Fernanda Karina Somaggio

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Fernanda Karina Somaggio, depõe perante a Comissão de Ética e Decoro Parlamentar em 28 de junho de 2005.

Fernanda Karina Ramos Somaggio (Mococa, 22 de abril de 1973) foi uma secretária brasileira. Foi casada com Vitor Somaggio com quem tem uma filha. Atualmente casou-se novamente e mora no interior de São Paulo.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Karina trabalhou como secretária para o publicitário e empresário Marcos Valério na agência de propaganda SMPB e ganhou notoriedade no Brasil, por causa de uma entrevista que deu para a revista IstoÉ Dinheiro onde acusou integrantes do Governo Lula e do Partido dos Trabalhadores de envolvimento com atividades supostamente ilícitas praticadas por seu patrão.

Em depoimento à Comissão de Ética e Decoro Parlamentar da Câmara de Deputados do Brasil, ela afirmou que Valério fazia saques vultosos antes de viagens, e que esses saques chegavam a um milhão de reais. Ela também denunciou depósitos feitos por seu chefe supostamente com a finalidade de beneficiar políticos brasileiros.

Apesar de ganhar muita repercussão, na época, ela não apresentou provas contundentes sobre o que falou. Contudo, a maioria de suas declarações mostrou-se coerente e foi comprovada com as investigações que se seguiram. Com o fim do sigilo bancário das contas bancárias das empresas de Marcos Valério, pode-se verificar que uma grande quantidade de dinheiro era sacada periodicamente por políticos ou pessoas ligadas a políticos.

O depoimento de Karina tornou mais verossímeis as denúncias que o deputado brasileiro Roberto Jefferson fez contra integrantes da cúpula do Partido dos Trabalhadores, os quais, segundo ele, estariam a pagar mesadas para que parlamentares votassem a favor do governo. As denúncias geraram um escândalo de enormes proporções que ficou conhecido como escândalo do mensalão.

O ex-chefe de Karina, Marcos Valério, acusou-a de exigir dinheiro para ficar quieta sobre o que supostamente sabia sobre sua empresa. Em 22 de agosto o Superior Tribunal de Justiça (STJ) anunciou que a ação penal por crime de extorsão movida por Valério contra Karina deveria ser suspensa temporariamente por falta de coerência entre a denúncia e o depoimento de uma testemunha do caso.[1]

Karina recebeu a propostas da para posar nua para a Revista Playboy, por dois milhões de reais, mas não aceitou. Em 2006, candidatou-se a deputada federal pelo PMDB de São Paulo, mas não foi eleita.[carece de fontes?]

Mídia[editar | editar código-fonte]

(notícias)
Secretária de publicitário citado por Jefferson fala para revista sobre quem pagava o mensalão, mas depois volta atrás, 16 de junho, 2005
Fernanda Karina Somaggio denuncia Marcos Valério em entrevista para a revista brasileira Isto É - Dinheiro, mas nega depois para a Polícia Federal.
Secretária de publicitário diz que foi obrigada a mentir para polícia porque foi ameaçada, 22 de junho, 2005
Num novo depoimento para a Polícia Federal, a secretária confirma o que contou para a revista e diz que teve que mentir antes porque foi ameaçada.


Referências

  1. http://noticias.terra.com.br/brasil/crisenogoverno/interna/0,,OI638119-EI5297,00.html Ação contra Fernanda Karina é suspensa], Terra Networks, 22 de agosto de 2005.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]