Fernanda Venturini

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde março de 2013). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Fernanda VenturiniVolleyball (indoor) pictogram.svg
Voleibol
Nome completo Fernanda Porto Venturini Rezende
Representante Bandeira do Brasil Brasil
Nascimento 24 de outubro de 1970 (46 anos)
Araraquara (SP), Brasil
Nacionalidade brasileira
Compleição Peso: 68 kg Altura: 1,80 m
Posição Levantadora
Período em atividade 1984 - 2012

Fernanda Porto Venturini (Araraquara, 24 de outubro de 1970) é uma ex-jogadora de vôlei brasileira, que destacou-se na posição de levantadora, tanto em clubes quanto pela Seleção Brasileira. Foi 12 vezes campeã brasileira, disputou 4 Olimpíadas, faturou o bronze na Olimpíada de Atlanta-1996 e conquistou três títulos do Grand Prix (1994, 1996 e 2004). É a única brasileira entre as 4 melhores jogadoras do século XX, de acordo com a Federação Internacional de Vôlei (FIVB).

Carreira[editar | editar código-fonte]

Fernanda começou a praticar voleibol aos onze anos, por indicação médica, para corrigir um problema de escoliose. Em 1984, estreia competindo pela Sociedade Recreativa e de Esportes de Ribeirão Preto. Em 1987, sagrou-se campeã mundial pela primeira vez em Seul, Coreia do Sul. Em 1988, como atacante disputou as Olimpíadas de Seul, na posição de ponteira-passadora. Após o sexto lugar em 1988, devido à sua técnica apurada, habilidade e precisão nos fundamentos foi convencida a mudar de posição e aceitou o desafio de atuar armando as jogadas do time. Em 1989, torna-se bicampeã mundial em Lima, Peru, derrotando Cuba na final já na função de levantadora. Nos Jogos Olímpicos de Barcelona ficou em quarto lugar.[1]

Conquistou seu primeiro título sob o comando de Bernardo Rezende no Grand Prix de 1994,além de receber o prêmio de melhor levantadora. Na era Bernardinho ainda conquistou: três pratas no Campeonato Mundial de 1994, no Grand Prix de 1995 e na Copa do Mundo de 1995; o bronze nos Jogos Olímpicos de Atlanta, além de uma segunda medalha de ouro no Grand Prix de 1996.[1]

Em 1998, Fernanda decidiu não disputar o Grand Prix, porém retornou no segundo semestre para a disputa do Campeonato Mundial no qual o Brasil entrava como franco favorito para a medalha de ouro. A equipe, todavia, não se apresentou bem, e terminou a competição apenas com o quarto lugar. Ao final da disputa, Fernanda anunciou sua aposentadoria da seleção, mas continuou jogando em clubes. Depois de conquistar o vice-campeonato nacional jogando pelo Club de Regatas Vasco da Gama, ficou dezoito meses sem jogar, período em que deu à luz Júlia, sua filha com o técnico Bernardinho.[1]

Em 2000, na premiação feita pela Federação Internacional de Vôlei (FIVB) aos melhores atletas, equipes e técnicos do vôlei mundial, Fernanda Venturini foi a única brasileira entre as 4 maiores jogadoras do século XX. As outras três foram a cubana Regla Torres (vencedora), a russa Inna Ryskal e a chinesa Lang Ping.

Em 2002, contudo, foi convencida pelo técnico José Roberto Guimarães a buscar mais um título da Superliga e a voltar para a seleção, voltou a integrar a equipe a pedido do técnico. No retorno, estava em plena forma, com 2,5 kg a menos do que apresentava antes do afastamento e afiada na parte técnica. Tanto que não apenas conquistou mais um título da Superliga, como foi eleita a melhor levantadora e a melhor jogadora da competição. Fernanda, então, liderou o Brasil na conquista da medalha de prata na Copa do Mundo de 2003 e do título do Grand Prix do ano seguinte.[1]

Fernanda despediu-se pela segunda vez da seleção após as Olimpíadas de Atenas, quando a equipe brasileira deixou escapar uma vitória praticamente assegurada na semifinal contra a Rússia e terminou a competição em um inesperado quarto lugar. Aposentou-se em 30 de abril de 2006, após a vitória do Rexona-Ades na final da Superliga, que lhe garantiu o 12º título do campeonato nacional.

