o DVD foi lançado apenas em julho.[42] O trabalho deu nova roupagem aos seus sucessos solo e fez uma releitura de "A Dois Passos do Paraíso", sucesso de 1983 de sua antiga banda, BLITZ.[43] Apenas um single duplo foi lançado do disco, contendo as canções "Bloco Funk" e "Dance Dance". A turnê de divulgação do álbum começou em agosto de 2006 e durou até a metade de 2008.[44][45]

Durante esse tempo, a cantora sentiu que a indústria musical estava em declínio, e ficou sem coragem de gravar um novo disco independente. Também, seu divórcio de Luiz Stein e a doença e subsequente morte de sua mãe tomaram seu tempo para conseguir administrar essas questões, impossibilitando o lançamento de um novo álbum.[45] Em 2009, ela montou o show Eletro-Acústico, voltado para teatros, e lançou o livro Meu Pequeno Vascaíno, escrito por ela.[46] No mesmo ano, ela participou de um especial da Rede Globo Elas Cantam Roberto Carlos, cantando "Todos Estão Surdos" e "Como É Grande o Meu Amor por Você".[47] No ano seguinte, a série Perfil da Som Livre lançou uma coletânea contendo os maiores sucessos da cantora.[48] A cantora apresentou-se com Elba Ramalho e Ivo Meirelles no Palco Sunset do Rock in Rio IV em 2013.[49]

2015-presente: Amor Geral[editar | editar código-fonte]

Em outubro de 2015, a cantora usou o Facebook para anunciar a produção de seu sexto álbum de estúdio Amor Geral, anunciando o repertório do disco três meses depois.[50] Abreu acertou com a Sony Music o lançamento do álbum, através do seu selo Garota Sangue Bom. "Outro Sim", o primeiro single do álbum, foi lançado em abril de 2016.[51] Abreu iniciou a turnê Amor Geral - O Show, no Rio de Janeiro em 28 de outubro de 2016, para promover o disco.[52] Em 6 de novembro de 2015, o show chegou a São Paulo com grande sucesso, sendo considerado pelo jornalista Alexandre Eça um dos melhores que passaram pelos palcos paulistanos em 2016.[53]

Vida pessoal[editar | editar código-fonte]

Em maio de 1983, a cantora casou-se com o designer Luiz Stein, com quem teve duas filhas chamadas Sofia (nascida em 1995) e Alice (nascida em 1999). Após 28 anos de casamento, o casal anunciou sua separação em 2012.[4][54] No mesmo ano, iniciou um relacionamento com o baterista Tuto Ferraz.[55]

É uma ilustre torcedora do Vasco, tendo lançado na festa de 113 anos do clube a canção "Vou Subir a Colina",[56][57] e do Sporting Clube de Portugal, pelo que depois de o assumir num programa da televisão pública portuguesa (RTP), 5 Para a Meia-Noite, foi recebida pelo presidente Bruno de Carvalho, tendo sido agraciada com uma camisa do time autografada pelo próprio.[58] [59][60]

Discografia[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Discografia de Fernanda Abreu
Álbuns de estúdio