Em janeiro de 2007, interrompeu, pela segunda vez, sua aposentadoria. A jogadora assinou contrato com o Grupo Murcia 2002, equipe européia formada por grandes estrelas mundiais, entre elas a polonesa Małgorzata Glinka, a russa Lioubov Sokolova e as dominicanas Annerys Vargas e Prisilla Rivera. Fernanda liderou suas companheiras do Grupo 2002 Murcia na conquista dos principais torneios da Espanha: a Copa da Rainha e a Superliga Espanhola. Na Copa da Rainha, inclusive, Fernanda foi eleita a melhor levantadora do torneio.[1]

Em junho do mesmo ano, Fernanda Venturini foi contratada pela Rede Record, para atuar como comentarista durante as partidas da seleção feminina nos Jogos Pan-Americanos de 2007. Fernanda também foi contratada pelo Portal Terra, para contar os bastidores da competição e comentar o desempenho das jogadoras brasileiras.[1]

Durante os Jogos Olímpicos de 2008, Fernanda novamente comentou a competição de voleibol feminino no seu blog no Portal Terra.[1][2]

Em 2011, Fernanda Venturini voltou às quadras pela terceira vez e reforçou a equipe do Unilever para a temporada 2011/2012. Ela deixou a camisa 14 de lado e usou a camisa número 1. A equipe carioca, que além de Fernanda tinha estrelas como a oposta Sheilla e a ponteira Mari, ficou com o vice-campeonato da competição.

Em 2012, Fernanda foi homenageada pela Mattel do Brasil com uma versão olímpica da Barbie, inspirada em suas feições. A boneca, produzida especialmente para a ex-levantadora, usa uniforme da seleção brasileira e tem o número 14 estampado na camiseta.

Em 2014, participou da novela "Chiquititas", do SBT. Fernanda interpretou ela mesma, atuando como professora de vôlei na escola onde as chiquititas estudam e ensinando técnicas para uma boa partida.

Em 2016, Fernanda participou do quadro "Super Chef Celebridades", do programa "Mais Você", apresentado por Ana Maria Braga na Rede Globo. Ela disputou a competição com Julianne Trevisol (campeã), Minotauro, André Gonçalves, Eri Johnson, Mumuzinho, Danielle Winits e Carolina Oliveira.

Fernanda é casada desde 1999 com o técnico Bernardo Rezende (Bernardinho), com quem tem duas filhas, Julia e Vitória.[1] Atualmente, ela se dedica ao ciclismo, participa de competições como o L'Étape Brasil e o GNFY Brasil e diariamente posta fotos e vídeos da rotina de ciclista em sua página no Instagram (fernandaventurini_oficial).


Clubes[editar | editar código-fonte]

Clube País De Até
S.R.E Ribeirão Preto  Brasil 1984 1985
Pão de Açúcar E.C.  Brasil 1986 1987
Sadia E.C.  Brasil 1987 1991
Minas T.C.  Brasil 1991 1992
Nossa Caixa/Recra  Brasil 1992 1994
Leites Nestlé  Brasil 1994 1996
União E.C.  Brasil 1996 1997
Rexona/Curitiba  Brasil 1997 2000
C.R. Vasco da Gama  Brasil 2000 2001
A.D.C. BCN  Brasil 2002 2003
A.D.C. Finasa  Brasil 2003 2004
Rexona/Ades  Brasil 2004 2006
C.A.V. Murcia 2005 Flag of Spain.svg Espanha 2007 2007
Unilever  Brasil 2011 2012

Títulos[editar | editar código-fonte]

Clubes[editar | editar código-fonte]

Sciences de la terre.svg Mundial de Clubes

  • Campeã: 1991

South America (orthographic projection).svg Sul-Americano de Clubes

  • Campeã: 1989, 1990, 1991 e 1992

Brasil Superliga/Liga Nacional

  • Campeã: 1989, 1990, 1991, 1994, 1995, 1996, 1997, 1998, 2000, 2003, 2004 e 2006
  • Vice-campeã: 1992, 1999, 2005 e 2012

Espanha Campeonato Espanhol

  • Campeã: 2007

Espanha Copa da Rainha

  • Campeã: 2007

São Paulo Campeonato Paulista

  • Campeã: 1988, 1989, 1990, 1992, 1995, 2002 e 2003
  • Vice-campeã: 1986, 1994 e 1997

Rio de Janeiro Campeonato Carioca

  • Campeã: 2000, 2004, 2005 e 2011

Seleção[editar | editar código-fonte]

Olympic flag.svg Jogos Olímpicos

  • Bronze: 1996

Sciences de la terre.svg Campeonato Mundial

  • Vice-campeã: 1994

Sciences de la terre.svg Campeonato Mundial Sub-20

  • Campeã: 1987 e 1989

Sciences de la terre.svg Copa do Mundo

  • Vice-campeã: 1995 e 2003

Sciences de la terre.svg Copa dos Campeões

  • Terceiro lugar: 1997

Sciences de la terre.svg Grand Prix

  • Campeã: 1994, 1996 e 2004
  • Vice-campeã: 1995

South America (orthographic projection).svg Campeonato Sul-Americano

  • Campeã: 1991, 1995, 1997 e 2003

South America (orthographic projection).svg Campeonato Sul-Americano Sub-18

  • Campeã: 1986

Flag of PASO.svg Jogos Pan-Americanos

  • Vice-campeã: 1991

Suíça Montreux Volley Masters

  • Campeã: 1994 e 1995

Premiações individuais[editar | editar código-fonte]

Sciences de la terre.svg Grand Prix

Brasil Superliga

Espanha Copa da Rainha

Referências