Referências

  1. Samba, funk e rap
  2. [http://rollingstone.uol.com.br/noticia/fernanda-abreu-superou-uma-separacao-e-morte-da-mae-para-lancar-o-primeiro-disco-de-ineditas-em-mais-de-uma-decada/Fernanda Abreu superou uma separação e a morte da mãe para lançar o primeiro disco de inéditas em mais de uma década
  3. http://www.belasletras.com.br/autores_detalhes.php?id=54
  4. a b c d http://www.fernandaabreu.com.br/abreugrafia/portugues/
  5. «Ok, você venceu… batatas fritas». Trash 80's. Consultado em 23 de outubro de 2016. 
  6. «Radiatividade». iTunes Store (BRA). Consultado em 23 de outubro de 2016. 
  7. «BLITZ 3». iTunes Store (BRA). Consultado em 23 de outubro de 2016. 
  8. http://memoriaglobo.globo.com/programas/entretenimento/infantojuvenis/blitz-contra-o-genio-do-mal/formato.htm
  9. a b «Fernanda Abreu 08/09/1961». CliqueMusic. Consultado em 2 de novembro de 2016. 
  10. http://memoriaglobo.globo.com/programas/entretenimento/novelas/mico-preto/trilha-sonora.htm
  11. http://memoriaglobo.globo.com/programas/entretenimento/novelas/meu-bem-meu-mal/trilha-sonora.htm
  12. a b c http://musica.terra.com.br/interna/0,,OI340832-EI1267,00-Fernanda+Abreu+estreia+selo+torcendo+pela+paz.html
  13. http://vejario.abril.com.br/materia/cidade/rio-40-graus-2
  14. http://culturaniteroi.com.br/blog/?id=2301&equ=municipal
  15. http://www1.folha.uol.com.br/fsp/1994/1/10/folhateen/18.html
  16. https://books.google.com.br/books?id=2gsEAAAAMBAJ&pg=PA41
  17. http://seuhistory.com/hoje-na-historia/lancado-o-album-da-lata-de-fernanda-abreu
  18. http://www.teledramaturgia.com.br/malhacao-trilha-sonora-2-1995/
  19. http://memoriaglobo.globo.com/programas/entretenimento/novelas/historia-de-amor/trilha-sonora.htm
  20. http://www1.folha.uol.com.br/fsp/1995/11/20/ilustrada/19.html
  21. http://www1.folha.uol.com.br/fsp/1996/5/03/ilustrada/26.html
  22. http://www1.folha.uol.com.br/fsp/1996/10/18/ilustrada/31.html
  23. Magalhães, Mário (14 de novembro de 1996). «Clipe do Rio-2004 terá Gil e Caetano». Folha de S. Paulo. Consultado em 2 de novembro de 2016. 
  24. «RAIO X». UOL. Arquivado desde o original em 15 de janeiro de 2005. Consultado em 26 de agosto de 2016. 
  25. a b c http://www1.folha.uol.com.br/fsp/1997/11/21/ilustrada/42.html
  26. Grillo, Cristina (3 de julho de 1997). «Fernanda Abreu quer provar que seu som é nacional». Folha de S. Paulo. Consultado em 26 de agosto de 2016. 
  27. «Raio X - Revista Raio X». Fernandaabreu.com.br. Consultado em 1 de novembro de 2016. 
  28. http://memoriaglobo.globo.com/programas/entretenimento/novelas/anjo-mau-2-versao/trilha-sonora.htm
  29. http://www1.folha.uol.com.br/fsp/ilustrad/fq071125.htm
  30. «Fernanda Abreu: Entidade Urbana» (em alemão). Nova Cultura. Abril de 2001. Consultado em 23 de abril de 2016. 
  31. http://web.archive.org/web/20050317213641/http://www2.uol.com.br/fernandaabreu/revista_intro.htm
  32. http://cultura.estadao.com.br/noticias/musica,fernanda-abreu-faz-show-em-sp,20011122p6528
  33. http://cliquemusic.uol.com.br/materias/ver/rock-in-rio-fernanda-abreu-revive-blitz-com-evandro
  34. «Novo single de Fernanda Abreu chega às rádios». Terra Networks. 20 de maio de 2004. Consultado em 1 de novembro de 2016. 
  35. http://www.terra.com.br/istoegente/259/diversao_arte/musica_na_paz.htm
  36. http://www.terra.com.br/istoegente/259/diversao_arte/musica_na_paz.htm
  37. https://omelete.uol.com.br/musica/artigo/novidades-musicais-27-07-2004/
  38. http://musica.terra.com.br/interna/0,,OI397162-EI1267,00.html
  39. «Fernanda Abreu abraça fórmula da MTV». Folha de S. Paulo. 7 de julho de 2006. Consultado em 15 de junho de 2016. 
  40. «FERNANDA ABREU». Cantoras do Brasil. Consultado em 15 de junho de 2016. 
  41. «Fernanda Abreu grava Ao Vivo MTV, no Teatro Carlos Gomes». O Fuxico. 26 de março de 2006. Consultado em 15 de junho de 2016. 
  42. «Fernanda Abreu lança CD e DVD na série MTV ao vivo». O Globo. 16 de maio de 2006. Consultado em 1 de novembro de 2016. 
  43. http://musica.terra.com.br/interna/0,,OI1037096-EI1267,00.html
  44. http://oglobo.globo.com/cultura/fernanda-abreu-lanca-seu-mtv-ao-vivo-no-canecao-4573598
  45. a b http://www.territoriodamusica.com/noticias/?c=41851
  46. http://oglobo.globo.com/cultura/fernanda-abreu-estreia-como-escritora-no-infanto-juvenil-meu-pequeno-vascaino-3210903
  47. «Elas cantam Roberto Carlos [2009]». Roberto Carlos - Site Oficial. Consultado em 2 de novembro de 2011. 
  48. http://www.territoriodamusica.com/noticias/?c=22920
  49. http://g1.globo.com/musica/rock-in-rio/2013/noticia/2013/06/elba-fernanda-abreu-e-ivo-meirelles-querem-carnavalizar-rock-rio.html
  50. «Notícias: Fernanda Abreu divulga repertório do álbum "Amor Geral" - Central da MPB». Central da MPB. 22 de janeiro de 2016. Consultado em 1 de novembro de 2016. 
  51. «Release Amor Geral» (PDF). Fernandaabreu.com.br. Consultado em 1 de novembro de 2016. 
  52. Guimarães, Cleo (1 de novembro de 2016). «Fernanda Abreu sobre seu show: 'Uma transa cheia de amor'». O Globo. Consultado em 1 de novembro de 2016. 
  53. Eça, Alexandre (2016-11-10). «Irresistível, Fernanda Abreu espalha amor pra geral em novo show». Música Estática. Consultado em 2016-11-15. 
  54. http://celebridades.uol.com.br/noticias/redacao/2012/05/02/termina-casamento-de-28-anos-da-cantora-fernanda-abreu-com-designer.htm
  55. http://extra.globo.com/famosos/fernanda-abreu-tem-novo-amor-baterista-paulista-tuto-ferraz-da-banda-grooveria-6739787.html
  56. «Megashow irá comemorar os 113 anos do Vasco». O Globo. 6 de agosto de 2011. Consultado em 7 de setembro de 2011. 
  57. «Fernanda Abreu lança música em homenagem ao Vasco no MegaShow». SuperVasco. 24 de agosto de 2011. Consultado em 7 de setembro de 2011. 
  58. «5 Para a Meia-Noite (VII) - Episódio 76 - 29 Abr 2013». RTP Play (www.rtp.pt). 29 de abril de 2013. Consultado em 2 de maio de 2013. 
  59. «Fernanda Abreu recebeu camisola autografada por Bruno de Carvalho (fotos)». A Bola. 1 de maio de 2013. Consultado em 2 de maio de 2013. 
  60. «Fernanda Abreu recebe camisola oficial». sporting.pt. 2 de maio 2013. Consultado em 2 de maio de 2013. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Wikiquote Citações no Wikiquote
Commons Categoria no Commons
Ícone de esboço Este artigo sobre uma cantora é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.